Por: SentiLecto

– O novo panorama econômico e político que tem que prevalecer no mundo e no próprio país pós auge da crise gerada pelo Covid-19 vai trazer desafios ao roteiro traçado pela equipe do ministro Paulo Guedes de uma recuperação econômica impulsionada por investimentos privados. No plano doméstico, uma das preocupações é que a progressão dos marcos regulatórios e das reformas econômicas, considerados cruciais pelo próprio governo para dar segurança aos investidores, principalmente na área de infraestrutura, não avance em meio a um cenário político e social conturbado e a uma economia débil. Globalmente, a expectativa, segundo economistas, é que o protecionismo ganhe mais força entre as grandes economias no cenário de retração global, com a polarização Estados Unidos-China, que depois de o país ter atraído no ano passado investimentos estrangeiros diretos líquidos de 78,6 bilhões de dólares, ficando em quarto lugar no ranking global de maiores receptores de IED, o Banco Central já calculou, em março, que esse fluxo cairia para 60 bilhões de dólares este ano, dando a tônica das negociações entre os países e afetando negativamente as cadeias de produção mundiais, com reflexos também para o Brasil. A autoridade monetária atribuiu a retração, na ocasião, às incertezas relacionadas aos iefeitoseconômicos do Covid-19, ao enfraquecimento do comércio internacional e ao choque de pcustosdo petróleo. Desde então, ficaram mais evidentes os conseqüência negativos da crise sobre a entrada de recursos estrangeiros no país. Para abril, O BC projeta que os investimentos diretos caiam a 1,5 bilhão de dólares, frente a uma média mensal de 6,411 bilhões de dólares no primeiro trimestre. Quando sua estimativa é que o IED desaparece 55 bilhões de dólares, luís Afonso Lima não vê uma recuperação desses fluxos no próximo ano , o que seria o menor valor desde 2009 , auge da crise financeira mundial. Luís Afonso Lima é o diretor-presidente da Sobeet . Ele realça a piora do indicador de crescimento do país desprezíveis a desprezíveis o resto do mundo como um ponto determinante. Apesar de o grande mercado doméstico ainda ser fonte de pedido para investidores, a danificação dos indicadores econômicos é uma dificuldade. «Seremos menos atraentes para investimentos em 2020 e 2021. O mais provável é a gente perder participação, perder uma parte do bolo que já estará menor», declarou o economista. Faz 1 mês, o Fundo Monetário Internacional calculou que a economia brasileira padecerá retração de %5,3 este ano, mais do que o encolhimento de %3 estimado para a atividade mundial que seria o maior desde a crise de 1929., que seria o maior desde a crise de 1929. Para 2021, a projeção é de crescimento mundial de 5% e de 2,9% para o Brasil. O economista Helcio Takeda realça uma ampliação do patriotismo e do protecionismo no mundo como provável resultado direto da crise atual como outro obstáculo. O economista Helcio Takeda é consultor sênior da consultoria Pezco. Donald Trump tem ameaçado impor novas tarifas sobre a China, a quem culpa pelo surto do coronavírus que já custou mais de 80 mil vidas nos EUA e ameaça sua reeleição. Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos. Takeda, evidenciando que o movimento tende a padecer uma reversão e impactar os fluxos de investimento direto mesmo para o Brasil, uma economia historicamente fechada. alega: «O mundo vinha em uma trajetória de consolidar cadeias mundiais de produção». Ele vê o setor automotivo do país como um dos mais sensíveis a essa mudança, por se tratar de um segmento mais integrado a outros mercados consumidores e provedores. Mas Takeda realça que a indústria local, de uma maneira geral, é muito dependente de insumos importados, cuja oferta pode sentir o baque de uma economia mundial mais fechada. O economista espera uma retração dos fluxos de investimento direto nos próximos meses ou mesmo anos. Ele cogita que, em meio à grande liquidez disponível após as medidas tomadas pelas grandes economias na crise, o Brasil pode passar a receber um volume maior de recursos pela via financeira, por meio de fundos de investimento, por exemplo, mas ressalva que o país terá de se agitar para poder aproveitar essa chance. REGULAÇÃO Um ponto realçado como essencial tanto dentro como fora do governo é a urgência de o país estabelecer marcos regulatórios para os investimentos em infraestrutura além de progredir em medidas que melhorem o ambiente de negócios. Os marcos do saneamento e do setor elétrico, ambos em tramitação no Congresso, são alguns dos projetos assinalados como urgentes para destravar concessões. O governo também já mencionou que considera prioritário atualizar o arcabouço regulatório de cabotagem e ferrovias, assim como aprovar projeto que trata do Fundo de Universalização de Serviços de Telecomunicações. O ministro Guedes tem alegado que o país tem condições de ter uma recuperação relativamente célere, em formato de «V», impulsionada por taxas de juros baixas e pela entrada de investimentos nacionais e de fora, mas que isso depende em grande medida de uma modernização da regulação. Mansueto Almeida tem insistido no mesmo ponto. Mansueto Almeida é o secretário do Tesouro. Na última semana alegou: «Se vai haver ou não investimento em aeroportos, rodovias, saneamento, no setor de energia, tudo depende de construirmos marcos regulatórios adaptados atrativos». «FRICÇÃO INSTITUCIONAL» Alberto Ramos se declara decepcionado com o ritmo «altamente lento» das reformas até então e vê um cenário difícil para progressões pelo menos nos próximos dois anos. Alberto Ramos é chefe de pesquisa para América Latina da Goldman Sachs. «Houve uma ampliação do atrito institucional entre os diversos Poderes. Há um nível de ruído que levou a uma danificação da governabilidade e da habilidade de implementar algumas dessas reformas», alega. Para 2021, Ramos espera uma ampliação da procura na sociedade por mais gastos, que tende a encontrar reverberação no Congresso, e ele recorda que o ano seguinte é um fase eleitoral. Nesse contexto, que terá como pano de fundo uma economia fraca, com ociosidade bastante aumentada, ele vê o investimento «bastante mal». Lima, da Sobeet, também vê um cenário político mais adverso para a agenda reformista. «A política está mais complicada, com o Executivo se desentendendo com Legislativo, Judiciário. Essa aliança de forças ficará mais difícil.» O economista também lamenta a perda recente da proximidade política do país com China em meio ao processo de tensionamento das relações do gigante de Asipovicy com os Estados Unidos. «Caberia aproveitarmos dessa polarização para nos aproximar mais da China e também dos Estados Unidos, e não entrar em uma polarização que não é nossa», alegou.

– A JBS alegou nesta segunda-feira que seu conselho de gestão aprovou a doação de 700 milhões de reais para guerrazinha à pandemia da Covid-19. Desses soma para saúde pública, assistência social e suporte na ciência e tecnologia, informou a companhia em fato pertinente, adicionando os recursos com itens como máscaras de proteção, equipamentos de proteção individual, cestas básicas, leitos soma para saúde pública, assistência social e suporte na ciência e tecnologia, informou a companhia em fato pertinente, adicionando os recursos com itens como máscaras de proteção, equipamentos de proteção individual, cestas básicas, leitos de UTI e construção de clínicas. Soma é 400 milhões serão conduzidos ao Brasil. Soma é 400 milhões serão conduzidos ao Brasil.Os 300 milhões de reais restantes serão doados no exterior, majoritariamente nos Estados Unidos, adicionou a JBS.

Na terça-feira 28 de abril Donald Trump declarou que o país estava considerando testar passageiros de voos internacionais provenientes de locais com grande número de casos de coronavírus, adicionando que o Brasil podia ser incluído nesta Donald Trump declarou que o país estava considerando testar passageiros de voos internacionais provenientes de locais com grande número de casos de coronavírus, adicionando que o Brasil podia ser incluído nesta medida. Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos. Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: United States, China, Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>ANÁLISE-Cenário conturbado no Brasil e protecionismo complicam perspectiva para investimento no pós-crise
>>>>>JBS doará R$400 mi para combate à Covid-19 no Brasil e R$300 mi ao exterior – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 o Brasil 0 0 PLACE 5 o Brasil: 5
2 Alberto Ramos 40 130 PERSON 4 Alberto_Ramos (apposition: chefe de pesquisa): 1, Ramos: 1, (tacit) ele/ela (referent: Ramos): 1, ele (referent: Ramos): 1
3 Donald Trump 0 100 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Donald_Trump): 2, Donald_Trump (apposition: O presidente de os Estados_Unidos): 1, Donald_Trump (apposition: o presidente de os Estados_Unidos): 1
4 eu 7 2 NONE 4 (tacit) eu: 4
5 nós 50 0 NONE 4 nos: 1, (tacit) nós: 3
6 país 0 0 NONE 4 o próprio país pós: 1, o país: 3
7 cenário 0 165 NONE 3 um cenário político mais adverso: 1, um cenário político e social conturbado: 1, um cenário difícil: 1
8 Luís Afonso Lima 0 80 PERSON 3 Ele (referent: Luís_Afonso_Lima): 1, Lima de a Sobeet: 1, Luís_Afonso_Lima (apposition: O diretor-presidente de a Sobeet): 1
9 ponto 50 50 NONE 3 um ponto determinante: 1, Um ponto destacado: 1, ponto: 1
10 investimentos 80 0 NONE 3 investimentos privados: 1, investimentos: 1, os investimentos diretos: 1