Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – BRAlogo1

O Auxílio Brasil, novo programa social que pretende trocar o Bolsa Família, tem o objetivo de ampliar o valor dos pagamentos, assim como a base de beneficiários. Definiu-se nenhum de esses números no entanto, ainda. O que se sabe até agora é que a reformulação inclui três modalidades para crédito, além de bonificações complementares de acordo, por exemplo, com performances acadêmico e desportivo. Experts advertem que a nova estrutura tira o foco do essencial e poderá pagar mais dinheiro a quem precisa menos, deixando os mais vulneráveis à míngua.

B3 é a bolsa de valores oficial brasileira, acolhida na cidade de São Paulo.

No Bolsa Família, existe um pagamento básico para famílias na extrema pobreza, ou seja, que têm renda de até R$ 89 por pessoa. Elas recebem o crédito também de R$ 89. É possível somar a isso os benefícios variados: de R$ 41 por cada criança, adolescente de até 15 anos, gestantes ou nutrizes, com limite máximo de cinco beneficiários por casa; ou de R$ 48 para jovens de 16 e 17 anos, com limite de dois pagamentos por família. 89 por pessoa, tem direito a um complemento para sair da faixa da extrema pobreza, caso, mesmo recebendo esses pagamentos, a família não atinja a renda de R$. Já os grupos familiares considerados pobres, que têm renda entre R$ 89 e R$ 178 por membro, recebem somente as vantagens variadas, sem o pagamento básico.

A reformulação do programa, segundo a medida provisória publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira , estabelece três modalidades para a vantagem. Uma para primeira infância, destinada às famílias que ptenhamem sua composição crianças de até três anos incompletos, pago por integrante que se enquadre em tal situação; outra destinada a famílias com jovens de até 21 anos de idade; e a última para famílias da extrema pobreza, ainda que não tenham filhos.

Faz 1 ano, adotou se a medida inicialmente para segurar os empregos durante a crise decorrente de a pandemia de o novo coronavírus.

Viu isso? Estado do Rio recomeça prova de vida para aposentados e pensionistas em setembro

Para a ex-secretária nacional adjunta de Renda de Cidadania do governo federal, a socióloga Letícia Bartholo, a mudança pode parecer que oferece uma simplificação do sistema, mas tem problemas. Um deles é não estabelecer critério para o que vai ser considerado como pobreza e extrema pobreza, e outro é não definir os valores que serão pagos pela vantagem. Assim, o que antes era fixado por lei, poderá ser decidido por decreto.

— A MP não toca nas fragilidades, de modo que a gente fica quase sem materialidade para avaliar o efeito na pobreza — critica.

Apesar do presidente Bolsonaro ter anunciado a intenção de pagar R$ 400, há uma queda de braço entre a ala política e a econômica do governo. O presidente da Câmara, Arthur Lira afastou a ideia na semana passada. Ele declarou que «o Bolsa Família vai vir dentro do telhado de gastos, com um valor médio planejado em torno de R$ 300”. Também há expectativa de que 2 milhões de novos beneficiários sejam incluídos, mesmo sem nada ter sido definido ainda.

Sandro Maskio avalia que, no atual cenário de Brasil, com crescimento do desemprego e ampliação dos preços de vida, como alimentos e energia, nem o valor, nem o tamanho do programa seriam suficientes para lutar a desigualdade. Sandro Maskio é coordenador de estudos do Observatório Econômico da Universidade Metodista da São Paulo . Ratifica que ações de ajudinha são sempre importantes, com conseqüência imediatos, de curto e médio prazo, embora o crescimento econômico e a geração de chances de trabalho é que possam trazer um horizonte mais animador.

Além do pagamento básico, o novo programa social vai ter seis espécies de bonificações, que poderão ser acumulados, como a bolsa iniciação científica júnior, paga em 12 parcelas a alunos com boa performance em competições acadêmicas e científicas; a ajudinha esporte escolar, para alunos de 12 a 17 anos que se realcem em jogos escolares de Brasil; e a ajudinha criança cidadã, no caso de criança até dois anos incompletos que não encontre vaga em creches públicas ou privadas da rede conveniada; a ajudinha inclusão produtiva rural, pago por 36 meses a agricultores familiares inscritos no Cadastro Único; a ajudinha inclusão produtiva urbana, para quem estiver na folha de pagamento brasileira e comprovar vínculo de emprego formal; e a vantagem compensatória de transição, para famílias cadastradas no Bolsa Família que perderem parte da remuneração após a transição para o novo formato.

O auxílio-reclusão é um vantagem previdenciário no Brasil desde que ele não receba salário ou aposentadoria, pago pelo INSS aos dependentes do segurado recolhido na prisão , ou seja.

Diante de tantos objetivos pulverizados, a socióloga Letícia Bartholo teme que o coração dessa política pública se perca. Ela acredita que o essencial é trabalhar numa cobertura mais generosa, com valor maior, porque o país segue bastante aquém do que é necessário.

Cheque ainda: Caixa deverá indenizar correntista que teve saques não autorizados na conta do FGTS

— Se a verba é curto, por menor que sejam essas bonificações, estarão tirando dinheiro do essencial. Não que eu seja contra as bônus. Todo mundo deseja esses incentivos. O problema é fazer isso dentro de um mesmo programa social — analisa: — O Bolsa Família, que atua com transferência de renda, saúde e educação e foi um dos programas mais bem avaliados do mundo, sempre funcionou por causa da sua simplicidade.

A partir 2022: R$ 1,5 bilhão. Além do Sistema S, a proposta calcula recursos do Orçamento da União e do Fundo de Amparo aos Trabalhadores .

Para o economista da FGV Daniel Duque, associar o novo Bolsa Família à excelência edesportivaou auniversitáriatira o foco doacguerrazinhaà extrema pobreza e faz com que o programa tenha o seu imefeitoediminuídoSegundo seus cálculos, nesses critérios, seriam poucas pessoas atendidas e, mesmo assim, seriam as que menos precisam dentro do grupo em potencial. Dessa maneira, o Auxílio Brasil premiaria quem precisa menos, pagando altos valores, e destinaria aos mais vulneráveis as menores assistências.

Duque ainda se opõe aa ajudinha creche que, em sua visão, além de desincentivar os municípios a investirem em creches públicas por causa da existência de uma vantagem federal, também poderia animar pais a deixarem seus filhos em casa, com a intenção de receber a gratificação, o que seria positivo para a família no curto prazo, mas não a longo para a criança. Por fim, desaprova a ajudinha inclusão produtiva urbana:

— Todo mundo que estuda pobreza e desigualdade, sabe que se você tem carteira assinada, não está em situação de vulnerabilidade como outras pessoas no Brasil. Compreendo a preocupação de não desincentivar a busca pelo emprego formal. Mas não há estudos que quando oferece, mostrem que isso ocorre-se a vantagem.

Ao EXTRA, o Ministério da Cidadania declarou que «o novo programa social calcula o fortalecimento da rede de proteção social e cria chances de emancipação para a população em situação de vulnerabilidade». Também afirmou que o trabalho leva em conta uma série de programas já existentes, entre eles, o Programa Bolsa Família e que «o objetivo é aumentar o escopo das políticas sociais e atingir, com maior efetividade e responsabilidade fiscal, a missão de superar a pobreza e diminuir os conseqüência da desigualdade socioeconômica».

A nova formatação do Bolsa Família foca em indivíduos específicos, ao invés de aumentar a média mundial. A professora de Economia do Ibmec RJ Vivian Almeida explica que políticas de transferência de renda têm que ter o princípio de horizontalização, isto é, beneficiar as pessoas para que saiam do programa. Por isso, condicionar incentivos a resultados já revelados significa subverter a ordem.

A economista ainda opina que programas que permitam pessoas que não estão na base da extrema pobreza, mas que sem assistência não conseguem progredir obtenham Sucesso — como Fies, política de cotas e bolsas de iniciação científica — são importantes. No entanto, devem ser desenvolvidos de maneira separada.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Auxílio Brasil pagará mais a quem menos precisa e menos aos mais vulneráveis, avaliam experts
>>>>>Câmara renova a redução de salários e de jornada e cria bolsa para jovens no mercado de trabalho. Veja como vai funcionar – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 8 0 NONE 9 (tacit) eu: 8, eu: 1
2 pobreza 0 420 NONE 6 pobreza: 1, a extrema pobreza: 4, extrema pobreza: 1
3 ajuda 145 20 NONE 5 o auxílio inclusão produtiva rural: 1, o auxílio inclusão produtiva urbana: 1, ajuda: 1, o auxílio creche: 1, as menores ajudas: 1
4 Letícia Bartholo 60 0 PERSON 5 a socióloga Letícia_Bartholo: 2, Ela (referent: a socióloga Letícia_Bartholo): 1, (tacit) ele/ela (referent: a socióloga Letícia_Bartholo): 2
5 Duque 0 0 PLACE 5 a (referent: Duque): 1, Duque: 1, (tacit) ele/ela (referent: Duque): 3
6 r 0 0 NONE 5 R: 5
7 bonificações 0 0 NONE 4 bônus adicionais: 1, as bonificações: 1, bônus: 1, esses bônus: 1
8 mundo 0 0 NONE 4 Todo mundo: 3, o mundo: 1
9 programa 0 0 NONE 4 o novo programa social: 2, o programa: 2
10 programas 0 0 NONE 4 os programas: 1, programas: 3