Por: SentiLecto

PAULO/RIO DE JANEIRO – Os custos de combustíveis voltaram a cair e a alta dos alimentos retardou, levando a deflação a ganhar força no Brasil em maio e chegar ao platô mais baixo em 22 anos, em meio às consequências da pandemia de coronavírus. Quando os custos caíram 0,51%, o Índice Nacional de Preços, que maio marcou o segundo mês seguido de deflação e esse é o resultado mensal mais fraco para o índice desde agosto de 1998 , ao Consumidor Amplo registrou em maio queda de 0,38% depois de ter caído 0,31% em abril, informou Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira. Administradora da pesquisa, Pedro Kislanov estacou: «Três grupos merecem destaque em maio: transportes caíram menos obrigação à menor queda da gasolina, houve desaceleração nos alimentos e os artigos de residência saíram do negativo para positivo»,.Faz 1 mês, com isso a inflação acumulada foi ainda mais abaixo do piso de a meta oficial, chegando a %1,88 em maio, de %2,40 em o mês anterior. O objetivo de inflação para este ano é de 4% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. As expectativas em pesquisa da Reuters eram de recuo de 0,46% na variação mensal e alta de 1,80% em 12 meses. Tanto as medidas de isolamento para contenção do coronavírus quanto recentes diminuições no custo da gasolina pela Petrobras vêm influído a movimentação de custos no Brasil. Em maio, a maior pressão veio da queda de 4,56% nos custos dos combustíveis, levando o grupo Transportes a recuar 1,9%, embora tenha marcado um recuo menor do que o de 2,66% visto em abril. Faz 2 meses, a gasolina recuou %4,35, menos do que a queda de %9,31 O preço do etanol recuou 5,96% e do óleo diesel teve queda de 6,44%. Já as passagens aéreas recuaram 27,14%. Faz 1 mês, de os nove grupos pesquisados, cinco tiveram deflação, com quedas ainda em os custos Habitação, Vestuário, Saúde e Cuidados Pessoais e Despesas Pessoais. No lado das altas, os custos de Artigos de residência subiram 0,58% puxados pela alta dos artigos de TV, som e informática. “Essa ampliação pode ter relação com o dólar, com o conseqüência pass-through, quando a mudança na cotação impacta os custos na economia. E artigos eletrônicos normalmente são mais afetados porque têm bastante componentes importados. Então a desvalorização do real acaba impactando o custo desses produtos também”, explicou Kislanov. Já Alimentação e bebidas progrediu 0,24%, retardando ante a alta de 1,79% em abril. Cenoura e frutas , que haviam subido em abril, passaram a cair em meio, e contribuíram para que a alta da alimentação no domicílio passasse de 2,24% para 0,33% em maio. “O grupo dos alimentos voltou a ser o de maior peso por conta da pandemia. Como eles ficaram mais caros e os transportes mais baratos, houve uma mudança nos pesos do índice», declarou Kislanov. Os consumidores no países têm que permanecer cuidadosos em meio à crise econômica, que provocou uma contração de 1,5% da economia do país no primeiro trimestre, com o cenário aassinalandopara uma recessão histórica. O Banco Central volta a se reunir na próxima semana para decidir sobre a política monetária em meio a essa crise econômica, e a expectativa é de nova diminuição da taxa básica Selic, atualmente em 3%. Na pesquisa Focus mais recente realizada pelo BC junto a economistas, a expectativa é de que a inflação conclua este ano a 1,53%.

– Faz 1 mês, o Índice Nacional de Preços a o Consumidor Amplo passou, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira. Faz 3 meses, até março, o IPCA teve alta de %1,88, de %2,40 antes, em o acumulado de 12 meses. Faz 1 mês, Pesquisa da Reuters assinalou que a expectativa de analistas era de recuo de %0,46 acumulando em 12 meses progressão de %1,80.

Na segunda-feira 18 de maio com a economia em pé de combate contra o novo coronavírus, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo registrou uma queda de 0,31% — bem maior do que a esperada pelo mercado. Com isso, todas as expectativas estavam sendo revistas para abaixo, e estimava-se que, nos próximos meses, o indicador geral registraria deflação . No entanto, para experts, a diminuição podia não ser sentida pelas classes mais baixas.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Brasil tem deflação de 0,38% em maio e IPCA registra menor nível em 22 anos
>>>>>IPCA tem queda de 0,38% em maio, diz IBGE – June 10, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>IBGE reduz estimativa de safra de café do Brasil em 2020 – June 09, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Café deve seguir firme no Brasil mesmo ante estoques maiores, estima MacroSector – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Índice Nacional de Preços 0 140 ORGANIZATION 5 O Índice_Nacional_de_Preços: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Índice_Nacional_de_Preços): 1, O Índice_Nacional_de_Preços e esse: 2, (tacit) ele/ela (referent: O Índice_Nacional_de_Preços e esse): 1
2 queda 0 60 NONE 5 uma queda de %0,31: 1, queda de %6,44: 1, a queda de %4,56: 1, queda de %0,38: 1, a queda de %9,31: 1
3 Pedro Kislanov 50 0 PERSON 3 Pedro_Kislanov: 1, Kislanov: 2
4 Cenoura e frutas 40 0 PERSON 3 (tacit) eles/elas (referent: Cenoura e frutas): 1, Cenoura e frutas: 2
5 Consumidor Amplo 0 0 ORGANIZATION 3 o Consumidor_Amplo: 3
6 deflação 0 0 NONE 3 deflação: 3
7 preços 0 0 NONE 3 os preços: 3
8 transportes 0 80 NONE 2 transportes: 1, os transportes mais baratos: 1
9 expectativa 100 0 NONE 2 a expectativa: 2
10 expectativas 100 0 NONE 2 expectativas: 1, As expectativas: 1