Por: SentiLecto

– O mercado voltou a aumentar a expectativa para a inflação este ano em meio às renovadas preocupações sobre a alta dos pcustos ao mesmo tempo em que melhorou mais uma vez a perspectiva para a economia, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira. O levantamento semanal assinalou que a expectativa para a alta do IPCA em 2020 agora é de 1,99%, contra 1,94% na semana anterior e meta de 4%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Foi a sexta semana seguida em que houve ampliação da projeção. Os Índices Gerais de Preços vêm mostrando forte salto dos custos no atacado, o que inquieta o mercado geralmente, deixando-o de olho na reação do BC, que vai divulgar a ata de sua última reunião de política monetária na terça-feira. Em 1 ano, a expectativa para a inflação permaneceu em %3,01, para 2021. Para o ano que vem o centro da meta oficial é de 3,75%, também com margem de tolerância de 1,5 ponto. Para o Produto Interno Bruto , os experts consultados passaram a projetar contração de 5,05% este ano, de queda de 5,11% na semana anterior. A perspectiva de crescimento de 3,5% em 2021 permanece inalterada. Sobre a política monetária, continua o cenário de Selic a 2,0% este ano e a 2,50% em 2021. O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, continua vendo a taxa básica de juros a 2,0% ao final de ambos os anos. Na semana passada, o BC conservou a Selic na mínima histórica de 2,0%, sinalizou manutenção por um fase estendido, mas não fechou completamente a porta para novo afrouxamento monetário.

– O Banco Central conservou nesta quarta-feira a Selic em sua mínima histórica de 2% ao ano após nove cortes consecutivos, conforme esperado pelo mercado, e, num comunicado sem grandes novidades quanto à política monetária, reconheceu que a inflação deve aagilizarno curto prazo. O BC declarou: «Contribuem para esse movimento a alta provisória nos custos dos alimentos e a normalização parcial do custo de alguns serviços em um contexto de recuperação dos índices de mobilidade e do nível de atividade». Ao falar sobre seu balanço de riscos para a inflação, o Comitê de Política Monetária inseriu uma nova mensagem ao cogitar, quanto à pchanceda derrocada da economia produzir inflação abaixo do esperado, que a ociosidade está notadamente concentrada no setor de serviços. De qualquer maneira, o BC não mudou a avaliação de que há uma assimetria em seu balanço para o lado altista por duas razões já mencionadas em comunicado anterior. De um lado, o BC realça eventual elevação dos prêmios de risco pela frustração com reformas ou por políticas fiscais que degenerem de maneira estendida as contas públicas. De outro, a autarquia indica possibilidade de os programas da governo de estímulo ao crédito e de suporte direto à renda durante a crise do coronavírus impulsionarem a atividade para além do esperado. No comunicado, o BC também repetiu a existência de um pequeno espaço, se algum, para cortar os juros à frente. E reiterou a orientação futura, já divulgada anteriormente, de que não pretende aumentar a taxa básica «a menos que as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, estejam suficientemente próximas da meta» em seu horizonte pertinente, que atualmente inclui 2021 e, em grau menor, 2022. O BC frisou que o chamado «forward guidance» é condicional à manutenção do atual regime fiscal –o qual pcalculaobediência à renormao tetelhadoe gastos– e à ancoragem das expectativas de inflação de longo prazo. Em pesquisa Reuters, 37 de 38 analistas consultados haviam calculado que a taxa básica ficaria inalterada, com somente um deles estimando um corte para 1,75%. Faz 1 mês, com a resolução, o BC suspendeu um ciclo de afrouxamento monetário começado de o ano passado que contou com nove diminuições consecutivas de a Selic, redundando em uma redução total de 4,5 pontos. Em meio a diversas sinalizações públicas do BC de que agora haveria pouco ou nenhum espaço para cortar os juros e que a análise sobre eventual investida nesse sentido demandaria tempo, a manutenção dos juros básicos no atual platô não foi uma surpresa. As atenções se voltavam nesta quarta-feira para as mensagens da autoridade monetária, que majoritariamente reforçaram o que já havia sido sinalizado antes. INFLAÇÃO Com indicadores recentes mostrando uma aceleração na inflação, movimento que tem como pano de fundo uma elevação no custos dos alimentos, o BC adaptou seus cálculos para o IPCA. A conta da autoridade monetária para a inflação em 2020 agora é de alta de 2,1% pelo cenário híbrido, que considera a trajetória dos juros da pesquisa Focus e a taxa de cotação constante em 5,30 reais. Faz 1 mês, a autoridade monetária via um IPCA de %1,9 para este ano, em agosto. Também pelo mesmo cenário, a perspectiva passou a ser de elevação da inflação de 2,9% em 2021 e 3,3% em 2022 . No começo do mês, Fabio Kanczuk já havia declarado que o BC esperava uma elevação do IPCA nos próximos meses, com a alta recente nos custos das commodities Fabio Kanczuk é o diretor de Política Econômica do BC., mas que isso não influiria a política monetária diante da avaliação de que o movimento seria passageiro. A meta de inflação este ano é de 4,0%, caindo a 3,75% em 2021 e a 3,5% em 2022, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. No boletim Focus, as expectativas mais recentes são de inflação de 1,94% em 2020, 3,01% em 2021% e 3,5% em 2022. Em relação à atividade econômica, o BC seguiu aassinalandoque os indicadores recentes spropõemuma recuperação parcial, aadicionandoque essa rrecomeçada»é similar à que ocacontecem outras economias». O BC vai atualizar suas projeções para o Produto Interno Bruto no fim deste mês, em seu relatório trimestral de inflação. Até aqui, a expectativa era contração de 6,4% este ano, mas com viés de melhora. Nesta semana, o Ministério da Economia reafirmou sua estimativa de queda de 4,7% do PIB, ao passo que agentes de mercado preveem um tombo de 5,11% para a atividade. Quanto ao cenário externo, o BC adaptou sua visão para um ambiente «relativamente mais favorável», ante leitura anterior de que ele seguia desafiador para economias emergentes. O Copom, entretanto, cogitou que «há muito incerteza sobre a evolução desse cenário, frente a uma possível diminuição dos estímulos governamentais e à própria evolução da pandemia da Covid-19».- O Banco Central conservou nesta quarta-feira a Selic em sua mínima histórica de 2% ao ano, conforme expectativa quase unânime do mercado, e voltou a indicar a existência de um pequeno espaço, se algum, para cortar os juros à frente. No comunicado sobre a resolução, o BC também repetiu a orientação futura já divulgada anteriormente, de que não pretende aumentar a taxa básica «a menos que as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, estejam suficientemente próximas da meta» em seu horizonte relevante, que atualmente inclui 2021 e, em grau menor, 2022. No comunicado, o BC frisou que o chamado «forward guidance» é condicional à manutenção do atual regime fiscal –o qual pcalculaobediência à renormao tetelhadoe gastos– e à ancoragem das expectativas de inflação de longo prazo. Em pesquisa Reuters, 37 de 38 analistas consultados haviam calculado que a taxa básica ficaria inalterada, com somente um deles estimando um corte para 1,75%. – O tom negativo prevalecia na bolsa paulista nos primeiros negócios desta quinta-feira, em meio a um ambiente mais avesso a risco nos mercados externos, onde agentes financeiros ainda repercutem sinalizações aquém das expectativas do Federal Reserve na véspera. [nL1N2GD1LM] Um número acima do esperado para os pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos, embora retardando frente à semana anterior, corroborava o viés de baixa, assim como o de icomeçode construção de novas moradias naquele país.[nL1N2GD1LM][nL1N2GE0IG] Às 10:12, o Ibovespa caía 1,03 %, a 98.653,62 pontos. Da cena local, o Banco Central conservou a taxa Selic no piso histórico de 2%, após nove cortes seguidos, e, em comunicado sem grandes novidades quanto à política monetária, reconheceu que a inflação deve aagilizarno curto prazo.[nL1N2GD2KS] «Continuamos esperando que o Copom conserve a taxa Selic inalterada na próxima reunião… e condicione novos cortes de juros à trajetória fiscal e à mudança nas expectativas de inflação de longo prazo», afalegou analista de mercados emergentes do Julius Baer, Mathieu Racheter. Nesse contexto, permanece também o foco dos investidores do mercado de Brasil no cenário fiscal do país. Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro autorizou o relator do Orçamento a incluir na proposta orçamentária de 2021 a criação de um programa social com a mesma função do Renda Brasil. [nL1N2GD2B3]

Na terça-feira 08 de setembro – O mercado piorou a expectativa para a contração da economia brasileira neste ano depois de nove semanas seguidas de melhora, mostrou a pesquisa Focus realizada pelo Banco Central. Os experts consultados passaram a ver agora retração do Produto Interno Bruto em 2020 de 5,31%, contra queda de 5,28% estimada umantes. Para 2021, eles ainda veem crescimento de 3,50% do PIB. Ainda que a expectativa para a alta do IPCA este ano passou a 1,78%, o levantamento semanal assinalou , 0,01 ponto percentual a mais, com a inflação ainda sendo calculada em 3% para 2021. O centro da meta oficial de 2020 era de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Em 1 ano, ainda que a taxa básica de juros devia concluir 2020 em o atual nível de %2,0, a pesquisa com uma centena de economistas mostrou, com a expectativa de Selic a %2,88 em a mediana de as projeções permanecendo inalterada. Por sua vez, o Top-5, grupo dos que mais acertavam as previsões, aumentou a estimativa a taxa de juros neste ano a 1,88% de 1,75% antes, vendo ainda a Selic a 2,0% em 2021.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Experts aumentam perspectiva para inflação em 2020 pela 6ª vez, a 1,99%
>>>>>Banco Central mantém Selic em 2% e reconhece inflação maior no curto prazo – September 16, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Banco Central mantém Selic em 2% e reforça importância de teto de gastos para orientação futura – September 16, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ibovespa começa sessão abaixo de 99 mil pontos com exterior desfavorável e receios fiscais – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 BC 80 40 ORGANIZATION 24 o BC: 13, O BC: 2, (tacit) ele/ela (referent: o BC): 7, ele (referent: o BC): 1, (tacit) ele/ela (referent: O BC): 1
2 Selic 50 0 PERSON 8 (tacit) ele/ela (referent: a taxa Selic inalterada): 1, (tacit) ele/ela (referent: a Selic): 1, a taxa Selic: 1, a Selic: 4, a taxa Selic inalterada: 1
3 inflação 0 0 NONE 8 a inflação: 7, inflação de %1,94: 1
4 expectativa 300 90 NONE 6 a expectativa era: 1, a expectativa: 5
5 o Banco_Central 0 25 PLACE 6 (tacit) ele/ela (referent: o Banco_Central): 1, O Banco_Central: 2, o Banco_Central: 3
6 comunicado 0 0 NONE 6 um comunicado: 1, o comunicado: 3, comunicado: 1, comunicado anterior: 1
7 eu 0 0 NONE 5 (tacit) eu: 5
8 mercado 0 110 NONE 4 O mercado: 2, o mercado: 2
9 cenário 0 75 NONE 4 o cenário híbrido: 2, cenário: 1, o cenário externo: 1
10 atividade 60 0 NONE 4 atividade: 1, a atividade econômica: 1, a atividade: 2