Por: SentiLecto

– Com a alta dos custos da gasolina na esteira de uma recuperação dos câmbios internacionais do petróleo, os valores do combustível fóssil nas bombas do país ficaram sustentados pelas forças do mercado, afastando a necessidade de uma intervenção do governo reivindicada pelo setor de etanol no Brasil, declarou nesta segunda-feira o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele recordou que o setor de etanol havia reivindicado uma ampliação do tributo Cide na gasolina, para deixar o etanol mais competitivo durante a crise de procura que abateu a indústria de combustíveis por conta das medidas de isolamento para lutar o coronavírus. Mas, com a alta dos custos da Petrobras, que aumentou os câmbios em quatro chances durante maio –um ampliação acumulado no mês de 45%, em linha com as câmbios do petróleo Brent –, as forças mercadológicas atuaram, realçou o executivo. «O mercado depressa fez um trabalho que alguns desejavam que o governo fizesse, Faz 2 meses, os custos de a gasolina reagiram a partir do final e a alta mais do que compensou o imposto que muitos empresários advogavam…para tornar competitivo o etanol frente à gasolina», ddeclarouCastello Branco. A observação foi feito durante uma videoconferência promovida pela FGV Energia, quando questionou-se o executivo sobre o que deveria ser aperfeiçoado na indústria brasileira. «Neste sentido, o Brasil precisa melhorar bastante, precisa ter uma abertura maior a investimentos, para poder buscar efetivamente as riquezas que temo…», realçou. Faz 1 mês, o presidente Jair Bolsonaro que alegou de a Cide negou em o começo a alta, que sua política » é de não ampliar a o imposto «, ser questionado sobre o tema. Diante da negativa, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar vem buscando outras maneiras de suporte governamental, como um programa para financiamento dos estoques, para restringi o efeito negativo da queda na procura aos custos. Em nota nesta segunda-feira, ao comentar a queda no consumo de combustíveis, a Unica declarou que a criação de uma linha de financiamento utilizando os estoques como garantia seria uma solução de mercado que poderia evitar o agravamento da situação financeira do setor. As vendas totais de combustíveis no Brasil caíram 6,5% no primeiro quadrimestre, com o etanol hidratado recuando no mesmo fase mais de 11%, mais do que a diminuição de 9,5% vista no mercado de gasolina, segundo dados da reguladora ANP.

– Com fortes exportações para a China, a Petrobras conseguiu diminuir substancialmente seus estoques de petróleo, mesmo em meio a uma crise provocada pelo coronavírus em muitos mercados de combustíveis, declarou Roberto Castello Branco nesta segunda-feira. Roberto Castello Branco é o presidente da estatal. Em videoconferência promovida pela FGV Energia, ele explicou que, diante de uma greve de petroleiros da empresa em fevereiro, a companhia por precaução acumulou estoques. Logo em seguida veio a crise do coronavírus. Mas, com vendas externas, a companhia conseguiu diminuir o total estocado. O executivo, recordando que a procura da Ásia, especialmente da China, está impulsionando as exportações da companhia alegou: «Com exportações de petróleo cru e óleo combustível, conseguimos suprimi o excesso de estoques e hoje estamos com estoques muito baixos». Castello Branco lembrou que a empresa teve um «excelente» desempenho em abril, com embarques lembres puxados pelo grande cliente de commodities, a China. Faz 1 mês, ele não mencionou os embarques de a companhia. Mas, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo governo, houve um forte crescimento das exportações de Brasil, para 8,4 milhões de toneladas, ante 4,8 milhões no mesmo mês de 2019. – Os combustíveis fecharam a semana com leve alta nos postos de Brasil, suspendendo sequência de queda, mostraram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis nesta sexta-feira, após consecutivas ampliações da Petrobras no câmbio do diesel e da gasolina em suas refinarias. O diesel, combustível mais usado do Brasil, foi vendido nas bombas por em média 3,009 reais por litro, com ligeiro incremento de 0,07% na semana, após ter recuado durante todo o mês, de acordo com o levantamento de custos da ANP. Na gasolina, a alta foi maior, de 0,84%, para média de 3,835 reais por litro, marcando também a primeira alta no mês. A Petrobras, que domina o mercado de refino no Brasil, reajustou os custos da gasolina em 5% e os do diesel em 7% a partir de quarta-feira. A medida configurou o quarto ampliação consecutivo para a gasolina no mês de maio e o segundo para o diesel, após a empresa ter aplicado antes uma série de reduções nas cotações que acompanharam a queda no mercado internacional de petróleo e uma desvalorização do real. Enquanto o diesel acumula baixa de 35% mesmo com as ampliações recentes, ainda assim, a gasolina segue com diminuição acumulada nas refinarias no ano, de cerca de 31% , declarou a companhia na quarta-feira. A Petrobras defende que busca com sua política de custos seguir valores de paridade de importação, que levam em conta o petróleo no mercado internacional mais preços de importadores, como transporte e taxas portuárias, com efeito também da cotação. Mas os repasses dos custos para as bombas não são imediatos e dependem de uma série de fatores, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição compulsória de etanol anidro. Os custos do etanol também progrediram na semana, segundo os dados da ANP, com alta de 0,34%, para em média 2,542 reais por litro. – Faz 2 meses, as vendas de combustíveis em o Brasil aprofundaram quedas, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis , com pressão da pandemia de coronavírus sobre o consumo dos produtos. Faz 2 meses, segundo a ANP, as vendas totais de combustíveis em o país adicionaram 8,8 bilhões de litros, mês em que as medidas de isolamento para contenção de a Covid-19 se intensificaram. A cifra encarna queda de 23,3% na comparação com mesmo mês do ano passado e fez com que o acumulado de 2020 atingisse variação negativa de 6,5% em relação a 2019 –no acumulado do primeiro trimestre, a diminuição ano a ano era de 0,8%. Faz 2 meses, as vendas de diesel, combustível mais utilizado em o país, adicionaram 3,97 bilhões de litros, queda de quase %15 em relação a igual fase de o ano passado. No acumulado do ano, há um recuo de 2,1%, versus alta de 2,2% ao final de março. Faz 2 meses, segundo pesquisa de a NTCeLogística foi o mês em que a procura por transportes rodoviários de cargas em o Brasil atingiu seu menor nível desde o começo de a pandemia, chegando a exibi retração de quase %45 em a reta final de o mês em comparação com os níveis pré-coronavírus,. Faz 2 meses, outro derivado de petróleo, a gasolina registrou queda de %28,8 em as vendas em comparação com igual fase de o ano passado, a 2,27 bilhões de litros. No acumulado do ano, a variação negativa se aprofundou em cerca de 7 pontos percentuais, para -9,5%. Faz 2 meses, o etanol hidratado padeceu uma queda ainda mais significativa, de %33,3 em o ano a ano, com vendas de 1,2 bilhão de litros. A variação do acumulado de 2020 atingiu baixa de 11,3% em relação a 2019, ante -3,7% no acumulado do primeiro trimestre. Em nota o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar , Antonio de Padua Rodrigues declarou: «A comprovação da forte retração na procura sentida pelas unidades produtoras ressalta a necessidade de soluções estruturadas para o enfrentamento da crise». Faz 2 meses, o cenário só não foi negativo para o Gás Liquefeito de Petróleo novamente em comparação anual, a 1,13 bilhão de litros. O Gás Liquefeito de Petróleo é o gás de cozinha, cujas vendas tiveram alta de %4,6 em abril. Na variação do acumulado em 2020, o GLP tem alta de 4,8% em relação a 2019.

Na sexta-feira 15 de maio – Os custos da gasolina continuaram a cair nos postos do Brasil nesta semana, mostraram dados da reguladora ANP nesta sexta-feira, mesmo em meio à alta naosccâmbiosdo petróleo e depois de a Petrobras ter anunciado dois sexpressivosaampliaçõesdo combustível em suas refinarias no mês. Comercializou-se o litro de a gasolina em as bombas por em média 3,80 reais, ou %0,39 abaixo do visto npassada, em a décima quinta diminuição semanal consecutiva de os valores de o produto, de acordo com números de a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Faz 2 meses, o movimento de baixa continuou embora a Petrobras, que dominava o mercado de refinava em o Brasil, tenha anunciado uma alta de %12 de a gasolina em suas refinarias e uma ampliação de %10 a partir de 14 de abril. A tendência nos postos brasileiros também foi na contramão dos custos internacionais de petróleo, que subiram nas últimas três semanas à medida que alguns países a aliviavamrestrições e medidas de isolamento adotadas para impedir a propagação do coronavírus. Apesar desse movimento mais recente, os câmbios do petróleo ainda acumulavam perdas de cerca de 50% desde o começo de 2020 devido à menor dprocurapor combustíveis decorrente da pandemia. No mesmo fase, os custos da gasolina nos postos de Brasil tiveram uma queda total de 16,45%, segundo os dados da ANP. Já os reajustes da Petrobras cortaram em quase 40% os valores da gasolina na refinaria ao longo de 2020. A política de custos da Petrobras guiava-se por fatores como o mercado internacional de petróleo e a taxa de cotação. O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não era imediato e dependia de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição compulsória de etanol anidro. OUTROS COMBUSTÍVEIS No diesel, combustível mais usado do Brasil, os câmbios também caíram nos postos durante esta semana, em 0,7%, para 3,055 reais por litro. Enquanto a Petrobras já diminuiu os custos em 44% nas refinarias, no ano, o valor do diesel nas bombas acumulava retração de 19%. Nas últimas dias semanas, a estatal conservou estável o câmbio do combustível, apesar das elevações aplicadas à gasolina. O etanol hidratado, por sua vez, teve a maior queda semanal nos postos, de 1,2%, para em média 2,548 reais por litro. No ano o biocombustível acumulava recuo de 20%, mostraram os dados da ANP.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Mercado fez com gasolina o que setor de etanol desejava, declara CEO da Petrobras
>>>>>Petrobras está com estoques baixos de petróleo após fortes exportações, diz CEO – June 01, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Gasolina e diesel interrompem queda nos postos após reajustes da Petrobras – May 30, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Petrobras dará acesso a produtores de gás a suas unidades de processamento – May 27, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Vendas de combustíveis no Brasil aprofundam queda em abril, aponta ANP – June 01, 2020 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Petrobras 80 0 ORGANIZATION 10 A Petrobras: 1, (tacit) ele/ela (referent: A Petrobras de): 1, A Petrobras de: 2, a Petrobras: 5, (tacit) ele/ela (referent: A Petrobras): 1
2 alta 0 0 NONE 10 alta de %0,34: 1, alta de %4,6: 1, alta de %4,8: 1, alta: 1, a primeira alta: 1, a alta: 3, alta de %2,2: 1, A alta: 1
3 o Brasil 0 50 PLACE 8 o Brasil: 7, (tacit) ele/ela (referent: o Brasil): 1
4 eu 0 0 NONE 8 (tacit) eu: 8
5 gasolina 0 40 NONE 7 a gasolina: 7
6 queda 60 0 NONE 6 a maior queda semanal: 1, uma queda total de %16,45: 1, queda de quase %15: 1, queda de %28,8: 1, queda de %23,3: 1, uma queda ainda mais expressiva: 1
7 Roberto Castello Branco 0 0 PERSON 6 Ele (referent: Castello_Branco): 1, ele (referent: Roberto_Castello_Branco): 1, Castello_Branco: 2, Roberto_Castello_Branco: 1, Roberto_Castello_Branco (apposition: o presidente de a estatal): 1
8 esta 0 0 NONE 6 esta: 6
9 litro 0 0 NONE 6 O litro: 1, litro: 5
10 empresa 100 15 NONE 5 a companhia: 1, a empresa: 4