Por: SentiLecto

— Roberto Campos Neto calculou nesta quarta-feira que o Brasil tem que ter uma queda de «por volta» de %5 no PIB em 2020, seguida de uma recuperação de um «pouco mais» de %4 em 2021. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central . Ele participou de uma transmissão ao vivo da Bloomberg. O número para 2020 é um pouco maior do que o previsto pelo Ministério da Economia, de queda de 4,7%, mas menor do que a atual projeção do Banco Central, feita em junho, de uma diminuição de 6,4%. A projeção atualizada do BC deve ser divulgada no dia 24 de setembro. Campos Neto disse que a queda do PIB de 9,7% no segundo trimestre divulgado na terça-feira é um pouco como «olhar no espelho retrovisor» e que a economia já está melhorando. — Nós pensamos que o terceiro trimestre vai ser positivo e a dúvida é se o quatro trimestre vai crescer mais ou se o crescimento vai ficar um pouco mais lento por causa dos efeitos das despesas fiscais. Para 2021, o presidente do BC vê o crescimento um pouco melhor do que o previsto por agentes de mercado. O boletim Focus, que reúne as expectativas do mercado, assinala para um crescimento de 3,5% em 2021. — É claro que depende de muitos fatores externos e internos relacionados a forma que os agentes da economia veem nosso programa, a credibilidade que podemos gerar e a forma que a essas variáveis interagem. Campos Neto mencionou três dimensões que têm que determinar a volta do crescimento da economia global, a preocupação com a inclusão e a sustentabilidade ambiental, um movimento intensivo de tecnologia e mudanças no comércio mundial, com uma produção mais desconcentrada de produtos. — No nosso caso, é importante ser inclusivo, porque as pessoas pobres no Brasil precisam ser assistidas e precisamos contar para o mundo que nós ligamos e nos inquietamo com o crescimento sustentável. Na mesma transmissão, o presidente do BC voltou a evidenciar o protagonismo do controle de gastos no governo. Segundo ele, não há juros e inflação baixos sem controle fiscal. — No caso do Banco Central, eu sempre declaro que nós não somos o motorista, nós somos o passageiro. O motorista é o fiscal. É inimaginável ter juros baixos e inflação baixa com indisciplina fiscal. Segundo o presidente do BC, o governo precisa reforçar a mensagem de que é sério sobre a disciplina fiscal, sobre a manutenção do telhado de gastos e do crescimento puxado pelo setor privado. — O futuro é voltar para o que pensamos que faz sentido para o Brasil e o que faz sentido é disciplina fiscal, um crescimento que é puxado pelo privado e não público, para melhorar a eficiência, para abrir a economia, para privatizar, reduzi o tamanho do estado. Acho que estamos na mesma direção, e a Covid encarna um desvio para o Brasil, nosso fiscal ficou pior porque precisávamos cuidar das pessoas. Também sobre os gastos do governo, principalmente com a ajudinha emergencial, Campos Neto declarou que o governo precisa cuidar da população, mas também prestar atenção às lrestriçõesfiscais. — Tinham pessoas que eram invisíveis ao governo antes do programa. O programa conseguiu identificar as pessoas, podemos fazer coisas com elas, por exemplo, estamos falando de programas de microcrédito, temos que conservar a economia se movendo, mas precisa dar empregos, acho que esse é o próximo desafio.

– Roberto Campos Neto alegou nesta quarta-feira que a queda do Produto Interno Bruto neste ano terá que ficar por volta de %5 , seguida por um crescimento de %4 em 2021. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. Ao participar virtualmente de acontecimento promovido pela Bloomberg, ele também realçou ver pouco ou nenhum espaço para corte da Selic, após o BC ter reduzido a taxa básica de juros em 0,25 ponto em agosto, ao patamar atual de 2% ao ano. Sobre a atividade, Campos Neto declarou que a retomada está acontecendo em V, mas que tem que haver desaceleração à frente. Ele alegou que a performance do PIB no terceiro trimestre terá que ser positivo, sendo que a dúvida é quanto à expansão no quarto trimestre, se irá caumentarmais ou dretardar O BC, evidenciou ele, tende a achar que os últimos três meses do ano serão melhores do que o calculado pelo mercado. – A economia de Brasil já deixou para trás o fundo do poço da crise provocada pelo coronavírus, depois de registrar contração recorde no segundo trimestre, mas a recuperação a platô pré-pandemia ainda vai tardar mais de um ano e vai permanecer suscetível ao estado deprimido do mercado de trabalho e aos riscos associados à questão fiscal, de acordo com eexpertsconsultados pela Reuters. Após retração histórica do Produto Interno Bruto brasileiro de 9,7% no segundo trimestre sobre os três meses anteriores, a atividade regressou aos níveis vistos em 2009, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta terça-feira. [L1N2FY0SN] Embora sinais de recomeçada já sejam evidentes, principalmente na indústria e no varejo, esses ganhos vêm na esteira de medidas de estímulo, que têm duração restringida. «Esses impulsos de curto prazo são importantes, mas essencial é o médio prazo, cinco a dez anos. Quando tirar todas essas assistências, o ponto central é , qual vai ser a posição da economia e qual vai ser a taxa de crescimento de médio prazo?», alegou Flávio Serrano, economista-chefe do banco Haitong. «Existe sim esse trabalho de recuperação de curto prazo com sustentação da renda, mas quanto vai ficar comprometido para as gerações futuras?», completou. Nesta terça-feira, o governo anunciou a extensão da ajudinha emergencial pago a vulneráveis, confirmando que o valor a ser pago até o final do ano vai ficar em 300 reais mensais. A guerrazinha ao coronavírus também teve ampliação do crédito, programa de proteção ao emprego e flexibilização monetária. Entretanto, a saúde fiscal brasileirabrasileirabrasileira surpreende tanto o governo quanto os mercados financeiros, pressionando o real BRBY> recentemente e erguendo questões sobre um furo do telhado de gastos. A própria Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia realçou nesta terça-feira que é preciso continuar com a agenda de reformas e de consolidação fiscal para que a retomada econômica seja «consistente». Os dados do PIB mostraram que houve perdas acentuadas em segmentos que são grandes empregadores, como indústria, comércio e transportes, o que ergue precaução quanto à qcaracterísticae velocidade da retomada do emprego. «A questão do emprego vai ser determinante para a característica de recuperação da economia. O governo está inquietado e até estendendo os incentivos, mas o empresário ainda vai ficar receoso de fazer investimentos para expansão, que é onde teria recuperação Ricardo Jacomassi realçando que ainda vai levar um ano para o emprego voltar ao nível de 2019. Ricardo Jacomassi é o economista-chefe da TCP Partners. Ricardo Jacomassi é o economista-chefe da TCP Partners. SERVIÇOS O setor de serviços –um grande empregador e o que vem mostrando recuperação mais lenta– tombou 9,7% no segundo trimestre sobre o primeiro, maior queda da série histórica. Mayara Santiago, pesquisadora da área de Economia Aplicada do FGV IBRE, calcula que o segmento voltará a aumentar na margem no terceiro trimestre, mas ainda com perdas na comparação anual. «O consumo como víamos não voltará de imediato, e há muita incerteza sobre como vai ser essa norma de conduta», declarou Santiago. «Olhando o peso dos serviços da composição do PIB, acaba que o crescimento da economia, nesse cenário, fica comprometido», adicionou. O IBRE calcula contração de 5,4% da economia em 2020 e expansão «em torno de» 2,5% em 2021. Já o governo estima que o PIB contrairá 4,7% este ano e Em 1 ano, aumentará %3,2. O Itaú Unibanco tem uma estimativa melhor –de queda de 4,5% neste ano e de crescimento de 3,5% para 2021, o que deve auxiliar a levar o PIB no quarto trimestre do ano que vem aos níveis de antes da pandemia. O economista Luka Barbosa avaliou que a economia tem se recuperado de maneira «robusta» e não somente a reboque do estímulo emergencial, que ele coloca na quarta posição entre os elementos favoráveis ao PIB –depois de juros baixos, recuperação mundial e queda no isolamento social. O ponto de alerta, segundo ele, está relacionado sobretudo à política fiscal. U alego: «O risco é conservar a ajudinha emergencial, não retirá-lo.. «É preciso uma política fiscal sustentável para o juro continuar baixo. Sem isso, o juro sobe, você tem aperto nas condições financeiras e então um efeito negativo na atividade.» A taxa Selic –que baliza os empréstimos no país– está na mínima recorde de 2% ao ano, mas os juros de médio e longo prazo têm subido por causa do receio de investidores com as contas públicas, o que encarece o preço de financiamento do população e do setor produtivo. O Santander Brasil vê possibilidades de a economia recomeçar platô do início deste ano somente no começo de 2022 e alegou que, depois dos números divulgados nesta terça, seu viés de alta para o PIB «se apagou». O banco estima crescimento entre 6% e 6,5% para o terceiro trimestre e de retração de 6,4% em 2020, antes de expansão de 4,2% em 2021. «Estamos inquietados com o telhado de gastos. Uma perda a esse dispositivo vai ter implicações na confiança e nas condições financeiras, afetando todo o processo da recomeçada», alegou o superintendente de pesquisas macroeconômicas do Santander Brasil, Maurício Oreng, acreditando que o consenso de mercado –de queda de 5,28% do PIB neste ano– ande para a casa dos 6% de baixa.- Roberto Campos Neto declarou nesta quarta-feira que a autoridade monetária não trabalha com nível de custo para a cotação e que poderá intervir «pesadamente» caso ache necessário. Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central. Ao participar virtualmente de acontecimento promovido pela Bloomberg, ele recordou que, em algum momento no percurso do dólar para o platô de 6 reais, houve a avaliação interna de que a cotação estava descolado. O BC iria intervir mais pesadamente e se preparou para tanto, mas a moeda norte-americana começou a se estabilizar e voltar em direção aos 5 reais. Segundo Campos Neto, se os mesmos problemas de disfuncionalidade identificados no passado forem novamente vistos, o BC vai estar pronto para comportar-se «pesadamente». Sobre a volatilidade cambial, ele reiterou visão já externada de que o BC não dispõe de instrumento válido para combater contra o movimento. O BC segue estudando os fatores que estão provocando a volatilidade, completou ele, mencionando a execução de mais contratos pequenos e a utilização do real como hedge.

Na terça-feira 25 de agosto Cármen Lúcia deu um prazo de 48 horas para Roberto Campos Neto explicar a resolução de arremessar a nova cédula de R$ 200. Cármen Lúcia é a ministra do Supremo Tribunal Federal . Roberto Campos Neto é o presidente do Banco Central . A profissão foi enviado ao BC nesta terça-feira.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Presidente do Banco Central calcula alta de 4% do PIB em 2021, após queda de 5% em 2020
>>>>>Campos Neto vê PIB -5% em 2020 e +4% em 2021, pouco ou nenhum espaço para cortar Selic – September 02, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Setor público consolidado tem déficit primário de R$81 bi em julho – August 31, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Estoque de crédito no Brasil sobe 1% em julho, diz BC – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Tesouro prevê dívida pública de até R$4,9 tri em 2020, com prazo mais curto por coronavírus – August 28, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo central tem déficit primário de R$87,835 bi em julho, melhor que esperado – August 28, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Controle de despesa de pessoal é ainda mais importante em cenário de incertezas, diz Funchal – August 24, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Rumo levanta R$6,4 bi em oferta de ações a R$21,75 por papel – August 25, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Superávit em transações correntes do Brasil alcança US$1,628 bi em julho, acima do esperado – August 25, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo autoriza transferência de R$325 bi de resultado cambial do BC para o Tesouro – August 27, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Ministério Público vê risco de ‘pedalada fiscal’ na transferência de R$ 400 bi do BC para o Tesouro – August 25, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Campos Neto prega cuidado na transferência de resultado do BC ao Tesouro – August 24, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Governo eleva em R$6 bi limite de operações de crédito de entes do setor público em 2020 – August 24, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Economia da Turquia encolhe quase 10% no 2º tri com impacto de pandemia – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Dívida bruta salta 10,7 pontos até julho e chega ao patamar recorde de 86,5% do PIB – August 31, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Inadimplência tem mínima recorde em julho apesar de crise por Covid-19, aponta BC – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Top-5 passa a ver Selic a 1,75% neste ano – August 31, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>ANÁLISE-Volta do PIB a nível pré-pandemia levará mais de 1 ano e ficará vulnerável a fiscal e mercado de trabalho – (Extraoglobo-pt)
>>>>>BC não tem nível de preço para câmbio e poderá intervir pesadamente se necessário, diz Campos Neto – September 02, 2020 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 50 155 NONE 16 nos: 1, nós: 3, (tacit) nós: 12
2 Roberto Campos 50 0 PERSON 9 Campos_Neto: 4, Roberto_Campos_Neto (apposition: o presidente de o Banco_Central): 1, Roberto_Campos_Neto (apposition: O presidente de o Banco_Central): 3, Ele (referent: Roberto_Campos_Neto): 1
3 eu 60 70 NONE 8 eu: 1, (tacit) eu: 7
4 governo 0 60 NONE 8 o governo: 7, O governo: 1
5 BC 0 0 ORGANIZATION 8 O BC: 3, o BC: 3, ele (referent: o BC): 1, ele (referent: O BC): 1
6 esta 120 0 NONE 7 esta: 7
7 crescimento 50 0 NONE 7 o crescimento puxado: 1, o crescimento sustentável: 1, crescimento: 1, um crescimento de %4: 1, um crescimento de %3,5: 1, um crescimento: 2
8 pessoas 0 210 NONE 4 pessoas: 2, as pessoas: 1, as pessoas pobres: 1
9 forma 80 0 NONE 4 a maneira: 1, maneira: 2, forma robusta: 1
10 Focus 0 0 PERSON 4 O boletim Focus: 2, (tacit) ele/ela (referent: O boletim Focus): 2