Por: SentiLecto

– O Estado de São Paulo registrou um número recorde de mortes diárias pela Covid-19 em meio ao processo de reabertura de setores da economia, mostraram dados da secretaria estadual de Saúde divulgados nesta terça-feira. De acordo com os dados, exibidos em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, São Paulo tem 9.522 mortes provocadas pela Covid-19, enfermidade respiratória provocada pelo novo coronavírus, um acréscimo de 334 novos óbitos em relação ao número exibido na segunda-feira. O Estado tem ainda 150.138 casos confirmados da enfermidade, uma alta de 5.545 novas infecções em 24 horas. O recorde anterior de óbitos em 24 horas ocorreu na terça-feira da semana passada, quando 327 novas mortes foram registradas. Os dados anunciados às terças-feiras muitas vezes refletem casos do fim de semana que nse os registraram não em o sábado ou em o domingo.Apesar do recorde de novas mortes, José Henrique Germann declarou que a pandemia em São Paulo vive um «crescimento de baixa velocidade» e que a média de crescimento de óbitos tem se conservado na casa de %3,5. José Henrique Germann é o secretário de Saúde do Estado de São Paulo. «Nós continuamos na mesma média de crescimento, que é de 3%, 3,5% do número de óbitos. Eu declararia para vocês que nós estamos passando por um crescimento de baixa velocidade, vamos declarar assim. É bastante duro, difícil falar assim com relação a óbitos, principalmente para nós, mas falando de cenários, falando do nosso trabalho, de tudo que nós temos feito, é assim que nós devemo estudar, analisar e deduzi e com isso direcionar os nossos trabalhos», declarou o secretário. Também presente na entrevista coletiva, o coordenador cordovês em São Paulo, Carlos Carvalho, declarou que o Plano São Paulo, como foi batizada a estratégia de reabertura de setores da economia do Estado, não leva em conta momentos isolados da pandemia, mas sim a conduta dela nos últimos sete dias. Declarou: «Ao invés de olhar momentos isolados, estudos transversais, nós olhamos estudos longitudinais, olhamos uma média ao longo de sete dias, para podermos ter essas diluições dessas eventuais oscilações por ‘n’ motivos». «O número de óbitos muitas vezes reflete infecções que aconteceram dias, semanas atrás, e não necessariamente os acontecimentos agudos atuais», adicionou. De acordo com os dados da secretaria, entre o dia 27 de maio e 2 de junho, foram registradas 1.571 mortes por Covid-19 no Estado. Já entre 3 de junho e esta terça-feira foram 1.528. O Plano São Paulo calcula a reabertura de setores da economia em períodos e por regiões. Se classificou a capital paulista por exemplo a capital paulista, por exemplo, em o período 2 que permite o funcionamento com limitações de o comércio,, de shoppings centers, de concessionárias de veículos e de escritórios. Até o momento, no entanto, a prefeitura liberou somente o funcionamento de concessionárias e escritórios. Experts alegam que a reabertura da economia em um momento em que os casos de Covid-19 estão em expansão no país pode agravar o pico da pandemia.

– O número de mortes que tiveram como provoca a síndrome respiratória aguda grave dispararam mais de 13 vezes desde o começo deste ano na comparação com o mesmo fase do ano passado, mostraram dados de cartórios, que também assinalaram crescimento de 12% no número de pessoas que faleceram em casa. As ampliações desses números ocorrem em meio na pandemia de Covid-19 que já matou mais de 37 mil pessoas no Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde. A pandemia de Covid-19 é enfermidade respiratória provocada pelo novo coronavírus. Em 94634 anos, ainda de acordo com os dados de os cartórios, foram registrados em este ano 96.654 mortes em casa, contra 86.309 em o mesmo fase de 2019. Os dados assinalam ainda que, das pessoas que faleceram em casa, se diagnosticaram e 566 999 com Covid-19 com SRAG. Os dados do registro civil até esta terça são parciais, pois os cartórios têm um prazo para introduzi seus números na plataforma, que é resultado de uma determinação do Conselho Nacional de Justiça.

Na quarta-feira 27 de maio – Os shoppings centers e o comércio da cidade de São Paulo poderão reabrir com limitações durante 15 dias a partir de 1º de junho, de acordo com plano de reabertura gradual da economia do Estado de São Paulo anunciado pelo governador João Doria , pelo prefeito Bruno Covas e por secretários estaduais. De acordo com o plano, que calculava regras para afrouxamento das normas adotadas vigentes até 31 de maio para travar a disseminação do coronavírus, a cidade de São Paulo se enquadrava no período 2 da reabertura, que permitia também o funcionamento com limitações de escritórios, atividades imobiliárias e concessionárias de veículos. Ações de siderúrgicas, que fizeram grandes cortes de produção desde o começo da pandemia no país por causa na queda da procura por aço de setores como o de veículos, lideravam as altas do Ibovespa nesta tarde. Usiminas saltava 12% e Gerdau e CSN disparavam quase 9%. As cidades da região metropolitana da capital foram enquadradas no período 1 da reabertura, que permite somente o funcionamento –além das atividades consideradas imprescindíveis– da indústria não imprescindível e da construção civil. O mesmo ocorreu com as regiões da Baixada Santista e de Registro, que também não teriam qualquer flexibilização nas normas atuais neste momento. O plano, anunciado em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, calculava a reabertura da economia paulista em cinco períodos. As regiões do Estado progrediriam para o período seguinte de acordo com a melhora em critérios como o crescimento de casos de Covid-19, enfermidade respiratória provocada pelo novo coronavírus, e a disponibilidade de leitos de UTI para tratar a enfermidade. Doria declarou que o novo período da quarentena em São Paulo, que batizou de «retomada consciente», ocorreria até o dia 15 de junho, mas advertiu que se os índices da pandemia piorarem, as autoridades do Estado podiam voltar atrás. O governador declarou: » era um novo período, uma nova prática, que permitirá em alguns locais, em algumas áreas, uma retomada gradual e segura de atividades». » desejava adverti, no entanto, que a retomada consciente parte do princípio da cooperação de todos e da assistência conjunta. Mas parte também do princípio que nós estaríamos monitorando dia a dia a evolução do processo e o respeito à ciência e à medicina. Se tivermos que recomeçar medidas que agora estaríamos flexibilizando gradual, parcialmente, de maneira heterogênea, não hesitaríamos em fazê-lo para proteger vidas, sedevermo darr um passo atrás.» Quando os setores admirados com a reabertura na capital poderiam sugeri protocolos de funcionamento, bruno Covas declarou que haveria uma entrevista coletiva para informar. Prefeito isse: «Nós explicaremos de que maneira, a partir de quando, os setores vão poder exibi à prefeitura os seus protocolos, que serão validados pela vigilância sanitária do município, assinados com o prefeito da cidade, para que eles possam rrecomeçara sua atividade econômica»,.De acordo com Covas, a prefeitura aumentou a oferta de leitos de UTI e adotou medidas que ampliaram o isolamento social na capital o que, segundo ele, permitiu um achatamento da curva da pandemia na cidade e abriu espaço para a flexibilização. Além da capital paulista, regiões importantes do interior do Estado –como Campinas, Ribeirão Preto, Sorocaba e Taubaté– também foram enquadradas no período 2 do plano de reabertura. Se as enquadrou em o período 3, que incluía bares e restaurantes também com limitações, as regiões de Presidente Prudente, Araraquara-São Carlos, Bauru e Barretos. Enquadrou-se nenhuma região de o Estado em o período 4 que englobava academias de ginástica que calculava a abertura de todos os setores,, ou em a 5, desde que sejam seguidos protocolos de saúde. Os quatro primeiros períodos do plano não preveem o funcionamento de espaços públicos, de teatros e cinemas e a promoção de acontecimentos geralmente que envolvam a aglomeração, incluindo os desportivos.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>SP registra recorde de mortes diárias por Covid-19 em meio a reabertura
>>>>>Mortes por síndrome respiratória disparam mais de 13 vezes em meio à pandemia, mostram cartórios – June 09, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 0 25 NONE 13 (tacit) nós: 6, nós: 5, Nós: 2
2 fase 0 0 NONE 8 uma nova fase: 1, a fase: 6, a fase seguinte: 1
3 reabertura 0 0 NONE 6 a reabertura: 5, reabertura: 1
4 mortes 0 350 NONE 5 1.571 mortes: 1, 8.086 mortes: 1, mortes: 1, 9.522 mortes causadas: 1, 327 novas mortes: 1
5 São_Paulo 0 70 PLACE 5 São_Paulo: 5
6 coronavírus 0 100 NONE 4 o novo coronavírus: 4
7 Doria 0 0 OTHER 4 (tacit) ele/ela (referent: Doria): 3, Doria: 1
8 capital 0 0 NONE 4 A capital paulista por_exemplo: 1, a capital: 2, capital paulista: 1
9 casa 0 0 NONE 4 a casa de %3,5: 1, casa: 3
10 entrevista 0 0 NONE 4 a entrevista coletiva: 1, uma entrevista coletiva: 1, entrevista coletiva: 2