Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Pieter Bruegel d

Quaresma vai ao Bessa com o desafio de quebrar um curioso «enguiço»O onze provável do Benfica para a visita ao Rio AveItália nos ares e João Almeida à frente: a espetacular partida da 15.ª etapa do Giro»Vietto pune o FC Porto», «polémica» e «muita classe» de Corona: o clássico visto lá foraZé Luís dá cartas na Rússia: entrou para o lugar de Éder e fez istoFoi com espetáculo aéreo que foi dado o sinal de partida para a 15.ª etapa da Volta a Itália, com o de Portugal João Almeida a dirigi o pelotão, com a camisola rosa vestida. Espreite o vídeo.

Português suportou bem um dia de muita montanha e ainda mais chuva.João Almeida conservou a camisola rosa da Volta a Itália para um décimo dia consecutivo, tendo resistido aos ataques na 12.ª etapa, com 204 quilómetros com partida e chegada a Cesenatico, cidade de Marco Pantani.A tirada foi quando ainda faltavam mais de 180 quilómetros, ganha pelo equatoriano Jhonatan Narváez, da Ineos, que se revelou o mais forte de uma escapada formada para o final de uma jornada com cinco contagens de montanha.O português da Deceuninck-Quick Step ainda chegou a ser ajudado pelo seu compatriota Rúben Guerreiro nos momentos mais difíceis e concluiu no pequeno pelotão dos favoritos, controlado nos últimos quilómetros pelos seus colegas de equipa.Português foi segundo numa 13.ª etapa que ele a ​​​​​​​Deceuninck-Quick Step controlaram, permitindo ainda Rúben Guerreiro pontuar na montanha.João Almeida em 1979, partirá no sábado de rosa para o contrarrelógio, naquele que vai ser o seu 11. João Almeida é o corredor mais novo a liderar a Volta a Itália em vários dias consecutivos desde Giuseppe Saronni. seu 11.º dia no topo da classificação.A 13.a Deceuninck-Quick Step , com 192 quilómetros entre Cervia e Monselice , controlou ª etapa a partir da segunda de duas curtas montanhas , tendo sido ganha por Diego Ulissi , em a frente de Almeida em um sprint bastante apertado. português poderia ter mesmo conseguido o triunfo na etapa, que fugiu por alguns centímetros.Ciclista de Portugal conservou a liderança do Giro.João Almeida conservou esta quinta-feira a camisola rosa na Volta a Itália. Após a 12.ª etapa, o ciclista de Portugalde Portugal da Deceuninck-QuickStep admitiu os obstáculos sentidos e a alegria por conservar a liderança, não esquecendo o trabalho da equipa.»Foi bastante difícil, hoje estava mesmo bastante frio, a chover, vento… Foram quase seis horas em cima da bicicleta nestas condições. Há que estar mentalmente forte e preparado para estas etapas, no final acabou tudo bem para mim. Estou contente por ter conseguido conservar a camisola rosa mais um dia», iniciou por declarar.»A equipa fez novamente um trabalho perfeito e estou-lhes bastante grato. Cada dia mais é um bom dia para mim», concluiu.

Na sábado 10 de outubro Vasily Sergeyevich Kulkov atuou ao serviço de Benfica, FC Porto e Alverca, conquistando um total de quatro troféus em Portugal.Faz 54 anos, Vasily Sergeyevich Kulkov em a extinta União Soviética, foi um de os mais célebres futebolistas de nacionalidade russa, que começou a jogar em 1986, a atuar nos relvados de o futebol de Portugal, pisados em a última década de o milénio passado. quando Kulkov aterrou em Lisboa, corria o ano de 1991 , juntamente com o compatriota e colega de ofício Yuran, companheiro de muitos jogos. Faz 31 anos, em a bagagem, ostentava um troféu de campeão de a Liga da URSS, conquistado a o serviço de o Spartak de Moscovo.Ingressou no Benfica, então treinador pelo sueco Sven-Goran Eriksson, e logo se assumiu como uma das principais figuras da equipa encarnada, ao participar em 30 jogos e ao marcar cinco golos.Kulkov tardou exclusivamente uma temporada a aumentar o palmarés pessoal. Faz 28 anos, em a qual disputou mais 21 jogos por as » águias » fez o gosto a o pé por duas vezes foi companheiro de o de Rusia Mostovoi o antigo médio festejou, em o Estádio do Jamor, a conquista de a Taça de Portugal, em a época 1992-93 e.Na temporada seguinte, a terceira e última de «águia» ao peito, protagonizando depois uma sonante transferência entre portas, Kulkov disputou mais 26 desafios, festejou quatro remates certeiros e tornou-se num dos poucos jogadores de Rusia a sagrar-se campeão nacional em Portugal.No Verão de 1994, o país futebolístico como que parou com a bombástica notícia de que Kulkov iria percorrer 300 quilómetros em direção a norte, para encarnar o FC Porto, o histórico adversário das «águias» que era treinado por Bobby Robson, juntamente com Yuran.Na cidade Invicta, o antigo médio internacional russo sagrou-se bicampeão nacional, auxiliando o FC Porto a recuperar o título perdido na época anterior e ainda celebrou a conquista da Supertaça Cândido Oliveira. De «dragão» ao peito, atuou em 27 partidas e assinalou dois golos.No final da época dourada 1994/95, Kulkov retornara à terra natal, mas ainda haveria, já no final da carreira de futebolista, de voltar a Portugal. Faz 25 anos, a 1997, o médio tornou a encarnar o Spartak de Moscovo por o qual venceu uma liga de Rusia,, teve uma passagem intermédia por o Millwall, de 1995 , e ainda jogou no Zenit e no Krylya Sovetov .Rostito ao anúncio da morte de Kulkov, feito este sábado, o símbolo de São Petersburgo endereçou condolências à família, amigos e antigos colegas do ex-jogador e treinador rde RusiaApós a ultimava experiência num clube da Rússia, Kulkov embarcou novamente rumo a Lisboa, desta feita para o Alverca, símbolo ribatejano que encarnou num total de 20 jogos na época 1999/00.Culpado pela sua vinda para Portugal, o antigo empresário de Kulkov, Paulo Barbosa, em declarações ao Diário de Notícias, reagiu «à triste notícia» da morte do ex-futebolista de Benfica, FC Porto e Alverca e revelou os gestos recentes de FC Porto e Benfica.»Ele tinha esperança [em derrotar o cancro]. Mas infelizmente não conseguiu ganhar este combate. Foi um enorme jogador de futebol e era uma pessoa especial. Ele adorava Portugal e há cerca de um ano satisfez um grande sonho: sabia que o FC Porto e o Benfica lhe mandaram as camisolas que tinha pedido. pelava nossa ligação, era uma notícia bastante triste», o ex-agente.Vasily Sergeyevich Kulkov padecia de um carcinoma de células escamosas e tinha estado em tratamento de quimioterapia numa clínica de Krasnogorsk, a noroeste de Moscovo. combatia contra o cancro há mais de um ano e morreu, este sábado, aos 54 anos, naquela que foi o maior combate da vida.

O Tempo da Quaresma é o fase do ano litúrgico que precede a Páscoa cristã, sendo festejado por algumas igrejas cristãs, dentre as quais a Católica, a Ortodoxa, a Anglicana, a Luterana.

João Pedro Gonçalves Almeida é um ciclista de Portugal, membro da equipa Deceuninck-Quick Step.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: United States, Russian Federation, Portugal

Cities: Corona, Porto

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>A expressão de João Almeida no inacreditável arranque da 15.ª etapa do Giro
>>>>>Giro: Narváez ganha 12.ª etapa e João Almeida continua de rosa – (ojogo-pt)
>>>>>Os centímetros que separaram João Almeida da vitória na 13.ª etapa do Giro – (ojogo-pt)
>>>>>João Almeida: «Foi muito difícil hoje, há que estar mentalmente forte e preparado» – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 290 60 NONE 10 (tacit) eu: 9, mim: 1
2 Kulkov 0 30 PERSON 10 Kulkov: 6, a (referent: Kulkov): 1, (tacit) ele/ela (referent: Kulkov): 3
3 Vasily Sergeyevich Kulkov 120 40 PERSON 7 Vasily_Sergeyevich_Kulkov: 3, (tacit) ele/ela (referent: Vasily_Sergeyevich_Kulkov): 4
4 etapa 0 0 NONE 4 ª etapa: 2, a etapa: 2
5 Portugal 50 0 PLACE 3 Portugal: 3
6 João Almeida 40 0 PERSON 3 João_Almeida: 2, João_Almeida (apposition: o corredor mais novo): 1
7 Quaresma 25 0 PERSON 3 (tacit) ele/ela (referent: Quaresma): 2, Quaresma: 1
8 quilómetros 0 0 NONE 3 300 quilómetros: 1, 192 quilómetros: 1, os últimos quilómetros: 1
9 espetáculo 0 160 NONE 2 espetáculo aéreo: 2
10 notícia 25 80 NONE 2 uma notícia muito triste: 1, a bombástica notícia: 1