Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

Se escutou outros líderes de o sector de o Desporto além de Fernando Gomes, esta quarta-feira em a Audição Pública da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto. Cheque algumas das intervenções.José Manuel Araújo, vice-presidente do COP: «A resposta do Governo foi zero, nenhuma das a AR aprovou nossas propostas , incluindo aquelas que não tinham implicação em a ampliação de a despesa. Um suporte extraordinário deve vir o mais rapidamente possível e já vem tarde para resolver os problemas de todos os clubes, principalmente os da formação. Noutras áreas não foi preciso tantos estudos para se dar uma resposta.»Pedro Sequeira, presidente da Confederação de Treinadores: «Já não é possível o argumento de que está tudo bem, não está nada bem. O primeiro-ministro exibiu várias causas da propagação do vírus mas o extradito aparece somente com cinco por cento. O extradito é altamente coordenado, com exames regulares. Quando os clubes deixaram de pagar, os treinadores jamais pararam mesmo , não fizeram passeatas, merecem respeito. O desporto está em risco de colapsar.»Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo: «Desejamo competir, correr, desfrutar das grandes provas e estamos já sem paciência para treinos e provas virtuais. Tivemos uma quebra de 37 por cento em desportistas filiados e, iremos perder toda a nossa dinâmica, se não houver uma oferta de quadros competitivos. É fundamental um fundo de suporte do Governo ao desporto. A AR tem rejeitado todas as nossas propostas e isso é uma machadada para as associações.»António Silva, presidente da Federação Portuguesa de Natação: «Não houve suporte ao desporto em qualquer sede, ao contrário por exemplo, da cultura. Tivemos uma grande diminuição de clubes, 20 por cento, por asfixia financeira [durante a pandemia].»

Presidente da FPF falou na Audição Pública da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto em representação das federações de futebol, andebol, patinagem, voleibol e basquete.Na intervenção que protagonizou esta quarta-feira na Audição Pública da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, através de videoconferência, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol asseverou que o sector esportivo, na sua globalidade, «não recebeu um cêntimo para lutar um conjunto de despesas e acréscimo de preços de um processo pandémico que dura há quase um ano».Fernando Gomes exigiu a elaboração de uma «estratégia de recomeça» e enfatizou a necessidade de «começar o treino sem limitações na formação».»Uma das grandes preocupações tem a ver com a inatividade no seio do movimento associativo, nomeadamente nos escalões de formação. Estas federações tiveram uma diminuição total de 65 por cento das desportistas inscritas na formação masculina e feminina. Desses desportistas inscritos somente 13% têm atividade esportiva. Significa isto que ao nível da formação destas cinco federações que têm cerca de 250 mil desportistas inscritos em 2019/2020 exclusivamente 14 mil – 6% – estão a praticar atividade esportiva. Não entendemo esta situação de inatividade atendendo que existem vários países onde foi possível conservar a atividade da formação, nomeadamente nos escalões de 10, 11 e 12 anos, onde foi confirmado que o nível de propagação do vírus é diminuído», iniciou por frisar Fernando Gomes, que assinala para o exemplo do futebol sénior, com I Liga, segundo escalão e Campeonato de Portugal em plena competição:»O Estado deve questionar-se sobre o porquê de não existir atividade de formação tendo como exemplo as atividades seniores do futebol, que, seguindo orientação da DGS, contribuíram para a eliminação e propagação do vírus através de uma testagem massiva. O Estado deve questionar-se ainda sobre o que vai ser mais arriscado para a propagação da enfermidade: três mil espetadores num recinto fechado a assistir a um concerto ou três mil a assistir a um jogo de futebol num recinto aberto?», afiançou o presidente da FPF, tocando no assunto do público nos estádios. E prosseguiu.»Exige-se por isso a definição de uma estratégia de recomeça através da organização de competições e indicação de uma data de referência para o começo do treino sem limitações na formação. Exige-se ainda a clara identificação de fundos de suporte ao Desporto para resgatar milhares de clubes, entidades e associações esportivas que, de outra maneira, depressa vão sumir. Recordo que em outubro o Bloco de Esquerda exibiu um projeto à Assembleia da República, aprovado em 4 de dezembro, para a criação de um fundo de asuporteao Desporto. Este se o publicou em Diário da República a 5 de fevereiro e, até hoje, o Desporto na sua globalidade não recebeu um cêntimo para lutar um conjunto de despesas e acréscimo de preços de um processo pandémico que dura há quase um ano. É tempo de comportar-se», rematou Fernando Gomes.

Na quarta-feira 27 de janeiro Declarações de João Paulo Rebelo esta quarta-feira.O memorando de entendimento assinado para centralizar os direitos televisivos no futebol profissional até 2027/28 era «uma boa notícia», alegou o secretário de Estado da Juventude e do Desporto.A Federação Portuguesa de Futebol e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional assinaram um memorando de entendimento para concretizarem a centralização dos direitos televisivos até 2027/28, anunciaram os dois organismos.»O que era anunciado era uma boa notícia, porque era já um entendimento espontâneo, não forçado pela legislação», declarou o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, que falava aos jornalistas após uma visita a uma estrutura de retaguarda de guerrazinha à covid-19, instalada no Hospital Militar de Coimbra.O secretário de Estado lembrou que o Governo estava a preparar legislação no sentido de garantir a centralização da venda dos direitos de transmissão televisivos, sendo que o diploma estava concluído e teria que ir «dentro de poucas semanas» a Conselho de Ministros para ser aprovado.Este acordo, aprovado pelas direções dos dois organismos, visava instituir uma sociedade, nos próximos meses, tendo «como único finalidade» a «administração do processo de negociação centralizada dos direitos de transmissão televisiva das competições profissionais».»A FPF e a LPFP consideravam que a administração centralizada dos direitos de transmissão televisiva constituía uma ferramenta nuclear para um desenvolvimento agilizado do futebol profissional em Portugal», lia-se no comunicado divulgado no sítio oficial da FPF na Internet, adicionando que este trabalho » teria, como não poderia deixar de ser, o permanente envolvimento das sociedades esportivas participantes nas competições».Os dois organismos que regiam o futebol e as competições profissionais da modalidade » acreditavam que, no limite, até 2027/2028, esta mudanças estaria deduzida».

O ar é a mistura de gases que compõem a atmosfera da Terra.

Bemvindo Pereira de Sequeira é um ator, humorista, autor e diretor de teatro, cinema e TV brasileiro.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Desporto ao ataque: «Resposta do Governo foi zero, o suporte já vem tarde»
>>>>>Fernando Gomes exige retoma dos treinos na formação e atira: «Desporto não recebeu um cêntimo» – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Desporto 0 0 ORGANIZATION 7 o Desporto: 5, Desporto: 1, (tacit) ele (referent: o Desporto): 1
2 nós 50 70 NONE 5 (tacit) nós: 5
3 Fernando Gomes 0 0 PERSON 5 (tacit) ele/ela (referent: Fernando_Gomes): 2, Fernando_Gomes: 3
4 O Estado 0 70 PLACE 4 (tacit) ele/ela (referent: O Estado): 3, O Estado: 1
5 Sequeira 0 0 PERSON 4 o (referent: Sequeira): 1, (tacit) ele/ela (referent: Sequeira): 2, Sequeira: 1
6 eu 0 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
7 era 0 0 NONE 3 era: 3
8 organismos 0 0 NONE 3 Os dois organismos: 2, os dois organismos: 1
9 combater um conjunto de despesas e acréscimo de custos de um processo pandémico 0 100 NONE 2 combater um conjunto de despesas e acréscimo de custos de um processo pandémico: 2
10 processo 0 100 NONE 2 um processo pandémico: 2