Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Arco Triunfal da Rua Augusta, Plaza del Comercio, Lisboa, Portugal, 2012-05-12, DD 02

Presidente da Federação de Motociclismo indica a O JOGO que o calendário tem que passar por Portugal no próximo ano, garantindo que em 2022 o regressoPresidente da Federação de Motociclismo indica a O JOGO que o calendário tem que passar por Portugal no próximo ano, garantindo que em 2022 o retorno já estava acordado. Presidente da Federação de Motociclismo é manuel Marinheiro. Presidente da Federação de Motociclismo é manuel Marinheiro. Quanto a Miguel Oliveira, acredita no título mundialAcabou o Grande Prémio de Portimão, mas há grandes possibilidades de o MotoGP voltar em 2021. Assim, confirma a O JOGO o presidente da Federação Portuguesa de Motociclismo, Manuel Marinheiro. «Havia um pré-acordo para que o circuito estivesse de reserva em 2021, mas é bastante provável que tenhamos o MotoGP novamente para o ano», alega, perspetivando-se um retorno ao sul em abril. Portugal concorria com Indonésia e Rússia pelo lugar de Brno, da República Checa, e poderá ter conquistado o concurso pela «organização de excelência.»Lembre-se que para 2022 já estava acertada a passagem da prova rainha do motociclismo por Portugal. «Estava calculado fazer parte do calendário e contamos que assim seja. Depende sempre dos investimentos e suportes, sabendo como nos dá regresso tanto económico como por termos um português a brilhar.»A Miguel Oliveira dedicou vocábulos elogiosos: «Foi um dia bastante importante. O Miguel é um desportista de exceção. Tinha conseguido já um triunfo e a resolução, motivação e proficiência permitiram-lhe dominar esta corrida, em Portimão. Ninguém chegou perto dele. Pode combater por pódios, por triunfos, e atingiu uma tal maneira na carreira que, estando entre os melhores do mundo, pode ser campeão, claro.»

Jorge Viegas fala num «sonho realizado» com a vitória de Miguel Oliveira em Portugal. Jorge Viegas é o presidente da Federação Internacional de Motociclismo. O retorno da competição ao Algarve, em 2021, é uma chance e as equipas têm feito pressão para que tal ocorra.O de Portugal Jorge Viegas declarou que ver um português a ganhar o Grande Prémio de Portugal era «um sonho de décadas que foi realizado». O de Portugal Jorge Viegas é o presidente da Federação Internacional de Motociclismo .Em declarações à Agência Lusa, Jorge Viegas senfatizouque oatvitóriade hoje de Miguel Oliveira na corrida de MotoGP foi «uumvtriunfoffantástico, que «não deixou dúvidas a ninguém», pelo que «tudo se conjugou para que tenha sido um enorme sêxito.O presidente da FIM enfatizou: «É um sonho de há umas décadas ter um português a vencer em MotoGP e ainda por cima como foi e em Portugal, era um objetivo que tinha».Jorge Viegas enfatizou que o Grande Prémio de Portugal «foi um êxito» e que tem havido «imensa pressão para o campeonato voltar» ao Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.Por isso, o dirigente máximo do motociclismo global acredita que o pelotão vai estar de volta ao Algarve «em abril».»Há uma pressão enorme de todas as equipas, que declaram que deve fazer parte do calendário», frisou.Jorge Viegas declarou ainda acreditar que os triunfos de Miguel Oliveira contribuirão para a ampliação de praticantes da modalidade em Portugal.»Acho que atrairá mais miúdos e miúdas para este desporto. Não tenho qualquer dúvida. A federação em Portugal já começou a sentir maior adesão às academias de pilotos. Com esta mediatização do Miguel, atrairá mais jovens, sem dúvida», realçou.A concluir, Jorge Viegas mostrou convicção de que vai ser possível ver o português campeão.»É o passo seguinte. Será bastante difícil. Toda a gente sabe que é dos títulos mais difíceis, mas o Miguel já está lá e ganhou duas corridas este ano. Cá estamos para o apoiar», deduziu.Miguel Oliveira conclui época com «a sensação de que podia ter feito mais»Miguel Oliveira concluiu a segunda temporada em MotoGP na nona posição, com 125 pontos, quase quatro vezes mais do que na época de estreia, mas com a «sensação de que podia ter feito mais».Num campeonato atípico e com menos seis corridas do que o calculado devido à pandemia do novo coronavírus, Miguel Oliveira sadicionou125 pontos contra os 33 de 2019, época em que falhou as duas últimas corridas devido a lesão, não pontuando num total de nove corridas.O piloto da Tech3 chegou a esta temporada com um oitavo lugar como melhor classificação, lugar que repetiu logo na prova de abertura, em Jerez de la Frontera , naquele que seria um dos piores resultados da época.Em 2020, o português não pontuou por quatro vezes, três delas por queda .O GP de Aragão foi a única em que concluiu fora dos pontos , sendo, a par do 11.º na Riviera de Rimini, as duas únicas provas que deduziu fora dos 10 primeiros lugares.Num campeonato atípico, com nove ganhadores diferentes em 14 corridas, o campeão Joan Mir venceu somente uma jornada , adicionando 171 pontos, que em 2019 tinham dado direito somente ao oitavo lugar.No ano passado, o campeão Marc Márquez , que este ano padeceu uma queda na prova de abertura e ficou afastado do resto do campeonato, adicionou 12 triunfos e 420 pontos.Esta temporada, Miguel Oliveira adicionou quatro sextos lugares duas triunfos, um oitavo, um 11. Quatro sextos lugares são dois quintos.º e um 16.º, concluindo a somente 14 pontos do terceiro classificado, o espanhol Alex Rins , que fez 139.Sexto lugar, a posição em que concluiu mais vezes esta época, tinha adicionado mais 20 pontos, garantindo a terceira posição do campeonato, se tivesse deduzido as duas corridas em que foi abalroado em, por exemplo.»Não sei o que poderia ter ocorrido. Sei que fiquei a 14 pontos de terceiro classificado. Agora é fácil olhar para trás e declarar o que poderia ter sido se isto ou se aquilo. Mas devemo ficar com o melhor de todas as corridas e tentar melhorar», frisou, em resposta à Agência Lusa.Para 2021, ano em que o desenvolvimento das motas ficou congelado, Miguel Oliveira mostra-se «otimista».»Não sei qual vai ser um objetivo realista em termos de classificação, mas vou ter uma nova aventura em mãos, numa nova equipa, e talvez possa combater mais por pódios», enfatizou.Ainda assim, fazendo a retrospetiva do campeonato de 2020, fica a sensação de que podia ter feito «algo mais».»Concluir o ano com duas triunfos é bom. O [espanhol] Pol [Espargaró, da KTM oficial] conseguiu mais pódios em corridas difíceis, em que concluí perto mas não o suficiente para estar no pódio. Faz-me pensar que talvez pudéssemos ter feito um pouco melhor», disse.Miguel Oliveira revelou ainda que no começo da época, como «vinha de uma lesão», procurou «fazer quilómetros e acumular experiência». «Ver, a cada corrida, o que podia melhorar», acrescentou.A próxima temporada tem já delineado um calendário de 20 corridas, sendo que a evolução da pandemia pode colocar a execução de algumas delas em risco, sobretudo no continente de America, devido às viagens necessárias.Por isso, o presidente da Federação Internacional de Motociclismo acredita que Portugal, que tem Portimão como circuito de reserva, pode voltar a sediar um GP.O piloto de Portugal alega: «Sente-se algo no estômago».O piloto português Miguel Oliveira considerou esta sexta-feira «uma sensação fantástica» correr em casa «mesmo sem público», depois do primeiro dia de treinos livres do Grande Prémio de Portugal de MotoGP, que se disputa até domingo no Algarve.Em declarações aos jornalistas através da plataforma Zoom, Oliveira enfatizou que «é essa sensação que reina em cima da mota».»É uma sensação fantástica. Mesmo sem público, de cada vez que saio para a pista sinto-me estimulado para fazer bem. É essa a sensação que reina em cima da mota. Mesmo sem o público, há sempre uma sensação de suporte», declarou o piloto de Portugal.O piloto, que tinha sido o mais rápido na sessão da manhã, melhorou quase 200 milésimos de segundo na sessão da tarde, rodando na sua melhor volta em 1.39,946 minutos, a 529 milésimos do mais rápido do dia, o de Francia Johann Zarco .»Foi um bom dia. Gostei de todas as voltas. Foi uma boa experiência descobrir Portimão de MotoGP pela primeira vez», reconheceu.O piloto de Almada considerou que um dos pontos mais críticos da pista do Autódromo Internacional do Algarve é a travagem «para a primeira curva».»Frear e, de repente, não temos suporte. Sente-se algo no estômago, o que é bom. A última curva é fixe de se fazer, com esta potência. Sou suspeito, mas é das pistas mais divertidas no calendário», comentou o piloto da Tech3, que admitiu já ter «uma ideia» do percurso a seguir no resto do fim de semana, até porque a pista, no sábado, «vai melhorar».Ainda que os pilotos precisam, o piloto de Portugal explicou , neste traçado, «de ter a frente estável».»Precisamos de uma mota estável no geral. Para as travagens é importante uma mota que esteja sob o nosso controlo, mas que permita mover-nos durante a travagem. Em termos de potência não faz muita diferença, porque mesmo na reta maior só rodamos um pouco o acelerador», acrescentou o piloto da Tech3.Hoje foi a primeira vez em que Miguel Oliveira rodou com uma mota de MotoGP, apesar de ter algum conhecimento do traçado algarvio.»A pista fica mais estreita com a MotoGP, difícil por ter tanta potência e estarmos longe da afinação certa na entrega de potência e controlo de tração. No geral, é muito divertida, das mais divertidas do calendário. Mas já sabia que o benefício de conhecer a pista iria durar pouco tempo», deduziu.Para sábado estão calculadas mais duas sessões de treinos livres e a qualificação, dividida em duas partes.A primeira , que reúne os 10 pilotos mais lentos da terceira sessão de treinos livres, e a segunda, com os restantes 10 pilotos mais os dois mais rápidos da Q1.Após 13 corridas realizadas, Miguel Oliveira ocupa a 10.ª posição do campeonato, com 100 pontos.

Faz 7 dias, concluiu a corrida em a sétima posição, atrás de Miguel Oliveira, em o domingo 15 de novembro.O piloto espanholJoan Mir , de 23 anos, sagrou-se campeão global de MotoGP pela primeira vez, ao concluir o Grande Prémio da Comunidade Valenciana, em Valência, Espanha, na sétima posição, atrás do português Miguel Oliveira .O triunfo nesta penúltima prova da temporada pertenceu ao italo-brasileiro Franco Morbidelli , que deixou o australiano Jack Miller na segunda posição, a 93 milésimos de segundo, e o espanhol Pol Espargaró em terceiro, a 3,006 segundos, enquanto Miguel Oliveira foi sexto, a 7,272 segundos.Com estes resultados, Mir adicionava agora 171 pontos, mais 29 do que Morbidelli, segundo classificado do campeonato à entrada para a derradeira prova, o Grande Prémio de Portugal, na próxima semana, em Portimão.

Portugal, oficialmente República Portuguesa, é um país soberano unitário localizado no sudoeste da Europa, cujo território se situa na zona ocidental da Península Ibérica e em arquipélagos no Atlântico Norte.

Miguel Ângelo Falcão de Oliveira é um piloto de motociclismo de Portugalde Portugal que participa na categoria de MotoGP com a equipa Red Bull KTM Tech 3.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Portugal, Czech Republic, Russian Federation, Indonesia

Cities: Portimao, Brno

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>»É provável termos o MotoGP em Portimão em 2021″
>>>>>«MotoGP em Portugal em 2021? Há uma pressão enorme das equipas» – November 22, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Sábado no GP de Portugal: o programa dos treinos e da qualificação – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>Miguel Oliveira vai largar da pole position do GP de Portugal – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>Para ver e rever: a volta que deu a pole position a Miguel Oliveira no GP de Portugal – (ojogo-pt)
>>>>>Miguel Oliveira perspectiva 2021: «Terei uma nova aventura em mãos» – November 22, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Mais borracha na pista e melhores pneus: a explicação para a marca de Miguel Oliveira – November 21, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Miguel Oliveira e o apoio dos motociclistas: «Pus música muito alto e abri as janelas» – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Miguel Oliveira e um ponto da pista de Portimão: «Sente-se algo no estômago» – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Miguel Oliveira direto à segunda qualificação no Grande Prémio de Portugal – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>Miguel Oliveira já fez história mas quer mais: o programa do GP de Portugal – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>A reação de António costa ao triunfo de Miguel Oliveira em Portimão – November 22, 2020 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 110 80 NONE 24 (tacit) eu: 23, me: 1
2 Miguel Oliveira 70 70 PERSON 20 (tacit) ele/ela (referent: Miguel_Oliveira): 4, Oliveira: 1, A Miguel_Oliveira: 1, Miguel_Oliveira: 12, (tacit) ele/ela (referent: A Miguel_Oliveira): 1, (tacit) ele/ela (referent: Oliveira): 1
3 Portugal 76 0 PLACE 13 (tacit) ele/ela (referent: Portugal): 3, Portugal: 10
4 sensação 100 0 NONE 11 a sensação: 6, uma sensação fantástica: 1, essa sensação: 2, sensação: 2
5 corridas 0 100 NONE 9 corridas: 2, 13 corridas realizadas: 1, as duas corridas: 1, 14 corridas: 1, corridas difíceis: 2, as duas últimas corridas: 1, duas corridas: 1
6 nós 160 0 NONE 9 nos: 1, (tacit) nós: 8
7 Jorge Viegas 85 50 PERSON 8 Jorge_Viegas (apposition: O presidente de a Federação_Internacional_de_Motociclismo): 1, Jorge_Viegas: 4, o português Jorge_Viegas (apposition: O presidente de a Federação_Internacional_de_Motociclismo): 1, (tacit) ele/ela (referent: Jorge_Viegas): 2
8 pontos 160 0 NONE 8 14 pontos: 1, os pontos: 1, pontos: 1, 171 pontos: 3, 125 pontos: 2
9 piloto 520 0 NONE 7 o piloto: 1, O piloto sido: 2, o piloto português: 2, O piloto de a Tech3: 1, O piloto português: 1
10 Joan Mir 230 135 PERSON 6 (tacit) ele/ela (referent: o campeão Joan_Mir): 3, Mir: 1, Mir de 23 anos: 1, o campeão Joan_Mir: 1