Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Sepang Victory (2017) (cropped)

Grande Prémio de Portugal em MotoGP marcado para o fim de semana de 18 de abril. O piloto Miguel Oliveira, que spera repetir a fórmula, admitiu estar «ansioso» por voltar a correr em Portugal, na terceira ronda do Mundial de MotoGP, que se disputa em 18 de abril no Autódromo Internacional do Algarve . À margem da apresentação da Miguel Oliveira Fan Clube Racing Team, uma equipa com cinco pilotos que vai participar nos campeonatos português e espanhol de velocidade em motociclismo, o piloto de Almada espera que «corra tudo pelo melhor».»Correr em casa é um privilégio. Estou ansioso. Como no ano passado, chegarei com uma vontade enorme de fazer bem e que o trabalho seja bem feito, que nada falhe desta vez e que possa fazer desfrutar os fãs portugueses», enfatizou o piloto de Lusaka da KTM.Depois de duas corridas recheadas de problemas no Qatar, na abertura do campeonato, Miguel Oliveira ocupa o 14.º posto do campeonato, com quatro pontos, fruto de um 13.º e um 15.º lugares.O de Francia Johann Zarco chega a Portimão no comando do campeonato, com 40 pontos.

O piloto de Portugal assinalou como positivo qualificar-se «uma fila mais à frente» para o Grande Prémio de Doha.Miguel Oliveira assinalou este sábado como positivo qualificar-se «uma fila mais à frente» para o Grande Prémio de Doha, no domingo, do que na primeira prova do Mundial de MotoGP.Depois de há uma semana ter partido do 15.º lugar para a ronda de abertura do Mundial de motociclismo de velocidade, hoje, no mesmo circuito de Losail, no Qatar, Miguel Oliveira assegurou a passagem àossegundofperíododa qualificação e o 12.º posto na grelha.»[Estou] Contente por ir à Q2 mas não pudemos tirar muita vbenefíciodisso. Tentámos usar a segunda mota, com uma afinação diferente mas que não era a indicada, pelo que a mota estava um pouco pior», explicou o piloto de Almada, em conferência de imprensa.Miguel Oliveira explicou que o pneu dianteiro «estava a vibrar, no lado direito, o que é desapontante», até porque teve de «utilizar esse pneu em toda a Q2».Oliveira, admitindo procurar «tirar benefício» do aprimoramento rostito à qualificação anterior «para recuperar mais posições no icomeçoda corrida».M realçou: «Nem conseguimos equiparar o nosso melhor tempo na qualificação».ais uma vez, a principal queixa dos pilotos prende-se com as diferentes condutas dos pneus.»Estavam com uma performance diferente este fim de semana. Por alguma razão, tivemos mais pneus pré-aquecidos, tal como os outros pilotos, mas que têm diferentes condutas entre eles. Isso não nos permite ir rápido. Hoje, a aderência ainda foi menor do que ontem [na sexta-feira]», enfatizou o piloto da KTM, 13.º no campeonato, com três pontos.Por isso, para a corrida de domingo espera somente «chegar ao final e puxar o máximo possível».A terceira etapa do Mundial será o Grande Prémio de Portugal, em Portimão, em 18 de abril, quando os pneus disponíveis para os pilotos serão semelhantes aos utilizados no Qatar. Algo que, para já, não inquieta o piloto de Lusaka.»Estes pneus estão a funcionar em tempos e temperaturas tão específicas. Talvez cheguemos a Portimão e funcione. Temo que arranjar maneira de conseguir ser rápidos com os compostos mais macios. Após nove dias, é cansativo pensar tanto nisto. É frustrante», desabafou.A chegada do campeonato à Europa coincide com uma uniformização dos horários de treinos e corrida, a meio do dia e não à noite, como acocorreo deserto do Qatar, onde está instalado o circuito de Losail.Uma diferença que Miguel Oliveira espera que possa auxiliar a ultrapassar os obstáculos em tirar melhor partido dos pneus.»Espero que se resolva. Mas não é um problema, porque temos uma grelha bastante competitiva. Os pilotos que estavam em Q1 não são propriamente uns toscos. Mas espero que, em a Europa, os pneus possam ser ajustados mais à nossa mota e à nossa pilotagem», sustentou o português.Em jeito de desabafo, Miguel Oliveira vincou: «Preciso mesmo de me divertir amanhã [no domingo]».Este sábado, o piloto de Portugal garantiu o 12.º lugar na grelha de partida para o GP de Doha, segunda prova do Mundial de MotoGP, que se disputa domingo no circuito de Losail, no Qatar.O espanhol Jorge Martin garantiu a primeira «pole position’ da sua carreira na categoria rainha, em ano de estreia.O piloto de Portugal fez um excelente arranque, mas foi perdendo posições ao longo da corrida.Miguel Oliveira concluiu, este domingo, em 15.º lugar no Grande Prémio de Doha de MotoGP, depois de ter partido da 12.ª posição.O piloto de Portugalde Portugal fez um excelente arranque, tendo subido ao 4.º lugar no Circuito de Losail, mas ao longo da corrida foi perdendo posições, tendo concluído na 15.ª posição.Fabio Quartararo foi o ganhador do segundo Grande Prémio do ano. Johann Zarco e Jorge Martín concluíram em segundo e terceiro lugar, respetivamente.Lembre-se que no Grande Prémio do Catar, que decorreu no fim de semana passado no mesmo circuito, Miguel Oliveira concluiu na 13.ª posição.EM ATUALIZAÇÃOMiguel Oliveira restringido por problema no mostrador da KTMMiguel Oliveira revelou ste domingo ter ficado restringido com uma avaria no mostrador de informação da KTM durante o Grande Prémio de Doha, no Qatar, na segunda prova do Mundial de MotoGP em que concluiu em 15.º.O piloto natural de Almada explicou que, pouco depois do começo da prova, «o mostrador ficou negro» e deixou de ter acesso a informações «como os mapas de motor, a temperatura dos pneus ou o momento de trocar de velocidades».Na conferência de jornalismo após a corrida, Miguel Oliveira explicou que, sem essa informação, «foi difícil fazer a corrida somente com sensações» e «tornou-se um problema tirar o máximo partido da mota».»Descobri que estava num mapa de poupança de combustível, que tornava a mota mais lenta, e tornou-se bastante difícil de seguir o [sul-africano] Brad [Binder] ou alguém. Não sabia que estava com esse mapa», revelou Miguel Oliveira.Miguel Oliveira adicionou que, devido a essa avaria, «tornou-se uma corrida bastante solitária», em que falhou «as mudanças muitas vezes».»Os limitadores da mota são eletrónicos. Não é como nas outras motas em que sentimos fisicamente os limites. Numa pista como esta é superimportante ter as luzes de mudança de velocidade. Quando o limite de as rotações é atingido, não sabemos. Se trocarmos dois décimos de segundo mais tarde, a mota esteve no limite esse tempo e isso acaba por fazer perder velocidade», completou.»»Foi um arranque semelhante ao que temos praticado. Dos 0 aos 200 [km/h] foi num tempo semelhante ao que faço nos treinos. A minha reação às luzes foi boa»O piloto da KTM até cinicioubem a corrida, saltando do 12.º posto da grelha de partida para terceiro no começo da primeira curva logo no arranque, que considerou ter sido «a coisa mais positiva do dia».»Foi um arranque semelhante ao que temos praticado. Dos 0 aos 200 [km/h] foi num tempo semelhante ao que faço nos treinos. A minha reação às luzes foi boa. Conservei-me focado porque o Brad [Binder] mexeu-se antes de as luzes se apagarem, o que nestas ocasiões faz-nos saltar a partida, mas consegui conservar a concentração e foi um bom arranque. Às vezes corre bem porque mexem, quando se põe a potência no chão os outros pilotos-se e não sabemos para onde ir. Foi a coisa mais positiva do dia de hoje», enfatizou.O piloto de Lusaka espera, agora, recuperar no Grande Prémio de Portugal, em Portimão, próxima prova do campeonato, a 18 de abril.»Desejar remediar este resultado. Não iniciamo do zero. Temos uma boa mota base. Os pneus serão mais macios do que no ano passado mas é algo que devemo ultrapassar e fazer o melhor que conseguirmos», rematou.Após duas provas realizadas, Miguel Oliveira ocupa a 14.ª posição do campeonato, com quatro pontos, a 36 do líder, o de Francia Johann Zarco .

No domingo 28 de março Declarações do piloto de Portugal após o Grande Prémio do Catar, a primeira corrida do Mundial de MotoGP.O de Portugal Miguel Oliveira lamentou o «desgaste do pneu dianteiro» da sua RC16 que o impediu de ir além do 13.º lugar no Grande Prémio do Catar, prova de abertura do Mundial de MotoGP.Em declarações divulgadas pela sua assessoria de jornalismo, o piloto de Almada realçou o facto de ter conseguido «concluir nos pontos», mas «ainda assim com grande potencial» para ter concluído «mais à frente».Oliveira chegou a rodar na 10.ª posição, mas a sete voltas do final começou a perder posições, até se fixar no 13.º lugar.»Como esperado ontem, as condições foram um pouco mais difíceis e, obviamente, que isso não jogou a favor de ninguém. Da nossa parte era difícil de termos conseguido dirigi o desgaste do pneu dianteiro, na parte direita, e após 10 voltas já não me restava qualquer borracha desse lado», relatou o piloto de Portugal.Uma vez que a corrida foi disputada já de noite, com as temperaturas mais baixas, os pilotos foram todos obrigados a selecionar pneus com mistura macia, que tem mais aderência, mas, também, um desgaste mais rápido.»Quando conseguíamo utilizar um pneu duro à frente s éramocompetitivos, como se v vianos treinos livres 3 e 4. Mas quando éramo obrigados a utilizar o pneu macio pela temperatura, simplesmente torna-se inimaginável de dirigi qualquer desgaste. tornava-se uma corrida para tentar chegar ao final e não na base da performance», declarou o piloto da KTM.Miguel Oliveira tem, agora, a segunda jornada do campeonato já no próximo domingo, no mesmo circuito de Losail, nos arredores de Doha.Deduziu: «[ tínhamo que estar de] cabeça erguida e estaríamos aqui para fazer melhor e continuar a trabalhar».Com o 13.º lugar de hoje, o piloto de Lusaka adicionou três pontos, estando a 22 do líder, o espanhol Maverick Viñales , que se impôs às Ducati do francês Johan Zarco e do ide ItaliaFrancesco Bagnaia.Faz 12 dias, Portugal sediava a terceira ronda de a temporada em o Algarve.

Miguel Ângelo Falcão de Oliveira é um piloto de motociclismo de Portugalde Portugal que participa na categoria de MotoGP com a equipa Red Bull KTM Tech 3.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Portugal, Qatar

Cities: Portimao

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Miguel Oliveira: «Estou ansioso. Chegarei com uma vontade enorme»
>>>>>Miguel Oliveira admite: «Preciso mesmo de me divertir amanhã» – April 03, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Miguel Oliveira aborda a prova em Portimão e fala da nova série sobre MotoGP – April 01, 2021 (ojogo-pt)
>>>>>>>>>MotoGP: Miguel Oliveira foi 15.º no primeiro treino – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>»Estar tão próximo do top 10 é tão motivante como desapontante» – (ojogo-pt)
>>>>>MotoGP: Miguel Oliveira termina Grande Prémio de Doha em 15.º lugar – April 04, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>MotoGP: mau tempo afasta Miguel Oliveira da qualificação 2 – (ojogo-pt)
>>>>>Miguel Oliveira explicou GP de Doha: «O mostrador ficou negro, foi difícil correr com sensações» – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Miguel Oliveira 140 228 PERSON 29 O português Miguel_Oliveira: 2, Oliveira: 2, O piloto Miguel_Oliveira: 2, Miguel_Oliveira: 13, (tacit) ele/ela (referent: Miguel_Oliveira): 10
2 nós 173 0 NONE 17 nos: 2, (tacit) nós: 15
3 eu 6 15 NONE 13 (tacit) eu: 10, me: 3
4 corrida 0 90 NONE 9 uma corrida muito solitária: 2, corrida: 3, a corrida: 3, uma corrida: 1
5 piloto 280 0 NONE 8 o piloto português: 2, O piloto português: 3, O piloto luso: 1, o piloto luso: 2
6 arranque 280 0 NONE 7 o arranque: 2, um bom arranque: 1, um arranque semelhante: 2, um excelente arranque: 2
7 mota 80 70 NONE 4 a mota: 1, a mota mais lenta: 1, nossa mota: 1, uma boa mota base: 1
8 frente 120 0 NONE 4 a frente s: 1, a frente: 3
9 pilotos 80 0 NONE 4 os pilotos serão: 1, Os pilotos: 2, os outros pilotos: 1
10 pneus 4 0 NONE 4 mais pneus pré-aquecidos: 1, os pneus disponíveis: 1, Estes pneus: 1, os pneus: 1