Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – NFF 0315

Diogo Branquinho confiante numa boa participação de Portugal no EuropeuDiogo Branquinho considerou esta quarta-feira, mencionando Charles Darwin numa analogia aos contratempos padecidos por Portugal na preparação do Euro’2022, que «não é o mais forte ou inteligente que sobrevive, mas o que melhor se ajusta à mudança».»Nós somos bons a ajustarmo-nos à mudança, nós somos bons a aajustarmonos ao caos e ao que tdevemo fazer E nós desejamo sobreviver o mais tempo possível na competição», considerou o ponta esquerdo do FC Porto, de 27 anos, numa conferência de jornalismo via Zoom.Em causa estão não só as lesões que impediram André Gomes, Luís Frade, Pedro Portela e João Ferraz de marcar presença no Euro’2022, que decorre de quinta-feira a 30 de janeiro, mas também alguns casos de covid-19 entre os convidados, que condicionaram a preparação.»Não só devemo estar física, tática e tecnicamente bem, mas também ter um teste [ao coronavírus] negativo. É mais um obstáculo a superar», adiantou Diogo Branquinho, desvalorizando a falta de jogos de preparação perto do começo do período final do Euro’2022.»Nós já jogamos juntos muitas vezes. Já nos conhecemos bem. Já compreendemo o que o jogador que está ao nosso lado vai fazer e o oponente não», sustentou Branquinho, diminuindo a protagonismo de não terem sido feitos jogos perto do começo da prova.O jogador destacou o protagonismo de «iniciar bem na sexta-feira frente à Islândia», tal como no Mundial’2021, e adiantou que o grupo tem vindo a preparar os três jogos do grupo B, pelo menos, logo desde o primeiro dia em que se uniu.»O primeiro jogo é com a Islândia, já jogamos muitas vezes contra eles. É o primeiro jogo e, por isso, bastante importante para o nosso objetivo, que é passar à «main round» [fperíodoprincipal] e depois ir, jogo a jogo, o mais longe possível», adiantou.Nove jogadores dos 18 que integram a convocatória não participaram no Euro’2020, que culminou com a obtenção do sexto lugar e melhor classificação de sempre, e dois – Daniel Vieira e Martim Costa – são estreias absolutas.»Não fazemos distinção entre novos e antigos. Entre todos os que cá estão há, pelo menos, dois bons jogadores para casa posição e em algumas até há mais», considerou Diogo Branquinho, que divide a ponta esquerda com o seu colega do FC Porto Leonel Fernandes.Diogo Branquinho, com o primeiro treino realizado na nova Arena de Budapeste, considerou que, após na terça-feira o séquito de Portugal ter chegado tarde à Hungria, hoje foi «o primeiro dia da contagem de uma caminhada que se espera longa».»O pavilhão, com habilidade para 20 mil espetadores, é fantástico. Esperamos um excelente ambiente. Hoje já deu para ganhar referências do recinto e estamos todos prontos e ansiosos para começar a competição da melhor forma», considerou.A «bolha» montada em torno dos jogadores tem merecido algumas críticas por parte de algumas seleções, que assinalaram a presença de outros hóspedes sem os devidos cuidados sanitários, mas a organização anunciou já que está a resolver o problema.»Nós devemo olhar para o que nós fazemos e o nosso plano tem corrido como calculado. Tomámos todas as cautelas e não sentimos nenhum risco em termos de segurança de saúde», considerou Diogo Branquinho.A seleção de Portugal treina ao fim da tarde de quinta-feira no pavilhão de suporte Amália Sterbinsky, após o que o selecionador Paulo Pereira e os jogadores Tiago Rocha e Rui Silva, por volta das 20:30 , vão fazer a antevisão do jogo com a Islândia.O Euro’2022 decorre de quinta-feira a 30 de janeiro, na Hungria e na Eslováquia, sendo que a primeira fase apura os dois primeiros classificados de cada um dos seis grupos de qualificação para a ronda principal, que ditará os semifinalistas.

Internacional de Portugal assume que os comandados de Paulo Jorge Pereira pretendem, pese as restrições por covid-19, «tentar ganhar todos os jogos» na competição europeiaO guarda-redes Gustavo Capdeville considera imprescindível iniciar o Euro’2022 de andebol com um triunfo na próxima sexta-feira frente à Islândia, no qual a seleção portuguesa, «apesar das várias cirritações, deposita «as mais altas expectativas».Portugal realizou, esta quarta-feira, um treino de adaptação à Arena de Budapeste, com chabilidadepara 20 mil espetadores e construída de raiz para a prova, que recebe o grupo B, que integra ainda a anfitriã Hungria, a Islândia e os Países Baixos.Gustavo Capdeville lembrou as lesões dos colegas André Gomes, Luís Frade, Pedro Portela e João Ferraz, que ditaram o afastamento do quarteto da prova, e os casos de covid-19 entre os convidados, que «restringiram a preparação da seleção».Apesar das irritações «e da difícil logística de lidar com os protocolos sanitários», que impedem que a seleção esteja na máxima força no primeiro jogo com a Islândia, Gustavo Capdeville alegou que o grupo está «focado em dar o máximo» e dar especial atenção aos «pormenores».»Apesar de termos tido alguns colegas com a covid-19 e outros lesionados, temos sempre as expectativas no mais alto possível e que passam por tentar ganhar todos os jogos», referiu o guarda-redes do Benfica, de 24 anos.Um triunfo frente à Islândia no primeiro jogo abre boas perspetivas para a seleção pde Portugalalcançar um dos dois primeiros lugares do grupo, que dão acesso à «main round» .Capdeville, que irá dividir a baliza de Portugal com Manuel Gaspar, de 23 anos, do Sporting declarou: «Nós pensamos jogo a jogo e apesar das nossos obstáculos focamo-nos sempre em trabalhar e vencer o primeiro jogo com a Islândia».Apesar do guarda-redes ser a última dificuldade para o golo, Gustavo Capdeville não se sente mais responsável ou com mais ‘stress’ do que os seus colegas de campo, com quem reparte os êxitos e os erros.»Antes de a bola chegar a mim, passa pelos outros seis colegas e nós trabalhamos como equipa. Não sinto mais «stress» nem culpa por ser o último obstáculo antes do golo. Considerou o guarda-redes, se um equívoco, falhamos todos, como equipa».Gustavo Capdeville defende que «a equipa trabalha para alcançar resultados cada vez melhores e, apesar das condicionantes, está preparada para melhorar o sexto lugar de há dois anos».O Euro2022 decorre de quinta-feira a 30 de janeiro, na Hungria e na Eslováquia, sendo que a primeira fase apura os dois primeiros classificados de cada um dos seis grupos de qualificação para a ronda principal, que ditará os semifinalistas.

Faz 28 anos, Diogo Ferraz Branquinho nasceu em Coimbra, a. Diogo Ferraz Branquinho é atual jogador de andebol do Fc Porto.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Portugal, Iceland, Hungary

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>»Nós somos bons a ajustarmo-nos à mudança, ao caos e ao que tdevemo fazer
>>>>>Portugal tem «altas expectativas» no Euro’2022, diz guarda-redes Capdeville – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 222 15 NONE 28 (tacit) nós: 17, Nós: 4, nós: 3, nos: 4
2 Diogo Branquinho 50 120 PERSON 10 Diogo_Branquinho: 5, Diogo_Branquinho confiante: 1, (tacit) ele/ela (referent: Diogo_Branquinho): 2, (tacit) ele/ela (referent: Diogo_Branquinho confiante): 2
3 Gustavo Capdeville 0 25 PERSON 9 (tacit) ele/ela (referent: Gustavo_Capdeville): 2, guarda-redes Gustavo_Capdeville: 1, Capdeville: 2, Gustavo_Capdeville: 4
4 eu 40 0 NONE 6 (tacit) eu: 5, mim: 1
5 jogo 40 0 NONE 6 O primeiro jogo: 1, o primeiro jogo: 3, jogo: 2
6 a Islândia 0 0 PLACE 4 a Islândia: 4
7 Euro 100 0 ORGANIZATION 3 o Euro: 2, (tacit) ele/ela (referent: o Euro): 1
8 equipa 100 0 NONE 3 equipa: 2, a equipa: 1
9 grupo 0 0 NONE 3 o grupo: 3
10 seleção 0 0 NONE 3 A seleção portuguesa: 1, a seleção portuguesa: 1, a seleção: 1