Por: SentiLecto

Jorge Nuno Pinto da Costa lembra a aposta ganha em Jesualdo Ferreira entre 2006 e 2009. Jorge Nuno Pinto da Costa é presidente do FC Porto. Jesualdo Ferreira é treinador que governou os dragões na conquista de três campeonatos consecutivos.E não esqueceu a despedida de Vítor Baía dos relvados, em novo episódio da série «Ironias do Destino», do Porto Canal.Chegada de Jesualdo Ferreira ao FC Porto, em 2006/07: «É verdade, o Jesualdo teve uma passagem bastante positiva pelo FC Porto. Ele que, a princípio, gerou alguma desconfiança na massa associativa, os adeptos não gostavam da grande ligação que tinha tido ao Benfica durante a carreira, o que para mim jamais foi problema. Entrou oito dias antes de iniciar o campeonato. É uma situação bastante complicada, mas – e essa foi uma das razões da minha escolha – ele era um profundo conhecedor do futebol português, de todas as equipas do campeonato, e a equipa depressa se ajustou aos seus princípios, aos seus técnicas e teve grande êxito. Esse campeonato foi difícil, venceu-se o guarda-redes de eles em a última jornada, contra o Aves, curiosamente era o Nuno Espírito Santo. Nós ganhámos por 4-1, fizemos uma excelente exposição. Nesse ano foi também o final [de carreira] do maior guarda-redes de sempre do FC Porto, com o aparecimento do notável Helton, que veio a ser bastante importante em todos os Sucessos que se seguiram depois desse dia. Foi uma jornada esplêndida, de uma afeição bastante grande para o professor Jesualdo. Já tinha muitos anos de futebol, mas jamais tinha vencido um título como treinador principal. Foi um deleite bastante grande e eu senti também compensada e reconhecida a minha escolha, porque aos que duvidavam que fosse capaz de se integrar na vida e na almazinha do FC Porto ele provou não só nesse ano como nos seguintes que viveu apaixonadamente o FC Porto, como vivia qualquer clube onde estivesse.»Sentimento antes da jornada decisiva: «É uma complicação. Na véspera sonhamos com tudo, pensamos em tudo, mas a equipa era bastante forte, estava determinada, não tinha dúvidas de que iríamos vencer.»Despedida de Vítor Baía e resolução da equipa: «O jogo [com o Aves] era decisivo. Como costumo declarar, já não há mais: ou é hoje ou acabou. Eu lembro-me que utilizei esses vocábulos: ‘Hoje ja não há próximo jogo. Ou é ou não é.’ Aí já não há pensamentos de quem está ou quem não está. Quem está deve ganhar. E foi com essa resolução que entrámos, com um público fantástico, com o estádio belo. Ainda não havia essa desgraça da pandemia, desses inteligentes que caminham a fechar os estádios… Uma jornada fantástica, realmente. Foi o primeiro, como já declarou, de três títulos do Jesualdo, o único treinador a vencer três campeonatos consecutivamente. O Artur Jorge também venceu três, mas não foram consecutivos.»

No 26.º episódio da série «Ironias do Destino», do Porto Canal, o presidente do FC Porto lembrou a afirmação do guarda-redes de Brasil na baliza azul e branca e uma curiosa conversa com João Bartolomeu, antigo líder da União de Leiria.Ascensão de Helton no FC Porto: «Foi bastante fácil. Quando jogava no Vasco da Gama, o Helton, além de ter imensa característica, que conhecíamos de do Brasil, teve muita personalidade, não teve pressa em ganhar o lugar. Teve como primeiro apoiante, que lhe limou algumas arestas, o Vítor Baía, fundamental na sucessão. Além de uma grande amizade, tinham um interesse habitual: que a passagem de depoimento redundasse de maneira perfeita. O Vítor Baía foi o melhor guarda-redes de todos os tempos do FC Porto e o Helton foi um merecedor sucessor, importante nos triunfos que se seguiram.»A passagem de Helton pela União de Leiria: «Conhecíamos bem o Helton, de vê-lo no Vasco da Gama. Não tínhamos a mínima dúvida de que faria história no FC Porto. Tínhamos o Vítor Baia no auge, não desejávamo que o Helton ficasse parado. Falei ao João Bartolomeu, então presidente do Leiria, que era e é meu amigo. Declarou-lhe: ‘Tenho um guarda-redes para lhe emprestar que para o ano joga de caras no Leiria.’ E então encontrámo-nos na estalagem de São Bento, em Fátima, para lhe exibi o jogador. Ele viu-me ao pé do Helton, chamou-me a um canto e declarou: ‘Ó presidente, ele é tão alto e tão magrinho. As bolas baixas, não defenderá nenhuma.’ Eu respondi: ‘Bartolomeu, não se inquiete. Se ele não jogar no Leiria, o FC Porto paga-lhe o ordenado. Não tem nada a perder’. Passados 15 dias ele [João Bartolomeu] declara: ‘Ele é um gato, defende tudo!’ Ao que eu respondi que além de defender tudo ainda ia acabar com os ratos em Leiria. [risos] Estava radiante, fez uma época excelente [n. d. r.: Helton passou três temporadas em Leiria] e veio para o FC Porto, foi um merecedor sucessor do Vítor Baía e bastante importante nos grandes triunfos que tivemos nessa era.»Novo episódio do programa «Ironias do Destino» fez o presidente do FC Porto, Pinto da Costa recuar a 2006O título de Adriaanse: «O Co Adriaanse era um excelente treinador e implantou um sistema novo, jogando com três defesas, Bosingwa, Pepe e Pedro Emanuel. Ao princípio, deu alguma confusão, mas depois com o aprimoramento tático acabou por redundar. O triunfo definitivo do título foi em Penafiel, com um golo do Adriano e depois, curiosamente, ganhámos a Taça de Portugal frente ao V.Setúbal, também com um golo do Adriano.»E a despedida do holandês: «Foi logo a seguir. Estávamos no estágio, houve ali uns pequenos conflitos com os jogadores, por razões um bocado impensáveis e ele resolveu abandonar. Quem conduziu a equipa na Supertaça foi o Rui Barros. Faz 15 anos, ainda contratámos o Jesualdo Ferreira que viria a ganhar três campeonatos consecutivos,, é o único treinador em a história de o FC Porto a conseguir esse feito.»Os motivos para chamar Jesualdo Ferreira: «Fomos assombrados com a saída do Co Adriaanse, faltavam oito dias para iniciar o campeonato. Vir um treinador que não conhecesse a equipa e o futebol português era impensável. O Jesualdo Ferreira estava no Boavista, tinha feito um bom trabalho no Braga e eu conhecia-o perfeitamente. Sabia das suas fantásticas características e compreendi que, na altura, era o homem certo. Ele aderiu imediatamente, chegámos a acordo com o Boavista para o libertar, quando o contactei pela primeira vez. Venceu três títulos em quatro anos, o que foi excelente.»Novo episódio do programa «Ironias do Destino», no Porto Canal, com a presença do presidente do FC Porto, Pinto da Costa ​​​​​​Forma de se relacionar com os treinadores: «Cada um tem a sua personalidade e os seus métodos de trabalho. No fundo, é fácil, porque os objetivos de quem treina e quem conduz são os mesmo, ganhar. A nossa função é instituir condições para que o treinador possa ganhar e o treinador, mais do que ninguém, deseja ganhar.»Observador: «Felizmente tem havido sempre uma perfeita sintonia entre Direção, presidente e treinador. Se eu achar que não me vou compreender com a personalidade do treinador, não é possível. Feita a escolha, o que é preciso é estar em perfeita sintonia e cada um, seja em que lugar for, tem de dar o seu máximo. Se é preciso ser bom observador? Tem que ser [risos]»

Na quinta-feira 01 de julho pinto da Costa recuou ao ano de 1995, em mais um episódio do programa «sarcasmos do destino».O primeiro título do Penta e a aposta ganhava em Bobby Robson: «Era um grande treinador para lá de um verdadeiro gentleman. Foram cinco anos de triunfos que ainda mais ninguém conseguiu. Os dois primeiros anos foram com ele, foi ele que arremessou os alicerces de uma grande equipa.»Supertaça em Paris frente ao Benfica: «Triunfo bastante importante porque foi a primeira vez que se disputou no estrangeiro e a maior parte do público era de Portugal. Não vou declarar que estava mais gente do FC Porto, mas era ‘ela por ela’, foi um espetáculo belo, de convivência, nesse tempo havia boas relações institucionais e até de amizade, até porque o treinador era Artur Jorge e o presidente Manuel Damásio, um cavalheiro. Foi uma jornada bela, para nós ainda mais porque vencíamo, com um golo fantástico do Domingos. Foi uma manifestação bastante interessante, lembrava-me perfeitamente da celebração dos emigrantes, vivia, quando se estava longe-se mais os triunfos. Foi pena que não se continuasse a seguir esse sistema, há muitos laços entre o futebol e a comunidade. Desistiram, mas era uma forma de honrar os emigrantes que longe da pátria se conservavam ligados a ela, muitos também por causa do futebol e dos clubes.»

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa é um dirigente esportivo, atual presidente do Futebol Clube do Porto.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Portugal

Cities: Porto

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Pinto da Costa: «Jesualdo gerou alguma desconfiança no começo, mas depois…»
>>>>>»O presidente do Leiria virou-se para mim e disse: ‘Ele é um gato, defende tudo!'» – July 19, 2021 (ojogo-pt)
>>>>>Pinto da Costa e a saída de Adriaanse: «Por razões um bocado impensáveis ele resolveu sair» – July 16, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Pinto da Costa: » Em Portugal exagera-se nas chicotadas, sem dúvida alguma» – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>Pinto da Costa recorda Co Adriaanse: «Pedi-lhe para ele ir ao meu gabinete no dia seguinte» – (ojogo-pt)
>>>>>>>>>Pinto da Costa: «A escolha do treinador é minha. Naturalmente que ouço todos os diretores» – July 15, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Pinto da Costa lembra como convenceu Mourinho e não esquece «o recorde dos 100 metros» – July 13, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Pinto da Costa e o apoio especial em Sevilha: «Mesmo no banquete oficial…» – (ojogo-pt)
>>>>>Pinto da Costa e a relação com os treinadores: «Se é preciso ser bom observador? Tem de ser» – July 16, 2021 (EntretenimientoBit)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 370 40 NONE 30 (tacit) eu: 19, Eu: 2, eu: 3, mim: 1, me: 5
2 nós 213 0 NONE 21 nos: 2, (tacit) nós: 17, nós: 1, Nós: 1
3 era 0 25 NONE 9 era decisivo: 1, era português: 1, essa era: 1, era impensável: 1, Era: 1, era: 4
4 treinador 200 0 NONE 7 o treinador: 2, treinador principal: 1, um grande treinador: 1, um excelente treinador: 1, o único treinador: 2
5 vitórias 550 0 NONE 6 as vitórias: 3, vitórias: 2, as grandes vitórias: 1
6 Helton 280 0 ORGANIZATION 6 o notável Helton: 1, O Helton além_de ter imensa qualidade de: 2, (tacit) ele/ela (referent: O Helton além_de ter imensa qualidade de): 1, o Helton: 2
7 o FC_Porto 0 0 PLACE 6 o FC_Porto: 6
8 Ironias_do_Destino 150 0 OTHER 5 Ironias_do_Destino de o Porto_Canal: 2, Ironias_do_Destino: 1, (tacit) ele/ela (referent: Ironias_do_Destino): 2
9 jornada 650 0 NONE 4 uma jornada magnífica: 1, a última jornada: 1, uma jornada bonita: 1, Uma jornada fantástica realmente: 1
10 Jesualdo Ferreira 0 0 ORGANIZATION 4 o Jesualdo_Ferreira: 2, O Jesualdo_Ferreira: 1, o (referent: O Jesualdo_Ferreira): 1