Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Sepang Victory (2017) (cropped)

O piloto de Portugal assinalou como positivo qualificar-se «uma fila mais à frente» para o Grande Prémio de Doha.Miguel Oliveira assinalou este sábado como positivo qualificar-se «uma fila mais à frente» para o Grande Prémio de Doha, no domingo, do que na primeira prova do Mundial de MotoGP.Depois de há uma semana ter partido do 15.º lugar para a ronda de abertura do Mundial de motociclismo de velocidade, hoje, no mesmo circuito de Losail, no Qatar, Miguel Oliveira assegurou a passagem àossegundofperíododa qualificação e o 12.º posto na grelha.»[Estou] Contente por ir à Q2 mas não pudemos tirar muita vbenefíciodisso. Tentámos usar a segunda mota, com uma afinação diferente mas que não era a indicada, pelo que a mota estava um pouco pior», explicou o piloto de Almada, em conferência de imprensa.Miguel Oliveira explicou que o pneu dianteiro «estava a vibrar, no lado direito, o que é desapontante», até porque teve de «utilizar esse pneu em toda a Q2».Oliveira, admitindo procurar «tirar benefício» do aprimoramento rostito à qualificação anterior «para recuperar mais posições no icomeçoda corrida».M realçou: «Nem conseguimos equiparar o nosso melhor tempo na qualificação».ais uma vez, a principal queixa dos pilotos prende-se com as diferentes condutas dos pneus.»Estavam com uma performance diferente este fim de semana. Por alguma razão, tivemos mais pneus pré-aquecidos, tal como os outros pilotos, mas que têm diferentes condutas entre eles. Isso não nos permite ir rápido. Hoje, a aderência ainda foi menor do que ontem [na sexta-feira]», enfatizou o piloto da KTM, 13.º no campeonato, com três pontos.Por isso, para a corrida de domingo espera somente «chegar ao final e puxar o máximo possível».A terceira etapa do Mundial será o Grande Prémio de Portugal, em Portimão, em 18 de abril, quando os pneus disponíveis para os pilotos serão semelhantes aos utilizados no Qatar. Algo que, para já, não inquieta o piloto de Lusaka.»Estes pneus estão a funcionar em tempos e temperaturas tão específicas. Talvez cheguemos a Portimão e funcione. Temo que arranjar maneira de conseguir ser rápidos com os compostos mais macios. Após nove dias, é cansativo pensar tanto nisto. É frustrante», desabafou.A chegada do campeonato à Europa coincide com uma uniformização dos horários de treinos e corrida, a meio do dia e não à noite, como acocorreo deserto do Qatar, onde está instalado o circuito de Losail.Uma diferença que Miguel Oliveira espera que possa auxiliar a ultrapassar os obstáculos em tirar melhor partido dos pneus.»Espero que se resolva. Mas não é um problema, porque temos uma grelha bastante competitiva. Os pilotos que estavam em Q1 não são propriamente uns toscos. Mas espero que, na Europa, os pneus se possam ajustar mais à nossa mota e à nossa pilotagem», sustentou o português.Em jeito de desabafo, Miguel Oliveira vincou: «Preciso mesmo de me divertir amanhã [no domingo]».Este sábado, o piloto de Portugal garantiu o 12.º lugar na grelha de partida para o GP de Doha, segunda prova do Mundial de MotoGP, que se disputa domingo no circuito de Losail, no Qatar.O espanhol Jorge Martin garantiu a primeira «pole position’ da sua carreira na categoria rainha, em ano de estreia.

A prova de Doha precede o Grande Prémio de Portugal, uma prova que o piloto de Lusaka dominou em 2020.O piloto de Portugal Miguel Oliveira declarou esperar «melhorar» o 13.º lugar conseguido na prova de abertura do Mundial de MotoGP, na segunda corrida, que se realiza no domingo, em Doha, no Catar.Em conferência de jornalismo virtual, o piloto da KTM lamentou ainda o obstáculo em dirigi os pneus no circuito de Losail, que domingo sedia, pelo segundo fim de semana consecutivo, uma prova do Campeonato do Mundo de velocidade em motociclismo.»Desejamo fazer melhor do que no fim de semana anterior. É esse o objetivo. Desejamo sempre melhorar, a qualificação e a nossa posição em corrida. A forma como o vamos conseguir será um pouco mais difícil, mas esperamos ter um bom fim de semana», declarou Miguel Oliveira.Um dos maiores problemas sentidos pelos pilotos na prova de abertura, no domingo passado, foi a administração dos pneus, sobretudo do pneu dianteiro no caso da KTM.O piloto de Almada recordou que há «fatores diferentes» que este ano têm estado a restringi a escolha de pneus.»Em primeiro lugar, um formato diferente, pois devemo qualificar-nos bem logo nos segundos treinos livres e temos temperaturas diferentes entre a manhã e a tarde. Por isso, é difícil testar diferentes compostos. Temo que ficar com o médio», explicou, se selecionarmos o médio.Miguel Oliveira referiu ainda que, no caso das motas austríacas, é necessário «usar um pouco mais a dianteira direita» pelo que precisa «trabalhar no equilíbrio da mota para fazer o pneu da frente durar mais e fazer a corrida toda sem perder a frente».A prova de Doha precede o Grande Prémio de Portugal, uma prova que o piloto de Lusaka dominou em 2020.»Em Portimão devemo fazer o melhor que pudermos e não fazer com que o passado nos dê o futuro como garantido. Temo que fazer o nosso trabalho e aproveitar o facto termos um GP caseiro. Sei que os pneus serão diferentes. Já não vamo ter o pneu com que corri. Não sabemos de que maneira afeta o fim de semana», enfatizou.Já sobre o anúncio de um documentário sobre os bastidores das corridas de MotoGP ao estilo do que já existe sobre o Mundial de Fórmula 1, Miguel Oliveira acredita que poderá ser positivo para a notoriedade do campeonato.»Hoje em dia dependemos bastante da imagem para mostrar ao mundo o que estamos a fazer e a F1 instituiu um bom ruído à volta do desporto pelo que aocorrenos bastidores e não tanto pelas corridas. Como pilotos, poderemos ter bastante a ganhar com esse formato», enfatizou, ressalvando que se vai publicar nenhum conteúdo «sem licença prévia».O GP de Doha é a segunda prova da temporada de 2021 de MotoGP.O espanhol Maverick Viñales lidera o campeonato, com 25 pontos, depois de ter vencido no domingo o GP do Qatar, numa corrida em que o português adicionou três pontos, ao concluir na 13.ª posição.Piloto de Portugal da KTM ficou aquém do tempo que fizera há uma semana na mesma pista do Catar.Aleix Espargaró, com uma Aprilia, foi o mais rápido no primeiro treino livre para o Grande Prémio de Doha, na mesma pista de Losail usada há uma semana, tendo as KTM conservado o registo discreto da primeira corrida da temporada.Miguel Oliveira foi 15.º, a 0.991 segundos do mais rápido, com um registo ligeiramente inferior ao obtido há uma semana no primeiro treino e que lhe valera a décima posição. Em as KTM , o único bom Danilo Petrucci deu sinal , com o sexto registo.Grande Prémio de Doha1.º TREINO LIVRE1.º Aleix Espargaro 1’54.779sMiguel Oliveira concluiu na 11.ª posição o primeiro dia de treinos livres para o Grande Prémio de Doha, no Catar, nesta que é a segunda prova do Mundial de MotoGP.Miguel Oliveira concluiu na 11.ª posição o primeiro dia de treinos livres para o Grande Prémio de Doha, tendo feito a melhor volta no treino da tarde, rodando em 1.53,914 minutos, ficando a somente 42 milésimos do décimo lugar, que garante temporariamente um bilhete direto para o segundo período da qualificação de sábado.»Estar tão próximo do top 10 é tão motivante como desapontante. É tão frustrante ser 11.º como 17.º. mas mostra uma boa direção para amanhã [sábado]», iniciou por explicar o piloto português, na conferência de jornalismo digital após as duas sessões de treinos hoje realizadas e à qual a agência Lusa assistiu.Miguel Oliveira considerou, por isso, que «foi uma sexta-feira mais positiva do que a última», há uma semana, no mesmo circuito de Losail que este fim de semana sedia a segunda ronda da temporada.»Não fui diretamente para o top10, mas tivemos a nossa suposição. Temo que tentar o nosso melhor amanhã [sábado]. Espero testar algumas coisas novas na FP4 e tentar entrar na Q2″, enfatizou o piloto da KTM.No Catar, onde os treinos livres, que apuram os dez melhores para a segunda parte da sessão de qualificação de sábado, se disputam durante o dia, com temperaturas mais altas, obrigam à escolha de borrachas mais duras para os pneus, mas com menos aderência e, por isso, menos desempenho.No entanto, com a corrida a ser disputada já de noite, com as temperaturas mais baixas, os pilotos devem optar por borrachas mais macias, de maior aderência e desgaste mais rápido.Desta forma, segundo Miguel Oliveira, os treinos livres acabam por não permitir testar as condições em que se corre.Por isso, para sábado, «durante o dia, o plano será outra vez passar pelos pneus duros. Nos treinos livres 4 e na qualificação deveremos ver a temperatura para decidir. Hoje, os pilotos da Tech3 [equipa satélite da KTM] utilizaram o médio, investigaremos».Piloto de Almada, que também chegou a montar um pneu de composto médio atrás.O ublinhou: «Na corrida teremos outra vez temperaturas bastante baixas o que vai restringi a escolha para o macio à frente»,. GP de Doha, que se corre domingo, vai ser a segunda de 19 provas calculadas no calendário de 2021 e precede o GP de Portugal, a 18 de abril.

Na sábado 27 de março piloto de Portugal parte do 15.º lugar da grelha no Grande Prémio do Catar em MotoGP.O de Portugal Miguel Oliveira acreditava ter um ritmo de corrida «mais próximo do dos adversários» para o Grande Prémio do Catar de MotoGP, prova de abertura da temporada, apesar de ter sido 15.º na qualificação deste sábado.O piloto da KTM realizou a sua melhor volta em 1.53,915 minutos, o melhor tempo realizado este ano na pista de Losail pelava luso.»Foi um dia de qualificação um bocadinho mais positivo para nós. conseguíamo melhorar o nosso tempo por volta, mas, ainda assim, longe das posições que contavam. A quinta fila da grelha de partida não era das melhores posições para começar a corrida, mas estávamo confiantes com o nosso ritmo», iniciou por declarar Miguel Oliveira, em declarações transmitidas pela sua assessoria de jornalismo.O piloto de Almada admitia que a equipa fez «um bom trabalho no terceiro treino livre e também no quarto».Miguel Oliveira enfatizou: «O nosso ritmo era muito mais próximo do dos nossos rivais do que a diferença que tivemos na qualificação, por isso estávamo otimistas para começar a corrida».O piloto de Lusaka informou que para a corrida de domingo estavam calculadas condições meteorológicas adversas, «com ampliação do vento e descida das temperaturas», pelava que seria preciso «ter muita precaução».O piloto de Portugal da KTM deduziu: «Mas estávamo confiantes que [domingo] poderíamos fazer uma boa corrida e trazer um bom resultado».Miguel Oliveira parte do 15.º lugar da grelha para a corrida que se disputava este domingo, a primeira das 21 calculadas, incluindo o GP de Portugal, em 18 de abril, em Portimão.

Miguel Ângelo Falcão de Oliveira é um piloto de motociclismo de Portugalde Portugal que participa na categoria de MotoGP com a equipa Red Bull KTM Tech 3.

Portimão é uma cidade de Portugal no distrito de Faro, região e sub-região do Algarve.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Portugal, Qatar

Cities: Portimao

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>»Preciso mesmo de me divertir amanhã», admite Miguel Oliveira
>>>>>Miguel Oliveira aborda a prova em Portimão e fala da nova série sobre MotoGP – April 01, 2021 (ojogo-pt)
>>>>>MotoGP: Miguel Oliveira foi 15.º no primeiro treino – (ojogo-pt)
>>>>>»Estar tão próximo do top 10 é tão motivante como desapontante» – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 548 0 NONE 34 nos: 3, nós: 1, (tacit) nós: 30
2 Miguel Oliveira 235 36 PERSON 24 Miguel_Oliveira parte de o 15: 1, 54.779sMiguel Oliveira: 1, Oliveira: 1, Miguel_Oliveira: 13, O português Miguel_Oliveira: 1, (tacit) ele/ela (referent: Miguel_Oliveira): 7
3 eu 86 0 NONE 14 (tacit) eu: 13, me: 1
4 piloto 80 0 NONE 8 o piloto português: 1, O piloto português: 2, O piloto luso: 1, piloto português: 1, o piloto luso: 3
5 pilotos 160 0 NONE 7 os pilotos serão: 1, Os pilotos: 2, os outros pilotos: 1, os pilotos: 2, pilotos: 1
6 corrida 80 0 NONE 6 uma boa corrida: 1, corrida: 1, a corrida: 3, uma corrida: 1
7 pneus 4 0 NONE 6 mais pneus pré-aquecidos: 1, os pneus disponíveis: 1, Estes pneus: 1, os pneus serão diferentes: 1, os pneus: 2
8 Portimão 0 0 PLACE 6 Portimão: 4, a Portimão: 1, (tacit) ele/ela (referent: a Portimão): 1
9 tempo 300 0 NONE 5 nosso melhor tempo: 1, o melhor tempo realizado: 1, tempo: 2, nosso tempo: 1
10 fim_de_semana 0 0 NONE 5 fim_de_semana consecutivo: 1, o fim_de_semana: 1, o fim_de_semana anterior: 1, este fim_de_semana: 2