Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Luiz freire

Luís Freire fez a antevisão do jogo etre o Nacional e o Moreirense.Luís Freire assumiu este sábado a «protagonismo do jogo» com o Moreirense, na 14. Luís Freire é o técnico do Nacional.ª jornada da I Liga, esperando um triunfo para dar sequência às boas eexposiçõesda equipa.»É um jogo que queremos muito ganhar, sabendo que se ganharmos o jogo, fazemos 16 pontos e com menos um jogo e será muito bom para nós. Há jogos que são bastante importantes para nós e este é um deles», declarou.Depois de dois jogos de aumentado grau de obstáculo, com o Sporting e com o FC Porto, este para a Taça de Portugal, que teve prolongamento, disputados em condições climatéricas adversas, Luís Freire espera uma boa reação da sua equipa para este jogo com o Moreirense.»Foram jogos complicados e difíceis, mas que também serviram para todo o grupo mostrar que está bem e coeso. Jogaram muitos jogadores e temos muitos jogadores com ritmo, o que é importante para os jogos que aí vêm», declarou.Freire declara que sentar-se «a equipa contente, mas sabendo que tem aí muitos combates pela frente».Enfatiza: «É com a almazinha que tivemos nestes jogos que podemos ir atrás dos pontos que desejamo no campeonato, que é a nossa grande luta».Luís Freire declarou que preparou o jogo no tempo que teve, «tentando recuperar ao máximo os jogadores», e agora deseja «encarar este jogo com a máxima pretensão».»É verdade que dilui bastante [o fator casa], mas em termos de recuperação é um pouco melhor, porque temos as viagens e, jogando de três ou quatro dias, acaba sempre por ser melhor jogar em casa, quer no aspeto físico, quer no emocional, pois temos menos desgaste, para além de ser a nossa casa, onde treinamos, jogamos e estamos todos os dias. É sempre melhor jogar em casa, mesmo nestas circunstâncias», assumiu.Luís Freire considera que a carreira da equipa até ao momento está a ser positiva.»Na minha opinião estamos a fazer um bom campeonato. O campeonato está a ser bastante equilibrado, o último classificado tem 11 pontos e o sétimo tem 15 e nós temos 13 e menos um jogo. Dentro dos objetivos, que é claramente o da manutenção, estamos lá. Estamos a atingir o objetivo neste momento e cada jogo é uma pequena final para o nosso objetivo final», analisou.Sobre o Moreirense, Luís Freire declara que «é uma equipa bem coordenada, que trocou agora de treinador», com a entrada de Vasco Seabra, «um excelente treinador», mas que o técnico dos insulares sabe como coordena as equipas.»Estamos sempre a ver reajustamentos [no plantel], porque pode haver lesões, castigos e com esta questão da covid, devemo estar sempre atenciosos ao que existe. É importante saber alguma fragilidade que exista e agredi-la e reforçar algumas posições que já identificámos. Neste momento estamos a trabalhar internamente, sempre na perspetiva de melhorar o grupo e dar mais soluções», declarou.O Nacional, 11.º, com 13 pontos e menos um jogo, recebe no domingo no Estádio da Madeira, no Funchal, a partir das 15h00, o Moreirense, nono com 14, em partida relativa à 14.ª jornada da I Liga, que será arbitrada por Vítor Ferreira, da AF de Braga.

Técnico do Moreirense projetou o embate frente ao Nacional, em jogo da 14.ª jornada da Liga, no qual vai em busca do primeiro triunfo. Afastamento na Taça de Portugal não deixou sequelasO treinador Vasco Seabra recusou hoje que os futebolistas do Moreirense tenham ficado afetados pela eliminação na Taça de Portugal, antes da visita ao estádio do Nacional, em jogo da 14.ª jornada da I Liga.»É óbvio que desejamo sempre bastante ganhar. Retirou-nos a chance de jogar os quartos de final, mas temos de nos agarrar à outra ochanceque nos resta e passa por estar bem no campeonato. Este grupo não ficou a lamentar o leite derramado e as coisas que já ocorreram», assegurou o técnico, em conferência de jornalismo.O sucessor de César Peixoto procura concluir uma série de três encontros em nove dias com o primeiro vitória pelo símbolo de Moreira de Cónegos, depois do empate com o «vizinho» Vitória de Guimarães e da derrota frente ao Santa Clara .»É um fase difícil, mas temos um grupo disponível para escutar e comprar as nossas intenções coletivas, sem esquecer princípios que já eram bons. Tentamos maximizar as qualidades da equipa, sempre num sentido de potenciarmos as ideias que, na nossa maneira de ver, possam valorizar mais o jogo e nos aproximem de triunfos», observou.Focado no trabalho gradual dos «aspetos ofensivos e defensivos e das transições», Vasco Seabra acredita numa «boa resposta» do Moreirense na visita à Choupana, pedindo «competitividade, energia e raça coletiva» para superar «um oadversárioe um jogo difíceis».»O Nacional é uma equipa bem treinada, com característica no processo, que sabe o que faz e está junta há muito tempo. O jogo vai exigir o máximo de responsabilidade, raça, atitude e crer da nossa parte. Há um longo percurso a percorrer ao longo de 90 minutos, que serão duros e nos quais deveremos saber padecer, mas daremos tudo para vencer», notou.O retorno àosvtriunfosna I Liga ovai oferecerconforto pontual e anímico ao plantel mde Minskpara assimilar a fmaneirade jogar pedida pelo novo treinador, o quarto uusadoesta temporada, depois de Ricardo Soares, César Peixoto e Leandro Mendes.»Mais importante do que sermos uma equipa pressionante é sabermos pressionar. Vão existir momentos em que não conseguiremos pressionar em cima, mas há que ter argumentos para conseguir reagrupar, voltar a coordenar e defender o mais longe possível da nossa baliza, de forma a recuperar mais vezes a bola e estar mais vezes na frente», ilustrou.Vasco Seabra já poderá contar com o médio David Simão, um dos três reforços formalizados na reabertura do mercado de transferências, que esteve isolado em função de um teste com resultado positivo para o novo coronavírus, que provoca a covid-19.Já o defesa Pedro Amador, o médio Sori Mané e os avançados Pedro Nuno e André Luís continuam lesionados, enquanto o defesa Lazar Rosic vai satisfazer um jogo de suspensão, depois de ter sido admoestado com duplo cartão amarelo na partida frente ao Santa Clara.O Moreirense, nono colocado, com 14 pontos, visita o Nacional, na 11.ª posição, com 13 e um jogo em atraso, no domingo, no Estádio da Madeira, no Funchal, às 15:00, num encontro da 14.ª jornada da ​​​​​​​I Liga.

Na sábado 26 de dezembro Técnico dos madeirenses desejava colocar um ponto final no ciclo de desaires consecutivos.Luís Freire alegou que a sua equipa tem de se assumir como preferida na receção ao Tondela, na 11. Luís Freire é o técnico do Nacional.ª jornada da I Liga, num encontro em que só o triunfo interessava.O Nacional vinha de uma sequência de três derrotas para o campeonato , que foi quebrada com um triunfo ante o Leixões, por 3-1, na Taça de Portugal, um triunfo que Luís Freire queria que seja o começo de um período melhor.» era de esperar uma reação. O Nacional dará o seu máximo para vencer. Só nos interessava o triunfo neste jogo, tal como no jogo de quarta-feira [Leixões]. acreditávamo bastante no nosso grupo e no nosso trabalho», declarou.Luís Freire considerava que o seu grupo tem correspondido, considerando-o «bastante trabalhador, bastante guerreiro, bastante humilde, com uma grande vontade de vencer».» sabíamo que o triunfo era o que nos interessava. Pontualmente era importante, para estabilizarmos na primeira metade da tabela e não na segunda metade, que era o que este jogo nos dava acesso. respeitávamo o nosso oponente, mas só pensávamo em vencer», enfatizou.Pese o desejo de vencer, Luís Freire esperava obstáculos para este jogo, frente a um Tondela que » jogava com frequência com três centrais, num 5x4x1, que se modificava num 3x4x3 a agredi».» eram normalmente pressionantes, com extremos rápidos e médios de cobertura e com habilidade de ter a bola, aproveitando a profundidade dos extremos. estávamo bem identificados com o oponente, que não vencia há quatro jogos e que ainda não venceu fora e temos de nos assumir como favoritos neste jogo e carimbar três pontos, que era o nosso objetivo», alegou.Embora considere, às vezes o Nacional tem tido um rendimento menor na primeira, melhorando na segunda metade da contenda, algo que Luís Freire reconhecia que o importante era o resultado final.»Se pudéssemos selecionar, desejávamo iniciar sempre à frente do marcador, que é erasempre melhor, mas o que desejávamo era no final do jogo ter os três pontos. Mas desejávamo entrar determinados e a pressionar e a mandar e era isso que procuraremos fazer no jogo», declarou a deduzi.O Nacional, 13.º, com dez pontos, recebia no Estádio da Madeira, no Funchal, a partir das 15h00, o Tondela, 16.º, com nove, em partida relativa à 11.ª jornada da I Liga, que seria arbitrada por João Bento, da AF Santarém.

Luís de Barros Freire foi um engenheiro, professor e pioneiro da ciência no Brasil.

Fonte: ojogo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Portugal

Cities: Funchal

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Técnico do Nacional enfatiza equilíbrio na I Liga: «O último tem 11 pontos e o sétimo tem 15»
>>>>>Vasco Seabra garante que Moreirense «não ficou a lamentar» eliminação na Taça – (ojogo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 204 0 NONE 34 nos: 6, nós: 1, (tacit) nós: 27
2 Luís Freire 140 0 PERSON 14 Luís_Freire: 9, Freire: 1, (tacit) ele/ela (referent: Freire): 1, Luís_Freire (apposition: O técnico de o Nacional): 2, (tacit) ele/ela (referent: Luís_Freire): 1
3 jogo 0 0 NONE 11 O jogo: 1, o jogo: 3, este jogo: 4, um jogo: 1, jogo: 2
4 Nacional 190 0 ORGANIZATION 9 o Nacional: 3, O Nacional: 3, (tacit) ele/ela (referent: O Nacional 13): 1, O Nacional 11: 1, O Nacional 13: 1
5 vitória 740 0 NONE 8 a primeira vitória: 1, uma vitória: 4, a vitória era: 1, a vitória: 2
6 eu 0 0 NONE 8 (tacit) eu: 8
7 jogos 0 50 NONE 7 estes jogos: 2, os jogos: 1, jogos complicados e difíceis: 1, quatro jogos: 2, jogos: 1
8 equipa 90 0 NONE 6 sua equipa: 2, uma equipa: 3, a equipa feliz: 1
9 era 40 0 NONE 6 era o nosso objetivo: 1, era: 5
10 vencer 400 0 NONE 5 vencer: 5