Por: SentiLecto

Barbeiro, vendedor de frutas, verduras e legumes, são alguns dos trabalhos que jogadores de futebol de pequenos clubes deveram recorrer, durante a paralisação das competições no Brasil devido a pandemia da Covid-19, a enfermidade provocada pelo novo coronavírus.

Sem jogos, há desportistas que tiveram o contrato suspenso, outros ficaram desempregados. Enquanto isso, especialmente, no Rio de Janeiro, os clubes se agitam – com exceção de Botafogo e Fluminense -, pela volta aos treinos e a consequente recomeçada do Campeonato Carioca, suspenso desde meados de março.

A prefeitura carioca permite atividades restritas nos clubes a partir desta terça-feira , como tratamentos no setor médico, fisioterapia em geral e primeiros treinos físicos, respeitando o distanciamento social. Treinos com bola, em distribuição de times, os coletivos e rachões, só serão permitidos em junho. O Flamengo havia recomeçado as atividades antes mesmo desse decreto. O Vasco também havia iniciado os trâmites para o regresso desde a semana anterior.

«Confesso que está sendo bastante difícil, mas devemo buscar o sustento. Dependemos do futebol, então devemo procurar. Foi isso que fiz», declarou o zagueiro Carlos Alberto, do tradicional América de Cariacicade Cariacica, que integra o Grupo Z do estadual, chave que definiria o rebaixado para a segunda divisão.

Enquanto o contrato com «Sangue» está suspenso, o defensor, de 26 anos, que também já vestiu as camisas de Queimados e Nova Iguaçu, trabalha há dois meses como barbeiro , devido a paralisação do campeonato.

O zagueiro, em entrevista à Agência Efe explicou: «Para levar o pão para a minha família».Carlos Alberto, que se profissionalizou no futebol em 2011, revelou que não é a primeira vez que recorre ao trabalho de barbeiro, já que três anos atrás, durante um fase em que não recebia em dia, deveu apostar em um segundo ofício.

«Faz 3 anos, o salário atrasou um, dois, três, quatro meses, em 2017, e não davam uma solução. Na época, minha mulher estava grávida, e eu não tinha dinheiro para pagar nem a passagem. Como devia botar comida em casa, minha mãe me deu a máquina para cortar cabelo», contou o zagueiro.

A situação do lateral-direito Gedeílson, do Madureira, é ainda mais complicada, pois Faz 1 mês, concluiu se o vínculo com o Tricolor Suburbano, já que foi assinado somente para o fase de disputa de o Campeonato Carioca que teria que ter, sido. Sem atuar, o jogador de 27 anos.

Maracanã ainda recebe clínica de campanha, no pico da pandemiaFoto: Divulgação / Rádio Jovem Pan

«Recebemos a notícia de que o clube ficaria parado, meu contrato se concluiu, e fui advertido que não havia dinheiro para renovar. Decidimos, minha mulher e eu, montar um negócio para não gastar tudo o que tínhamos unido. Quando vivi em Cuiabá e Lins, aí recordei das pessoas que vendiam frutas nos conjuntos residenciais (no interior de São Paulo», explicou o defensor.

Gedeílson, então, decidiu empreender e passou a trabalhar com a venda de frutas, verduras e legumes, não só para conseguir receber alguma coisa, mas também como maneira de auxiliar o pai de um amigo, que estava desempregado e hoje trabalha com ele.

«Eu tinha um salário bastante bom no futebol. Com a barraca, minha renda caiu quase 90%, mas acaba me ajudando a pagar as contas e a completar um pouco do que tinha guardado», disse à Efe o ex-América Mineiro, Ipatinga, Sampaio Corrêa, Volta Redonda, entre outros.

PREPARAÇÃO PARA VOLTA.

Carlos Alberto contou que já passou pelos primeiros procedimentos para recomeçar os treinamentos, já que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, liberou a execução de jogos a partir de julho, sem a presença de público nos estádios.

«Fomos ao clube e fizeram testes em nós. Nos declararam que voltaremos a treinar em junho, mas que vamo ter todos os cuidados por causa da pandemia», explicou o zagueiro do América.

«O futebol é o que sei fazer e o que me dá sustento de verdade. Espero que tudo isso passe, e que possa receber uma ligação do meu empresário, declarando para mim sobre uma nova possibilidade em outro clube», deduziu.

Fonte: EfeGeneric

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Paulo, Queimados, Cuiaba

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Jogadores de futebol são reinventados durante paralisação de campeonatos
>>>>>Futebol carioca antecipa retornos – May 26, 2020 (diariodamanhapelotas-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 130 0 NONE 14 (tacit) eu: 10, eu: 1, mim: 1, Eu: 1, me: 1
2 nós 80 0 NONE 10 Nos: 1, nós: 1, (tacit) nós: 8
3 Carlos Alberto 0 0 PERSON 7 (tacit) ele/ela (referent: Carlos_Alberto): 3, o zagueiro Carlos_Alberto: 1, Carlos_Alberto: 3
4 Gedeílson 0 0 PERSON 4 ele (referent: Gedeílson): 1, (tacit) ele/ela (referent: Gedeílson): 2, Gedeílson: 1
5 futebol 0 0 NONE 4 o futebol: 3, O futebol: 1
6 clube 0 0 NONE 3 outro clube: 1, o clube: 2
7 contrato 0 0 NONE 3 meu contrato: 1, o contrato suspenso: 1, o contrato: 1
8 pandemia 0 100 NONE 2 pandemia: 2
9 O Vasco 0 50 PLACE 2 (tacit) ele/ela (referent: O Vasco): 1, O Vasco: 1
10 o defensor de 26 anos 160 0 NONE 2 O defensor de 26 anos: 2