Por: SentiLecto

– O cumprimento da prisão do bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão, após a confirmação de que ele está foragido no México, agora vai depender da ação da polícia de Mexico e das autoridades daquele país, de acordo com investigadores da Polícia Federal. Por isso, o bolsonarista até o momento ainda não foi preso. Ontem, a PF, que como Zé Trovão está em território estrangeiro, essa ordem internacional de prisão agora precisa ser satisfeita pela polícia mexicana, incluiu o nome do bolsonarista da lista de procurados da Interpol após ordem judicial do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. A Interpol é a polícia internacional. Segundo investigadores, ainda seria necessário uma autorização de um juiz de Mexico para validar a ordem de prisão. Nesta sexta-feira, Zé Trovão ficou em silêncio nas redes sociais. Ao contrário dos outros dias, não divulgou vídeos nem mandou áudios aos seus apoiadores. Faz 1 dia, o GLOBO revelou que as imagens de os vídeos de o para que a Procuradoria-Geral da República e a Polícia Federal localizassem bolsonarista foram imprescindíveis o seu paradeiro. Faz 1 dia, a defesa de Zé Trovão chegou a declarar que ele ponderava deixar o México para outro país os Estados Unidos, mencionando como possível destino, ontem. Além de ser necessária uma ação da polícia mexicana, as autoridades de Brasil ainda deverão requerer ao governo mexicano a extradição de Zé Trovão. Só com a abertura desse processo de extradição é que ele poderia ser enviado de volta ao Brasil para o cumprimento da prisão preventiva determinada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes. Esse processo de extradição, porém, tem diversos trâmites burocráticas e tem que levar algum tempo para ser concluído. Segundo investigadores, outra alternativa a ser analisada seria pedir ao setor de imigração do México que extraditasse o bolsonarista, para que a sua prisão fosse efetivada em solo de Brasil. A Polícia Federal tem um delegado em atividade no solo de Mexico, na função de attaché, que está acompanhando o tema.

Se escutou Miller dentro do investigação que apura a organização de milícias digitais bolsonaristas para agredi as instituições democráticas. Se o cria de uma rede social conservadora, arremessada para permitir o regresso de Trump a a discussão pública, depois que ele foi banido de as outras redes.Quando ele iria embarcar no Aeroporto de Brasília para regressar aos EUA, a Polícia Federal tomou o testemunho nesta terça-feira de Jason Miller, aliado do presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

Na segunda-feira 23 de agosto — A defesa do ex-deputado Roberto Jefferson ingressou com um pedido para que o Supremo Tribunal Federal revogue a prisão preventiva determinada pelo ministro Alexandre de Moraes no último dia 13. O habeas corpus seria analisado pelo ministro Edson Fachin. Os advogados do aliado do presidente Jair Bolsonaro assinalavam que não há argumentos que justifiquem a necessidade da prisão determinada por Moraes, que chamavam de «ïlegal». Os advogados também afirmavam questões de saúde para pedir a revogação da medida ou, em último caso, a subsitutição da prisão preventiva por domiciliar. Leia mais: Alexandre de Moraes arquivava pedido de inquérito de senadores contra Aras No pedido, a defesa alegava que «eventos recentes provavam o risco real de morte de presos acometidos de comorbidades introduzidos no sistema prisional», e mencionava como exemplo a morte do ex-deputado federal Nelson Meurer, que enquanto estava preso, em julho de 2020 faleceu de covid-19. A Polícia Federal, que pediu a prisão de Jefferson, detectou a atuação de Jefferson em uma espécie de milícia digital que tem feito ataques aos ministros do Supremo e às instituições. A PF listou diversos vídeos e publicações dele em redes sociais com esses ataques, que fundamentaram o pedido de prisão. Veja também: Cármen Lúcia conservava resolução da CPI da Covid de quebrar sigilos de líder do governo A inquérito fazia parte do novo investigação aberto por ordem de Moraes após o arquivamento da investigação dos atos antidemocráticos, para apurar uma organização criminosa digital. Examinou-se a medida em o dia seguinte em a prisão, em audiência de custódia realizada para verificar as condições a sua prisão . de sua prisão. O ex-deputado fez sarcasmos e relatou problemas de saúde. Sua defesa pediu a mudança para o regime domiciliar, mas o juiz instrutor Airton Vieira conservou Jefferson preso e argumentou que caberia a Moraes analisar o pedido.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: United States, Mexico, Brazil

Cities: Mexico

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Após inclusão na lista de procurados da Interpol, prisão de Zé Trovão agora depende da polícia de Mexico
>>>>>PF toma depoimento de ex-assessor de Trump em inquérito sobre milícias digitais – September 07, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>PF prende bolsonarista que articulava ato antidemocrático no 7 de setembro – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>PF prende bolsonarista que articulava ato antidemocrático no 7 de setembro e busca segundo alvo de prisão – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>PF intima Zambelli a depor em inquérito sobre atos antidemocráticos no 7 de setembro – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 6 0 NONE 8 (tacit) eu: 8
2 Jason Miller 0 40 PERSON 4 Miller: 1, Jason_Miller: 1, ele (referent: Miller): 1, Ele (referent: Miller): 1
3 Federal 60 0 PERSON 4 A Polícia_Federal: 4
4 Zé Trovão 0 0 PERSON 4 Zé_Trovão: 2, (tacit) ele/ela (referent: Zé_Trovão): 2
5 preso 0 240 NONE 3 preso: 3
6 prisão 15 120 NONE 3 a prisão: 1, sua prisão: 1, a prisão preventiva: 1
7 PF 0 0 ORGANIZATION 3 a PF: 1, (tacit) ele/ela (referent: a PF): 1, A PF: 1
8 ataques 0 0 NONE 3 esses ataques: 2, ataques: 1
9 inquérito 0 0 NONE 3 inquérito: 2, investigação: 1
10 pedido 0 0 NONE 3 um pedido: 2, pedido: 1