Por: SentiLecto

– O Índice de Atividade Econômica do Banco Central , considerado um sinalizador do Produto Interno Bruto, teve alta de 1,06% em agosto na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado divulgado pela autarquia nesta quinta-feira. Foi a quarta alta consecutiva do IBC-Br na comparação mensal, mas o dado veio abaixo do esperado por analistas, que apostavam em uma ampliação de 1,60%, segundo pesquisa da Reuters. Faz 3 meses, BRIBC = ECI > a atividade teve alta de %3,7 sobre o mês anterior, segundo dado revisado por o BC que inicialmente havia reportado crescimento de %2,15 para o mês,. Faz 1 ano, o IBC-Br exibiu contração de %3,92 e, em 12 meses, acumulou recuo de %3,09, sobre agosto de 2019. Faz 2 meses, dados setoriais de o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística já haviam impostas por a pandemia de Covid-19.Faz 3 meses, a produção industrial registrou ampliação de %3,2 sobre julho, em linha com expectativas, mas Faz 8 meses, ainda ficou %2,6 abaixo do nível. Já as vendas no varejo restrito progrediram 3,4% na mesma comparação, que tem ajuste sazonal, e atingiram o maior volume da série histórica do IBGE. Faz 2 meses, o volume de serviços, setor mais diretamente afetado por os bloqueios em a movimentação, aumentou %2,9 em a comparação mensal, uma performance recorde para agosto e acima do esperado mas Faz 8 meses, ainda ficou %9,8 abaixo do nível. O governo estima que o PIB contrairá 4,7% neste ano, no que seria o pior resultado da série histórica. Já o mercado calcula recuo de 5,03% em 2020 e progressão de 3,50% em 2021, segundo a mais recente pesquisa semanal Focus do BC.

– Faz 2 meses, o volume de o setor de serviços brasileiro aumentou %2,9 sobre o mês anterior, na terceira alta mensal do indicador, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta quarta-feira. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o indicador padeceu a sexta queda consecutiva, de 10%. O desempenho do setor que responde por cerca de 60% do PIB do país veio um pouco melhor do que as expectativas de analistas que apontavam para uma alta mensal de 2,3% e um recuo anual de 10,7%, segundo pesquisa Reuters. [BRSERM=ECI] [BRSERV=ECI} Em 12 meses, no entanto, o setor de serviços ainda tem queda de %5,3 que teve começo em dezembro de 2012. Queda de %5,3 é a mais aumentada da série. E a alta acumulada desde junho, de 11,2%, não foi suficiente para recuperar as perdas de 19,8% registradas de fevereiro a maio. Faz 3 meses, o crescimento de o setor sobre julho teve o impulso de uma ampliação recorde de %33,3 em os serviços prestados em as famílias, setor fortemente baqueado por as medidas de contenção de a disseminação de o vírus que este mês teve sua performance puxada por restaurantes e hotéis, de a Covid-19 e segundo o IBGE.Faz 2 meses, serviços auxiliares a os transportes e correio foram as principais influências negativas, em a comparação com agosto os serviços prestados em as famílias os serviços profissionais administrativos e adicionais e os transportes.Na quinta-feira 08 de outubro – As vendas no varejo brasileiro avançaram 3,4 por cento em agosto sobre o mês anterior, na série com ajuste sazonal, e atingiram o maior volume para o mês da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística , mostraram dados divulgados nesta quinta-feira. Esse foi o quarto mês consecutivo de crescimento das vendas na comparação com o mês anterior. Faz 2 meses, de o ano passado, a alta foi de %6,1, sobre agosto. A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 3,10 por cento na comparação mensal e de progressão de 7,00 por cento sobre um ano antes. BRRSL=ECI> BRRSLY=ECI> No ano, as vendas seguiam em queda, de 0,9%, e, em 12 meses, há alta acumulada de 0,5%. O IBGE em nota alegou: «O volume de vendas no varejo, em agosto de 2020, continuou registrando trajetória positiva, movimento começado em maio de 2020, após recordes de queda em março e abril, sobretudo na comparação com o mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal». Faz 3 meses, o comércio varejista aumentado, que incluía também veículos e materiais de construção, aumentou %4,6. Segundo o órgão, sete das dez atividades pesquisadas tiveram resultados positivos na comparação com julho, na série com ajuste sazonal. Os principais destaques foram tecidos, vestuário e calçados , outros artigos de utilização pessoal e doméstica e veículos e motos, partes e peça . Na ponta oposta, houve forte queda nas vendas de livros, jornais, revistas e papelaria , e recuo também no grupo de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos e de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo . Faz 4 meses, as vendas de o varejo aumentaram %5 sobre junho, em julho.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Atividade econômica brasileira retarda em agosto, com alta de 1,06%, declara BC
>>>>>Setor de serviços cresce 2,9% em agosto sobre julho, um pouco acima do esperado – October 14, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 comparação 0 0 NONE 9 comparação: 2, a comparação mensal: 2, a comparação: 5
2 alta 0 0 NONE 5 alta acumulada de %0,5: 1, alta de %1,06: 1, alta de %3,7: 1, a alta acumulada: 1, a alta: 1
3 vendas 50 0 NONE 4 as vendas: 3, As vendas: 1
4 ajuste 0 0 NONE 4 ajuste sazonal: 4
5 serviços 230 70 NONE 3 os serviços profissionais administrativos e complementares: 1, serviços auxiliares: 1, os serviços prestados: 1
6 varejo 0 60 NONE 3 o varejo restrito: 1, o varejo: 1, o varejo brasileiro: 1
7 eu 0 9 NONE 3 (tacit) eu: 3
8 dado 0 0 NONE 3 dado dessazonalizado: 1, dado revisado: 1, o dado: 1
9 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
10 série 0 0 NONE 3 a série: 3