Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Hélio Negão e Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer nesta segunda-feira diversos ataques aLuís Roberto Barroso por sua posição oposta ao voto impresso. Luís Roberto Barroso é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral . Bolsonaro questionou se «só o Barroso está certo» e alegou que o ministro deseja uma «votação suja e não democrática».

— O presidente Jair Bolsonaro questionou nesta quarta-feira um dos argumentos do presidente do Tribunal Superior Eleitoral , Luís Roberto Barroso, para se opor à proposta de voto impresso, o de que haveria um cpreçode R$ 2 bilhões. Bolsonaro alegou que é ele, e não Barroso, quem trata do Orçamento. Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, o presidente também declarou que podem haver «problemas» na votação do ano que vem. — Ganhará votação quem tem voto. Poderemos ter problemas em 22, se não for dessa forma. E eu não desejo problema. E quando falam, o Barroso mesmo, «mais R$ 2 bilhões», ô Barroso, quem trata de verba sou eu, não é você — declarou Bolsonaro. O presidente defende uma Proposta de Emenda à Constituição , que está em ddebatena Câmara, que determina a urna eletrôinica imprima um comprovante do voto, apesar de não comprovar problemas no modelo atual.— Sei que vocês não estão inquietados em gastar R$ 2 bilhões da verba com uma forma de nós termos a certeza de que se votou para prefeito, governador, vereador, deputado e será aquela pessoa. De acordo com Bolsonaro, «o povo reagirá» caso a proposta — que ele chama de «voto democrático» — não seja aprovada: — Se não tivermos votações democráticas, o povo reagirá em 22. Todos nós desejamo votações. Bolsonaro promete desde março de 2020 exibi provas de fraude na votações, mas ainda não fez isso. No mês passado, o TSE deu 15 dias para o presidente exibi evidências de anormalidades na urna eletrônica. Devido ao recesso judiciário, esse prazo vence no dia 2 de agosto. Ferramentas tecnológicas de as urnas eletrônicas garantem a segurança , equipamentos físicos e sistemas de auditagem abertos a qualquer cidadão. Uma das maneiras de garantir a segurança da eleição são testes públicos em que «hackers» tentam invadir o sistema das urnas e identificar possíveis vulnerabilidades.— Ministro Luís Roberto Barroso alegou nesta quinta-feira que se documentou um episódio de fraude nunca em as votações realizadas com as urnas eletrônicas e que o discurso de «se eu perder houve fraude» é um discurso de quem «não aceita a democracia», uma vez que o atual sistema consagra a democracia, já que permite a alternância de poder. Ministro Luís Roberto Barroso é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral . Quando Dilma Rousseff foi reeleita, as falas do ministro acontecem no mesmo dia em que Bolsonaro prometeu revelar, em sua live semanal, supostas “provas de fraude” na contagem de votos do segundo turno da votação presidencial de 2014 vencendo Aécio Neves . — Faz 7 anos, o partido de o candidato derrotado pediu auditoria de o sistema que foi feita,, em 2014 que foi feita, e o próprio candidato reconhece que não houve fraude. Isso não ocorreu. Jamais se documentou, por que o dia que se documentar, o papel da Justiça Eleitoral é imediatamente apurar. Uma fraude exigira que muita gente no TSE estivesse comprometida. Ia ser um complô de muita gente. Não há precedente e não há razão para se mexer num time que está ganhando — declarou Barroso. O ministro participou da solenidade de inauguração da nova sede do Tribunal Regional Eleitoral do Acre, e se o honrou com a medalha de a ordem de a Justiça Eleitoral de o estado. Em seu discurso, com fortes recados a favor da democracia e do atual sistema eleitoral brasileiro, o presidente do TSE reafirmou a segurança das urnas eletrônicas e declarou que a democracia é um «espaço de convivência de pessoas que pensam diferente». — [Na democracia] só não tem lugar para a intolerância, para a pressão, para a violência. Tudo nessa vida pode ser feito com respeito e consideração pelo outro. Uma causa que precise de Animosidade, de mentira, de desinformação, de agressividade, de grosseria não pode ser uma causa boa —, alegou o ministro, que vem sendo alvo de ataques por parte de Bolsonaro em razão do trabalho institucional que vem fazendo a favor da urna eletrônica. Segundo o presidente do TSE, há uma crença de pessoas de boa fé de que o voto impresso somente traria um dispositivo a mais de auditoria. um argumento que, na visão do ministro, parece lógico, mas não é verdadeiro. Na avaliação dele, porém, o voto impresso não pode ser utilizado como dispositivo de auditoria pela «singela razão de que o voto impresso é menos seguro do que o voto eletrônico». O ministro mencionou problemas como transporte, fraude, sigilo, preço e licitação tormentosa. — É um consenso de que essa é uma mudança para pior. E essa é a única razão que nos estimula a defender o sistema pelo qual foi eleito o presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, Dilma Rousseff, do PT e Jair Bolsonaro, do PSL. É um sistema que consagra a democracia, por que uma das qualidades da democracia é a alternância de poder. É reconhecer a chance de que quem pensa diferente pode vencer —, evidenciou. Honrou-se Barroso presente em a solenidade em que , Gladson Cameli tido como aliado de Bolsonaro, declarou confiar legalidade de as urnas eletrônicas em a » e de a vontade popular » e agradeceu o poder Judiciário em a guerrazinha em a pandemia de covid-19. Gladson Cameli é o governador do Acre.m grupo de 11 partidos pediu que a Corregedoria do Tribunal Superior Eleitoral cobre explicações do presidente Jair Bolsonaro sobre as supostas fraudes em urnas eletrônicas relatadas por ele em transmissão ao vivo nas redes sociais. Na última quinta-feira, Bolsonaro reconheceu não ter as provas que havia prometido exibi, mas, mesmo assim, fez ataques ao sistema de eleição utilizado no Brasil e declarou que há «indícios fortíssimos em período de aprofundamento». Os indícios mencionados foram vídeos que circulam na internet e trechos editados de programas de TV.

Na sexta-feira 23 de julho — O Tribunal Superior Eleitoral rebateu as novas denúncias sem provas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro de que a apuração dos votos era feita por «meia dúzia de pessoas, de maneira secreta» em uma «sala lá do TSE». O presidente e seus apoiadores têm como bandeira o voto impresso, que estava em análise na Câmara dos Deputados. Para desmenti-lo, a Corte eleitoral explicou que a apuração dos resultados das eleições é feita automaticamente pela urna eletrônica logo após o encerramento da votação, com a impressão, em cinco vias, do Boletim de Urna , que contém a quantidade de votos registrados na urna para cada candidato e partido, além dos votos nulos e em branco. Leia mais: Em novo ataque ao TSE, Bolsonaro criticava apuração feita por ‘meia dúzia de pessoas de maneira secreta’ Ainda de acordo com o TSE, uma das vias impressas era afixada no local de eleição, visível a todos, de modo que o resultado da urna se tornava público e definitivo. Vias complementares eram entregues aos fiscais dos partidos políticos. Segundo o tribunal, alvo frequente de ataques feitos por parte de Bolsonaro, o «processo de apuração era realizado pela urna eletrônica antes da transmissão de resultados, que acontecia por uma rede de transmissão de dados criptografados de utilização exclusiva da Justiça Eleitoral». «O resultado final divulgado pelo TSE sempre correspondeu à soma dos votos de cada um dos boletins de urna impressos em cada seção eleitoral do país», disse o TSE por meio de nota. A Corte esclareceu ainda que o resultado definitivo de cada urna sai impresso e é tornado público após a votação, e ele podia ser facilmente confrontado, por qualquer eleitor, com os dados divulgados pelo TSE na internet, após a finalização da totalização. Veja também: Para ampliar popularidade, Bolsonaro intensificava vislumbradas em emissoras de rádios pelo país «Os partidos e outras entidades fiscalizadoras também podiam requerer todos os arquivos das urnas eletrônicas e do banco de dados da totalização para verificação posterior», alegou. — Eu não estava acusando servidores do TSE. Eu não podia admitir que meia dúzia de pessoas tenham a chave criptográfica de tudo, e essa meia dúzia de pessoas, de maneira secreta, conte os votos numa sala lá do TSE. Isso não era aceitável — declarou Bolsonaro mais cedo nesta quinta, em entrevista a uma rádio. Bolsonaro prometia desde março de 2020 exibi provas de fraude na votações, mas ainda não fez isso. No mês passado, o TSE deu 15 dias para o presidente exibi evidências de anormalidades na urna eletrônica. Devido ao recesso judiciário, esse prazo vencia no dia 2 de agosto.

Jair Messias Bolsonaro é um capitão reformado, político e atual presidente brasileiro.

Luís Roberto Barroso é um jurista, professor e juiz brasileiro, atualmente ministro do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral, sendo o atual presidente desta corte.

Horas após as declarações de Bolsonaro, o domo do TSE e 15 ex-presidentes da Corte divulgaram uma nota defendendo o atual modelo de votações no Brasil. Os ministros e ex-ministros reafirmam que urnas eletrônicas são auditáveis e transparentes.

— Não é voto impresso pelo voto impresso. É uma maneira de se ter certeza que não haverá manejo. Ou só o Barroso está certo? Alguém acredita no ministro Barroso? — declarou Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada. — Estamos combatendo e temos um limite, é fazer com que as votações sejam limpas e democráticas. Quem deseja votação suja e não democrática é o ministro Barroso. E ele se intitula como não pode ser criticado.

— Não consigo compreender porque outras pessoas do Supremo não falam o oposto, como se o Barroso fosse o proprietário da verdade.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Alvorada

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Bolsonaro agride presidente do TSE por posição oposta ao voto impresso: ‘só o Barroso está certo?’
>>>>>Bolsonaro volta a provocar presidente do TSE sobre voto impresso: ‘quem trata de Orçamento sou eu’ – (Extraoglobo-pt)
>>>>>‘Discurso de ‘se eu perder houve fraude’ é discurso de quem não aceita a democracia’, diz Barroso – July 29, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>Partidos pedem que TSE cobre explicações de Bolsonaro por acusações sem provas contra as urnas eletrônicas – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 50 60 PERSON 21 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 1, O presidente Jair_Bolsonaro: 2, ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 2, Bolsonaro: 14, o presidente Jair_Bolsonaro: 1
2 Luís Roberto Barroso 180 0 PERSON 17 ministro Luís_Roberto_Barroso (apposition: O presidente de o Tribunal_Superior_Eleitoral): 1, Luís_Roberto_Barroso (apposition: o presidente de o Tribunal_Superior_Eleitoral): 1, (tacit) ele/ela (referent: o ministro Barroso): 2, o ministro Barroso: 2, Luís_Roberto_Barroso: 2, (tacit) ele/ela (referent: Barroso): 2, ele (referent: Barroso): 1, Barroso: 6
3 eu 10 55 NONE 14 (tacit) eu: 9, eu: 3, Eu: 2
4 voto 80 0 NONE 10 voto: 1, o voto eletrônico: 1, o voto impresso: 7, voto impresso: 1
5 TSE 0 0 ORGANIZATION 8 o TSE: 8
6 democracia 340 0 NONE 7 democracia: 1, a democracia: 6
7 nós 0 8 NONE 6 nos: 1, nós: 1, (tacit) nós: 4
8 razão 360 0 NONE 6 razão: 1, a única razão: 3, singela razão: 2
9 eleição 110 270 NONE 5 eleição: 2, eleição suja: 2, a eleição: 1
10 sistema 108 0 NONE 5 um sistema: 2, o atual sistema eleitoral: 1, o sistema: 1, o atual sistema: 1