Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Hélio Negão e Jair Bolsonaro

— O presidente Jair Bolsonaro, que declarou que o vocábulo final vai ser do Congresso, a quem cabe conservar ou derrubar o seu veto, reafirmou nesta terça-feira sua intenção de vetar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões , mas Bolsonaro alegou não ter problema com parlamentares, mas evidenciou que se o obriga não a «intubar» tudo que for aprovado pelo Legislativo. — Não é que eles aprovam lá, sou obrigado a intubar do lado de cá. Não tenho problema com o Parlamento, espero que não tenha problema lá com deputados e senadores. E eles agora, após o nosso veto, eles decidem se conserva ou não — declarou o presidente, em entrevista à rádio Itatiaia. O valor de o fundo eleitoral , três vezes maior que o Congresso em as votações de 2018 , aprovou em a semana passada o destinado em a eleição de a Lei de Diretrizes Orçamentárias que estabelece os parâmetros para o Orçamento de o próximo ano ,.No Palácio do Planalto, a avaliação é que o melhor desfecho para o fundo eleitoral seria o Supremo Tribunal Federa l invalidar a eleição da LDO, apesar de Bolsonaro mencionar o veto. Na segunda-feira, parlamentares ingressaram com uma ação na Corte com esse objetivo. Técnicos do governo avaliam que o simples veto redundaria na manutenção do mesmo valor destinado ao fundo em 2018, de R$ 2 bilhões. Se estabeleceu a soma isso porque , em o último pleito, após mudança feita em a Lei das Eleições.

— O presidente Jair Bolsonaro declarou que é injusta a cobrança sobre parlamentares bolsonaristas que votaram em defesa do ampliação do fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões. Ao deixar o Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, após quatro dias internado, Bolsonaro alegou que a eleição foi uma «casca de banana» dentro da Lei de Diretrizes Oçamentárias . Foi a primeira vez que Bolsonaro abordou o tema. Ele garantiu que dará um bom final» para essa questão, sinalizando que «quase R$ 6 bilhões» é um valor bastante alto. Compreenda: Fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões tem que tornar próxima campanha a mais cara de todas Segundo o presidente, os parlamentares que votaram a Lei de Diretrizes Orçamentárias estão sendo «injustamente» acusados de votar a ampliação do fundo. A eleição instituiu uma «saia justa» para parlamentares que apoiam o presidente, já que muitos deputados que se declaravam contra o reajuste votaram em defesa do ampliação. — Os parlamentares aprovaram a LDO. É um documento enorme, com vários anexos, tem muita coisa lá dentro. Num projeto enorme, alguém botou lá dentro essa «casca de banana, essa jabuticaba» — alegou o presidente. Tratamento precoce: Bolsonaro defende estudo sobre medicamento sem efetividade comprovada contra a Covid-19 Na quinta-feira, o Congresso aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias , que ampliou o valor calculado para o Fundo Eleitoral. A soma, de no mínimo R$ 5,7 bilhões, vai ser quase o triplo da última votação. Deputado Juscelino Filho incluiu no texto a previsão de um piso para o fundo. Deputado Juscelino Filho é o relator. Em 1 ano, o valor vai ser corespondente a %25 de os recursos destinados em a Justiça Eleitoral, oriundos de emendas de bancadas estaduais e valores de a renúncia de a extinção de propaganda partidária que serão definidos por o Tribunal Superior Eleitoral.Segundo técnicos do Congresso, esse valor daria em torno de R$ 5,7 bilhões. Faz 3 anos, o fundo foi de R $ 1,7 bilhão, em as votações de 2018. Sonar: Alvos de remoção de conteúdo, bolsonaristas buscam redes sociais opções Bolsonaro declarou que muitos parlamentares tentaram realçar essa questão , mas se os atenderam não . Segundo o presidente, o culpado pela aprovação da ampliação foi o deputado Marcelo Ramos , que governou a sessão de eleição da LDO. — Ele que fez isso tudo, porque se tivesse realçado, talvez o resultado tivesse sido diferente. Então, cobre em primeiro lugar do Marcelo Ramos. E quem está agredindo parlamentares que votaram pelo fundão, isso não é verdade — alegou. Bolsonaro alegou que o deputado «atropelou, ignorou, passou por cima» e não botou em eleição o destaque. — Obrigado aos parlamentares que votaram o LDO. Todos eles estão sendo acusados injustamente de ter votado o fundão. Eu sigo a minha consciência, sigo a economia, e a gente buscará dar um bom final para isso daí. Afinal de contas, já antecipo: R$ 6 bilhões para fundo eleitoral? Pela afeição de Deus — declarou o presidente. Bolsonaro: presidente tem alta médica após passar quatro noites no clínica em São Paulo Durante entrevista a jornalistas na saída da clínica em São Paulo, Bolsonaro ainda defendeu o ex-ministro Eduardo Pazuello das acusações de que ele prometeu a um grupo de intermediadores adquiri 30 milhões de doses da vacina CoronaVac por quase o triplo do custo negociado pelo Instituto Butantan. Bolsonaro declarou que Brasília é o «paraíso dos lobistas» e que todos «pressionavam por vacinas», e recebeu-se muitas pessoas em o ministério. — Aquele pessoal se reuniu com o diretor responsável por possíveis compras lá no ministério e na saída ele conversou com o pessoal. Ele estaria dando entrevista, se fosse algo secreto, negociando algo superfaturado? Estaria escondidinho lá no porão do ministério. É «pelado dentro da piscina», quando fala em propina, e não gravando um vídeo para anunciar a assinatura de um memorando de entendimento para a compra — alegou o presidente. Sonar: Sites bolsonaristas divulgam dados científicos falsos sobre Covid-19 Sobre a eleição da proposta de emenda à Constituição , que estabelece o voto impresso nas evotaçõesde 2022, o presidente ddeclarouque sepois que o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso visitou o Congresso, ó d é que os líderes partidários mudaram os integrantes da cdelegaçãopara que eles votassem contra o voto impresso. Deputados bolsonaristas conseguiram protelar a eleição, que estava calculada para sexta-feira passada, na delegação especial da Câmara que analisa o tema, do parecer do relator, deputado Filipe Barros . — Eu não compreendo porque não desejam voto auditável. Vai ser que esse voto eletrônico é tão confiável assim? Nós desejamo clareza nas votações. Não existem eleicões sem clareza, isso é fraude — alegou.— O presidente Jair Bolsonaro alegou nesta terça-feira que «não existe terceira via» nas votações do ano que vem e reconheceu que a disputa está polarizada entre ele e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para Bolsonaro, os candidatos que tentam se exibi como opção aos dois não conseguirão «atraiar a camaradagem da população». — Tem uma passagem bíblica que declara, seja quente ou seja frio, não seja morno. Então terceira via, povo não engole isso aí — declarou Bolsonaro, em entrevista à rádio Itatiaia. — Não dará certo. Não agregará, não atrairá a camaradagem da população. Não existe terceira via, está polarizado. Uma pesquisa do Datafolha divulgada há 10 dias mostra Lula liderança a disputa, com 46% das intenções de voto, contra 25% de Bolsonaro. Os pré-candidatos que tentam se exibi como «terceira via» não chegam a dois dígitos: Ciro Gomes tem %8, tem %4, enquanto João Doria chega a %5 e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta. João Doria é o governador de São Paulo.O Congresso Nacional aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias , que amplia o valor calculado para o Fundo Eleitoral. A soma, de no mínimo R$ 5,7 bilhões, vai ser quase o triplo da última votação. Experts escutados pelo GLOBO alegam que a ampliação tem que beneficiar grandes partidos e políticos com mandatos. Eles defendem o financiamento público de campanhas, mas questionam os valores calculados para o próximo pleito.

Na quarta-feira 07 de julho — Ministro Luiz Fux reagiu aos ataques a integrantes da Corte e do Tribunal Superior Eleitoral feitos pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em uma entrevista a uma rádio do Rio Grande do Sul Ministro Luiz Fux é o presidente do Supremo Tribunal Federal ., e declarou que a «liberdade de expressão tinha que conviver com respeito às instituições». X em nota divulgada pela assessoria de jornalismo do Supremo. L sse F: «O Supremo Tribunal Federal evidenciava que a liberdade de expressão, assegurada pela Constituição a qualquer brasileiro, tinha que conviver com o respeito às instituições e à honra de seus integrantes, como decorrência imediata da harmonia e da independência entre os Poderes»,.eia mais: Bolsonaro confirmava intenção de mencionar Mendonça ao STF Ainda segundo Fux, o STF » recusava posicionamentos que extrapolavam a crítica construtiva e questionavam indevidamente a idoneidade das juízas e dos juízes da Corte». Enquanto falava de sua intenção de mencionar o advogado-geral da União, André Mendonça, para a vaga do ministro Marco Aurélio Mello, Bolsonaro criticou o ministro Luís Roberto Barroso, por, segundo ele, durante a entrevista não acreditar em Deus e por defender coisas que «não encontravam amparava nenhum» na Bíblia. Em outros momentos da entrevista, o presidente também fez diversas críticas a Barroso, declarando que ele » desejava arruinar nossa democracia» e era um «péssimo ministro». Barroso, que presidia o Tribunal Superior Eleitoral , tem sido alvo de ataques de Bolsonaro por ser oposto à proposta de impressão do voto que e estava sendo articuladana Câmara dos Deputados. Também por meio de nota, a assessoria de jornalismo do TSE informou que Barroso estava em um «compromisso acadêmico fora do Brasil e pediu para não ser aborrecido com mentiras e miudezas». O presidente da República também declarou durante a entrevista, sem qualquer prova, que o deputado federal e ex-candidato à presidência da República Aécio Neves foi eleito em 2014 – quando foi derrotado por Dilma Rousseff . — O nosso levantamento aqui, feito por gente que compreendia do tema, acompanhou toda eleição, garantia que sim. se comprovou a fraude o que eu vi em 2014, O Aécio foi eleito em 2014. Não entrarei no mérito de quem era melhor, mas o que as urnas assinalaram dado esse levantamento deu Aécio Neves em 2014 —, alegou o presidente, que já havia declarado, sem provas, que houve fraude na votação de 2018, que ele venceu. Sonar: Barroso e Gilmar Mendes trocavam farpas nas redes ao defenderem semipresidencialismo Além de fazer críticas ao presidente do TSE, Bolsonaro mencionou nominalmente outros ministros, como Edson Fachin, Cármen Lúcia e Rosa Weber. E declarou, sem mencionar nomes, que há ministros que negociavam voto para arquivar processo. — era um absurdo o que o STF fazia, o que uns supremos faziam —, declarou o presidente da República. No final de junho, ministro Luís Felipe Salomão deu 15 dias para que Bolsonaro exiba as provas que declarava ter sobre uma suposta fraude no sistema eletrônico de eleição nas votações de 2018. Ministro Luís Felipe Salomão é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral. O presidente ainda não as exibiu.

Jair Messias Bolsonaro é um capitão reformado, político e atual presidente brasileiro.

Se utiliza o termo muitas vezes, para se referir em a reunião de representantes de o poder legislativo de uma nação.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Bolsonaro reafirma intenção de vetar fundo eleitoral, mas declara que vocábulo final vai ser do Congresso
>>>>>Bolsonaro diz que reajuste do fundo eleitoral foi ‘casca de banana’ na votação da LDO – (Extraoglobo-pt)
>>>>>‘Não existe terceira via, está polarizado’, diz Bolsonaro sobre eleições de 2022 – July 20, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Prefeitos da Baixada cogitam abandonar Bolsonaro em meio a queda de popularidade – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Aumento do fundo eleitoral deve beneficiar grandes partidos e políticos com mandatos, dizem especialistas – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 80 195 PERSON 38 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 1, Ele (referent: Bolsonaro): 1, ele (referent: Bolsonaro): 2, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 11, Bolsonaro: 17, (tacit) ele (referent: Bolsonaro): 1, O presidente Jair_Bolsonaro: 4, Jair_Bolsonaro: 1
2 eu 80 60 NONE 16 (tacit) eu: 13, Eu: 2, eu: 1
3 presidente 60 0 NONE 12 o presidente: 10, O presidente: 1, presidente: 1
4 eleição 0 0 NONE 9 A votação: 1, a votação: 3, a eleição de 2018: 1, votação: 1, as eleições: 2, toda votação: 1
5 Luís Roberto Barroso 0 60 PERSON 7 ministro Luís_Felipe_Salomão (apposition: o corregedor-geral de a Justiça_Eleitoral): 1, Barroso: 4, (tacit) ele/ela (referent: Barroso): 1, o ministro Luís_Roberto_Barroso: 1
6 entrevista 0 0 NONE 7 uma entrevista: 1, a entrevista: 3, entrevista: 3
7 parlamentares 0 100 NONE 6 Os parlamentares: 1, muitos parlamentares: 1, os parlamentares: 4
8 valor 450 0 NONE 6 valor destinado: 1, esse valor: 1, um valor muito alto: 1, O valor: 1, o valor previsto: 2
9 R 0 0 PERSON 6 R: 5, quase R: 1
10 a Lei_de_Diretrizes_Orçamentárias 0 0 OTHER 6 a Lei_de_Diretrizes_Orçamentárias: 6