Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Hélio Negão e Jair Bolsonaro

Um dia depois do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, alegar que não há efetividade comprovada para a hidroxicloroquina, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender sua utilização. Em discurso feito em acontecimento com igrejas evangélicas em Anápolis, Bolsonaro comparou a hidroxicloroquina com as vacinas aplicadas na população. O presidente propôs que também não há comprovação científica da efetividade da vacina, que estaria em período experimental.

Jair Messias Bolsonaro é um capitão reformado, político e atual presidente brasileiro.

Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes é um médico cardiologista brasileiro, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e atual ministro da Saúde do Brasil, trocando o general de divisão do Exército Brasileiro, Eduardo Pazuello.

Apesar da declaração de o presidente , a efetividade de todas as a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou vacinas. Testes realizados em milhares de pacientes exibiram uma redução na possibilidade de contrair a enfermidade. No caso da hidroxicloroquina, diversas pesquisas já assinalaram que o remédio não tem eficiência para lutar pacientes com Covid.

Também sem provas, Bolsonaro voltou a propagar a suposição de que houve supernotificação de mortes por Covid-19 no ano passado e que mais da metade das mortes no país não aconteceram por causa da enfermidade. Segundo ele, essa suposta redução teria acontecido por causa do tratamento precoce defendido por seu governo.

No seu discurso, feito em um acontecimento de igrejas evangélicas em Anápolis , o presidente mencionou o documento que foi incluído no sistema do Tribunal de Contas da União e defende a tese de supernotificação. Segundo ele, o documento foi feito por «pessoas que estão ao seu lado».

Com base nos números do documento, desmentido pelo Tribunal de Contas da União, Bolsonaro afirmou que o Brasil, na verdade, seria o país com menos mortes por milhão no mundo.

— Teremos em 2020 o país como aquele com menor número de mortes por milhão de moradora por causa da Covid, se nós retirarmos as possíveis fraudes. Que milagre é esse? O tratamento precoce — alegou o presidente.

Bolsonaro repetiu que tomou hidroxicloroquina e também mencionou outros remédios que ainda não tem efetividade comprovada.

— Desejam prova maior que isso? Eu tomei hidroxicloroquina, outros tomaram ivermectina, outros estão tomando porque é difícil encontrar no Brasil, a proxalutamida.

Nesta terça-feira, durante seu segundo testemunho na CPI da Covid, Marcelo Queiroga negou a efetividade da vacina. Marcelo Queiroga é o ministro da Saúde.A fala contrapõe com o discurso de Bolsonaro, que já fez por diversas vezes a defesa da utilização desses remédios.

— Eu já respondi a vossa excelência. Essas medicações não têm efetividade comprovada — declarou Queiroga, em resposta a Renan.

Essa não foi a única vez durante seu novo testemunho à cdelegaçãoparlamentar de iinvestigaçãoque o ministro negou a eefetividadeda cloroquina. Ao ser questionado por Renan sobre Mayra Pinheiro, conhecida como «Capitã Cloroquina», secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Queiroga voltou a alegar que não reconhecia a efetividade da droga.

Os planos para uma nova participação de Queiroga chegaram a ser adiantados pelo temor de uma terceira onda de infecções e recorrentes participações de Bolsonaro em atos com aglomeração, mas os novos eventos ampliaram o peso do segundo depoimento do médico cardiologista. Em testemunho à cdelegaçãona última semana, a infectologista Luana Araújo, que havia sido convidada por Queiroga para integrar sua equipe e foi barrada pelo governo, aassinalouque a saída teria sido mestimuladapor pressões do governo no enfrentamento à pandemia, que não teriam sido aceitas por ela.Os planos para uma nova participação de Queiroga chegaram a ser adiantados pelo temor de uma terceira onda de infecções e recorrentes participações de Bolsonaro em atos com aglomeração, mas os novos eventos ampliaram o peso do segundo depoimento do médico cardiologista. Em testemunho à cdelegaçãona última semana, a infectologista Luana Araújo, que havia sido convidada por Queiroga para integrar sua equipe e foi barrada pelo governo, aassinalouque a saída teria sido mestimuladapor pressões do governo no enfrentamento à pandemia, que não teriam sido aceitas por ela.Nesta terça, Bolsonaro declarou que errou em falar em «tabela» — apesar de não ter utilizado esse termo na véspera — e declarou que estava se referindo a um acórdão do TCU. O acórdão indicado, contudo, fala exclusivamente na chance de uma supernotificação, e não indícios concretos.

Na terça-feira 01 de junho a CPI da Covid escutava em instantes a oncologista e imunologista Nise Yamaguchi, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, sobre o que tem sido chamado de “salinha paralela”, grupo de fora do Ministério da Saúde que teria se reunido no governo e tido voz ativa na tomada de resoluções do presidente Jair Bolsonaro para o enfrentamento à pandemia.

– Senador, eu já externei aqui a minha posição acerca dessas medicações. Para mim não há evidência comprovada da efetividade desses remédios — alegou o ministro.

— Eu acho que essa questão deve ser direcionada ao ministro Queiroga. A minha posição pública não é uma opinião. Na medicina a gente tem opinião até o momento em que a gente troca essa opinião por evidências. Não foi me dada nenhuma justificação para a minha saída — declarou Luana.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Anapolis

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Em meio à campanha de imunização contra Covid, Bolsonaro compara vacinas com hidroxicloroquina: ‘Experimental’
>>>>>CPI da Covid ouve Queiroga pela segunda vez e deve questionar autonomia na Saúde – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ao vivo: CPI da Covid ouve em instantes ministro da Saúde pela segunda vez; acompanhe – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bolsonaro admite erro sobre TCU, mas insiste em discurso sobre supernotificação – June 08, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 0 90 PERSON 9 Bolsonaro: 5, o presidente Jair_Bolsonaro: 1, ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 2
2 eu 0 0 NONE 6 Eu: 3, eu: 1, mim: 1, me: 1
3 pandemia 0 250 NONE 5 a pandemia: 5
4 Marcelo Queiroga 0 0 PERSON 5 Queiroga: 2, o ministro Queiroga: 1, Marcelo_Queiroga (apposition: o ministro de a Saúde): 1, Marcelo_Queiroga: 1
5 hidroxicloroquina 0 0 NONE 5 hidroxicloroquina: 3, a hidroxicloroquina: 2
6 governo 0 0 NONE 4 o governo: 3, seu governo: 1
7 presidente 0 0 NONE 4 O presidente: 1, o presidente: 3
8 eficácia 210 0 NONE 3 eficácia comprovada: 3
9 acontecimentos 0 0 NONE 3 os novos acontecimentos: 2, evento: 1
10 documento 0 0 NONE 3 o documento: 3