Por: SentiLecto

O mosaico partidário nos municípios do Rio a partir do resultado das urnas menciona uma reordenação de forças onde, nos últimos anos, quem sobressaía era o MDB. Assolado pelos escândalos de corrupção nos governos Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão e também envolvendo parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio , o partido foi o que mais encolheu no estado em termos de prefeituras conquistadas: foram somente seis até agora, 70% a menos que as 20 do pleito de 2016.

Enquanto isso, outras siglas progrediram, como o PSC, do governador em exercício Cláudio Castro, e o DEM, que ainda tem Eduardo Paes na disputa do 2º turno na capital.

Crime e política: Candidatos vinculados à milícia, tráfico e grupos de extermínio são eleitos

Para o cientista político Paulo Baía, as votações na Baixada refletem uma tendência dos pleitos municipais: questões locais que se sobrepõem a assuntos nacionais. A aproximação de candidatos com o bolsonarismo beneficiaria mais o presidente em 2022, do que atrairia votos em 2020:

No domingo 08 de novembro candidato à reeleição em Duque de Caxias, maior colégio eleitoral da Baixada Fluminense, o prefeito Washington Reis c chegavaà reta final da campanha mirando em 2022. Reis, que liderava com folgava as pesquisas de intenção de voto, construiu uma estrutura política e econômica de suporte ao seu nome não só para a prefeitura, mas também para o Palácio Guanabara. Na costura política para a formação de sua base, o emedebista arremessou candidatos a vereador e firmou coalizão para prefeito nas maiores cidades da estado. Conquistou o suporte da família Bolsonaro e de líderes evangélicos, como o pastor Silas Malafaia e o bispo Manuel Ferreira, e fez articulações no Congresso Nacional.

Faz 4 anos, o MDB perdeu cidades importantes de o interior, como Macaé e Rio das Ostras, em relação a 2016. Alguns de seus eleitos quatro anos atrás, porém, já haviam deixado o partido com a derrocada de caciques como Cabral e Jorge Picciani. Faz 4 anos, quatro prefeitos ganhadores por o MDB agora se reelegeram por outros partidos, a exemplo de Rodrigo Drable, em Barra Mansa, atualmente em o DEM.

Os Sucessos dos emedebistas ficaram por conta da manutenção da hegemonia na Costa Verde, em Paraty e Angra dos Reis; do triunfo em três dos municípios menos populosos do interior ; e da reeleição de Waguinho, em Belford Roxo. Também na Baixada, a principal peça do tabuleiro do MDB, no entanto, é Washington Reis, que conseguiu votos para se reeleger em Duque de Caxias, mas enquanto recorre de uma resolução do TRE-RJ que indeferiu seu registro, está com a conquista sub judice.

O partido que aparece na liderança é o PSC, que tinha saído zerado em 2016 e agora já tem onze cidades garantidas — Teresópolis é a mais importante delas —, além de concorrer no segundo turno em São João de Meriti. Faz 2 anos, o partido angariou políticos importantes por o interior em a esteira de o triunfo de Wilson Witzel para o governo estadual. Hoje, Witzel está afastado da posição e o chefe do PSC, Pastor Everaldo, está preso.

O ex-senador Marcondes Gadelha, que assumiu a presidência do PSC após a prisão de Pastor Everaldo, declara que as pautas defendidas pelo partido “têm uma aderência firme na média da população”:

Zaqueu Teixeira , ex-secretário estadual de Segurança Pública e candidato a prefeito em Queimados, aposta no crescimento de sua sigla.

— São bandeiras como a defesa da família e a posição contra a legalização das drogas. A prisão do Everaldo e o afastamento de Witzel são episódios difíceis para qualquer partido, mas nos apegamos à base ideológica.

Partidos do centrão, o PL, com nove prefeituras até agora, e o PP, com oito, também podem chegar, cada um, a 11 municípios após o segundo turno e as análises das candidaturas com pendências judiciais. De qualquer maneira, o PP vai reduzi sua abrangência. Quatro anos atrás, a sigla havia levado 19 municípios. Já o PL aumentou: em 2016, tinha eleito sete prefeitos.

Bolsonaro no divã: Aliados do presidente se dividem entre negar fracasso nas urnas e defender autocrítica

No total, 80 dos 92 municípios já definiram seus prefeitos — 19 partidos estão encarnados. Caso Rubens Bomtempo saia vitorioso em Petrópolis, um vigésimo, o PSB, pode entrar na lista — há quatro anos, no entanto, o partido havia vencido em seis cidades. Este ano, teve falhas como o do candidato à reeleição de Cachoeiras de Macacu, Mauro Soares, campeão de rejeição no Rio: ele teve asomente404 votos .

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Teresopolis, Sao Joao De Meriti, Petropolis, Duque De Caxias, Belford Roxo, Barra Mansa, Angra Dos Reis

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>MDB encolhe no Rio e o PSC ultrapassa ele
>>>>>Aliança de prefeitos da Baixada com Bolsonaro pavimenta caminho do presidente para possível candidatura em 2022 – November 15, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 partido 0 0 NONE 8 o partido: 4, qualquer partido: 1, O partido: 3
2 Washington Reis 60 0 PERSON 5 Reis com: 2, Washington_Reis: 2, o prefeito Washington_Reis: 1
3 PSC 30 0 ORGANIZATION 4 o PSC de o governador: 1, o PSC: 2, (tacit) ele/ela (referent: o PSC): 1
4 prefeitos 80 0 NONE 3 Quatro prefeitos vencedores: 1, seus prefeitos: 1, sete prefeitos: 1
5 sua base 60 0 NONE 3 (tacit) ele/ela (referent: sua base): 3
6 DEM 0 0 ORGANIZATION 3 o DEM: 3
7 MDB 0 0 ORGANIZATION 3 o MDB: 3
8 Marcondes Gadelha 0 0 PERSON 3 O ex-senador Marcondes_Gadelha: 2, (tacit) ele/ela (referent: O ex-senador Marcondes_Gadelha): 1
9 municípios 0 0 NONE 3 os municípios: 1, os 92 municípios: 1, 19 municípios: 1
10 votos 0 0 NONE 3 404 votos: 1, votos: 2