Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – BRAlogo1

O Ministério da Saúde quebrou uma cláusula de confidencialidade do contrato de compra de vacinas para Covid-19 firmado com a Pfizer ao publicar o documento na internet. A parte geral do documento declara: «As Informações Confidenciais incluem, entre outros, os termos e condições deste Contrato». Um dos tópicos descreve, mais especificamente, as informações que devem ser conservadas em sigilo, como «disposições financeiras ou de indenização» e qualquer dado que possa mencionar «o custo por dose do produto», entre outros.

A plataforma mostra que houve uma ampliação geral no número de notificações de conseqüência adversos entre 2019 e 2020. No fase, a quantidade de notificações referentes a todos os remédios saiu de 8.587 em 2019 para 19.592 no ano seguinte, um crescimento de 128%. Apesar do crescimento dos dados gerais, a ampliação relacionada a remédios como cloroquina e azitromicina é superior à média.A azitromicina, que também faz parte do kit, também registrou ampliação no número de conseqüência adversos informados. Faz 2 anos, foram 25, em 2019. Faz 1 ano, o número saltou para 82, uma variação de %228, em 2020.

Na quinta-feira 18 de março – Reportagem publicada pelo jornal «Folha de S. Paulo» alega que o Ministério da Saúde mandou máscaras reprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para que estados as usassem nas ações de guerrazinha ao coronavírus. A reportagem, publicada de quarta-feira, mencionava documentos de uma investigação conduzida pelo Ministério Público Federal nos quais, apesar de advertido sobre a ineficiência das máscaras, o Ministério da Saúde teria insistido na utilização dos produtos. Compreenda: Em três recordes, veja por que o Brasil virou epicentro mundial da Covid-19 Segundo a reportagem, a Anvisa elaborou um parecer no dia 13 de janeiro alegando que se mencionariam máscaras de China de a espécie kN95 não para a utilização hospitalara. No parecer, a Anvisa informava que teria recebido reclamações sobre problemas nas máscaras e que teria informado o Ministério da Saúde sobre “riscos complementares” aos quais profissionais de saúde e pacientes estariam sujeitos ao usarem os produtos. Ainda de acordo com a publicação, o Ministério da Saúde teria distribuído essas máscaras entre julho e dezembro de 2020. A pasta ainda teria defendido o utilização das máscaras em agosto e novembro de 2020 e em janeiro de 2021, alegando que a companhia contratada para fornecê-las teriaa feito um teste em cinco marcas que atestou a efetividadea alta” do produto. A companhia contratada para fornecer os produtos era a Global Base HK, com sede em Hong Kong e encarnada no Brasil pelava 356 Distribuidora, Importadora e Exportadora. Faz 1 ano, se assinou o contrato, ainda durante a administração de o então ministro de a Saúde Henrique Mandetta. Faz 8 dias, ele deixou a posição. Leia mais: Estados e municípios temiam falta de oxigênio e advertiam Ministério da Saúde O contrato total foi de US$ 132 milhões para o abastecimento de 240 milhões máscaras, das quais 40 milhões da espécie KN95. A reportagem do GLOBO procurou o MPF, mas se o informou de que a investigação citada estava sob sigilo. Se procurou O Ministério da Saúde também, mas não mandou respostas aos questionamentos. Procurada, a Anvisa não divulgou o documento mencionado pela reportagem da Folha de S. Paulo, mas desde que eles sejam, declarou que, “em um cenário de emergência em saúde pública, a Anvisa compreendia que era cabível o utilização desses produtos em atividades que não exijam respiradores N95, PFF2 e equivalente” “rotulados com a nova utilização e atendidos os critérios mínimos de característica exigido”.

O Ministério da Saúde, no Brasil, corresponde ao setor governamental culpado pela gestão e manutenção da Saúde pública do país.

Em um sentido extenso, um contrato é uma operação econômica entre duas ou mais pessoas.

A rádio CBN de a quebra de a cláusula noticiou a informação. Publicou-se o contrato na íntegra em o site de a pasta, onde ficou por ao menos dez dias. As normas definem que caso se descumpram normas, a Pfizer pode anular o contrato imediatamente. No caso de uma rescisão por justa causa, o Brasil, precisaria até mesmo pagar pelas doses sem receber a vacina. O Ministério da Saúde, que não se demonstrou até a publicação deste texto, ainda segundo a CBN, só retirou o contrato do site depois de um pedido do laboratório de Noruega. O contrato foi alvo de críticas por parte do governo e até do presidente Jair Bolsonaro, devido a cláusulas consideradas abusivas. Ele chegou a declarar que iria divulgar o documento para justificar o fato de o Executivo não ter ainda adquirido os imunizantes.

O GLOBO procurou O Ministério da Saúde, mas

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ministério da Saúde quebra confidencialidade de contrato com a Pfizer
>>>>>‘Kit Covid’: Reações adversas à cloroquina disparam 558% e Anvisa já registra nove mortes – April 05, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Após primeira reunião do comitê contra a Covid, Bolsonaro volta a atacar lockdown e isolamento – March 31, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Mourão diz que vai se vacinar contra a Covid-19 nesta segunda-feira – March 29, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Covid-19: Após atritos com governadores, Bolsonaro se afasta, e Pacheco assume interlocução – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>’Pô, ultrapassou o limite do bom senso’, diz Mourão sobre número de mortos por Covid-19 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Lockdown e cloroquina provocam conflito em reunião de Bolsonaro com chefes do Legislativo e Judiciário – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>No mesmo dia que Butantan anuncia nova vacina, governo Bolsonaro corre para divulgar segundo imunizante nacional – March 26, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Após dar posse a novo ministro da Saúde, Bolsonaro fará pronunciamento na TV – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ao rebater críticas, Bolsonaro diz que ainda não foi convencido a mudar de postura sobre pandemia – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Após tomar posse, Queiroga promete aumentar em três vezes o ritmo da vacinação contra Covid-19 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro quer embaixador Luis Fernando Serra para lugar de Ernesto no Itamaraty – March 29, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro se reúne com Lira e diz que ‘não tem problema nenhum’ entre eles – March 25, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Insatisfeito, Lira faz discurso duro ao Planalto: ‘Remédios políticos no Parlamento são conhecidos e todos amargos’ – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>Pressão sobre Bolsonaro cresce no auge da pandemia. Entenda a crise em quatro pontos – March 25, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Além de Ernesto Araújo, Centrão mira outros ministros e quer reforma ampla – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Ministro Ernesto Araújo decidiu pedir demissão do cargo – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Ministério da Saúde 4 0 ORGANIZATION 11 (tacit) ele/ela (referent: O Ministério_da_Saúde): 1, O Ministério_da_Saúde: 6, o Ministério_da_Saúde: 4
2 contrato 0 60 NONE 7 o contrato: 2, O contrato: 3, contrato total: 1, um contrato: 1
3 Anvisa 0 0 ORGANIZATION 6 (tacit) ele/ela (referent: a Anvisa): 2, a Anvisa: 4
4 máscaras 0 70 NONE 4 máscaras reprovadas: 1, as máscaras: 3
5 eu 0 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
6 o Brasil 0 0 PLACE 4 o Brasil: 4
7 aumento 90 0 NONE 3 aumento: 1, o aumento relacionado: 1, um aumento geral: 1
8 Folha de S. Paulo 0 0 ORGANIZATION 3 Folha_de_S._Paulo: 1, (tacit) ele/ela (referent: Folha_de_S._Paulo): 2
9 o contrato 0 0 NONE 3 Ele (referent: O contrato): 1, (tacit) ele/ela (referent: O contrato): 2
10 reportagem 0 0 NONE 3 Reportagem publicada: 1, a reportagem: 1, A reportagem: 1