Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Rosângela e Sergio Moro em junho de 2019

– O ex-ministro da Justiça Sergio Moro alegou em testemunho na Polícia Federal que escutou de ministros palatinos «salinha da Animosidade», grupo de assessores bolsonaristas que utiliza as redes sociais para agredi oponentes do presidente O vereador Carlos Bolsonaro é o filho do presidente Jair Bolsonaro. e ainda que foi alvo de ataques desse grupo após ter deixado a posição de ministro, declarou. Relembre:Carlos Bolsonaro depõe e declara na PF que não tem relação com mensagens e atos antidemocráticos No testemunho prestado no último dia 12 na investigação sobre a organização de atos antMoro, que mencionou que existia um «odiozito» entre Bolsonaro e o presidente da Câmara alegou que a ligação de Carlos Bolsonaro com o «salinha da Animosidade» é comentada por ministros do Palácio do Planalto e alegou que esses ministros poderiam dar maiores esclarecimentos na PF. Moro, que mencionou que existia um «odiozito» entre Bolsonaro e o presidente da Câmara é rodrigo Maia. Moro, que mencionou que existia um «odiozito» entre Bolsonaro e o presidente da Câmara é rodrigo Maia.s investigadores também questionaram Moro se, durante seu fase como ministro da Justiça, ele tomou conhecimento da existência de uma estrutura dentro do governo federal montada para agredi autoridades públicas dos outros Poderes, como parlamentares e ministros do Supremo Tribunal Federal. , e que sabia dos ataques ao parlamentar.

– A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira mais uma operação contra tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro com 215 mandados judiciais e a apreensão de 400 milhões de reais em bens de pessoas ligadas ao narcotráfico. Em nota, a PF informou que estão sendo satisfeitos 149 mandados de busca e apreensão e 66 de prisão em cidades de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco. Ainda segundo a Receita Federal, que participa da ação, mandados também estão sendo satisfeitos na Espanha, Colômbia, Portugal e Emirados Árabes Unidos. Além disso, foram expedidas ainda as chamadas difusões vermelhas para a prisão de oito investigados que estão no exterior, além da apreensão de bens. Entre as apreensões até agora estão armas, dinheiro e drogas, mas a Justiça Federal concedeu a PF e a Receita o direito de apreender imóveis, aviõezinhos e veículos de opulência pertencentes aos criminosos. De acordo com a PF, o inquérito durou mais de dois anos e levou à maior apreensão de drogas da história, com 50 toneladas de cocaína sendo apreendidas em portos dbrasileiros da Europa e da África ao longo da iinquérito Faz 3 anos, 776 quilos de cocaína com destino a Antuérpia, em a Bélgica, foram apreendidos em o porto de Paranaguá, começou se o inquérito que culminou em a operação de esta segunda-feira, a partir de uma apreensão feita em setembro de 2017 quando. O inquérito apurou a existência de um esquema milionário em que eram utilizados laranjas e companhias de frontispício com ativos milionários no Brasil e no exterior para dar aparência legítima ao dinheiro vindo do tráfico, a maior parte exportado do Brasil para a Europa pelos portos de Santos e Paranaguá. Participam da ação 670 policiais federais e 30 servidores da Receita Federal.A Polícia Federal volta a escutar testemunhas do incêndio do Hospital federal de Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, nesta terça-feira, dia 24. São esperados que nove brigadistas, que são terceirizados contratados pela unidade de saúde, prestem testemunho ao longo desta semana na sede da Superintendência da PF, na Praça Mauá, Zona Portuária. Desde que o incêndio matou 16 pacientes após o edifício 1 de a unidade de saúde pegar fogo em o dia 27 de outubro, escutou-se outros funcionários já. Se escutaram o servidor público e chefe geral de os almoxarifados de a clínica já e o primeiro bombeiro civil a adentrar local em o e enfrentar o incêndio, este funcionário terceirizado contratado como Brigadista, segundo informou a PF.- O presidente Jair Bolsonaro passou na manhã desta terça-feira por exames médicos de rotina no serviço médico palatino, declarou a Presidência da República, sem dar mais detalhes sobre quais exames o presidente realizou. Bolsonaro, de 65 anos, contraiu Covid-19 em julho e declarou ter se recuperado da enfermidade sem padecer sintomas mais sérios. Faz 2 meses, o presidente se submeteu a uma cirurgia para a retirada de um cálculo em a bexiga, em setembro. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esteve no Palácio do Planalto nesta manhã e, perguntada por jornalistas como estava o presidente, respondeu que «está tudo ótimo». Faz 2 anos, Bolsonaro passou por quatro cirurgias relacionadas a o ataque, após ser apunhalado durante a campanha presidencial de 2018. A primeira, de emergência, em Juiz de Fora , onde aconteceu o atentado contra ele. Depois foram intervenções realizadas em São Paulo, para desobstrução intestinal, retirada de uma bolsa de colostomia e correção de uma hérnia.

Na sexta-feira 13 de novembro – O presidente Jair Bolsonaro acusou, nesta quinta-feira, países europeus que criticam o Brasil pelo desmatamento da floresta amazônica de serem receptadores de madeira irregular, e declarou que irá colocar um ponto final na questão. Bolsonaro em transmissão pelas redes sociais, numa referência a uma prática criminosa de comprar algo, que era produto de uma transgressão. alegou: «Países que nos criticavam eram, na verdade, receptadores». Bolsonaro declarou que era possível verificar essa informação a partir da apuração do DNA das madeiras feita pela Polícia Federal para descobrimento da procedência. Na transmissão, o presidente alegou que os países vão ter que se conscientizar e cooperar com o Brasil, declarando que eles deviam auxiliar a não desmatar o Brasil. Alegou: » pararão de falar que Bolsonaro era o desmatador, o opositor do meio ambiente». Mais cedo, em transmissão a apoiadores, o presidente também falou do tema. «A madeira chegava para ser exportada, ficava uma nota e pelo DNA da madeira a PF sabia de onde vinha aquela madeira. Então muitos países estavam importando madeira nossa ilegal e nos criticavam por desmatar. Então era só eles não adquirirem que diminuía em quase 90% com toda a certeza o desmatamento, porque ninguém deseja o desmatamento ilegal no Brasil», declarou. «Quem estava adquirindo, estava nos criticando. era como se fosse uma receptação», reforçou. Bolsonaro declarou ainda na transmissão pelas redes sociais que era passível de «cartão vermelho» alguém do governo que defender a proposta de expropriação de terras em caso de crime ambiental. Essa proposta surgiu no âmbito do Conselho da Amazônia, órgão que era comandada pelo vice-presidente Hamilton Mourão. Alegou: «Não existia conversa no governo sobre expropriação de terras na Amazônia».

Sérgio Fernando Moro GCRB • GOMM • Dmjm é um jurista, ex-magistrado e professor universitário brasileiro.

Carlos Nantes Bolsonaro é um político brasileiro e segundo filho do atual presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Moro declara que foi alvo de ataques do ‘salinha da Animosidade’ e menciona ligação de Carlos Bolsonaro com o grupo em testemunho à PF
>>>>>PF cumpre mais de 200 mandados e apreende R$400 milhões em bens em operação contra narcotráfico – (Extraoglobo-pt)
>>>>>PF retoma depoimentos das testemunhas do incêndio no Hospital de Bonsucesso – November 24, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>Bolsonaro passa por exames de rotina no serviço médico do Planalto, diz Presidência – November 24, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 0 0 PERSON 18 (tacit) ele/ela (referent: O presidente Jair_Bolsonaro): 2, ele (referent: Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro de 65 anos e): 2, Bolsonaro: 6, Carlos_Bolsonaro: 1, Bolsonaro de 65 anos e: 1, o vereador Carlos_Bolsonaro (apposition: o filho de o presidente Jair_Bolsonaro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Carlos_Bolsonaro): 1, Jair_Bolsonaro: 1, O presidente Jair_Bolsonaro: 1, Michelle_Bolsonaro: 1
2 PF 0 0 ORGANIZATION 9 a PF: 6, PF: 1, (tacit) ele/ela (referent: a PF): 2
3 inquérito 30 0 NONE 6 investigação: 1, A investigação: 1, a investigação: 3, o inquérito: 1
4 eu 0 0 NONE 6 (tacit) eu: 6
5 era 40 0 NONE 4 era comandada: 1, era possível: 1, era: 2
6 Federal 0 0 PERSON 4 a Polícia_Federal: 2, A Polícia_Federal: 2
7 Moro 0 0 PERSON 4 ele (referent: Moro): 1, Moro: 1, Moro (apposition: Rodrigo_Maia): 2
8 países 0 0 NONE 4 os países: 1, muitos países: 1, Países: 2
9 presidente 0 0 NONE 4 o presidente: 4
10 transmissão 0 0 NONE 4 transmissão: 2, a transmissão: 2