Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Jair Bolsonaro é entrevistado por Augusto Nunes

Tião Bocalom demitiu o jornalista que questionou o presidente Jair Bolsonaro, em coletiva de jornalismo na última quarta-feira, a respeito de uma resolução do Superior Tribunal de Justiça que favoreceu seu filho Flávio . Tião Bocalom é o prefeito de Rio Branco. O presidente se aborreceu com a questão, e se exonerou João Renato Jácome que trabalhava como chefe de salinha em a Secretaria de Meio Ambiente de Rio Branco,, em o dia seguinte. De folga naquele dia, ele decidiu fazer um trabalho freelancer, sem vínculo empregatício, para o jornal «O Estado de S. Paulo» e cobrir a coletiva de jornalismo com Jair Bolsonaro.

Jair Messias Bolsonaro é um capitão reformado, político e atual presidente brasileiro.

Sebastião Bocalom Rodrigues, conhecido como Tião Bocalom é um matemático e político brasileiro, filiado ao Progressistas .

Antes que a questão fosse deduzida, Bolsonaro suspendeu o jornalista, anunciou o fechamento da coletiva e imediatamente se retirou do palanque.

«Presidente, qual a avaliação fez da resolução do STJ, ontem, de derrubar a quebra dos sigilos fiscal e…», perguntou Jácome a Bolsonaro. O presidente respondeu: «Acabou a entrevista».

Os quatro ministros consideraram que houve falta de fundamentação em duas resoluções de Itabaiana para autorizar as quebras de sigilo requeridas pelo Ministério Público do Rio na condução do inquérito. João Otávio Noronha, que abriu o primeiro voto anômalo, chegou a criticar o juiz por ter usado uma resolução de duas linhas para quebrar o sigilo de mais de 90 pessoas. A fala do juiz ecoa o discurso dos advogados de Flávio, do próprio parlamentar e do presidente Bolsonaro, que reclamou publicamente, em maio de 2019, a forma como o filho teve os sigilos bancário e fiscal expostos por resolução de Itabaiana.Não. A resolução não invalida diretamente a acusação já exibida pelo Ministério Público contra o senador e mais 16 pessoas, mas por interromper uma prova-chave, pode levar à anulação de outras provas e diligências.— Agora, todas as cláusulas serão mostradas à população, para que na ponta da linha cada um saiba o que está sendo aplicado.

Na quarta-feira 17 de fevereiro — Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro defendiam que o Palácio do Planalto não se envolva na prisão do deputado federal Daniel Silveira , embora seja um dos parlamentares mais próximos do chefe do Executivo. Silveira foi preso dem sua casa em Petrópolis por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal , após o parlamentar ter divulgado um vídeo no qual proferia ataques e injúrias aos ministros da Corte. O deputado fez apologia a agressões físicas contra os ministros e defendeu a «destituição» deles. Quando o presidente Jair Bolsonaro já havia, a notícia da prisão do deputado chegou se recolhido para dormir no Forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, Santa Catarina, onde passou o feriado de Carnaval. Minutos após a prisão, integrantes do governo declararam ao GLOBO, em personalidade reservada, terem sido assombrados pela prisão e relataram temor de uma nova crise entre os Poderes. Comentando o episódio sem saber a reação do chefe do Executivo, esses auxiliares defenderam que o Planalto não tinha que interferir e evitar uma novo tensionamento na relação com a Corte. embora tenha bom tráfego em o governo, se criticou o parlamentar , por o vídeo. Na opinião de uma pessoa próxima a Bolsonaro, Silveira fez «ataques gratuitos e generalizados» e extrapolou o direito de se demonstrar ao «desafiar, xingar e desqualificar» ministros do Supremo Tribunal Federal. Segundo este integrante do governo, apesar das divergências com a Corte não há como o governo apoiar Silveira. Daniel Silveira era investigado na investigação dos atos antidemocráticos, que apurava a organização e execução de manifestações com ataques ao Legislativo e ao Judiciário, e também na investigação das fake news, que apurava ataques aos ministros da corte.

O jornalista se referiu ao julgamento realizado na última terça-feira, em que ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça votaram em defesa de um pedido da defesa de Flávio para invalidar a quebra de sigilo fiscal e bancário do filho do presidente no caso que envolve o ex-assessor Fabrício Queiroz.

Na sua vez, os votos favoráveis a Flávio partiram dos ministros João Otávio Noronha, Reinaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Parcionik. Os três divergiram do ministro Felix Fischer que optou por negar o pedido da defesa e os colegas venceram ele de o colegiado. O ministro Felix Fischer é relator do caso.

— Por conta do rodízio da bandeira vermelha, por conta da covid, naquela quarta eu estava livre e fui trabalhar como jornalista. É uma pena. Mas seguiremos em frente e trabalhar. Fazer imprensa — alegou Jácome ao GLOBO.

Ao site «Congresso em Foco», o prefeito Tião Bocalom, que foi apoiado por Bolsonaro na votação municipal, declarou que não demitiu Jácome pela questão feita a Bolsonaro.

Procurada, a prefeitura ainda não regressou ao contato do GLOBO.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Rio Branco

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Prefeito de Rio Branco demite jornalista que aborreceu Bolsonaro em coletiva
>>>>>Caso das ‘rachadinhas’: Quinta Turma do STJ anula quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro – February 23, 2021 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Caso das ‘rachadinhas’: Queiroz pode ser solto? Entenda os efeitos da decisão do STJ sobre as investigações envolvendo Flávio Bolsonaro – February 24, 2021 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Após registro de vacina na Anvisa, Bolsonaro volta a criticar exigências da Pfizer – February 24, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Vacina da Pfizer é a primeira a obter o registro definitivo da Anvisa, mas não tem previsão para começar a ser usada no Brasil – February 24, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Vacina da Pfizer: entenda o que representa a aprovação de registro definitivo pela Anvisa – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Entrave na importação de insumo atrasou análise de pedido de registro de vacina da Fiocruz – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Brasil se aproxima de 250 mil mortes por Covid-19 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Boris Johnson promete vacina contra o coronavírus para todos no Reino Unido antes do final de julho – February 21, 2021 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Anvisa concede registro definitivo para vacina da Pfizer contra Covid-19 – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jair Bolsonaro 48 0 PERSON 7 o presidente Bolsonaro: 2, Bolsonaro: 4, o presidente Jair_Bolsonaro: 1
2 João Renato Jácome 60 0 PERSON 6 João_Renato_Jácome: 2, ele (referent: João_Renato_Jácome): 1, Jácome: 2, Jácome_a_Bolsonaro: 1
3 Daniel Silveira 40 80 PERSON 5 Daniel_Silveira: 1, Daniel_Silveira era investigado em o inquérito de os atos antidemocráticos: 1, (tacit) ele/ela (referent: Silveira): 1, Silveira: 2
4 jornalista 0 100 NONE 4 O jornalista: 1, o jornalista: 3
5 Tião Bocalom 120 0 PERSON 4 o prefeito Tião_Bocalom: 2, Tião_Bocalom: 1, Tião_Bocalom (apposition: O prefeito de Rio_Branco): 1
6 eu 95 0 NONE 4 (tacit) eu: 3, eu: 1
7 governo 0 0 NONE 4 o governo: 4
8 presidente 0 70 NONE 3 O presidente: 1, o presidente: 1, Presidente: 1
9 Felix Fischer 0 0 PERSON 3 (tacit) ele (referent: o ministro Felix_Fischer): 1, (tacit) ele/ela (referent: o ministro Felix_Fischer): 1, o ministro Felix_Fischer (apposition: relator de o caso): 1
10 ministros 0 0 NONE 3 Os quatro ministros: 1, os ministros: 2