Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Coronavac (Brazilian version) 2021 A

Uma parcela expressiva das pessoas que recebem o imunizante CoronaVac desenvolve anticorpos após a primeira dose, porém, a proteção contra a Covid-19 se a alcança só cerca de 15 dias após a segunda dose. Antes disso, a pessoa é inoculada, mas se considerar, não pode imunizada, advertem cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro , que investigaram se e quando os vacinados desenvolvem proteção.

CoronaVac é uma vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela empresa biofarmacêutica de China Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan.

Enem: Veja se é possível conseguir uma vaga no curso que você quer com a nota obtida no exame

— A boa notícia é que a CoronaVac realmente anima uma produção robusta de anticorpos neutralizantes na maioria das pessoas. Porém, a importante nota de precaução é que isso ocorre somente depois da segunda dose. Se sentir, quem tomou uma dose só não deve protegido porque não está — realça o imunologista Orlando Ferreira, um dos coordenadores do Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ.

Orlando Ferreira, também conhecido como Doca, foi um jornalista independente que criticava as elites econômicas, políticas e religiosas da cidade de Uberaba, região do Triângulo Mineiro.

Esses anticorpos neutralizantes são os que de fato importam, pois agridem diretamente o Sars-CoV-2. No estudo, os cientistas analisaram a habilidade de neutralização da vírus de 68 pessoas vacinadas. Os testes revelaram que 42 dias após a primeira dose 84% das pessoas exibiram anticorpos neutralizantes.

O estudo vai além da comentário de diminuição de internações. Mostra que realmente a vacina está satisfazendo o que promete, isto é, defesa na maneira de anticorpos. Isso é feito por meio de um teste que detecta especificamente os anticorpos neutralizantes no soro das pessoas vacinadas.

Compreenda: o que dificulta a aprovação da vacina de Rusia Sputnik V no Brasil

— Todavia, não sabemos quanto tempo esses anticorpos durarão. Ainda é bastante cedo para declarar isso — adiciona Ferreira.

Os indivíduos estudados são em sua maioria profissionais de saúde vacinados no Centro de Triagem e Diagnóstico para a Covid-19 da UFRJ.

O estudo ganha ainda mais pertinência porque a CoronaVac, até agora, é praticamente a única vacina com a dosagem complea aplicada no Brasil.

Sequelas: Como fica o cérebro após a borrasca viral da Covid-19

Dados de 6 de abril, compilados pelo epidemiologista Guilherme Werneck, professor do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ, mostram que ela responde por 82% das 21,5 milhões de doses aplicadas. E, se levada em conta somente a imunização , o índice chega a 99%.

Devido aos sucessivos atrasos na entrega de doses e na produção da BioManguinhos-Fiocruz, a parcela de brasileiros que receberam a vacina da AstraZeneca é insignificante. A parcela de brasileiros que receberam a vacina da AstraZeneca é a primeira escolha do governo Bolsonaro.

Uma pesquisa epidemiológica realizada em Manaus com imunizados e exibida esta semana pelo grupo Vebra Covid-19 propôs que a CoronaVac teve 50% de efetividade em diminuir o adoecimento 14 dias após a primeira dose. O estudo propõe que ela protege contra a temida variante P1, dominante em Manaus. Se exibiram os dados após a segunda dose ainda não .

— Há alguma produção de anticorpos depois da primeira dose, mas não dá para confiar, não é neutralizante. Porém, os anticorpos ampliam bastante rapidamente, espetacularmente, depois da segunda inoculação — sublinha Ferreira.

A vacina é motivo de otimismo no que diz respeito à proteção contra a Covid-19, mas os cientistas destacam que ela não impede a infecção pelo coronavírus, assim como todas as demais vacinas em utilização até agora. As pessoas vacinadas não vão adoecer, mas podem ser contagiadas e transmitir o Sars-CoV-2. Essas pessoas são em sua maioria assintomáticas.

Para ilustrar o problema, Pasternak faz uma comparação das vacinas com um goleiro de futebol:

É por isso que mesmo os vacinados precisam continuar a utilizar máscara até que pelo menos 70% da população de Brasil esteja imunizada. Hoje, segundo o MonitoraCovid-19/Fiocruz, somente 3,68% dos brasileiros receberam duas doses.

Casos de vacinados que se contagiam têm sido registrados no CTD, que faz acompanhamento das pessoas imunizadas. Terezinha Castiñeiras, coordenadora do CTD e chefe do Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da UFRJ, declara que vacinados contagiados voltam ao CTD com pouco ou nenhum sintoma e, alguns, com carga viral alta. Faz 4 dias, 20 voltaram contagiadas, de as 718 pessoas vacinadas em o CTD de 21 de janeiro a 5 de abril.

— Essas pessoas continuam a poder a transmitir o vírus e não há muita diferença entre a carga viral de vacinados e não vacinados. O que assusta é que essa carga está bastante alta, a maior de toda a pandemia, um indicador do potencial aumentado de transmissão — declara Castiñeiras. O CT mencionado estima a carga viral , que é um valor que diz respeito a o número de vezes que foi preciso amplificar o material genético de o coronavírus por o exame PCR . para que este fosse detectado , de : –PCR. Assim, quanto maior o CT menor a quantidade de vírus.

Uma nota técnica do CTD desta semana informa que a ampliação da positividade do RT-PCRampliouuprogressivamentee. Era 11,6% e foi ampliando até chegar a 27,1% . No mesmo fase, o CT caiu e chegou ao valor médio mais baixo detectado em toda pandemia.

Pandemia: Mais de mil cidades têm risco de desabastecimento de oxigênio em até dez dias

A nota realça que isso significa “ampliação de transmissibilidade e, consequentemente, potencial de explosão de casos nas semanas subsequentes, advertindo para a pertinência da intensificação das medidas de contingência”.

— Essa é uma carga de vírus brutal, capaz de fazer enorme estrago na transmissão. Precisamos vacinar maciçamente, mas o Brasil não tem vacina suficiente nem testa para identificar os contagiados. É um momento trágico — frisa Tanuri.

— Em países como Israel e Estados Unidos as vacinas estão reduzindo hospitalizações, mortes e transmissão também.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

Cities: Manaus

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Se atinge proteção de a vacina Coronavac só 15 dias após 2ª dose, declara estudo
>>>>>Vacinados podem adoecer mesmo após a segunda dose. Entenda o porquê – April 05, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Vacinados podem adoecer de Covid-19? Saiba o porquê – April 05, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 anticorpos 90 0 NONE 6 os anticorpos neutralizantes: 1, anticorpos neutralizantes: 1, os anticorpos: 1, esses anticorpos: 1, anticorpos: 1, Esses anticorpos neutralizantes: 1
2 vacina 170 0 NONE 5 A vacina: 1, a vacina: 1, vacina suficiente: 1, a única vacina: 1, uma vacina: 1
3 dose 0 0 NONE 5 a primeira dose: 2, a segunda dose: 2, uma dose: 1
4 CoronaVac 80 0 ORGANIZATION 4 a CoronaVac: 3, o imunizante CoronaVac: 1
5 eu 30 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
6 pessoas 20 0 NONE 4 Essas pessoas: 2, as pessoas: 1, As pessoas vacinadas: 1
7 Orlando Ferreira 0 0 PERSON 4 Ferreira: 3, o imunologista Orlando_Ferreira: 1
8 estudo 0 0 NONE 4 O estudo: 3, o estudo: 1
9 CT 0 20 ORGANIZATION 3 o CT: 1, o CT menor: 1, o CT indicado: 1
10 valor 225 0 NONE 3 um valor: 2, o valor médio: 1