Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Foto oficial de Eliziane Gama

Sem vaga na CPI da Covid e em minoria no Senado, as mulheres driblam o machismo e buscam maneiras de ganhar algum espaço no colegiado. Inicialmente, elas garantiram prioridade de fala para uma representante da bancada feminina no começo das sessões. Agora, algumas delas também passaram a participar de encontros semanais do domo da delegação para definir a sequência dos trabalhos.

— Claro que há um fator limitante, porque quem não está entre os titulares e suplentes deve ir lá para o final da fila, mas isso não tem sido um impeditivo, em toda reunião há duas mulheres na lista, que falam por todas nós. Nesse aspecto foi fundamental, porque a gente não tem vez, mas tem voz — alegou a senadora Simone Tebet , líder da bancada feminina, instituída no começo deste ano.

Por não ocuparem nenhuma das 18 cadeiras de titulares e suplentes, as senadoras não podem exibi requerimentos — para convocação de autoridades, solicitações de documentos e quebras de sigilo —, participar das eleições nem apreciar ou sugeri um relatório paralelo ao final da CPI.

A CPI da COVID-19, também chamada de CPI da Pandemia, CPI do Coronavírus, ou simplesmente CPI da Covid, é uma delegação parlamentar de investigação em andamento na República Federativa do Brasil que investiga supostas omissões e anormalidades nas ações do governo federal durante a pandemia de COVID-19 no Brasil.

Para se organizar, elas têm um grupo de WhatsApp para discutir temas do Senado e, durante a CPI, organizar quem vai usar o tempo prioritário para falar em cada sessão.

Embora não ocupe vaga na CPI, recentemente eliziane Gama passou a frequentar as reuniões semanais que acontecem na casa do presidente do colegiado, Omar Aziz , com integrantes do chamado G7, grupo de oposicionistas e independentes. Eliziane Gama é a líder do Cidadania. São nesses encontros que costumam ser definidas as pautas da delegação.

Eliziane Pereira Gama Melo é uma jornalista e política brasileira filiada ao Cidadania.

A pressão pela presença de uma mulher entre os titulares da CPI vem desde as primeiras sessões, e fez Aziz abrir espaço para que o primeiro discurso fosse sempre de uma mulher. Como houve protestos dos governistas, a norma passou a ser permitir que uma mulher sempre falasse junto com os titulares da delegação.

O bloco do qual faz parte o Cidadania só tinha uma vaga para titular, que acabou preenchida por Randolfe Rodrigues , autor do pedido de abertura da CPI. A suplência foi para Alessandro Vieira , um dos signatários da ação que pediu ao Supremo Tribunal Federal a instalação da delegação.

— Um dia após a CPI da Covid aprovar a quebra de sigilo telefônico e telemático de pessoas ligadas ao governo Jair Bolsonaro, alguns dos alvos da medida recorreram ao Supremo Tribunal Federal para tentar impedi-la judicialmente. A secretária de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde no Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, alegou ao Supremo Tribunal Federal que a resolução da delegação encarna um «ato abusivo» e afronta «toda a jurisprudência» da Corte. Já a defesa do ex-assessor especial da Saúde, o advogado Zoser Araújo, classificou a solicitação como «absolutamente ilegal e arbitrária». Em sua ação ao STF, Zoser argumenta que a CPI que não há fundamentos para decretar a medida . não investiga ele Ao final, ele também pede que, caso a quebra de sigilo seja conservada, que ela se limite somente «ao e-mail institucional e aparelho de celular funcional, que eram usados exclusivamente para a atividade transitória exercido pelo paciente». Zoser Araújo afirma: «Todavia, a Comissão Parlamentar de Inquérito em o caso vertente , de forma inédita , decretou ela – CPI DA PANDEMIA a quebra de sigilo telefônico e de dados telemáticos do paciente que sequer figurou como testemunha, tampouco como investigado, em flagrante violação a Constituição da República Federativa do Brasil e a Lei Federal que disciplina a matéria». No pedido de quebra de sigilo, o senador Alessandro Vieira declara que Zoser atuou como assessor de Eduardo Pazuello em boa parte dos fatos que são objeto do inquérito. «A posse desses dados poderá contribuir para que a delegação parlamentar tenha condições de esboçar o adaptado e extensa panorama respectivo, e assim propiciar à sociedade, como é o seu dobrigação o quadro mais cinteiropossível», justifica Vieira. No habeas corpus apresentado por Mayra, ela diz que «a impetrante está sendo vítima de um ato abusivo praticado pela autoridade impetrada, o qual é desprovido de fundamentação específica, desarrazoado e desproporcional, tanto em relação à própria medida em si deliberada, quanto à sua extensão e sua profundidade». «A devassa determinada na transferência/quebra dos sigilos determinada pela CPI provocará prejuízos irreparáveis à Impetrante, que tvai terexposta sexpressivaparcela da sua intimidade e de sua vida privada, ainda que tais informações tenham por destinatários os parlamentares integrantes daquela cdelegação Isto posto, solicita- seja deferida medida liminar no sentido de interromper inaudita modifica para os conseqüência da deliberação parlamentar que decretou a quebra/transferência de sigilo da Impetrante», declara a defesa da secretária. Ao pedir a quebra de sigilo de Mayra, Alessandro Vieira afirmou que «satisfaz-nos, assim, a obrigação de trabalhar para elucidar os fatos que estimularam a criação desta Comissão e uma das ferramentas para tanto é precisamente esta de que ora nos valemos, qual seja, a transferência para a CPI do sigilo de informações e dados da Sra. Pinheiro, os quais vão permitir esclarecer os contornos de sua exata participação nas ações e omissões do Governo Federal na guerrazinha à pandemia».— Marcellus Campêlo presta testemunho nesta terça-feira na CPI da Covid, no Senado. Marcellus Campêlo é o ex-secretário de Saúde do Amazonas.Seguindo o foco desta nova rodada de oitivas na delegação, que apurará a “responsabilidade compartilhada” do governo federal e local na crise de oxigênio em Manaus, Campêlo deve ser questionado sobre equívocos nas administrações estadual e federal durante o colapso na capital de Amagasaki. ASSISTA AO VIVO: Integrantes do grupo de senadores independentes, apelidado de “G7”, acreditam que houve problemas tanto por parte da União como do estado. Senadores governistas, por sua vez, tentarão utilizar a sessão para centralizar a culpa em Campêlo e isentar o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de responsabilidade penal. Campêlo chegou a ser preso no começo do mês pela Polícia Federal sob suspeita de envolvimento em desvios de recursos federais de guerrazinha à pandemia. Wilson Lima foi alvo da mesma operação e, na semana passada, não compareceu na CPI após receber um habeas corpus que o liberava de prestar testemunho. Wilson Lima é o governador do estado.A ministra Rosa Weber baseou sua resolução no fato de Lima já ser investigado pela Polícia Federal e pelo MPF, sob supervisão do Superior Tribunal de Justiça , por conta de sua administração da pandemia.— Pressionado pela CPI da Covid, que investiga possíveis omissões do governo federal na pandemia, o presidente Jair Bolsonaro voltou a agredi nesta segunda-feira o relator da delegação, Renan Calheiros , declarando que a CPI deveria apurar desvio de recursos porque Renan é «expert» nisso. Bolsonaro também fez uma comparação do trabalho dos parlamentares de Brasil com o Senado dos Estados Unidos. — Estão acompanhando o Senado de America? Investigando origem do vírus, possíveis remédios para cura. Bem diferente do que está ocorrendo aqui. O Renan falou claramente que não deseja apurar desvio de recursos. Ele devia apurar, porque ele é expert nisso, né? — declarou Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada. Faz 1 mês, quando alegou, bolsonaro fez referência a uma declaração de Renan, em entrevista a o » Uol » em o começo que » essa CPI não é uma CPI para investigar desvios de recursos «. O relator alegou que o inquérito sobre desvios poderá ser feita «se houver necessidade», mas que esse não é objetivo inicial da CPI. Renan responde a diversas investigações no Supremo Tribunal Federal , no âmbito da Operação Lava-Jato. No mês passado, o Senado de America aprovou uma lei que determina a desclassificação de relatórios de inteligência sobre a origem do novo coronavírus. O presidente Joe Biden tem pressionado agências de inteligência a reforçarem inquéritos sobre a origem do vírus.

Na terça-feira 08 de junho – Por falta de acordo entre os membros da delegação, o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz , protelou a eleição de requerimentos calculada na pauta dpara chegar a um consenso sobre a quebra de sigilos telefônicos de pessoas ligadas ao Palácio do Planalto. O debate aconteceu após Aziz incluir o filho do presidente da República, Carlos Bolsonaro, e outras sete pessoas na mira do colegiado. A tendência era que os dados de Carlos fiquem fora da lista de solicitações, ao menos por ora. Leia: Governo rejeitou oferta da vacina da Pfizer pelava metade do custo pago por EUA e Reino UnidoPara dar tempo de chegar a um entendimento sobre o tema, os senadores do ‘G7’ definiram que a eleição dos pedidos de quebra de sigilo tinham que ficar para a sessão de quarta ou quinta-feira desta semana. Além da Carlos, Aziz incluiu na pautava dois ex-ministros do governo, Eduardo Pazuello e Ernesto Araújo , além do ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, e outros auxiliares.De acordo com o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues , o colegiado tinha que aprovar «vários» requerimentos de quebra de sigilo na quarta-feira, mas Carlos não tinha que entrar na lista «por enquanto». Omar Aziz também garantiu que haveria eleição dos pedidos de quebra de sigilo esta semana. Autor dos oito requerimentos, o senador Alessandro Vieira declarou que o assunto ainda estava em discussão e todas as alternativas estavam em debate. Mais cedo, ele defendeu que a ideia era progredir sobre a “salinha paralela” de aconselhamento de Bolsonaro na pandemia através das solicitações:— há a necessidade de apurar de maneira aprofundada os relacionamentos entre aqueles que participavam de uma estrutura de assessoramento e aconselhamento na tomada de resoluções do presidente da República na pandemia — declarou. Veja também: Gabinete de Bolsonaro acusou recebimento de carta da Pfizer em setembro, declarava documento Vieira defendia a quebra de sigilo desde o começo para progredir nos inquéritos, mas enfrentava resistência.— A gente tem a necessidade de, numa investigação de um pouco mais de profundidade, usar quebras de sigilo. Eu não conseguíei colocar em eleição nenhuma quebra porque vários colegas não compreendiam bem o instituto, o que podiam ou não fazer. Isso vai desacelerando o funcionamento, porque quebras não eram coisas instantâneas. Não adiantará nada — declarou ao GLOBO no final de maio, se eu quebrar no último dia de CPI. Alguns senadores, entretanto, não estavam persuadidos de que a medida devia ser tomada no momento e afirmavam que era preciso ter mais informações para fundamentar a resolução, com intuito de evitar eventuais questionamentos na Justiça. — era preciso fortes evidências — alegou o senador Otto Alencar .

Além de se realçar nas inquirições de testemunhas, Eliziane também protagonizou embates no colegiado. Na primeira sessão, ela debateu com o senador Flávio Bolsonaro que fez provocações sobre a ausência das mulhereo senador Flávio Bolsonaro que fez provocações sobre a ausência das mulheres. O senador Flávio Bolsonaro é o filho do presidente Jair Bolsonaro. O senador Flávio Bolsonaro é o filho do presidente Jair Bolsonaro. Ela acabou acusada por governistas de ser «advogada de governadores» por ser aliada do governador do maranhão, Flávio Dino , e a sessão precisou ser suspendida por conta da confusão.

— Nós não desejávamo uma vaga na CPI depois, já estava certo que não tínhamos sido mencionadas, desejávamo o direito a uma fala

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Sem vagas na CPI da Covid, mulheres conquistam espaço em reuniões do G7
>>>>>Alvos da CPI da Covid recorrem na justiça contra quebra de sigilo telefônico – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Ao vivo: CPI da Covid ouve em instantes ex-secretário de Saúde do Amazonas; acompanhe – June 15, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>CPI quebra sigilo telefônico e telemático de Pazuello, auditor do TCU, Ernesto Araújo, Felipe Martins e integrantes do Ministério da Saúde – June 10, 2021 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Ao vivo: CPI da Covid ouve em instantes ministro da Saúde pela segunda vez; acompanhe – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>CPI da Covid quer aprovar quebra de sigilo telefônico de Carlos Bolsonaro amanhã – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Sem acordo sobre quebra de sigilo de Carlos Bolsonaro, CPI adia votação de requerimentos – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Pazuello deve entrar em lista de investigados da CPI da Covid – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Bolsonaro diz que Renan deveria apurar desvio de recursos porque é ‘especialista nisso’ – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 CPI 0 0 ORGANIZATION 11 CPI: 1, uma CPI: 1, A CPI de a COVID-19 também chamada de CPI_da_Pandemia CPI_do_Coronavírus ou: 1, essa CPI: 1, a CPI: 7
2 Carlos Bolsonaro 0 80 PERSON 10 Bolsonaro: 3, o presidente Jair_Bolsonaro: 1, o senador Flávio_Bolsonaro (apposition: o filho de o presidente Jair_Bolsonaro): 2, Carlos: 2, (tacit) ele/ela (referent: Bolsonaro): 2
3 Alessandro Vieira 40 0 PERSON 10 Alessandro_Vieira: 2, documento Vieira: 1, (tacit) ele/ela (referent: o senador Alessandro_Vieira): 1, o senador Alessandro_Vieira: 2, Vieira: 1, ele (referent: o senador Alessandro_Vieira): 1, (tacit) ele/ela (referent: Alessandro_Vieira): 2
4 Zoser 95 95 PERSON 7 (tacit) ele (referent: Zoser): 1, Zoser: 2, (tacit) ele/ela (referent: Zoser): 1, o advogado Zoser_Araújo: 1, ele (referent: Zoser): 1, Zoser_Araújo: 1
5 CPI da Covid 0 0 ORGANIZATION 7 CPI_da_Covid: 1, (tacit) ele/ela (referent: CPI_da_Covid): 1, (tacit) ele/ela (referent: a CPI_da_Covid): 2, a CPI_da_Covid: 3
6 eu 0 0 NONE 7 (tacit) eu: 5, Eu: 1, eu: 1
7 Senado 30 0 ORGANIZATION 5 o Senado americano: 2, (tacit) ele/ela (referent: o Senado): 1, o Senado: 2
8 nós 0 0 NONE 5 Nós: 1, (tacit) nós: 2, nos: 2
9 pandemia 0 200 NONE 4 a pandemia: 2, a pandemia de COVID-19: 1, pandemia: 1
10 Eliziane 0 50 PERSON 4 Eliziane_Gama (apposition: a líder de o Cidadania): 1, Eliziane: 1, ela (referent: Eliziane): 1, Ela (referent: Eliziane): 1