Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Eduardo Lourenço 08-07-2015 IMG 6492

– A usina termelétrica a gás uruguaio, no Rio Grande do Sul, pode voltar a ser acionada ainda neste mês, depois de ter ficado totalmente paralisada desde 2015, declarou à Reuters o diretor de uma ecompanhiaenvolvida em negociações para retomada da unidade. Uma vez que o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico , que reúne técnicos da área de energia do governo, decidiu acionar termelétricas complementares para atender à dprocuraem meio a chuvas fracas nas hidrelétricas, principal fonte de energia dbrasileira a térmica deve ser chamada a operar assim que estiver disponível.O movimento para que a usina volte a gerar segue-se ao anúncio em setembro da aquisição do ativo pela argentina Saesa, que fechou a compra junto à norte-americana AES, que busca focar investimentos no Brasil em renováveis Depois da aquisição, a Saesa contratou as brasileiras Mercurio Comercializadora e Urca Energia como rculpadospela comercialização no país da energia da térmica, que tem 640 megawatts em potência instalada, segundo a primeira ecompanhia «Hoje, minha melhor previsão é que a usina estaria adequada a gerar a partir Eduardo Faria que conserva contatos diários com a parceira Saesa sobre a retomada. Eduardo Faria é o sócio-diretor da Mercurio. Eduardo Faria é o sócio-diretor da Mercurio. «É uma usina que estará disponível e é competitiva perto das outras que estão gerando, e em uma região que precisa mais do que jamais, que é o Sul», adicionou Faria. Faz 5 anos, ele não comentou qual tem que ser o preço de operação de o térmico que foi ligada por a última vez. O preço final depende da finalização de negociações em andamento para obtenção de um contrato de abastecimento de gás para Uruguaiana, que têm sido governadas pela Saesa, declarou Faria, que sinalizou que o acordo está próximo. Ainda que Uruguaiana tem que aproveitar uma sobra de gás esperada na Argentina com o começo do verão, ele alegou , quando cai a procura local pela utilização do insumo para aquecimento. A paralisação da térmica por anos devia-se justamente àodobstáculoda AES para fechar um fabastecimentofirme de gás. Faz 5 anos, a usina foi acionada somente de maneira emergencial, 2014 e 2013, depois de ter ficado parada desde 2009. «Ela estará disponível para gerar sem dúvida durante o verão lá… até meados de março, abril, ela sem dúvida terá disponibilidade de gás, E depois deve ver como será o inverno na Argentina, como será a procura por lá», explicou Faria. Faz 20 anos, inaugurou se a usina de Uruguaiana A AES não informou os termos da negociação do ativo junto à Saesa. As companhias com Mercurio e Urca não informaram o valor e o prazo de o contrato , nem os volumes de energia envolvidos. Não foi possível contato imediato com a Saesa. TÉRMICAS LIGADAS A tentativa de retomada uruguaia vem em momento em que o Brasil tem conservado grande volume de térmicas ligadas para permitir uma recuperação das hidrelétricas, segundo experts e o Operador Nacional do Sistema Elétrico . Faz 1 mês, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico que também deu aval a importações de energia junto a Uruguai e Argentina de termelétricas complementares autorizou o acionamento,. «O despacho de usinas térmicas complementares fora da ordem de mérito, autorizado pelo CMSE… acontecerá até que a situação hidrológica do país melhore», declarou o ONS em nota à Reuters. «Pelas previsões meteorológicas atuais, a expectativa é de que, a partir de segunda quinzena de novembro, os conseqüência da estação chuvosa já devem começar a ser vistos», adicionou o ONS, que nega qualquer risco para o suprimento. Mudanças de energia também impactaram a oferta em a operação de as hidrelétricas Furnas e Mascarenhas de Moraes , autorizadas por o Ministério de Minas e Energia para conservar mais água em o lago de as usinas e conservar o turismo local. O ONS declarou, no entanto, que esse fator não foi decisivo e atribuiu a situação mais sensível de oferta à falta de chuvas. Faz 1 mês, as chuvas foram as piores de o histórico em as hidrelétricas de o Sudeste e Centro-Oeste que concentram os maiores reservatórios, que concentram os maiores reservatórios, e tiveram a segunda pior performance já visto no Sul, declarou o presidente da comercializadora de energia Bolt, Gustavo Ayala. «Tirando as usinas a óleo diesel e óleo combustível, todas as outras estão acionadas, todo o parque a gás natural. A expectativa é que pelo menos em novembro elas conservem esse mesmo nível de despacho», alegou. «Por mais que chova, o solo está bastante seco». O mês de novembro em geral marca o começo do «fase úmido» na região das hidrelétricas brasileira, que vai até abril, mas às vezes a chegada efetiva das chuvas padece atrasos. O acionamento das termelétricas gera preços maiores para os consumidores de energia, dado que o preço de produção desses usinas é maior que o de outras fontes, como das hidrelétricas, que não consomem combustíveis fósseis.

– A procura por energia no sistema elétrico interligado brasileiro deve progredir quase 3% em novembro na comparação com mesmo mês de 2019, projetou o Operador Nacional do Sistema Elétrico nesta sexta-feira, em meio à gradual rrecomeçadade atividades após medidas restritivas adotadas para conter o coronavírus. A expansão de 2,7% da carga calculada para o próximo mês deve ser impulsionada por uma expressivo progressão no Sudeste, onde o consumo deve aumentar nessa mesma proporção , e se a calcula em o Norte, onde disparada de %7,4, de acordo com boletim de o ONS. A performance esperada mostra significativa recomeçada frente aa começo da pandemia. Faz 7 meses, a carga de eletricidade desabou %12, em abril primeiro mês totalmente impactado por quarentenas de governos estaduais e municípios contra a Covid-19. No Sul e no Nordeste, o ONS projeta recuperação mais leve, com altas de 1,9% e 1,4%, respectivamente, na comparação com a procura em novembro de 2019. Faz 2 meses, o consumo de eletricidade já havia mostrada performance acima dos níveis pré-pandemia, com alta de %2,9 em base anual, segundo dados prévios de a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, em setembro. Para novembro, o ONS também exibiu perspectivas sobre as chuvas na região das hidrelétricas que têm que ficar abaixo da média histórica na maior parte do país. A região das hidrelétricas é principal fonte de geração de energia no Brasil. Enquanto no Nordeste elas estão calculadas em 67%, no Sudeste, que concentra os maiores reservatórios, as precipitações têm que atingir 75% da média para o mês. No Sul, que passa por uma seca, a projeção é de 28% da média. Somente o Norte tem que ter chuvas mais favoráveis, em 97% da média histórica. Com isso, o ONS estimou que o preço marginal de operação do sistema elétrico para a próxima semana tem que ser de em média 368 reais por megawatt-hora. Na semana anterior, a projeção de preço marginal era de 318 reais para a atual semana. Em meio ao melhor consumo e ao cenário hídrico desfavorável, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico , que reúne autoridades e técnicos da área de energia do governo, aprovou na semana passada o acionamento excepcional de termelétricas complementares para permitir que hidrelétricas poupem água nos reservatórios.

Na sexta-feira 16 de outubro – O Operador Nacional do Sistema Elétrico voltou a aumentar expectativas para a procura por eletricidade no Brasil em outubro nesta sexta-feira, ao projetar que a carga de energia do sistema interligado do país deve progredir 9,5% na comparação com mesmo mês do ano passado. Em meio à gradual reabertura da economia após meses de quarentenas adotadas em Estados e municípios para rdiminuira disseminação do coronavírus, o ONS t temaumentado consecutivamente as previsões para a carga de energia deste mês. Npassada, o órgão via expansão de 6,3%. A performance devia ser liderado, em termos percentuais, pelava região Sul do país, onde a utilização de energia tinha que disparar 13,8% na comparação com mesmo fase do ano passado, quase o dobro da alta de 6,9% esperada nanterior. No Nordeste, o ONS via alta de 9,5% na carga, enquanto no Sudeste, centro das atividades econômicas, a projeção era de progressão de 8,9%– em ambos os casos, houve aprimoramento nos números frente à semana passada, quando e esperavase aampliaçãode 6,9% no Sudeste e 3,4% no Nordeste. Faz 7 meses, a carga de energia chegou a desabar %12, em abril primeiro mês sob efeito de as quarentenas e medidas de isolamento adotadas contra a Covid-19. Nos meses seguintes, houve gradual recuperação, sendo que setembro registrou a melhor performance desde o começo da pandemia, com progressão de 2,9% do consumo na comparação anual, segundo dados preliminares da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica . Npassada, a previsão do ONS de ampliação do consumo de energia assinalou que o «conduta da carga seguia fortemente impactado pela recuperação do setor industrial brasileiro após as diminuições observadas em função da pandemia». O órgão ainda não detalhou a análise desta semana. CHUVAS O órgão do setor elétrico ainda diminuiu ligeiramente a previsão para as chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração brasileira. No Sudeste, que concentrava as usinas com maiores reservatórios, a precipitação na área dos lagos das barragens tinha que atingir 52% da média histórica, contra 54% esperados nanterior. No Nordeste, segunda região em reservatórios, a projeção do ONS recuou para 44% da média no Nordeste, contra 45% npassada. Houve ainda corte para 25% nas estimativas para o Sul, onde a previsão anterior era de chuvas em 45% da média.

Eduardo Lourenço de Faria GO SE • GCSE • GCIH • Gcl é um professor e filósofo português.

Uruguaiana é um município de Brasil situado no extremo ocidental do estado do Rio Grande do Sul, junto na fronteira fluvial com a Argentina e Uruguai, a uma altitude de 66 metros acima do nível do oceano.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil, Argentina

Cities: Rio Grande

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Térmica de Uruguaiana pode operar neste mês após 5 anos parada, declara Mercurio
>>>>>ONS vê alta na demanda por energia em novembro e disparada da carga no Norte – October 30, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 ONS 50 0 ORGANIZATION 9 O ONS: 1, o ONS: 7, (tacit) ele/ela (referent: O ONS): 1
2 Eduardo Faria 0 0 PERSON 9 Ele (referent: Faria): 2, (tacit) ele/ela (referent: Faria): 1, Eduardo_Faria (apposition: o sócio-diretor de a Mercurio): 2, Faria: 4
3 média 0 0 NONE 8 a média histórica: 2, a média: 4, média histórica: 1, média: 1
4 usina 3 0 NONE 7 a usina: 2, A usina: 2, uma usina: 2, A usina termelétrica: 1
5 o Sudeste 0 0 PLACE 7 o Sudeste: 5, (tacit) ele/ela (referent: o Sudeste): 2
6 o Sul 0 0 PLACE 7 o Sul: 5, (tacit) ele/ela (referent: o Sul): 1, região Sul de o país: 1
7 Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico 0 0 ORGANIZATION 6 o Comitê_de_Monitoramento_do_Setor_Elétrico: 6
8 o Nordeste 0 0 PLACE 6 o Nordeste: 6
9 chuvas 80 90 NONE 5 chuvas mais favoráveis: 1, chuvas: 1, As chuvas: 1, as chuvas: 2
10 o Brasil 50 0 PLACE 5 o Brasil: 4, (tacit) ele/ela (referent: o Brasil): 1