Por: SentiLecto

Estes são links externos e vão abrir numa nova janela

O aprofundamento do combate frio entre os EUA e a China vai ser uma preocupação maior para o mundo do que o coronavírus, segundo o influente economista Jeffrey Sachs.

O mundo está andando para um fase de «grande rompimento sem nenhuma liderança» após a pandemia, declarou ele à BBC.

A divisão entre as duas superpotências exacerbará isso, advertiu.

O professor da Universidade de Columbia culpou o governo dos EUA pelas animosidades entre os dois países.

À BBC alegou: «Os EUA são uma força de divisão, não de colaboração».»É uma potência que tenta instituir um novo combate frio com a China. Se isso prosperar – se essa espécie de abordagem for utilizado, não voltaremos ao normal; na verdade, vamo entrar em uma discordância maior e em um maior perigo de fato.»

As observações de Sachs acontecem quando os nervosismos entre os EUA e a China continuam a aumentar em várias frentes – não somente no comércio.

Nesta semana, o presidente Trump assinou legislação autorizando sanções dos EUA contra autoridades de China culpados ​​pela repressão aos islâmicos na província de Xinjiang.

Mas as autoridades de Australia negam que exista discriminação. Alegam que o país é um dos mais seguros para alunos estrangeiros e que é uma sociedade «bem-sucedida» e «multicultural» que fornece «educação de alto nível».

Na sábado 13 de junho um total de 45 pessoas entre 517 testadas no mercado Xinfadi foram diagnosticadas com o novo coronavírus – nenhuma tinha sintomas. Nos próximos dias, 10 mil funcionários do mercado serão testados.

E, em entrevista ao Wall Street Journal, Trump declarou acreditar que a China pode ter incentivado a propagação internacional do vírus como uma forma de desestabilizar as economias concorrentes.

O governo Trump também tem como alvo companhias chinesas, em particular a gigante chinesa de telecomunicações Huawei, que Washington declara estar sendo utilizada para auxiliar Pequim a espionar seus clientes. A China nega isso, assim como a Huawei.

Mas a posição dura do presidente Trump sobre a China e a Huawei pode ter sido parte de uma manobra política para ser reeleito – pelo menos de acordo com um novo livro do ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton.

Sachs consente que atingir a Huawei jamais foi simplesmente uma preocupação de segurança.

«Os EUA ficaram para trás em relação ao 5G, que é uma parte crítica da nova economia digital. E a Huawei estava ganhando uma participação cada vez maior dos mercados mundiais. Os EUA inventaram, na minha opinião, a visão de que a Huawei é uma ameaça mundial. E se apoiaram bastante nos aliados dos EUA … para tentar romper as relações com a Huawei», declarou ele.

Os EUA não são o único país com o qual a China está em conflito.

Nesta semana, os nervosismos ampliaram na fronteira Índia-China, com pelo menos 20 soldados de India mortos em alguns dos piores casos de violência que os dois lados viram em quase cinquenta anos.

E a China tem ativamente financiado projetos econômicos no Paquistão, Mianmar, Sri Lanka e Nepal – vizinhos mais próximos da Índia. Por isso, a Índia teme que Pequim esteja tentando suspender sua influência na região.

Essa atitude aborreceu Pequim, que respondeu alguns dias depois barrando parcialmente a importação de carne bovina da Austrália. Em seguida, impôs tarifas de 80% à cevada ade Australia ddeclarandoque o produto não csatisfaziarnormascomerciais.

Sachs declara que a ascensão da China é preocupante para seus vizinhos na Ásia – especialmente se ela não fizer mais para mostrar que está tentando aumentar de forma pacífica e cooperativa.

«Se eu acredito que a China poderia fazer mais para acalmar medos que são bastante reais? Acredito que sim», alegou.

«A grande escolha, francamente, está nas mãos chinas. Se envolver em diplomacia, colaboração regional e multilateralismo, em outros vocábulos, «soft power», porque é um país bastante poderoso, se a China for cooperativa… Daí acho que a Ásia tem uma inacreditável futuro brilhante.»

Final de YouTube post de BBC News Brasil

Final de YouTube post 3 de BBC News Brasil

Fonte: BBCBrasil-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: United States, Sri Lanka, Nepal, India, China

Cities: Washington

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>‘Combate fria’ entre Estados Unidos e China é ‘ameaça mundial maior que coronavírus’, declara Jeffrey Sachs
>>>>>Coronavírus: a tensão econômica causada pela covid-19 entre China e Austrália – (BBCBrasil-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 A China 11 4 PLACE 11 (tacit) ele/ela (referent: a China): 1, a China: 9, A China: 1
2 eu 0 0 NONE 10 (tacit) eu: 9, eu: 1
3 Jeffrey Sachs 90 0 PERSON 8 (tacit) ele/ela (referent: Sachs): 2, Sachs: 2, (tacit) ele/ela (referent: Jeffrey_Sachs): 1, ele (referent: Jeffrey_Sachs): 1, Jeffrey_Sachs: 1, ela (referent: Sachs): 1
4 Os EUA 48 0 PLACE 7 Os EUA: 4, os EUA: 2, (tacit) eles/elas (referent: Os EUA): 1
5 Pequim 0 128 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: Pequim): 1, Pequim: 3
6 Huawei 0 30 ORGANIZATION 4 a Huawei: 4
7 país 0 0 NONE 3 o único país: 2, o país: 1
8 responsáveis 0 0 NONE 3 (tacit) eles/elas (referent: responsáveis): 2, (tacit) elas (referent: responsáveis): 1
9 tensões 0 120 NONE 2 as tensões: 2
10 mundo 0 55 NONE 2 o mundo: 1, O mundo: 1