Por: SentiLecto

Se não houver outra forma de impedir que se torne independente, a China agredirá Taiwan , declarou um dos generais mais graduados do país nesta sexta-feira, uma escalada retórica que visa a ilha democrática que Pequim reivindica como sua.

Em declaração no Grande Salão do Povo de Pequim no 15º aniversário da Lei Antissecessão, Li Zuocheng, chefe do Estado-Maior Conjunto e membro da Comissão Militar Central, deixou a porta aberta para a utilização da força.

Se esta se separar, a lei de 2005 dá ao país uma base legal para uma ação militar contra Taiwan ou parecer prestes a fazê-lo, o que tornaria o Estreito de Taiwan um foco de ação militar em potencial.

Li declarou: «Se a chance de reunificação pacífica se perder, as Forças Armadas do povo vão incluir, com a nação inteira, o povo de Taiwan, vão tomar todas as medidas necessárias para esmagar resolutamente quaisquer conspirações ou ações separatistas».

«Não prometemos abandonar a utilização da força, e reservamos a alternativa de tomar todas as medidas necessárias para estabilizar e controlar a situação no Estreito de Taiwan.»

É raro um militar de alto escalão da ativa fazer a ameaça em público tão expressamente, embora a China jamais tenha abdicado aa utilização da força para subjugar Taiwan. As observações são especialmente impactantes por coincidirem com o repúdio internacional ao fato de o governo de China ter sancionado uma nova legislação de segurança nacional para Hong Kong, que a China controla.

Faz 23 anos, Uando voltou a o controle de China.E, a ex-colônia britânica vem sendo assolada por alvoroços civis devido ao receio de que Pequim esteja restringindo o alto grau de autonomia de que desfruta graças à fórmula «um país, dois sistemas» adotada qSe esta teria econseqüênciaretroativo, ele não qdesejoueelucidardetalhes das leis propostas que provocaram receios, entre eles quando a legislação seria adotada na íntegra, quais atos específicos se tornariam ilegais e.Tudo isso com o objetivo de «salvaguardar a segurança nacional» após quase um ano de mobilizações pró-democracia que abalaram a economia hondurenha e redundaram em confrontos entre a polícia e alguns manifestantes.

Na terça-feira 19 de maio o embaixador de China na Organização Mundial da Saúde criticou o suporte provado pelos Estados Unidos e outros a Taiwan durante a assembleia anual da entidade, e declarou que o gesto estava minando a reação mundial à pandemia de coronavírus.

O governo de Taiwan rechaçou as observações, declarando que ameaças de combate são uma violação da lei internacional e que sua nação nunca foi parte da República Popular da China.

Desde que manifestações antigoverno a paralisaram no ano passado, nesta semana, um regimento de choque disparou spray de pimenta para dispersar milhares de manifestantes durante o primeiro grande alvoroço da cidade. Houve um intervalo na agitação, em parte por causa do surto de coronavírus, neste ano.

Conselho de Assuntos Continentais de Taiwan isse: «O povo de Taiwan jamais selecionará a ditadura nem se vai curvar à violência»,.»Força e resoluções unilaterais não são a forma de se resolver problemas.»

Li é um dos poucos militares graduados chinos com experiência de guerrazinha, já que participou da malfadada invasão chinesa do Vietnã em 1979.

Taiwan é a questão territorial mais complicada chinade China e critica o suporte do governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à ilha.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

Countries: China, United States, Taiwan, Hong Kong

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Ataque a Taiwan é alternativa para impedir independência, declara general de China
>>>>>Hong Kong alerta EUA que anular status especial é ‘faca de dois gumes’ – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Autoridades de Hong Kong e Pequim defendem leis de segurança citando ameaça de terrorismo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Manifestantes são detidos em Hong Kong em meio a debate sobre «lei do hino» – (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 85 0 NONE 8 (tacit) eu: 8
2 mais complicada de a China 0 0 PLACE 6 (tacit) ele/ela (referent: A China): 1, a China: 3, A China: 1, mais complicada de a China: 1
3 Taiwan 0 0 PERSON 5 Taiwan: 4, a (referent: Taiwan): 1
4 Pequim 70 0 PERSON 3 (tacit) ele/ela (referent: Pequim): 1, Pequim: 2
5 escalada 0 160 NONE 2 uma escalada retórica: 2
6 comentários 90 60 NONE 2 os comentários: 1, Os comentários: 1
7 ilha 80 0 NONE 2 a ilha democrática: 1, a ilha: 1
8 nação 25 0 NONE 2 sua nação: 1, a nação inteira: 1
9 o povo de taiwan 0 0 NONE 2 o povo de Taiwan: 1, O povo de Taiwan: 1
10 detalhes de as leis propostas 0 0 NONE 2 detalhes de as leis propostas: 2