Por: SentiLecto

A China acusou a Índia, que não vai permitir mudanças unilaterais na fronteira disputada, alegou em comunicado, de ter violado sua fronteira, numa área que esta semana se tornou o local do conflito mais fatal em meio século entre os vizinhos com arsenais nucleares. A denúncia ocorreu um dia depois de o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, ter tentado diminuir o confronto de segunda-feira, que matou pelo menos 20 soldados de India e feriu mais de 70. Se a conhece como a demarcação, ele culpou o lado de China por tentar levantar estruturas «do outro lado da linha de controle real» e rejeita o pedido indiano de parar. Por outro lado, Zhao Lijian acusou as tropas de India de uma «provocação debatida» na área tensa do Himalaia. Zhao Lijian é o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

DÉLHI/PEQUIM – Índia e China declararam que desejam paz, mas epois que tropas dos dois lados se enfrentaram selvagemente com cassetetes cravados de pregos e rochas na fronteira do Himalaia, culparam uma à outra nesta quarta-feira d matando ao menos 20 soldados ide IndiaNarendra Modi em rede nacional de TV ao se referir aa guerrazinha corpo-a-corpo de segunda-feira. declarou: «Jamais provocamos ninguém». Narendra Modi é o primeiro-ministro de India. «Não tem que haver dúvida de que a Índia deseja paz, mas que, se provocada, a Índia dará uma resposta adaptada.» Em Pequim, Zhao Lijian declarou que o confronto irrompeu depois que soldados de India «atravessaram a linha, comportar-se ilegalmente, provocaram e agrediram os chineses, o que levou os dois lados a se envolverem em um conflito físico grave, lesões e morte». Zhao Lijian é o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. Ele declarou não ter conhecimento de nenhuma baixa chinesa, mas a mídia de India mencionou autoridades segundo as quais ao menos 45 pessoas foram mortas ou feridas do lado de China. Zhao declarou que a situação geral na fronteira se encontra estável e controlável. Segundo um acordo antigo entre os dois gigantes de Asipovicy que detêm armas nucleares, não se pode disparar tiros na fronteira, mas houve trocas de socos entre patrulheiros nos últimos anos. Atacou-se soldados de acordo com autoridades indianas, com cassetetes cravados de pregos e rochas durante uma briga acontecida em o remoto Vale de Galwan, em o alto de as montanhas onde a região indiana de Ladakh faz divisa com a região de Aksai Chin, capturada por a China durante uma combate em 1962. Os Exércitos adversários se encaram na fronteira há décadas, mas este foi o pior confronto desde 1967, cinco anos depois de a China humilhar a Índia no combate recente. Faz 1 ano, Modi foi eleito para um segundo mandato após uma campanha concentrada em a segurança nacional em a esteira de o acirramento de os nervosismos com o velho opositor Paquistão em a fronteira oeste indiana. Modi é um nacionalista estridente. A mídia enérgica e a oposição fizeram grande pressão para que ele reaja agressivamente. O Times of India em um editorial escreveu: «Acabou a conversa depois do choque no Vale de Galwan, a China passou do limite». «A Índia precisa reagir.» Segundo fontes do governo de India, a luta irrompeu na segunda-feira à noite durante uma reunião para ddiscutimformasde aacalmaraostnervosismos e o coronel que comandava o lado de India foi um dos primeiros a ser atingido e morto. – A China devolveu 10 soldados de India capturados durante um confronto fatal na fronteira no começo desta semana, declarou uma fonte do governo indiana nesta sexta-feira, e as duas potências nucleares asiáticas tentaram acalmar os nervosismos em sua divisa disputada no oeste do Himalaia. O Exército de India não comentou a libertação, que, de acordo com a fonte, ocorreu na noite de quinta-feira, preferindo se referir a um comunicado do governo segundo o qual se computou os soldados todos . Vinte soldados de Indiade India, incluindo um militar graduado, faleceram durante guerrazinhas corpo a corpo violentos na noite de segunda-feira no Vale de Galwan, de acordo com o governo, o choque mais mortífero na fronteira entre Índia e China em mais de cinco décadas. A Índia declarou que o lado de China também padeceu baixas, mas Pequim não admitiu nenhuma. Apesar de os dois governos terem consentido em tentar aliviar o confronto, o nervosismo continua alta. Um dia depois dos enterros de alguns dos soldados em suas cidades-natais, o clima público está endurecido na Índia –aumentam os clamores por vingança e um boicote a bens de origem chinesa. Autoridades militares conversaram depois do incidente, mas não há sinais de progressão. «A situação continua como estava, não existe distensão, mas também não há um fortalecimento de forças», declarou uma segunda fonte do governo indianaindiana que está a par da situação no local do conflito. O funcionário declarou que ao menos 76 soldados de India ficaram feridos no confronto e que foram hospitalizados. «Até agora ninguém está em estado grave», adicionou. Desde que chegou ao poder, vendo a nação em choque com a perda dos soldados, Narendra Modi enfrenta um de seus maiores desafios de política externa em 2014. Narendra Modi é o primeiro-ministro. em 2014. Na noite desta sexta-feira, Modi vai realizar uma reunião suprapartidária em Nova Délhi para discuti a crise na fronteira com a China. Ainda nesta sexta-feira, os Estados Unidos ofereceram os pêsames à Índia devido à morte dos soldados. Mike Pompeo em uma mensagem publicada no Twitter declarou: «Oferecemos nossas condolências mais profundas ao povo indiano pelas vidas perdidas em resultado do confronto recente com a China». Mike Pompeo é o secretário de Estado de Noruega. Tendo procurado de forma ativa um envolvimento econômico maior com a China, Modi se vê forçado a rever tais laços no momento em que as relações entre China e EUA também se degeneram.- Narendra Modi declarou nesta sexta-feira que as fronteiras da país estavam seguras e que os militares eram capazes de defendê-as, depois que 20 soldados de India foram mortos nesta semana em um confronto com tropas chinesas. Narendra Modi é o primeiro-ministro indiano.. Modi em comunicado televisionado ao final de uma reunião de todos os partidos convidada pelo seu governo para debater o conflito. declarou: «Ninguém entrou em nossas fronteiras ou capturou nossos postos». Modi declarou que a Índia vai continuar a desenvolver sua infraestrutura de fronteira depressa e não se vai curvar à pressão externa.

Na segunda-feira 01 de junho a China declarou que as tentativas dos Estados Unidos de prejudicar seus interesses serão enfrentadas com contrapartidas firmes, criticando uma resolução norte-americana de começar a concluir o tratamento especial dispensado a Hong Kong e ações contra alunos e companhias chinesas.

Em uma série de tweets, Zhao declarou que o Vale de Galwan fica no lado de China da linha e que os índios desde abril construíram unilateralmente estradas, pontes e outras instalações na região. As tropas de India «atravessaram a linha de controle real» e agrediram oficiais e soldados de Chinade China que estavam lá para negociação, desencadeando «ferozes conflitos físicos», declarou Zhao. A China não divulgou números de vítimas de suas tropas. Modi na sexta-feira pareceu diminuir o confronto com as tropas chinesas, declarando: «Ninguém invadiu nossa fronteira, nem ninguém se os capturaram, está lá agora, nem nossos postos». As tropas continuam presas em vários locais ao longo da linha de controle de ação mal definida, apesar das negociações entre os comandantes locais para reduzi a escalada.

Na quinta-feira, se cremaram mortos alguns de os soldados de India durante a guerrazinha . Os enterros aconteceram em clima tenso, com manifestações em cidades de India contra a China. Na cidade de Kanpur, no Norte, habitantes simularam um enterro do líder de China Xi Jinping e queimaram seu retrato, berrando slogans anti-China. Incendiaram-se uma efígie de Xi e uma bandeira chinesa em Cuttack, em o Leste de India, , o mesmo ocorrendo em Calcutá.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: India, China

Cities: Kanpur, Cuttack, Calcutta

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>China acusa a Índia de provocação debatida na fronteira com o Himalaia
>>>>>Índia e China querem paz, mas culpam uma à outra por confronto na fronteira – June 17, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>China devolve 10 soldados indianos detidos durante confronto na fronteira – June 19, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>OMS diz que causa de novo surto de coronavírus na China precisa de mais estudo – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>China registra 44 novos casos de coronavírus, 31 deles em Pequim – June 17, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>>>>>Novo caso em Pequim acaba sequência de 18 dias sem contágios locais na China – June 12, 2020 (EfeGeneric)
>>>>>>>>>>>>>Diante de novo surto da Covid-19, Pequim inicia medidas para controlar a propagação do vírus iniciada em maior mercado de alimentos da Ásia – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>China terá mais voos internacionais de países com critérios anticoronavírus – (EfeGeneric)
>>>>>Primeiro-ministro da Índia diz que fronteira está segura após confronto com a China – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 A China 0 80 PLACE 13 (tacit) ele/ela (referent: A China): 2, a China: 6, A China: 3, China: 2
2 soldados 0 338 NONE 12 10 soldados indianos capturados: 1, soldados indianos: 1, soldados chineses: 2, 76 soldados indianos: 1, 20 soldados indianos: 3, Vinte soldados indianos: 1, soldados: 1, os soldados: 2
3 a Índia 0 175 PLACE 12 (tacit) ele/ela (referent: A Índia): 1, (tacit) ele/ela (referent: a Índia): 1, A Índia: 2, Índia: 1, a Índia: 7
4 confronto 0 470 NONE 8 um confronto mortal: 1, um confronto: 1, o pior confronto: 1, o confronto: 5
5 Modi 0 280 PERSON 8 Modi: 4, (tacit) ele/ela (referent: Modi em a): 1, Modi (apposition: um nacionalista estridente): 1, Modi em a: 1, (tacit) ele/ela (referent: Modi): 1
6 Zhao Lijian 0 0 PERSON 8 Zhao_Lijian (apposition: o porta-voz de o Ministério_das_Relações_Exteriores_da_China): 1, (tacit) ele/ela (referent: Zhao): 1, Ele (referent: Zhao_Lijian): 1, Zhao: 3, Zhao_Lijian (apposition: o porta-voz de o Ministério_das_Relações_Exteriores): 1, (tacit) ele/ela (referent: Zhao_Lijian): 1
7 fronteira 0 0 NONE 8 sua fronteira: 2, a fronteira disputada: 1, a fronteira: 5
8 Narendra Modi 0 70 PERSON 7 Narendra_Modi: 1, Ele (referent: Narendra_Modi): 1, Narendra_Modi (apposition: o primeiro-ministro): 1, (tacit) ele/ela (referent: Narendra_Modi): 1, Narendra_Modi (apposition: o primeiro-ministro indiano): 1, (tacit) ela (referent: Narendra_Modi): 1, Narendra_Modi (apposition: O primeiro-ministro de a Índia): 1
9 lado 0 60 NONE 5 outro lado: 1, o lado indiano: 1, o lado chinês: 3
10 tropas 0 90 NONE 4 tropas: 1, tropas chinesas: 1, As tropas indianas: 1, As tropas: 1