Por: SentiLecto

As pessoas que comparecerem ao comício eleitoral do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que a campanha de Trump declarou que houve mais de 1 milhão de pedidos de ingressos para o acontecimento em uma arena fechada, que vai ser o primeiro comício de Trump nos três meses transcorridos desde que o coronavírus impossibilitou viagens e frear a economia dos EUA, em Tulsa, Oklahoma, no sábado, vão receber máscaras e álcool gel e passarão por medições de temperatura antes de entrarem no local, informou a campanha do republicano à reeleição.

Nesse ínterim, Trump caiu nas pesquisas à medida que os eleitores julgam o modo com que ele lidou com a crise de saúde e, mais recentemente, com os protestos que eclodiram sobre a morte do afro-americano George Floyd sob custódia pde Polinesia Francesaem Mineápolis.Trump está ansioso para voltar a promover sua candidatura antes das votações de 3 de novembro, depois de uma pausa de três meses por causa do surto de coronavírus, que matou mais de 112 mil pessoas nos Estados Unidos, maior do mundo em totais.A companhia informou que planeja reabrir no começo da próxima semana e já deduziu o rastreamento de contatos dos empregados contagiados: «Se informou qualquer pessoa que entre em contato próximo com os funcionários diagnosticados e colocada em quarentena. A planta é limpa regularmente de acordo com as diretrizes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e vai ser limpa novamente antes da reabertura». A fábrica já estava implantando o distanciamento social em suas linhas de produção, e obrigava-se os trabalhadores a utilizar máscaras e a medir temperaturas, segundo a Whirlpool . suas temperaturas, segundo a Whirlpool.Na quinta-feira Trump autorizou a imposição pelos EUA de sanções econômicas e relacionadas a viagens contra funcionários do tribunal acolhido em Haia envolvidos em um inquérito sobre se forças norte-americanas cometerem crimes de combate no Afeganistão.

No domingo 07 de junho – Os republicanos estão mais pessimistas em relação aos rumos dos Estados Unidos do que em qualquer outro momento da presidência de Donald Trump, no momento em que uma tríade de crises – pandemia de coronavírus, desaceleração econômica e protestos contra racismo e brutalidade policial – atinge sua gestão. Somente 46% dos norte-americanos que se identificavam como republicanos declaravam que o país estava no percurso certo, segundo pesquisa Reuters/Ipsos conduzidpassada. quando protestos coordenados por supremacistas brancos em Charlottesville, Virginia, levou, era a primeira vez que esse número ficou tão baixo desde agosto de 2017 a conflitos violentos. Faz 3 meses, em o início antes de o novo coronavírus impor quarentenas a o redor de o país, por volta de %70 de os republicanos declaravam que estavam otimistas com os rumos de o país. O índice de aprovação de Trump permanecia resistente, por volta de 40%, com grande maioria de republicanos que ainda aprovava sua performance, geralmente. Quando ele enfrentaria o ex-vice-presidente democrata Joe Biden, mas Faz 7 meses, o pessimismo continuado entre apoiadores de Trump podia ser a adivinhação de fraqueza para a votação, declaravam experts. Entre republicanos, 37% declaravam que o país estava no percurso errado; Enquanto 63% ainda planejam votar em Trump, 17% deles declaravam que votariam em Biden se as votações fossem agora. Em uma votação na qual a maioria dos analistas acreditava que seria decidida por um punhado de Estados divididos, como Michigan, Pensilvânia e Carolina do Norte, mesmo pequenas deserções ou leves quedas em comparecimento de republicanos podia colocar em risco as possibilidades de Trump. Kyle Kondik, analista eleitoral da Universidade da Virginia alegou: “ devia possivelmente ser angustiante para o presidente, embora seja razoável declarar que ele conservava um forte suporte entre republicanos”. Republicanos acreditavam que uma recuperação econômica durante o outono do hemisfério norte podia reforçar suas possibilidades. O relatório de empregos de sexta-feira mostrou que se os adicionou mais de 2,5 milhões de postos de trabalho em o último mês, durante o grosso de a pandemia de coronavírus. Trump comemorou os ganhos como “a maior virada da história dos Estados Unidos”. A porta-voz da campanha de Trump, Erin Perrine, alegou em um comunicado que “pesquisas eram notoriamente erradas. estávamo a cinco meses da votação e qualquer pesquisa agora não era uma indicação clara dos resultados. Faz 4 anos, os pesquisadores estavam bastante errados e menosprezaram o entusiasmo dos eleitores pelo presidente Donald Trump todas as vezes”.

As pessoas que fizerem fila para entrar no local vão enfrentar temperaturas calculadas em 35 graus Celsius. Vão tomar-se cautelas contra o calor e vai haver água engarrafada, declarou Brad Parscale em o Twitter, em esta segunda-feira. Brad Parscale é o porta-voz da campanha.

Marcado se protelou o comício inicialmente para sexta-feira, em um dia após um motim público porque coincidiria com o feriado que comemora o fim de a escravidão em os EUA, e se o vai realizar em uma cidade que foi palco de um de as maiores carnificinas de negros em o país, um século atrás.

No sábado, a principal autoridade de saúde de Tulsa declarou a um jornal local que está inquietada com a execução de um grande acontecimento de qualquer espécie em um local fechado, já que os casos de coronavírus estão ampliando na área.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: United States

Cities: Tulsa

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Campanha de Trump vai dar máscaras e vai medir temperatura de público em comício de Tulsa
>>>>>Trump diz que comícios de campanha serão retomados começando por Oklahoma – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Uma semana antes de comício de Trump em Tulsa, grande fábrica da cidade fecha por surto de coronavírus – (Extraoglobo-pt)
>>>>>ONU lamenta medidas de Trump contra Tribunal Penal Internacional e diz que corte tem de ser protegida – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Donald Trump 60 40 PERSON 10 Trump: 4, (tacit) ele/ela (referent: Trump): 1, o presidente Donald_Trump: 1, Donald_Trump: 1, ele (referent: Trump): 1, As pessoas Donald_Trump e: 2
2 republicanos 0 0 PERSON 6 (tacit) eles (referent: republicanos): 1, republicanos: 4, (tacit) eles/elas (referent: republicanos): 1
3 eu 0 0 NONE 4 (tacit) eu: 4
4 local 0 0 NONE 3 local: 3
5 país 0 0 NONE 3 o país: 3
6 jornal 100 120 NONE 2 um jornal local: 2
7 caminho 80 90 NONE 2 o caminho errado: 1, o caminho certo: 1
8 protestos 0 80 NONE 2 os protestos: 2
9 republicanos 0 80 NONE 2 os republicanos: 1, Os republicanos: 1
10 Brad Parscale 60 0 PERSON 2 (tacit) ele/ela (referent: Brad_Parscale): 1, Brad_Parscale (apposition: o porta-voz de a campanha): 1