Por: SentiLecto

Em 2 anos, os seis principais partidos de oposição hungarozinhos vão formar uma coalizão e, se conseguirem derrotar o primeiro-ministro, Viktor Orbán, pretendem conduzi em uma aliança, declararam as siglas em um comunicado conjunto.

Orbán, que tem entrado em fricção com aliados ocidentais a respeito do estado de direito e da repressão da dissidência, aumentou a influência de seu partido Fidesz graças àostrês grandes vtriunfoseleitorais cconquistadosdesde 2010 diante de uma oposição fraca e fragmentada.

O partido publicou um vídeo de homens dentro da sede atirando o que pareciam ser fogos de subterfúgio improvisados e depois gás lacrimogêneo na calçada onde os membros da legenda estavam reunidos.

Nas votações municipais do outono passado, porém, partidos inimigos exibiram candidaturas conjuntas em muitos distritos do país e derrotaram o Fidesz em zonas eleitorais cruciais, inclusive a prefeitura da capital Budapeste.

O novo prefeito de Budapeste declarou que seu triunfo, resultante de uma primária e depois de um esforço habitual de todos os partidos de oposição, é um roteiro para fazer frente a Orbán.

Na sua vez é parte de um esforço para dar aos líderes partidários mencionados pelo tribunal acesso aos edifícios, declarou o parlamentar Williams Dávila em um comunicado. Sua vez é a profissão da sede da Ação Democrática, que iniciou no domingo.

Pesquisas recentes mencionam que, tirando os eleitores indecisos, cerca de metade de todos os eleitores ativos apoia Orbán e metade deseja uma vitória da oposição. Os indecisos encarnam cerca de um terço dos que podem ir às urnas e podem amodificaro desfecho da veleição

«Os partidos de oposição escutaram seus eleitores, e hoje os presidentes dos partidos começaram consultas oficiais para se prepararem para a votação parlamentar de 2022», declararam as siglas em comunicados idênticos.

Elas exibirão candidatos habituais em todas as 106 zonas eleitorais, vão estabelecer um programa conjunto e conduzirão juntas se vencerem, declararam.

A Publicus Research mostrou que uma coalizão já tem, em relação ao Fidesz, um ligeiro benefício nas pesquisas que superaria o resultado acumulativo de partidos de oposição separados por algo entre 5 e 6 pontos percentuais. A Publicus Research é companhia que mede o suporte dos partidos de oposição e de uma coalizão em potencial.

Peter Marki-Zay, prefeito e líder de um grupo que defende a unificação da oposição, declarou que o Fidesz teria perdido quase metade das zonas eleitorais contra um único adversário em 2018.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Hungary

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Oposição da Hungria se junta para desafiar premiê Orbán em 2022
>>>>>Partido de oposição na Venezuela diz que apoiadores do governo ocuparam sua sede – August 10, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eleitores 30 50 NONE 3 os eleitores indecisos: 1, seus eleitores: 1, todos os eleitores ativos: 1
2 Fidesz 0 46 ORGANIZATION 3 o Fidesz: 3
3 candidatos comuns 80 0 NONE 3 (tacit) eles/elas (referent: candidatos comuns): 3
4 Williams Dávila 48 0 PERSON 3 (tacit) ele/ela (referent: o parlamentar Williams_Dávila): 2, o parlamentar Williams_Dávila: 1
5 aliança 0 0 NONE 3 uma aliança: 3
6 pesquisas 0 0 NONE 3 Pesquisas recentes: 1, as pesquisas: 2
7 oposição 0 70 NONE 2 oposição: 1, uma oposição fraca: 1
8 Orbán 0 0 PERSON 2 Orbán a: 2
9 Peter_Marki-Zay prefeito e líder de um grupo 0 0 PERSON 2 Peter_Marki-Zay prefeito e líder de um grupo: 2
10 Publicus Research 0 0 ORGANIZATION 2 (tacit) ele/ela (referent: A Publicus_Research): 1, A Publicus_Research (apposition: empresa): 1