Por: SentiLecto

A juíza Luciana Mocco Moreira Lima, da 2ª Vara Criminal de Bangu, negou a retirada do nome do médico e ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho, da consulta pública do Tribunal de Justiça do Rio no processo em que ele é réu por tortura contra o filho de uma ex-namorada e também pelo crime de falsidade ideológica. Em uma abaixo-assinado, o advogado Braz Sant’Anna afirma que o nome de seu cliente, “pessoa pública e conhecida”, está exposto nos autos da ação penal. A juíza O pedida de decretação de segredo de justiça , tornando o conteúdo acessível exclusivamente por os advogados constituídos e representantes de o Ministério Público , deferiu ele.

“Considerando as limitações existentes do contexto que será realizada a AP , mencionamo que o mais adaptado é que as entrevistas e aplicações dos instrumentos psicolóse os realizem gicos em três dias na Penitenciária Bangu 8, pela manhã e pela tarde, entre os horários 9h às 17h. Cada encontro terá duração mínima de quatro horas com intervalos necessários respeitando os horários estabelecidos pela instituição”, afirmam as profissionais.Faz 3 meses, que defendem Monique, já haviam requerido uma avaliação psicológica de a professora, em setembro os advogados Thiago Minagé e Hugo Novais. A juíza Elizabeth Machado Louro deferiu o pedido e ela recebeu a visita de a profissional em a última sexta-feira , dia 26 , em o Instituto Penal Oscar Stevenson , em Benfica.

Na quarta-feira 24 de novembro a juíza Elizabeth Machado Louro, do II Tribunal do Júri, pediu reforço de segurança no controle do acesso à plateia e nas dependências do plenário onde s seriarealizada a cprosseguimentoda audiência de instrução e julgamento do processo em que a professora Monique Medeiros da Costa e Silva e o médico e ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho, s eramacusados de torturas e do hassassinatoqualificado de Henry Borel Medeiros. Nos dias 14 e 15 de dezembro, deviam ser escutadas 28 pessoas escolhidas pelos advogados dos dois réus.

Tiros Laudos : mortos em o Salgueiro atingiram eles de fuzil em a cabeça e em o tórax

No documento, ao qual O Globo teve acesso, Braz Sant’Anna argumenta que Jairinho “vem sendo investigado por outro crime que tomou grande repercussão midiática, o que deve ser levado em consideração” para a decretação do sigilo. No processo que se refere o advogado, o ex-parlamentar e sua ex-namorada, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva são réus por torturas e assassinato qualificado contra o filho dela, Henry Borel Medeiros, de 4 anos, e ainda fraude processual e coação.

“O fato de ter sido determinado o segredo de justiça, não abarca a constatação da existência da ação penal e do nome do réu, que não pode ser ocultado ou retirado do sistema eletrônico de consulta processual, sendo certo que estes dados não são sigilosos. É certo que com o segredo de justiça somente as partes terão acesso ao conteúdo do processo em si, já que no que tange as investigações, os fatos foram amplamente divulgados pela mídia”, justifica Luciana Mocco Moreira Lima.

Mandado de segurança: Ao pedir volta de Jairinho a Câmara dos Vereadores, advogado declara que juiz padece coação de ‘campanha midiática’

De acordo com a acusação do Ministério Público, Jairinho teria torturado o filho da ex-namorada, uma aluna, em pelo menos três situações, quando ele tinha 3 anos. Na primeira delas, o menino quebrou o fêmur e teve que ficar mais de dois meses com as pernas imobilizadas. Quando a criança foi levada ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, o ex-vereador declarou que ela padecera um acidente ao descer de seu carro e prender o pé em um cinto de segurança.

Em outra ocasião, o MP acusa Jairinho de, ao permanecer sozinho com o então enteado em um cômodo da casa dele, ordenar que o menino deitasse no sofá, subido no móvel e pisado internacionalmente em sua barriga. Em seguida, o ex-vereador teria colocado uma sacola plástica na cabeça da criança e dado voltas com ela no carro, dentro do condomínio.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEUTRAL

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Caso Henry: juíza nega retirada de nome de Jairinho de consulta pública em processo por tortura contra filho de ex-namorada
>>>>>Caso Henry: defesa de Jairinho solicita avaliação psicológica de ex-vereador – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Jairinho 0 56 PERSON 5 Jairinho: 3, ele (referent: Jairinho): 1, ela (referent: Jairinho): 1
2 s 0 0 NONE 4 s: 3, s dias: 1
3 réu 60 120 NONE 3 réu: 1, o réu: 2
4 Anna 0 0 PERSON 3 (tacit) ele/ela (referent: Anna): 1, Anna: 2
5 O Globo 0 0 PERSON 3 O_Globo: 1, (tacit) ele/ela (referent: O_Globo): 2
6 eu 0 0 NONE 3 (tacit) eu: 3
7 processo 0 0 NONE 3 o processo: 3
8 crime 0 160 NONE 2 outro crime: 2
9 torturas 0 160 NONE 2 torturas: 2
10 homicídio 0 80 NONE 2 o homicídio qualificado: 1, homicídio qualificado: 1