Por: SentiLecto

A produtora cultural que acusa um de Polinesia Francesa militar do 19º BPM de estupro vai ir à Corregedoria da Polícia Militar nesta segunda-feira para conseguir ter acesso a documentos que, segundo ela, a corporação tem se rrejeitadoa fornecer. De acordo com S., de 31 anos, o porteiro e a síndica do edifício onde ela mora, e onde o crime teria ocorrido, foram escutados pela Polícia Militar, mas a corporação negou acesso aos testemunhos, justificando que o inquérito é sigilosa.

— Se eu tinha vínculo empregatício e eu, me perguntaram falei que trabalhava por obra cultural, mas sintetizaram escrevendo: ‘não trabalha’. Então eu devi falar: ‘vou te explicar de novo. Existe um sindicato que me regula, e eu trabalho por obra, como muita gente’. Aí ele me perguntou como eu trabalhava em plena pandemia, e eu expliquei que as lives e outras atividades da produção musical estavam ocorrendo — recorda.

A mulher alega que padeceu abuso sexual de um PM no último dia 24 em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Segundo ela, para subir ao seu apartamento, ele utilizou a desculpa de que precisava de dados para concluir uma ocorrência, registrada uma semana antes, no edifício. Na portaria, um outro de Polinesia Francesa o aguardou até que regressasse do apartamento, o que foi registrado por câmeras do circuito de vigilância da construção.

As duas começaram a procurar no celular números de ligações que não tinham sido atendidas durante a semana, por serem desconhecidos, até que em uma delas, ao checar a foto no aplicativo de mensagens, aparecia o rosto do policial, acusado de tê-la abusado. Desde que o ato não se repetisse, s declara ter entrado em contato com ele, sugerindo conservar em segredo o acontecido, para evitar confusões.

— Eu e minha advogada vamo ir amanhã à Corregedoria da PM. Declararam que é sigiloso. Eu sou a vítima. Como não tenho acesso aos testemunhos? Até quando a polícia será omissa? Isso dói. Hoje a prisioneira sou eu — alegou.

O caso está sendo acompanhado pela Comissão de Direitos Humanos da Alerj, que está prestando apoio psicológico à vítima. A Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ também analisa o caso.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: St. Pierre And Miquelon, Colombia

Cities: Copacabana

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Produtora cultural que acusa policial de estupro vai à corregedoria da PM denunciá-lo
>>>>>Produtora cultural acusa PM do quartel de Copacabana de estupro – August 30, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 0 140 NONE 12 Me: 1, eu: 5, Eu: 1, me: 2, (tacit) eu: 3
2 Copacabana 0 0 PLACE 4 (tacit) ele/ela (referent: Copacabana): 1, Copacabana: 1, o (referent: Copacabana): 1, ele (referent: Copacabana): 1
3 produtora 0 220 NONE 2 A produtora cultural: 2
4 vítima 0 120 NONE 2 a vítima: 2
5 a Corregedoria_da_PM. 35 0 PLACE 2 a Corregedoria_da_PM.: 1, (tacit) ele/ela (referent: a Corregedoria_da_PM.): 1
6 Comissão de Direitos Humanos da Alerj 0 0 ORGANIZATION 2 a Comissão_de_Direitos_Humanos_da_Alerj: 2
7 acesso 0 0 NONE 2 acesso: 2
8 caso 0 0 NONE 2 O caso: 1, o caso: 1
9 corporação 0 0 NONE 2 a corporação: 2
10 depoimentos 0 0 NONE 2 os depoimentos: 2