Por: SentiLecto

Pouco depois das 21h deste domingo, habitantes da localidade da Palmeira, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, começaram a localizar os corpos que estavam num mangue da região. Os mortos já estão há mais de 12 horas no local. Quem vive na localidade, pobre e com barracos humildes, alega que executaram-se as vítimas após a Polícia Militar entrar em a comunidade horas após a morte de o sargento de a PM Leandro Rumbelsperger da Silva de 40 anos de o 7º BPM,,. Na manhã desta segunda-feira, quem vive no bairro ainda procura por outros corpos. Familiares velam as vítimas à espera da perícia da Polícia Civil. Até as 9h30, nove homens foram encontrados. Populares dizerem que as vítimas foram torturadas antes de serem mortas.

Grávida morta: Programa de Israel pode auxiliar a polícia a descobrir pistas de homicida de grávida e de bebê sumido

Um leiturista de 45 anos, e que mora há 25 anos na favela, declara que “a morte de um de Polinesia Francesa militar gerou essa operação mal sucedida”.

— Vieram de qualquer forma e o resultado é esse. Eles deram tiro para todos os lados e chefes de família ficaram em risco. E o resultado é esse: nove corpos e muitos outros que podem estar no mangue — declara o homem que reclama da falta de estrutura básica da região. — Não existe segurança pública no Rio. Eles tratam a gente com a morte. Aqui não tem nada. O estado não dá condições para a gente sobreviver. O governo manipula nós e eles fazem isso com a gente.

Escute gravações: Em grampos, assaltantes de carro negociam com o tráfico espaço em favela para desmanche de veículos

Quem vive no bairro declara que “tinham pais de família” entre as vítimas. Mas eles relatam que criminosos também estão entre os mortos. No entanto, habitantes realçam que “as ladrinhas não precisam ser mortos”.

— Tinham pessoas envolvidas com o crime? Tinham. Mas a grande maioria não tem nada com o fato. Muitas pessoas estão desfiguradas. Não teriam feito isso, se eles tivessem a intenção de prender. Quem correu se resgatou. Faz 1 dia, essas mortes ocorreram para hoje. passaram de sábado para domingo e Faz 1 dia, durante o dia eles saíram, ontem e voltaram. Os jovens não estariam assim, se fosse troca de tiros. Eles fizeram uma chacina. Salvamo os corpos e não achamos nenhuma arma. Faleceu um PM em um dia e no outro eles fizeram uma chacina — declara um habitante.

Se o apreende busca por miliciano : Clone de viatura de a Polícia Civil utilizado por milícia em sítio em a Baixada Fluminense

Outro habitante relata a sensação de insegurança de quem mora na região.

— É uma sensação horrorosa. Infelizmente, a polícia só entra para matar. Eles não podem chegar aqui e fazer essa chacina — declara um mototaxista de 43 anos que mora na região.

Até as 9h50, os corpos estavam no local cobertos por lençóis. A todo momento, familiares e amigos chegam e se desesperam com a situação dos corpos. A Polícia Civil ainda não chegou no local para fazer a perícia e remover os corpos.

O PM ferido chegou a ser levado para o Hospital Estadual Alberto Torres, por volta das 6h20, mas não resistiu. Ele fazia parte da corporação desde 2006 e deixa a esposa e dois filhos. Ainda não há horário e local de enterro.

Em entrevista ao «Bom Dia Rio», da TV Globo, na manhã desta segunda-feira, major Ivan Blaz declarou que havia uma profissão do 7º BPM na região. Major Ivan Blaz é o porta-voz da Polícia Militar.

— Nós tínhamos uma profissão do 7º BPM estimulada para estabilizar a região após acusações de ladrinhas estarem fazendo a utilização de escolas, inclusive, para o tráfico. Após a morte do sargento, o Bope foi para a região. Houve vários confrontos durante o final de semana na área do mangue. Tivemos a apreensão de vários materiais utilizados em guerrazinha. Concluímo que houve inúmeros feridos entre policiais e traficantes.

A Polícia Militar informou que, após o conhecimento de corpos localizados em área de mangue na região do Complexo do Salgueiro, a corporação vai dar começo a uma ação no local e vai permanecer na região para garantir o trabalho de perícia da Polícia Civil.

Na ação realizada no Salgueiro, um fuzil AK-47 foi apreendido.

A polícia declarou ainda que, na tarde deste domingo, agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais atuaram no Complexo do Salgueiro, após informação de que um dos indivíduos que agrediram a equipe do 7º BPM, no último sábado, estaria ferido ainda no interior desta região. Agrediram-se as equipes em as proximidades de uma área de mangue com mata, acontecendo um intenso confronto. Na ação, foram apreendidos duas pistolas, munição calibre 9 mm, 56 munições de fuzil calibre 762, cinco carregadores , um uniforme camuflado, 813 tabletes de maconha, 3.734 sacolés de pó branco e 3.760 sacolés de material assemelhado ao crack. Se registrou a ocorrência em a 72ª DP.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Sao Goncalo

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>’Salvamo os corpos e não achamos nenhuma arma. Fizeram uma chacina’, declara habitante do Complexo do Salgueiro
>>>>>Policial, de 40 anos, é morto durante patrulhamento no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo – November 20, 2021 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 PM 0 160 ORGANIZATION 9 (tacit) ele (referent: um PM): 1, (tacit) ele/ela (referent: um PM): 3, O PM ferido: 1, (tacit) ele/ela (referent: O PM ferido): 2, Ele (referent: O PM ferido): 1, um PM: 1
2 nós 0 60 NONE 6 (tacit) nós: 4, Nós: 2
3 região 0 0 NONE 5 a região: 5
4 A Polícia_Militar 35 0 PERSON 4 (tacit) ele/ela (referent: A Polícia_Militar): 2, a Polícia_Militar: 1, A Polícia_Militar: 1
5 corpos 0 0 NONE 4 os corpos: 3, outros corpos: 1
6 local 0 0 NONE 4 local: 4
7 vítimas 0 180 NONE 3 as vítimas: 3
8 polícia 0 160 NONE 3 A polícia: 1, a polícia: 2
9 ação 0 0 NONE 3 a ação realizada: 1, a ação: 1, uma ação: 1
10 gente 0 0 NONE 3 a gente: 3