Por: SentiLecto

«Não sei o que vai ser da minha vida desde que o meu filho partiu. Estou sem chão». Os vocábulos provam toda a dor que Mirtes Regina Santana de Souza sente após perder o único filho, Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que faleceu após cair do nono andar de um edifício no Recife, na última terça-feira, dia 2. Em entrevista na apresentadora Fátima Bernardes, no programa «Encontro», da TV Globo, nesta manhã de sexta-feira, a mãe do menino relembrou a conversa que teve com a então Sarí Corte Real primeira-dama de Tamandaré e que foi presa em flagrante logo após a morte de Miguel e liberada após pagar fiança de R$ 20 mil. Sarí Corte Real é a patroa.20 mil. Ela e o marido, o prefeito Sergio Hacker Corte Real, compareceram ao velório e ao funeral e ainda levaram condolências à Mirtes e sua mãe.

A Polícia Civil de Pernambuco informou que se divulgariam os nomes de os patrões de a doméstica não por causa da necessidade de «cumprimento da lei de abuso de autoridade». A mulher chegou a ser presa em flagrante, mas pagou R$ 20 mil de fiança e vai responder em liberdade. Procurados, o prefeito de Tamandaré e a assessoria de comunicação do município, a 114km do Recife, não se demonstraram. Sérgio Hacker conserva residência nas duas cidades.- A de Peru Mirtes Renata de Souza, mãe do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que faleceu após cair do nono andar de um edifício no Recife, era contratada como servidora pública da Prefeitura de Tamandaré. O patrão daSérgio Hacker Corte Real que no dia 1º de fevereiro de 2017 introduziu a sua funcionária pessoal no quadro dos servidores do município. Sérgio Hacker Corte Real é o prefeito da cidade. Sérgio Hacker Corte Real é o prefeito da cidade. A informação é da jornalista Ciara Carvalho, do Jornal do Commercio de Pernambuco, e o EXTRA confirmou ela. Mirtes, que trabalhava para Sarí Corte Real, primeira-dama de Tamandaré e que foi presa em flagrante logo após a morte do pequeno Miguel e liberada após pagar fiança de R$ 20 mil, está cadastrada como Gerente de Divisão CC6, com lotação em Manutenção das Atividades de Administração. É um Cargo Comissionado e que, até o momento, não consta qualquer desligamento. As informações estão no Portal da Transparência de Tamandaré. Na folha de pagamento da prefeitura, consta que a empregada recebia um salário de R$ 1.517,57 até março de 2020. Faz 1 mês, o pagamento diminuiu para R $ 1.093,62, que é o valor atual de o salário mínimo, no entanto em os dois últimos meses abril e maio. Enquanto a carga horária aparece com um total de zero horas semanais, na caracterização do contrato, fica claro que exigiu-se qualquer comprovante de escolaridade não o que pode ser compreendido como » funcionária aparição «. Caso Miguel Miguel era filho único de Mirtes Renata Souza e faleceu nesta terça-feira, dia 2, ao cair do nono andar de um edifício no bairro São José, no Centro do Recife. Ela que trabalhava no apartamento da patroa, no quinto andar, desceu ao térreo para passear com o cachorro e deixou o filho aos cuidados dela. A empregadora permitiu que o menino, de somente 5 anos, entrasse no elevador sozinho para procurar a mãe, e ele acabou se perdendo no edifício: desceu no nono andar, onde fica uma área habitual com os aparelhos de ar-condicionado, escalou a grade que protegia os equipamentos e caiu de uma altura de 35 metros. Na quinta-feira, um dia após sepulta o fiho, a empregada doméstica desabafou sobre sua perda e sobre a responsabilidade de sua patroa na calamidade. «Ela confiava os filhos dela a mim e à minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar . Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança», alegou, em entrevista à TV Globo.- A de Peru Mirtes Renata de Souza, mãe do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que faleceu após cair do nono andar de um edifício no Recife, era contratada como servidora pública da Prefeitura de Tamandaré. O patrão daSérgio Hacker Corte Real que no dia 1º de fevereiro de 2017 introduziu a sua funcionária pessoal no quadro dos servidores do município. Sérgio Hacker Corte Real é o prefeito da cidade. Sérgio Hacker Corte Real é o prefeito da cidade. A informação é da jornalista Ciara Carvalho, do Jornal do Commercio de Pernambuco, e o EXTRA confirmou ela. Mirtes, que trabalhava para Sarí Corte Real, primeira-dama de Tamandaré e que foi presa em flagrante logo após a morte do pequeno Miguel e liberada após pagar fiança de R$ 20 mil, está cadastrada como Gerente de Divisão CC6, com lotação em Manutenção das Atividades de Administração. É um Cargo Comissionado e que, até o momento, não consta qualquer desligamento. As informações estão no Portal da Transparência de Tamandaré. Na folha de pagamento da prefeitura, consta que a empregada recebia um salário de R$ 1.517,57 até março de 2020. Faz 1 mês, o pagamento diminuiu para R $ 1.093,62, que é o valor atual de o salário mínimo, deixando a remuneração R$500 a menos do que as prévias, no entanto em os dois últimos meses abril e maio. Enquanto a carga horária aparece com um total de zero horas semanais, na caracterização do contrato, fica claro que exigiu-se qualquer comprovante de escolaridade não o que pode ser compreendido como » funcionária aparição «. Procurada pelo EXTRA, a prefeitura de Tamandaré ainda não se demonstrou. Se procurou O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco também, mas ainda não respondeu os questionamentos. Caso Miguel Miguel era filho único de Mirtes Renata Souza e faleceu nesta terça-feira, dia 2, ao cair do nono andar de um edifício no bairro São José, no Centro do Recife. Ela que trabalhava no apartamento da patroa, no quinto andar, desceu ao térreo para passear com o cachorro e deixou o filho aos cuidados dela. A empregadora permitiu que o menino, de somente 5 anos, entrasse no elevador sozinho para procurar a mãe, e ele acabou se perdendo no edifício: desceu no nono andar, onde fica uma área habitual com os aparelhos de ar-condicionado, escalou a grade que protegia os equipamentos e caiu de uma altura de 35 metros. Na quinta-feira, um dia após sepulta o filho, a empregada doméstica desabafou sobre sua perda e sobre a responsabilidade de sua patroa na calamidade. «Ela confiava os filhos dela a mim e à minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar . Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança», alegou, em entrevista à TV Globo. As autoridades, que atuaram a patroa por assassinato culposo, quando não há intenção de matar, não revelaram a identidade dela. Mirtes que trouxe o nome de Sari Corte Real à tona e desabafou: «Se fosse eu, mminharfacezinhaestaria estampado, como já vi vários casos na tTV Meu nome estaria estampado e minha facezinha estaria em todas as mídias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado. A essa hora, já estava lá no Bom Pastor , apanhando das presas por ter sido irresponsável com uma criança», se fosse eu.

Naquele momento de dor, a empregada ainda não sabia da existência do vídeo em que mostra Sarí colocando a criança sozinha no elevador. Angustiada e atrás de respostas, Mirtes indagou por que a patroa não segurou Miguel e não permitiu que ele entrasse no local. A primeira-dama só repetia: «Vou confirmar que não apertei o botão».

«Quando sepultei o meu filho, eu ainda não tinha visto o vídeo e nem sabia. Eu estranhei a reação da minha irmã no velório, pedi paz e respeito. A Sari e o Serginho estavam no velório, eu abracei os dois e a minha mãe bém abraçou. A gente não sabia o que tinha ocorrido. Aquilo me bateu uma ira e uma agonia, quando recebi o vídeo e vi, e liguei para ela para saber o que ocorreu, porque ela não tinha ligado para mim. Ela só respondeu: «Eu não apertei o botão da cobertura, quando indaguei ela por que ela apertou o botão da cobertura, por que deixou meu filho ali. Vou confirmar para você». Só ficou declarando que não apertou. Ela pode confirmar o que for, mas ela deixou o meu filho no elevador», alegou a pernambucana.

Mirtes alega que a patroa deixou o seu filho risco, porque ele porque poderiam ter ocorridos outros problemas com a criança sozinha, como o elevador quebrar e a criança ficar presa. Para a empregada, a primeira-dama deixou Miguel em perigo.

«Ela não deu resposta . Só declarou que ia confirmar que não apertou o botão. Ela pode confirmar o que for, mas ela deixou. As imagens são claras, ela deixou o meu filho lá e esperou a porta fechar. Ela não teve a coragem de segurar a mão do meu filho e tirar ele ali de dentro. Eu teria tirado, se fosse um filho dela. Uma criança inocente e que não tinha noção de perigo. A única coisa que ele desejava era a mim, a mãe dele. Ela não teve um pingo de paciência», desabafou.

Por outro lado, mirtes contou na entrevista à TV Globo que ela e a mãe se revezavam no trabalho. Era a avó quem ficava com Miguel no dia em que a mãe precisava trabalhar, mas, no dia do acidente, ela precisava buscar uma receita médica. Como já fizera outras vezes, Mirtes levou o filho para o apartamento dos patrões. Lá, precisou descer com o cachorro de estimação deles, passeio que segundo ela foi rápido e próximo aa construção, localizado no bairro de São José.

«Não estou conseguindo dormir aqui no quarto, porque, eu vejo que ele não está aqui, quando eu olho para minha cama. A dor amplia mais ainda porque não terei mais o meu neguinho comigo, o meu filho não vai mais dormir comigo. Eu já dava um odor nele e ele sorria para mim, quando eu acordava. Depois, ele vinha para minha casa, me dava beijos e abraços, pedia «bênção, mamãe». Ele era a minha vida. Não sei o que vai ser da minha vida desde que o meu filho partiu. Estou sem chão», declarou.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

Countries: Brazil

Cities: Recife

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Mãe de Miguel ligou para patroa logo após funeral do filho, e primeira-dama só declarava: ‘Vou confirmar que não apertei o botão’
>>>>>’Confiei meu filho a ela, que não teve paciência para cuidar’, diz mãe do menino Miguel sobre a patroa – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Prefeito de Tamandaré contratou a mãe do menino Miguel, que caiu de prédio, como servidora – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Prefeito de Tamandaré contratou a mãe de Miguel, que caiu de prédio, como servidora; TCE-PE já investiga – June 05, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Polícia indicia por homicídio patroa da mãe de menino que caiu do 9º andar no Recife – June 04, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Imagens mostram menino Miguel sozinho no elevador antes de morrer ao cair de prédio no Recife – June 04, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Caso Miguel: polícia diz que patroa foi negligente ao se descuidar do filho da empregada – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 60 0 NONE 53 (tacit) eu: 35, eu: 9, mim: 5, Eu: 2, me: 2
2 Renata Mirtes Souza 0 0 PERSON 15 Mirtes primeira-dama de Tamandaré e e liberada após pagar fiança de R: 6, mirtes: 1, (tacit) ele/ela (referent: Mirtes e): 1, Mirtes e: 2, Mirtes: 4, Mirtes_Regina_Santana_de_Souza: 1
3 filho 0 25 NONE 13 meu filho: 9, seu filho risco: 1, o filho: 2, um filho: 1
4 criança 370 0 NONE 9 criança: 4, Uma criança inocente e: 2, a criança sozinha: 2, a criança: 1
5 empregada 0 0 NONE 6 a empregada doméstica: 2, a empregada: 4
6 Sarí Corte Real 0 0 PERSON 5 Sarí_Corte_Real: 2, ele (referent: Sarí): 1, Sarí_Corte_Real (apposition: a patroa): 1, Sarí: 1
7 elevador 0 0 NONE 5 o elevador sozinho: 2, o elevador: 3
8 meu filho 0 0 NONE 5 ele (referent: meu filho): 1, (tacit) ele/ela (referent: meu filho): 4
9 mãe 0 0 NONE 5 minha mãe: 3, sua mãe: 1, a mãe: 1
10 mãe de o menino miguel_otávio_santana_da_silva de 5 anos 0 280 NONE 4 mãe de o menino Miguel_Otávio_Santana_da_Silva de 5 anos: 4