Por: SentiLecto

O planejamento para a invasão e recomeçada do controle do tráfico de drogas no Morro São José Operário, também conhecido como Morro da Barrão, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio, era companhado pela Inteligência da Polícia Militar, alegou o porta-voz da Polícia Militar e coronel Mauro Fliess, em entrevista ao «RJTV 1», da TV Globo, nesta tarde. No entanto, por conta da resolução do Supremo Tribunal Federal , não pode fazer uma operação para evitar a invasão que teve começo nesta terça-feira. Até agora, três homens faleceram no confronto com a PM. Também em a comunidade um fuzil, duas pistolas roupas camufladas e caderno de anotações Duas pistolas são três granadas, se os apreendeu durante a manhã.

“A PM segue satisfazendo a resolução do STF, com relação a incursão de áreas conflagradas, somente em casos excepcionais. Tão logo tomamos conhecimento desse confronto entre grupos criminosos, houve um reforço ainda durante a madrugada na área que cerca essas comunidades. Enquanto isso, há dados de inteligência e um planejamento meticuloso por conta da periculosidade da área, do grande número de pessoas armadas e dessa proximidade de área de mata. Então, estamos montando uma operação dentro desse concepção de exclusividade para ocupar esse local”, declarou Fliess em entrevista ao «Bom Dia Rio», da TV Globo.O combate entre traficantes e milicianos no madrugada desta quarta-feira, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio, não contou com uma operação da Polícia Militar. Em cumprimento de uma resolução do Supremo Tribunal Federal , a corporação só realiza operações somente em casos excepcionais. Coronel Mauro Fliess alegou que, dentro do concepção de exclusividade, está montando uma ação para ocupar a comunidade Coronel Mauro Fliess é o porta-voz da Polícia Militar.

Na quinta-feira 18 de junho o tenente da Polícia Militar do Rio Cleiton da Costa Sales faleceu, nesta quinta-feira, após ser baleado durante uma operação no Complexo da Serrinha, em Madureira, na Zona Norte do Rio. Lotado no 14º BPM , ele dava suporte ao 9º BPM , que havia deflagrado a ação. Em nota, a PM lamentou a morte do tenente, que estava na corporação havia 7 anos, era casado e tinha um filho.

— Enquanto houver indicativo dos órgãos de Inteligência, a Polícia Militar permanecerá. Tão logo identificamos invasão, se desloca de Polinesia Francesa militares para o entorno da comunidade para evitar a invasão e evitando os conflitos. Nesse momento que vivemos na pandemia e de uma resolução do STF, e que iremos satisfazer, essa ação preventiva acabou sendo prejudicada na noite de ontem — alegou Fliess, ao declarar que a PM, que não ter comportar-se preventivamente, sabia do iminente confronto. Após o combate que varou a madrugada, o porta-voz informou que a corporação vai ficar no local por tempo indeterminado., e feito uma operação emergencial para evitar o combate entre milicianos e traficantes, Fliess alegou:

“Já escutai algumas vezes declarando que seria uma operação de enxugar gelo. De fato, não temos habilidade de permanecer em 1.413 comunidades ao mesmo tempo. De fato, a nossa presença serve para prender criminosos, retirar armas de circulação e pode provocar essa impressão de enxugar gelo. Mas o que temos visto nos últimos dias é que se não enxugar gelo, a sala fica alagada. Então, precisamos de ações da Polícia Militar prendendo criminosos, retirando armas de circulação”, alegou.Um professor de 30 anos, que mora na Praça Seca, contou que durante toda a noite escutou tiros de fuzil e barulhos de explosão de granadas.

— Durante a madrugada, após os confronto, houve um cerco nos locais de conflito fora da comunidade. Como é de difícil acesso e entrar de madruga colocaria em risco a integridade dos de Polinesia Francesa e dos familiares, devemo esperar e planejar essa operação de hoje — realçou o porta-voz.

De acordo com a Polícia Militar, é preciso aguardar a resolução da Polícia Civil em relação a perícia que vai ser ou não feita nos corpos que estão no alto do morro. O Globocop, da TV Globo, flagrou com imagens aéreas alguns PMs no alto da mata descansando ao lado dos corpos.

— Estamos aguardando uma resolução da Civil se vai fazer uma perícia ou se os corpos serão removidos para um local especifico — informou o coronel.

Se a maior facção criminosa do estado conseguiu recomeçar o controle do crime, mais de 12 horas após o confronto, a Polícia Militar ainda não sabe no local.

— A inteligência está buscando saber se a facção adversário conseguiu de fato tomar o local. A prioridade é ocupar o terreno e evitar novos confrontos — concluiu o porta-voz.

Assim como a Polícia Militar, a Civil também monitorava os possíveis desdobramentos nZona Oeste do Rio segundo fontes na corporação. Zona Oeste do Rio é a região que poderiam concluir no confronto entre traficantes e milicianos na Praça Seca. Os órgãos de Inteligência acompanhavam as duas facções e seus interesses pelo local, mas era preciso seguir a resolução do Supremo Tribunal Federal de ser necessária a autorização para operações.

Caso as duas corporações façam alguma operação, o subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Polícia Civil, delegado Felipe Lobato Curi, alegou existir uma incerteza futuramente , as ações possam ser questionadas.

Na última semana, Curi mandou ao STF e à Secretaria Nacional de Segurança Pública um relatório sobre o crime ocoordenadono estado. No documento, o delegado faz citação à milícia que já atua em 278 localidades do estado. Em a Zona Oeste , somente grupos paramilitares ainda não ocuparam a Cidade de Deus.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>PM monitorava preparação de traficantes para invasão à comunidade dominada por milícia, ddeclaracoronel Fliess
>>>>>PM vai fazer operação ‘dentro do conceito de exclusividade’ na Praça Seca, após guerra entre traficantes e milicianos, diz Fliess – (Extraoglobo-pt)
>>>>>PM faz operação ‘dentro do conceito de exclusividade’ na Praça Seca, após guerra entre tráfico e milícia – July 08, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Milícias já dominam 278 favelas no Estado do Rio, segundo relatório da Polícia Civil – July 07, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>Tráfico invade área dominada pela milícia na Praça Seca; madrugada tem forte tiroteio – July 08, 2020 (EntretenimientoBit)
>>>>>>>>>Tráfico e milícia dominam 1.413 favelas do Rio e número de bandidos é maior que o de PMs nas ruas, aponta relatório – July 06, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Tráfico invade área dominada pela milícia na Praça Seca; Madrugada tem forte tiroteio – July 08, 2020 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 180 0 NONE 15 (tacit) nós: 15
2 Mauro Fliess 0 0 PERSON 6 Fliess: 3, coronel Mauro_Fliess (apposition: O porta-voz de a Polícia_Militar): 1, (tacit) ele/ela (referent: coronel Mauro_Fliess): 2
3 operação 15 0 NONE 5 alguma operação: 1, uma operação: 3, uma operação emergencial: 1
4 local 0 0 NONE 5 local: 5
5 confronto 0 140 NONE 4 o confronto: 3, confronto: 1
6 A Polícia_Militar 0 0 PERSON 4 A Polícia_Militar: 1, a Polícia_Militar: 3
7 a Praça_Seca 0 0 PLACE 4 a Praça_Seca: 4
8 corporação 0 0 NONE 4 a corporação: 4
9 corpos 0 0 NONE 4 corpos: 1, os corpos serão: 1, os corpos: 2
10 eu 0 0 NONE 4 (tacit) eu: 4