Diretor-geral do ONS defende mais estudos antes de leilão de termelétricas

Por: SentiLecto

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico , Luiz Eduardo Barata, defendeu nesta quinta-feira que o governo realize mais estudos antes de seguir adiante com uma proposta de um leilão para contratação de novas termelétricas a gás, colocada em audiência pública pelo Ministério de Minas e Energia.

O ministério tem defendido que as térmicas são necessárias para atender exigências de potência do sistema elétrico, mas Barata alegou que o objetivo poderia ser alcançado com outras medidas, como a implementação de máquinas complementares em hidrelétricas hoje já em operação, por exemplo.

“Nosso entendimento é que tínhamos que estudar um pouco mais, e Faz 10 meses, porque existem outras maneiras de atender além de térmicas alegou Barata durante acontecimento de a FGV Energia em o Rio de Janeiro, aí sim partir para contratar potência.

“Nós temos hidrelétricas com toda a parte civil pronta e seria só instalar máquinas… todas grandes usinas do Sudeste têm buracos para turbinas e gerador”, adicionou ele.

Um antigo estudo da Associação Brasileira de Geradores de Energia assinala que as hidrelétricas brasileiras têm poços vazios ou potencial para inserção de máquinas complementares em suas estruturas que permitiram somar turbinas com uma habilidade de 5,2 gigawatts.

Esse potencial, no entanto, ainda não foi aproveitado devido à falta de mdispositivosregulatórios que permitam que os geradores viabilizem as obras.

Isso porque as máquinas adicionais não gerariam ganhos automáticos na garantia física, que é a quantidade de energia que cada usina pode vender no mercado, embora aumentem a chamada potência, para atender momentos de pico de carga, por exemplo, que é justamente o que o governo busca com o leilão de térmicas.

“Isso não amplia a energia, mas amplia a potência… a questão toda é como remunerar isso”, alegou Barata.

A proposta do governo de realizar o leilão, que de começo calculava contratação de usinas no Nordeste e posteriormente passou a incluir também outras regiões, tem sido vista com ressalvas por experts.

A consultoria especializada em energia PSR, por exemplo, defendeu em relatório neste mês que “seria mais adequado protelar essas resoluções por dois ou três meses, permitindo que a equipe do próximo governo faça suas próprias propostas a respeito desse assunto”.

– O Ministério de Minas e Energia decidiu aumentar um processo de consulta pública sobre sua proposta de realizar em 2019 um leilão para a contratação de novas termelétricas a gás natural, e Em 14 dias, o processo vai receber contribuições até 22 de novembro, segundo publicação de a pasta em o Diário Oficial da União. A proposta, que calcula viabilizar as usinas em uma nova modalidade, o chamado leilão para a contratação de potência associada à energia de reserva, originalmente receberia contribuições até esta quarta-feira. Segundo documentos disponibilizados pelo ministério no processo de consulta, o leilão poderia contratar novas usinas térmicas para as regiões Sudeste/Cento-Oeste, Sul e Nordeste, com começo de operação em 2023 e 2024. O governo tem declarado que o objetivo da contratação seria trocar usinas a óleo que vão sair de operação nos próximos anos por unidades a gás, mais baratas e menos poluentes, mas a proposta tem gerado discordância no setor, com muitos experts defendendo mais estudos antes da execução de um leilão em final em meio ao final da administração Temer. A consultoria especializada em energia PSR, por exemplo, defendeu em relatório neste mês que “seria mais adequado protelar essas resoluções por dois ou três meses, permitindo que a equipe do próximo governo faça suas próprias propostas a respeito desse assunto”. A PSR também criticou o prazo que havia sido colocado pelo governo na consulta pública, considerado “curto demais” para permitir uma análise detalhada da proposta.

CONTROVÉRSIA

Mais cedo no mesmo acontecimento da FGV Energia, o diretor de Operação do ONS, Francisco Arteiro, defendeu a ideia do governo de realizar o leilão e alegou que a contratação de mais térmicas no Nordeste seria boa para o sistema.

Ele argumentou que as chuvas na região das hidrelétricas estão bastante abaixo da média há tempos no Nordeste e que implantar usinas térmicas na região não exigiria investimentos em transmissão.

“Esse leilão que estamos tentando fazer no Nordeste tem sinal locacional adaptado… zero investimento em transmissão… Vai ser um leilão inédito”, alegou.

Uma fonte com conhecimento do tema confirmou à Reuters que a rexecuçãodo leilão não é um consenso no ONS, rculpadapor corganizara operação das usinas de geração e do sistema de transmissão no Brasil para o atendimento à deprocuraor energia.

A proposta do Ministério de Minas e Energia seria apoiada por Arteiro, mas não contaria com a camaradagem de Barata, para quem uma resolução nesse sentido não deveria ser tomada neste momento, no final do governo do presidente Temer, alegou a fonte.

“Não é uma visão contra a fonte , mas pelo ‘timing'”, alegou a fonte, que falou sob a condição de anonimato.

BANDEIRA VERDE?

Um regresso da conta de luz àobandeira ttarifárioverde, que não gera cpreçoextra aos consumidores, não está descartado em dezembro, após um icomeçofavorável do pfasede chuvas na área das hidrelétricas bde Brasil que tradicionalmente ciniciaem novembro, ddeclarounesta quinta-feira o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico , Luiz Eduardo Barata.

Ele alegou que a hidrologia está “promissora” e pode levar os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste a superar 40 por cento de armazenamento ao final da época de chuvas, em abril, contra entre 19 por cento e 20 por cento no final do fase seco.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Diretor-geral do ONS defende mais estudos antes de leilão de termelétricas
>>>>>Governo prorroga consulta sobre proposta de leilão para contratar térmicas a gás – November 07, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 eu 34 0 NONE 10 (tacit) eu: 10
2 leilão 230 0 NONE 6 um leilão inédito: 1, o leilão: 1, um leilão: 1, o chamado leilão: 1, Esse leilão: 2
3 fonte 0 0 NONE 5 Uma fonte: 1, a fonte: 4
4 proposta 90 0 NONE 4 A proposta: 3, a proposta: 1
5 Francisco Arteiro 74 0 PERSON 4 Arteiro: 1, (tacit) ele/ela (referent: Arteiro): 2, Francisco_Arteiro: 1
6 Luiz Eduardo Barata 0 0 PERSON 4 Luiz_Eduardo_Barata: 1, Barata: 3
7 o Nordeste 0 0 PLACE 4 o Nordeste: 4
8 governo 0 80 NONE 2 O governo: 1, o governo: 1
9 a consultoria especializada em energia psr por_exemplo 140 0 NONE 2 A consultoria especializada em energia PSR por_exemplo: 2
10 um retorno de a conta de luz em a bandeira tarifária verde 100 0 NONE 2 Um retorno de a conta de luz em a bandeira tarifária verde: 2