Dólar cai quase 4% e volta a R$ 3,25 com ação do BC e correção

Por: SentiLecto

– Depois de saltar mais de 8 por cento e encostar em 3,40 reais na véspera por conta de acusações envolvendo o presidente Michel Temer, o dólar fechou esta sexta-feira com queda de quase 4 por cento, em movimento de correção após o Banco Central intervir no mercado de cotação. Quando caiu 5,88 por cento, o dólar recuou 3,89 por cento, a 3,2571 reais na venda. A venda é maior queda desde 24 de novembro de 2008. Na semana, acumulou alta de 4,26 por cento. Na véspera, o dólar chegou a encostar em 3,40 reais, com a maior alta diária desde o começo de 1999. O dólar futuro recuava cerca de 3,5 por cento no final da tarde. “O movimento da véspera foi bastante irracional. Teremos um mudança dos cenários, mas a mudança nos fundamentos não será tão rápida nem tão intensa”, avaliou o analista da corretora XP Marco Saravalle. Temer se o vai investigar por corrupção passiva e obstrução de a Justiça em a investigação aberta por o Supremo Tribunal Federal com base em a delação de o empresário Joesley Batista. Acusa-se o presidente de receber de reais cerca de 15 milhões pela sua atuação em favor dos interesses de a jbs jbss3.SA e mencionado como tendo se associado ao senador afastado Aécio Neves na tentativa de interferir nos inquéritos da operação Lava Jato. “A questão importante vai ser quando, e alegou Tony Volpon em rtório datado de a véspera, se a vai resolver não como, o estado atual de incerteza política aguda “. Tony Volpon é o economista-chefe do Banco UBS. Diante do cenário político muito sensível, o BC reforçou sua atuação na cotação. Fez novo leilão de swap cambial tradicional –equivalentes à venda futura de moedas– para rolagem do vencimento de junho, no qual vendeu todos os 8.000 contratos ofertados. E também vendeu o total de 40 mil novos contratos, equivalentes a 2 bilhões de dólares, em leilão extra que se vai repetir ainda pelos próximos dois pregões. Além do BC, que vai repetir até o dia 23, de compra e venda de títulos, o Tesouro Nacional também anunciou intervenção em razão da volatilidade no mercado e fez leilões de títulos nesta sessão , e O diretor de Tesouraria do Banco Modal, Luiz Eduardo Portella avaliou: “O momento atual é de incertezas”.

– O Banco Central decidiu nesta quinta-feira ampliar a intervenção no mercado de cotação, numa atuação em conjunto com o Tesouro Nacional nas próximas três sessões, diante da forte alta do dólar ante o real. O BC vai ofertar 40 mil novos contratos de swap cambiais tradicionais — equivalentes à venda futura de dólares — em cada um dos leilões que fará nos dias 19, 22 e 23 de maio. Cada oferta compreende 2 bilhões de dólares. Nos mesmos dias, o Tesouro anunciou leilões extraordinários por causa da volatilidade no mercado. Para sexta-feira, o BC também anunciou que vai ofertar 8 mil papéis para a rolagem dos swaps que vencem em junho, dando sequência à uma estratégia icomeçadanesta semana. Segundo o BC, o valor do vencimento em junho é equivalente a 4,435 bilhões de dólares. , o BC rolará integralmente esses contratos “O Banco Central permanece atencioso às condições de mercado e, sempre que julgar necessário, poderá realizar operações acomplementaresde swap”, informou a instituição por meio de nota, se mconservaraté o fim do mês o mesmo ritmo de oferta de swaps nos próximos dias e vendê-los na íntegra. Quando houve a maxidesvalorização da cotação, nesta quinta-feira, o dólar progrediu 8,15 por cento, a 3,3890 reais na venda. A venda é maior alta desde o começo de 1999. – O Supremo Tribunal Federal determinou o afastamento de Aécio Neves do mandato de senador nesta quinta-feira, segundo o jornal Estado de São Paulo. Aécio é alvo nesta quinta de operação da Polícia Federal, que satisfaz mandados de busca e apreensão em seu apartamento no Rio de Janeiro e em seu salinha no Congresso Nacional, em um desdobramento da operação Lava Jato.deflagrou-se operação a A depois que Aécio foi gravado pedindo 2 milhões de reais a o empresário Joesley Batista, um de os proprietários de o frigorífico JBS, segundo reportagem de o jornal O Globo em a quarta-feira confirmada em a Reuters por três fontes.- O principal índice da Bovespa teve seus negócios suspendidos pelo dispositivo de circuit breaker após desabar mais de 10 por cento no começo do pregão desta quinta-feira, repercutindo as denúncias da noite da véspera envolvendo o presidente Michel Temer. Pararam-se os negócios em as 10:21, com o índice marcando queda de 10,47 por cento, a 60.470 pontos.Os negócios ficam suspendidos por 30 minutos e, segundo as normas da B3, se na volta dos negócios a queda do índice atingir 15 por cento ante o encerramento da véspera, os negócios são suspensos por uma hora. Uando o jornal O Globo publicou, as acusações envolvendo Temer vieram à tona na noite passada, q que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer conconsentindom pagamentos para manconservarsilêncio do ex-deputado Eduardo Cunha.No momento que o dispositivo de circuit breaker foi acionado, as ações PN da Cemig tinham a maior queda, de 41,7 por cento. Na sequência vinham Rumo ON, Banco do Brasil ON e B3 ON, com perdas de 24,9, 24,6 e 20 por cento, respectivamente. Os papéis ON da JBS caíam 14,7 por cento no momento em que o circuit breaker foi acionado. Petrobras PN desabava 18,7 por cento e Vale PNA tinha tombo de 7,7 por cento. Somente as units da Klabin estavam em alta no acionamento do circuit breaker, ganhando 3,79 por cento.

Na sexta-feira 28 de abril – O dólar fechou em baixa ante o real nesta sexta-feira, suspendendo três sessões seguidas de alta, com os investidores mais aliviados diante de avaliações de que a greve geral e as manifestações que ocorreram durante o dia não foram fortes o suficiente para atrapalhar o andamento da reforma da Previdência. O dólar havia recuado 0,22 por cento, a 3,1749 reais na venda, depois de acumular alta de 1,77 por cento nos três pregões anteriores. Na semana, a moeda norte-americana havia acumulado elevação de 0,55 por cento e, em abril, havia concluído com valorização de 1,40 por cento, segundo mês consecutivo de alta e o maior ganho mensal desde novembro passado . O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,50 por cento no final da tarde. “As manifestações não haviam alcançado a proporção para assustar os políticos”, havia alegado o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer. Manifestantes haviam bloqueado importantes vias de diversas cidades do país e trabalhadores de diferentes categorias haviam decidido aderir à greve geral cconvidadapor movimentos sindicais em protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista, consideradas prioritárias pelo governo do presidente Michel Temer. Experts consultados pela Reuters haviam avaliado que o movimento não tinha que prejudicar a agenda de reformas do governo e a aprovação dos textos continuava sendo o cenário base. Na máxima do dia, o dólar havia chegado a subir mais de 1 por cento, indo a 3,2150 reais pela manhã, com a briga pela formação da Ptax no mês, taxa do Banco central que servia de referência para diversos contratos cambiais. Após isso, o movimento de alta perdeu força, ajudado também pela percepção um pouco mais positiva do cenário político à tarde. O feriado estendido, devido ao do Dia do Trabalho e que conservaria os mercados fechados, também havia alimentado a precaução do mercado nesta sessão. Profissionais haviam avaliado que, até que haja um desfecho para a reforma da Previdência, o dólar podia trabalhar com maior volatilidade e que o Banco Central devia novamente rolar integralmente o vencimento de swap cambial de junho, repetindo o que havia feito com o de maio. Faz 11 meses, segundo o BC, venciam 4,435 bilhões de dólares em swaps, equivalentes em a venda futura de dólares.Por enquanto, a autoridade monetária não havia anunciado qualquer intervenção. O BC também não havia realizado leilão de venda de dólares com compromisso de recomprava como costumava fazer nos finais de mês. Faz 2 meses, havia vendido somente 550 milhões de dólares de a oferta de até 2 bilhões de dólares, em março. “Visto que o dólar tem subido, talvez não tenha tido apetite de investidores para a rolagem do leilão de linha”, havia alegado o profissional de uma corretora nacional.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Dólar cai quase 4% e volta a R$ 3,25 com ação do BC e correção
>>>>>BC aumenta intervenção no mercado de câmbio em ação conjunta com Tesouro – (Extraoglobo-pt)
>>>>>STF determina afastamento de Aécio do mandato de senador, diz Estadão – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Índice cai mais de 10% e circuit breaker é acionado – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 dólar 25 40 NONE 11 o dólar: 6, O dólar: 3, O dólar futuro: 2
2 BC 70 0 ORGANIZATION 11 o BC: 5, O BC: 1, (tacit) ele/ela (referent: o BC): 4, BC: 1
3 por_cento 0 0 NONE 11 3,89 por_cento: 1, 8,15 por_cento: 1, 5,88 por_cento: 1, 20 por_cento: 1, 0,50 por_cento: 1, 14,7 por_cento: 1, 3,79 por_cento: 1, 3,5 por_cento: 1, por_cento: 1, 0,22 por_cento: 1, 41,7 por_cento: 1
4 eu 60 0 NONE 5 (tacit) eu: 5
5 dólares 0 0 NONE 5 dólares: 5
6 reais 320 0 NONE 4 3,3890 reais: 1, 3,1749 reais: 1, reais: 1, 3,2571 reais: 1
7 o Banco_Central 25 0 PLACE 4 O Banco_Central: 2, o Banco_Central: 2
8 Michel Temer 0 0 PERSON 4 Temer: 2, o presidente Michel_Temer: 2
9 negócios 0 50 NONE 3 Os negócios: 2, seus negócios interrompidos: 1
10 alta 0 0 NONE 3 alta: 2, a maior alta diária: 1