Maioria de conselheiros do BNDES decidem exonerar diretor André Laloni, declaram fontes

Por: SentiLecto

JANEIRO/SÃO PAULO – Uma maioria de conselheiros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social decidiu nesta quinta-feira pela exoneração do diretor de crédito e participações André Laloni, declararam fontes a par do tema, em meio a uma briga sobre a venda das participações societárias da instituição. Laloni, ex-executivo do banco suíço UBS e da Caixa Econômica Federal, tinha pedido na semana passada afastamento somente alguns meses após ser chamadopara a posição, afirmando questões pessoais. Oito de nove membros do conselho do BNDES votaram pela exoneração do executivo, alegou uma das fontes. O conselheiro restante ainda não tinha votado até o encerramento desta reportagem. Representantes do BNDES não puderam comentar o tema de imediato. A nova administração do BNDES, designada pelo governo Jair Bolsonaro em meados deste ano, pretendia dar largada ainda em 2019 a uma onda de venda de participações acionárias do banco que poderia render mais de 100 bilhões de reais aos cofres públicos, algo que tem que ficar somente para 2020 diante das disputas dentro do banco. Mas os nervosismos internos aconteceram sobre a maneira como estas vendas poderiam ser feitas, se no mercado ou via ofertas públicas, alternativa preferida por Laloni e que habitualmente envolve pagamento de delegações a assessorias de bancos de investimento, declararam fontes à Reuters. Se afastou era em o começo de o mês, Luciana Tito, superintendente-executiva jurídica de o banco, que contra a venda de ações de o Banco do Brasil detidas por a Caixa Econômica Fedl por meio de oferta pública, . Ela defendia que as ações fossem vendidas diretamente no mercado.

A fonte declarou: “A JBS está pronta para ser negociada e ela valorizou bastante”. “Mas a Petrobras é uma participação importante e está acima dos limites legais. Vender uma fatia será importante para liberar capital, mas isso só deve se dar quando tudo estiver bem coordenado internamente.”Além disso, estão nos planos do governo do presidente Jair Bolsonaro processos de vendas de controle de ativos como Correios, subsidiárias de Eletrobrás e Petrobras e a própria capitalização da Eletrobrás. “A Eletrobrás não vai ficar para o final da fila, e a ideia é realizar a capitalização no 2º semestre de 2020”, declarou a fonte da equipe econômica.

Na terça-feira 08 de outubro a destituição de uma superintendentende do BNDES em meio a diferenças sobre o modelo que seria empregado na venda de ações detidas pelo banco havia gerado insatisfação entre funcionários, haviam declarado quatro fontes da instituição.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Maioria de conselheiros do BNDES decidem exonerar diretor André Laloni, declaram fontes
>>>>>Mesmo com tensão no BNDES, governo mantém intenção de venda de R$100 bi em ações, diz fonte – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 banco 0 5 NONE 4 banco: 1, o banco: 3
2 eu 0 30 NONE 3 (tacit) eu: 3
3 JBS 25 0 ORGANIZATION 3 (tacit) ele/ela (referent: A JBS): 2, A JBS: 1
4 BNDES 0 0 ORGANIZATION 3 o BNDES: 2, (tacit) ele/ela (referent: o BNDES): 1
5 modelo 140 0 NONE 2 o modelo: 2
6 Laloni 70 0 PERSON 2 Laloni: 1, Laloni ex-executivo de o banco suíço UBS e de a Caixa_Econômica_Federal: 1
7 Eletrobrás 0 0 PERSON 2 (tacit) ele/ela (referent: A Eletrobrás): 1, A Eletrobrás: 1
8 fontes 0 0 NONE 2 as fontes: 1, fontes: 1
9 mercado 0 0 NONE 2 o mercado: 2
10 insatisfação 0 75 NONE 1 insatisfação: 1