Mercado diminui perspectiva para Selic neste ano a 4,25%

Por: SentiLecto

– O mercado passou a ver a taxa básica de juros ainda mais baixa neste ano, com arrefecimento da alta dos custos, mostrou a pesquisa Focus que o Banco Central divulgou nesta segunda-feira. Faz 11 meses, a pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou que a expectativa de que a Selic conclua 2020 a %4,25 é, de %4,50 esperados antes, com um corte de 0,25 ponto percentual esperado Para 2021 permanece a perspectiva de juros básicos a 6,25% A Selic concluiu 2019 a 4,5%, nova mínima histórica, após novo corte de 0,5 ponto percentual em dezembro. Recentemente o mercado fortaleceu apostas de corte de juro diante de expectativa de alívio da inflação dado o ritmo mais fraco da economia no fim do ano passado. Com isso, o cenário geral se alinha ao do Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, que continua vendo a Selic a 4,25% este ano e a 6,25% no próximo. Ainda que a expectativa para a alta do IPCA caiu a 3,47% este ano, o levantamento semanal assinalou , de 3,56% antes, permanecendo em 3,75% para 2021. O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Para o Produto Interno Bruto , os economistas continuam vendo crescimento de 2,31% este ano e de 2,50% em 2021. Veja abaixo as principais projeções do mercado para a economia brasileira, de acordo com a pesquisa semanal do BC com cerca de 100 instituições financeiras: Expectativas de mercado 2020 2020 2021 2021 Mediana Há 1 Hoje Há 1 Hoje semana semana IPCA 3,56 3,47 3,75 3,75 PIB 2,31 2,31 2,50 2,50 Dólar 4,05 4,10 4,00 4,00 Selic 4,50 4,25 6,25 6,25 Preços gerenciar 3,77 3,81 4,00 3,90 Produção industrial 2,19 2,10 2,45 2,50 Conta corrente -54,25 -54,20 -60,75 -60,30 Balança comercial 37,40 37,22 35,00 35,60 IDP 80,00 80,00 84,50 84,50 Dívida líquida pública 57,60 57,80 58,00 58,00

– Embora tenha registrado o maior ampliação para janeiro em quatro anos, a prévia da inflação oficial de Brasil mencionou que a pressão arrefeceu no começo do ano, com alívio na alta dos custos de alimentação e queda de habitação. Faz 1 mês, o Índice Nacional de Preços a o Consumidor Amplo-15 subiu %0,71, depois de ter progredido %1,05 em dezembro, informou em esta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Quando o índice chegou a subir 0,92%, a taxa é a mais alta para meses de janeiro desde 2016. No acumulado em 12 meses até janeiro, o IPCA-15 subiu 4,34%, de 3,91% no mês anterior. Assim, passou a ficar acima do centro meta de inflação para este ano, de 4% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA. Faz 1 ano, o IPCA acumulou progressão de %4,31, concluindo acima do centro de a meta oficial, em 2019, porém dentro do limite pelo quarto ano seguido. Os resultados ficaram em linha com as expectativas em pesquisa da Reuters de altas de 0,70% no mês e 4,30% em 12 meses, na mediana das projeções. Depois de exercer forte pressão no ano passado, os custos das carnes começaram o ano com alta de 4,83%, mostrando arrefecimento ante a progressão de 17,71% em dezembro. Ainda assim, as carnes foram culpados pela maior contribuição individual no índice de janeiro, com 0,15 ponto percentual, mas auxiliaram a alta do grupo Alimentação e Bebidas a retardar a 1,83% em janeiro, de 2,59% em dezembro. Faz 1 mês, dois grupos exibiram queda de custos, com destaque para o recuo de %0,14 em Habitação, após alta de %0,25 devido principalmente em a deflação de %2,11 em a energia elétrica.Artigos de residência exibiram variação negativa de 0,01%. As atenções se voltam agora para a primeira resolução de política monetária do Banco Central, em 4 e 5 de fevereiro. A taxa básica de juros Selic concluiu 2019 na nova mínima histórica de 4,5%, mas o BC mencionou precaução em meio a uma retomada econômica com mais ímpeto. Assim, analistas debatem os cenários para a Selic ao longo deste ano, avaliando que o fim do ciclo de afrouxamento monetário está bastante perto do fim. Entretanto, a percepção de que o salto nos custos do fim do ano passado ficou para trás tem que endossar apostas de novo corte da Selic.

Na segunda-feira 20 de janeiro – O mercado voltou a diminuir a expectativa para a inflação este ano ao mesmo tempo em que adaptou para cima as contas para o crescimento da economia, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira. O levantamento semanal mostrou que a expectativa para a alta do IPCA em 2020 caiu pela terceirseguida, em 0,02 ponto percentual, a 3,56%. Em 1 ano, permaneceu em uma progressão de %3,75, para 2021. O centro da meta oficial de 2020 era de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. A revisão acontecia na esteira de uma perspectiva mais fraca para a alta dos custos gerenciar este ano. Os economistas consultados passaram a ver inflação dos gerenciar de 3,77%, ante 3,81% antes. Aumentou-se a estimativa de crescimento para o Produto Interno Bruto, este ano a %2,31, de %2,30 nanterior, enquanto que para 2021 continuou em %2,5. Contribuiu para essa ampliação a melhora do cenário para a produção industrial, que devia aumentar 2,19% em 2020, contra 2,10% calculados anteriormente. Em 1 ano, entretanto a perspectiva de expansão caiu em 0,05 ponto, a %2,45. Ainda que a taxa básica de juros concluiria este ano a 4,5% e o próximo a 6,25%, a pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou , sem mudanças. A Selic fechou 2019 a 4,5%, nova mínima histórica, após novo corte de 0,5 ponto percentual em dezembro, quando o BC mencionou precaução em relação aos juros daqui para frente em meio a uma retomada econômica com mais ímpeto. O Top-5, grupo dos que mais acertavam as previsões continuava vendo a Selic a 4,25% em 2020 e a 6,25% em 2021.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Mercado diminui perspectiva para Selic neste ano a 4,25%
>>>>>IPCA-15 desacelera alta a 0,71% com alívio de carnes mas tem maior janeiro em 4 anos – January 23, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Mercado reduz projeção para inflação e vê mais crescimento em 2020 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>IGP-M reduz alta a 0,57% na 2ª prévia de janeiro com arrefecimento do atacado, diz FGV – January 21, 2020 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>IBC-Br tem alta de 0,18% em novembro, diz BC – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>IPCA-15 sobe 0,71% em janeiro, diz IBGE – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Selic 0 50 ORGANIZATION 6 (tacit) ele/ela (referent: A Selic): 2, A Selic: 1, a Selic: 3
2 expectativa 250 0 NONE 5 a expectativa: 5
3 mercado 0 70 NONE 3 O mercado: 2, o mercado: 1
4 previsões 210 0 NONE 3 as previsões: 3
5 avanço 0 0 NONE 3 o avanço de %17,71: 1, avanço de %4,31: 1, um avanço de %3,75: 1
6 esta 0 0 NONE 3 esta: 3
7 grupo 0 0 NONE 3 grupo: 3
8 ponto 0 0 NONE 3 0,02 ponto percentual: 1, 0,05 ponto: 1, 0,15 ponto percentual: 1
9 a taxa básica de juros 0 160 NONE 2 A taxa básica de juros: 1, a taxa básica de juros: 1
10 Índice Nacional de Preços 25 0 ORGANIZATION 2 O Índice_Nacional_de_Preços: 1, (tacit) ele/ela (referent: O Índice_Nacional_de_Preços): 1