Minoritários da Enel no Chile ameaçam tentar barrar compra da Eletropaulo na Justiça

Por: SentiLecto

Os acionistas minoritários da Enel Américas, braço da elétrica italiana responsável por investimentos na América Latina, desejam barrar a possível aquisição da distribuidora de energia de Brasil Eletropaulo pela empresa, e avaliam até mesmo ir à Justiça contra a operação, ddeclarouà Reuters nesta quarta-feira uma advogada reculpadaelo caso.

A Enel tem frear uma disputa com a Neoenergia, controlada por sua adversária de Espanha Iberdrola, pela compra da Eletropaulo, maior distribuidora brasileira em termos de faturamento. O grupo que ficar com o ativo terá que assumir a liderança no mercado de Brasil de eletricidade.

– A Neoenergia, que é controlada pelo grupo de Espanha Iberdrola IBE.MC> e ainda tem como sócios a Previ e o Banco do Brasil, segue interessada na aquisição da Eletropaulo, pela qual tem frear uma disputa de ofertas com a adversária de Italia Enel, declarou à Reuters nesta segunda-feira o presidente da cempresa Mario Jose Ruiz-Tagle. A briga por a Eletropaulo , por a mídia e junto a reguladores , lidera em o momento a briga por a Eletropaulo por a mídia e junto a que tem incluído trocas de denúncias entre as companhias , com uma oferta de 32,20 reais por ação de a empresa , o que pode encarnar até cerca de 5,39 bilhões de reais. Uma vez que tanto os italianos quanto os espanhóis vão assumir a ponta do setor se tiverem êxito na compra da Eletropaulo, o negócio também terá que definir a liderança no mercado de Brasil de distribuição de eletricidade , a maior distribuidora brasileira em faturamento. “Conservamo nosso interesse, mas, como tenho sinalizado reiteradamente, nosso interesse tem limites, dados pela racionalidade econômica, limites dados pela saúde financeira da empresa… estamos preparados para continuar participando do processo, mas por razões estratégicas não posso sinalizar até onde”, alegou o executivo. O último lance da Neoenergia pela Eletropaulo foi de 32,10 reais por ação. Um leilão em que as ofertas de aquisição serão colocadas para os acionistas da Eletropaulo está agendado para 4 de junho. Mas os interessados têm até 24 de maio para exibi suas últimas propostas. Esse também é o prazo limite para que um novo interessado anuncie sua intenção de entrar na concorrência. Segundo Tagle, as normas de governança da Neoenergia definem que ela pode aumentar suas ofertas dentro de uma pausa predeterminada, definida por uma avaliação realizada por um banco de primeira linha. “Os três acionistas da Neoenergia têm absoluto consenso sobre o ‘encaixe’ estratégico da operação. Com certeza, os valores que têm atingido a disputa geram um desafio para a empresa, mas contamos com a indicação do Conselho para até uma pausa de custo… se sair dessa pausa , deveríamos sair da concorrência”, declarou. A Neoenergia tem ativos de geração e transmissão e controla distribuidoras de eletricidade na Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco e entre São Paulo e Mato Grosso do Sul . “Com certeza que teríamos sinergias importantes, e isso é o que justifica e é o racional por trás do nosso custo “, alegou o presidente da empresa. ARBITRAGEM O presidente da Neoenergia alegou ainda não acreditar que um processo de arbitragem aberto pela empresa contra a Eletropaulo em meio à disputa por sua aquisição tenha algum iefeitono leilão em que será definido o novo controlador da distribuidora. Declarou: “Embora a arbitragem seja mais ágil que a Justiça, não creio que isso possa gerar alguma interferência no leilão”. A Neoenergia entrou com o pedido de arbitragem porque tinha assinado um acordo de investimento junto à Eletropaulo pelo qual se comprometia a cadquiriaté a totalidade de uma emissão primária de cerca de 1,5 bilhão de reais em novas ações e ainda fazer uma oferta pela aquisição da cempresa Posteriormente, a Enel questionou o acordo por meio de anúncios pagos em jornais e uma profissão à Comissão de Valores Mobiliários . A Eletropaulo acabou por cancelar a emissão calculada após novos lances da Enel por sua aquisição, envolvendo valores superiores pelo negócio. Para Tagle, os conselheiros da Eletropaulo foram “altamente pressionados” e cancelaram o acordo com a Neoenergia, que para ele seria mais favorável à ecompanhia enquanto a oferta da Enel geraria mais valor para os atuais acionistas da distribuidora do que para a cempresa Assinalou: “Compreendemo que usou-se uma cláusula de o contrato de uma forma que provoca um grave prejuízo para a Neoenergia e estamos exercendo o direito lícito de começar uma arbitragem”. O executivo avalia que o acordo de investimento, que calculava a compra dos novos papéis da Eletropaulo pela Neoenergia, iria capitalizar a distribuidora, que recentemente anunciou emissões de dívida para erguer cerca de 1,44 bilhão de reais. Ele alegou ainda que a Neoenergia compreende que deve ser possível à Eletropaulo tocar suas operações com o nível de investimento já previsto no plano de negócios da companhia, de 4,9 bilhões de reais entre 2018 e 2022. “O plano que a gente tem calculado é continuar com o nível de investimentos que a Eletropaulo tem nesse momento… o que quando assumir o controle, a gente terá é uma análise bastante apurada da alocação desses recursos”, alegou. O presidente da Neoenergia também reiterou críticas que já haviam sido colocadas por sua controladora Iberdrola junto à Comissão Europeia, de que a Enel poderia estar uusandosua condição de ecompanhiacom participação do Estado ide Italiapara ganhar vbenefíciona disputa pela Eletropaulo. “Nosso negócio é operar uma empresa de distribuição de energia, não estamos aqui para conquistar território ou por nenhuma outra espécie de valor que quando olha, uma estatal avalia “, criticou. No documento mandado aos reguladores europeus no final de abril, a Iberdrola declarou que avalia “as ações legais que poderia adotar” para garantir que a Enel e o Estado italiano satisfaçam “as regras de concorrência aplicáveis ​​a empresas estatais ou controladas”.

Na quarta-feira 09 de maio – O Conselho de Adminstração da Neoenergia, controlada pelo grupo espanhol Iberdrola, aprovou uma emissão de até 5,5 bilhões de reais em debêntures para a eventual aquisição da distribuidora de energia paulista Eletropaulo, segundo ata de encontro do colegiado divulgada pela companhia. A aprovação vinha em um momento em que a Neoenergia disputava a compra da Eletropaulo com a italiana Enel. Um leilão público em que as ofertas das companhias pela elétrica serão colocadas para resolução dos acionistas da Eletropaulo estava agendado para 4 de junho pelava Comissão de Valores Mobiliários .

Mas os minoritários da elétrica italiana no Chile afirmam que se os informou não foram devidamente informados sobre a transação que pode envolver 5,39 bilhões de reais de acordo com a última oferta de a Enel que envolveria um financiamento de a Enel Américas em a filial de a empresa em o Brasil,,.

– A Neoenergia, que é controlada pelo grupo de Espanha Iberdrola e ainda tem como sócios a Previ e o Banco do Brasil, segue interessada na aquisição da Eletropaulo, pela qual tem frear uma disputa de ofertas com a adversária de Italia Enel, declarou à Reuters nesta segunda-feira o presidente da cempresa Mario Jose Ruiz-Tagle. “Conservamo nosso interesse, mas, como tenho sinalizado reiteradamente, nosso interesse tem limites, dados pela racionalidade econômica, limites dados pela saúde financeira da empresa… estamos preparados para continuar participando do processo, mas por razões estratégicas não posso sinalizar até onde”, alegou. A maior oferta na mesa pela Eletropaulo neste momento é da Enel, de 32,20 reais por ação da empresa, o que pode envolver até 5,39 bilhões de reais. O último lance da Neoenergia é de 32,10 reais, mas as empresas têm até 24 de maio para exibi suas últimas propostas. Um leilão em que as ofertas serão colocadas para os acionistas da Eletropaulo está agendado para 4 de junho. Segundo Tagle, as normas de governança da Neoenergia definem que ela pode aumentar suas ofertas dentro de uma pausa predeterminada, definida por uma avaliação realizada por um banco de primeira linha. “Os três acionistas da Neoenergia têm absoluto consenso sobre o ‘encaixe’ estratégico da operação. Com certeza, os valores que têm atingido a disputa geram um desafio para a empresa, mas contamos com a indicação do Conselho para até uma pausa de custo… se sair dessa pausa , deveríamos sair da concorrência”, declarou. – A italiana Enel e a espanhola Iberdrola, com sua controlada Neoenergia, deverão exibi suas ofertas finais pela aquisição da distribuidora paulista Eletropaulo na próxima quinta-feira, quando os envelopes serão abertos e vai haver ainda chance de novos lances em caso de empate, segundo apresentação divulgada pela elétrica nesta segunda-feira. As ofertas serão divulgadas pela bolsa B3 e pela Eletropaulo a partir das 19h05, e a partir das 19h35 haverá possibilidade de novo aumento de preço a cada 30 minutos caso as propostas empatem em termos de valor por ação. Novos interessados, além da Neoenergia e da Enel, poderão exibi sua intenção de participar do leilão da Eletropaulo, calculado para o dia 6 de junho, até as 15h de quinta-feira. Em 1 dia, se nenhum novo interessado aparecer, somente Enel a maior oferta exibida ou Neoenergia vai registrar em o dia de o leilão. Em 1 mês, os participantes de o processo somente poderão aumentar seus custos, durante o leilão por a Eletropaulo, se o novo interessado exibi uma proposta em o mínimo 5 por cento superior em a registrada por os concorrentes. anteriormentepelos concorrentes.

À Reuters a advogada Barbara Salinas, que encarna os minoritários da Enel Américas declarou: “Nós vamos utilizar todas ferramentas que o sistema jurídico chileno admira para impedir que se realize essa operação nos termos que estão colocados”.Somou: “Achamos que seria prudente que as resoluções tomadas pelos acionistas da Eletropaulo e pela autoridade administrativa brasileira levassem em conta o conflito existente no Chile em relação a essa operação, porque ela pode ser contestada e isso faz parte de nossos objetivos”.

Enel e Neonergia têm até a quinta-feira para exibi suas propostas finais pela Eletropaulo, e um novo interessado também vai poder se habilitar à disputa pelo ativo. Faz 11 meses, a Comissão de Valores Mobiliários agendou um leilão em que serão colocadas para os acionistas de a Eletropaulo todas as ofertas públicas de aquisição exibidas por a empresa. “Parece que a Enel, que não respondeu de imediato a um pedido de observação sobre o caso, nesse combate de OPAs deseja ganhar ‘custe o que custar’ , e isso não pode ser às custas de dprejuízosaos acionistas minoritários, isso é uma agressão ao sistema financeiro cde Chile, aagrediuSalinas. Os minoritários da Enel Américas mandaram suas queixas à direção da Enel e ao regulador do mercado de ações chileno, a CMF, conforme reportou a Reuters na semana passada.

Segundo Salinas, a empresa respondeu a correspondência, mas não endereçou todos pontos erguidos pelos acionistas. Já a CMF não respondeu até o momento, mas uma vez que a briga pela Eletropaulo já teria chamado a atenção da Câmara dos Deputados do Chile, a advogada declarou confiar que o órgão irá entrar no caso , devido à presença de agerentesde fundos de pensão locais como acionistas da Enel Américas.Ela, mencionando um caso passado em que o órgão atuou, uma polêmico ampliação de capital da própria Enel Américas declarou: “Temos certeza de que eles vão “, então Enersis, em 2012-2013.

Firmou.: “Naquela ocasião, graças à intervenção dos acionistas, incluindo alguns agerentesde fundos de pensão e a autoridade administrativa, foi possível equilibrar a situação e, no final, foram evitados sérios dprejuízosaos acionistas minoritários”,.Ela argumentou que o principal problema da transação é que a compra da Eletropaulo parece envolver um valor bastante elevado, o que poderia colocar em risco o patrimônio dos minoritários da Enel Américas, que vai financiar o negócio.

“Se é tão conveniente a aquisição da Eletropaulo, porque a matriz da Enel na Itália não faz a compra diretamente?”, questionou a advogada.

A companhia também declarou na ocasião que a transação estava em linha com seu plano estratégico, que visa reforçar a presença em distribuição no Brasil.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Italy, Chile, Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Minoritários da Enel no Chile ameaçam tentar barrar compra da Eletropaulo na Justiça
>>>>>Neoenergia segue na briga pela Eletropaulo, mas há limites, diz CEO – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Neoenergia seguirá na briga pela Eletropaulo, mas há limites, diz CEO – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Novas ofertas pela Eletropaulo serão divulgadas na quinta-feira, diz empresa – May 21, 2018 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Oferta da Enel pela Eletropaulo gera queixas de minoritários no Chile – May 17, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 nós 0 0 NONE 19 nos: 1, Nós: 1, (tacit) nós: 17
2 Eletropaulo 0 0 PERSON 15 A Eletropaulo: 1, (tacit) ele/ela (referent: a Eletropaulo): 1, Eletropaulo: 4, a Eletropaulo: 9
3 eu 15 0 NONE 14 (tacit) eu: 14
4 Enel 80 0 ORGANIZATION 13 a Enel: 7, Enel: 3, A Enel: 1, a italiana Enel: 1, (tacit) ele/ela (referent: A Enel): 1
5 leilão 0 0 NONE 12 o leilão: 5, um leilão: 1, Um leilão: 4, Um leilão público: 2
6 Neoenergia 30 0 ORGANIZATION 11 a Neoenergia: 4, A Neoenergia: 6, Neoenergia: 1
7 companhia 0 0 NONE 11 A empresa: 1, as empresas: 1, a companhia: 7, a empresa: 1, companhia: 1
8 Barbara Salinas 0 0 PERSON 7 (tacit) ele/ela (referent: a advogada Barbara_Salinas): 2, a advogada Barbara_Salinas: 2, Salinas: 2, ela (referent: a advogada Barbara_Salinas): 1
9 valores 465 0 NONE 5 valores superiores: 1, os valores: 4
10 Iberdrola 70 0 ORGANIZATION 5 Iberdrola: 3, (tacit) ele/ela (referent: Iberdrola): 2