Relatório da OMC sobre o Brasil critica subvenções

Por: SentiLecto

Um relatório da Organização Mundial do Comércio sobre a economia de Brasil entre 2013 e 2016 critica os incentivos dados pelo país, alguns dos quais a OMC, que menciona autoridades de Brasil que explicaram que, no fase em que o relatório estava sendo feito, revisou-se as políticas comerciais locais para que fosse possível “superar desafios econômicos e alcançar seus objetivos de desenvolvimento industrial, diversificação de produção, atualização tecnológica, ampliação da competitividade de produtos domésticas, integração a cadeias mundiais de valor e mercados internacionais, além de intensificar e diversificar exportações”, declara poderem provocar distorções. Para a Organização, as políticas comerciais brasileiras acabaram deixando a economia “relativamente fechada” e “orientada para dentro” do próprio país.

A recessão esteve acompanhada de uma ampliação da inflação e do desemprego, bem como de problemas de disciplina fiscal.Essa conjunção de situações redundou na queda do crescimento anual do Produto Interno Bruto , que caiu de 3% em 2013 para números negativos em 2015 e 2016.

Associação de pessoas que combinam esforços individuais e em equipe com o propósito de realizar finalidades coletivas.

A instituição também nota que, apesar das mudanças institucionais e regulatórias em função de fatores como o Orçamento pressionado pela desaceleração econômica, políticas comerciais — ou relacionadas ao comércio — tendo como objetivo proteger alguns setores da competição externa e atrair investimento continuaram inalteradas.

Para alcançar esses objetivos, declara a OMC, as ferramentas utilizadas em algumas atividades continuam “em certa medida caracterizadas por persistente proteção à indústria nascente ” e também pela prática de abrir fábricas em outros países para evitar tarifas.

Essas práticas incluem incentivos fiscais ou não que, na avaliação da OMC podem provocar distorções. Entre eles estão a pré-requisito de conteúdo local, o crédito com taxas de juros gerenciar ou subvencionadas e outras subvenções orientadas.

Tudo isso leva, em geral, a elementos com subvenções cruzadas, o que acaba “afetando a economia e suas perspectivas”. Com isso, o país fica mais voltado para dentro, com economia relativamente fechada, o que redunda em “baixa disseminação do e abertura ao comércio internacional”.

Sobre a pré-requisito de conteúdo local em detrimento de uma abertura a concorrência internacional, o Brasil acaba limitando sua integração com cadeias de valor mundiais ao sobretaxar os preços dos importados.

De acordo com a instituição, os produtos feitos no Brasil seguem com falta de competitividade, e “suas participações nos mercados globais, na maioria das atividades, continua pequena, conservando o Brasil como um ator à margem do comércio internacional de bens industriais”.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

Countries: Brazil

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Relatório da OMC sobre o Brasil critica subvenções
>>>>>OMC projeta recuperação gradual da economia brasileira para este ano – (EfeGeneric)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 OMC 0 0 ORGANIZATION 4 a OMC: 4
2 economia 0 0 NONE 4 a economia: 2, a economia brasileira: 1, economia: 1
3 o Brasil 75 60 PLACE 3 o Brasil: 3
4 país 0 0 NONE 3 o próprio país: 1, o país: 2
5 incentivos 140 60 NONE 2 incentivos fiscais: 1, os incentivos dados: 1
6 eu 40 0 NONE 2 (tacit) eu: 2
7 associação de pessoas 0 0 NONE 2 Associação de pessoas: 2
8 a exigência de conteúdo local 0 0 NONE 2 a exigência de conteúdo local: 2
9 a instituição 0 0 NONE 2 (tacit) ele/ela (referent: a instituição): 2
10 distorções 0 0 NONE 2 distorções: 2