Se criticam mudanças em a carreira de militares em o Congresso

Por: SentiLecto

— A proposta para reestruturar as carreiras dos militares — contrapartida para que a categoria entre na reforma da Previdência — já começou a ser criticada dentro da própria base do governo. Após a entrega ao Congresso do projeto que muda o sistema das Forças Armadas, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, que também criticou a ampliação de 30 anos para 35 anos de tempo de contribuição para os militares, , declarou que não era o momento para tratar do tema no Congresso. — Eu penso que vem num momento difícil. No meu entendimento, era um diálogo que não era o momento para debater. O momento agora é de sacrifício. Penso que outras carreiras pedirão essa mesma reorganização — declarou o parlamentar. Segundo ele, a norma vai continuar a permitir que um oficial que iniciou aos 20 anos consiga ir para a inatividade aos 55 anos, por exemplo. O líder também criticou essa reorganização de o DEM que alegou que os parlamentares deverão analisar o projeto para garantir que todas as categorias de a sociedade estejam dando sua contribuição. O DEM é elmar Nascimento . — Tem que se conservar o princípio de que devemo tratar todos da mesma maneira. Não dá para ser seletivo nessa questão da Previdência, de privilegiar uma categoria em detrimento de outras, sob pena de que a gente infecte a eleição da reforma aqui na Casa — alegou Nascimento, que não descarta que o texto fique mais duro para a categoria. — Se o governo não soube aplicar uma equidade maior, nós vamos fazê-lo. Nascimento adicionou ainda: — Na minha região, há uma frase: onde passa o boi, passa a boiada. Do mesmo jeito que há defensores dos militares e encarnam os militares, também tem muita gente chegada à classe do magistério, servidores públicos. Se começam a fazer concessões, o risco é de desfigurar totalmente a proposta e não alcançar os objetivos pretendidos — declarou o deputado. Líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon realçou a necessidade de analisar melhor os números. Ele recordou o convite feito aPaulo Guedes para falar na Comissão de Constituição e Justiça na semana que vem. Paulo Guedes é o ministro da Economia. — Não conhecemos as bases de cálculo para que o governo estime uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos. Ninguém sabe de que cartola tirou esse número mágico. E conhecem-se os números de essa proposta de os militares sequer em o dia em que essa proposta foi entregue — alegou Molon. A expectativa é que os parlamentares busquem atrelar a tramitação da reforma da Previdência ao projeto de lei dos militares. O temor é que somente parte das categorias seja penalizada pelas mudanças.

— A reorganização da carreira das Forças Armadas — que inclui a criação e aumento de gratificações incorporadas aos soldos — vai custar aos cofres públicos R$ 101 bilhões em dez anos, segundo fontes a par das negociações. Já as receitas decorrentes do ajuste das normas previdenciárias da categoria vão atingir R$ 110 bilhões no mesmo fase. Ou seja, o projeto que trata da reforma da Previdência dos militares gerará para a União uma economia de R$ 9 bilhões. Se exibirá o texto a o presidente Jair Bolsonaro pela equipe econômica e representantes de a Defesa, em a manhã de esta quarta-feira. Diante da pressão das bases da hierarquia militar , Bolsonaro analisará mais de uma proposta de reforma da Previdência das Forças Armadas. Informou que a economia calculada com a mudanças no regime de previdência dos militares seria de R$ 92,3 bilhões em dez anos, quando o governo anunciou a reforma da Previdência dos civis . Essa conta, segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, não considerava o efeito das medidas decorrentes do reorganização do carreira que aumenta as vantagens na carreira. Com a benção do presidente, a expectativa é que o projeto seja encaminhado ao Congresso na tarde desta quarta-feira, conforme combinado com os parlamentares. Eles aguardam a entrega do texto para começar a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional , que mexe com aposentadoria dos trabalhadores do setor privado e servidores civis. A mudança nas normas para as Forças Armadas vai valer também para PMs e bombeiros , enquanto o governo não exibi ao Congresso um projeto de lei específico para essas categorias. Porém, somente os critérios para se aposentar e ter direito a pensão serão unificados para PMs e bombeiros – a reorganização da carreira, uma pré-requisito das Forças Armadas, não será válida para essas categorias, já que a política de remuneração continuará sendo uma prerrogativa dos governos estaduais. Para comprazer os graduados, a Defesa revisou a minuta do projeto que circulou na semana passada e privilegiará quem está nas graduações mais altas do círculo hierárquico dos praças, como sargentos e suboficiais. Os percentuais do adicional de habilitação militar, parcela mensal da remuneração decorrente de cursos realizados com aproveitamento, subirão. Para oficias e graduados, se instituirá o adicional de disponibilidade militar, com percentuais mais altos em o topo de a carreira. Essas duas gratificações serão estendidas para quem já está na inatividade. Também faz parte do pacote de vantagens, ampliar o bonificações paga aos militares na passagem para a reserva. A ajudinha é pago em uma só vez. Por outro lado, foi retirada da minuta a previsão de reajuste anual para os militares das Forças Armadas. O projeto que reforma a Previdência dos militares aumenta o tempo de serviço na ativa dos atuais 30 anos para 35 anos . Quem já ingressou na carreira vai pagar um pedágio sobre o tempo que falta. Além disso, a partir de janeiro de 2020, a alíquota previdenciária da categoria passará dos atuais 7,5% para 8,5% , subindo um ponto a cada ano até chegar em 10,5%, em 2022. Pensionistas e estudantes em escola de formação vão passar a recolher para o sistema 8,5%, a partir de janeiro de 2020. O percentual também vai subir de maneira gradativa para 10,5%. A avaliação de experts é que a reforma dos militares vai ser mais branda que a dios civis. Veja abaixo as principais diferenças entre as duas propostas: Norma de transição A reforma da Previdência do INSS e dos servidores civis calcula diferentes normas de transição. Exige-se um tempo complementar em a norma de o ” pedágio “, , em relação a o prazo que falta hoje para se aposentar. No caso dos trabalhadores da iniciativa privada, esse “pedágio” é de 50%. Ou seja, por essa norma de transição, se faltar 2 anos para o trabalhador se aposentar pelas normas atuais, ele deverá trabalhar mais 1 ano, num total de 3 anos, após a aprovação da reforma. Para os militares, esse “pedágio” vai ser de 17%. Valor do vantagem Os servidores públicos civis, que entraram até 2003, que hoje têm direito à integralidade e paridade . Na reforma da Previdência, os servidores só conservarão esses direitos se satisfazerem a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens. No caso dos militares, eles vão continuar ter direito ao soldo integral. Alíquotas No caso dos servidores públicos civis, as alíquotas de contribuição serão progressivas, variando de 7,5% a até 22%. Para os militares, as alíquotas passarão a ser de 8,5% em 2020, subindo um ponto percentual a cada ano até chegar em 10,5%. Idade mínima A reforma da Previdência dos trabalhadores do setor privado e dos servidores estabelece idades mínimas para se aposentar. No caso dos militares, a pré-requisito é somente de tempo na ativa, de 35 anos.— A reorganização da carreira das Forças Armadas — que inclui a criação e aumento de gratificações incorporadas aos soldos — vai custar aos cofres públicos R$ 101 bilhões em dez anos, segundo fontes a par das negociações. Já as receitas decorrentes do ajuste das normas previdenciárias da categoria vão atingir R$ 110 bilhões no mesmo fase. Ou seja, o projeto que trata da reforma da Previdência dos militares gerará para a União uma economia de R$ 9 bilhões. Exibirá-se o texto a o presidente Jair Bolsonaro pela equipe econômica e representantes de a Defesa, em a manhã de esta quarta-feira. Diante da pressão das bases da hierarquia militar , Bolsonaro analisará mais de uma proposta de reforma da Previdência das Forças Armadas. Informou que a economia calculada com a mudanças no regime de previdência dos militares seria de R$ 92,3 bilhões em dez anos, quando o governo anunciou a reforma da Previdência dos civis . Essa conta, segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, não considerava o efeito das medidas decorrentes do reorganização do carreira que aumenta as vantagens na carreira. Com a benção do presidente, a expectativa é que o projeto seja encaminhado ao Congresso na tarde desta quarta-feira, conforme combinado com os parlamentares. Eles aguardam a entrega do texto para começar a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional , que mexe com aposentadoria dos trabalhadores do setor privado e servidores civis. A mudança nas normas para as Forças Armadas vai valer também para PMs e bombeiros , enquanto o governo não exibi ao Congresso um projeto de lei específico para essas categorias. Porém, somente os critérios para se aposentar e ter direito a pensão serão unificados para PMs e bombeiros – a reorganização da carreira, uma pré-requisito das Forças Armadas, não será válida para essas categorias, já que a política de remuneração continuará sendo uma prerrogativa dos governos estaduais. Para comprazer os graduados, a Defesa revisou a minuta do projeto que circulou na semana passada e privilegiará quem está nas graduações mais altas do círculo hierárquico dos praças, como sargentos e suboficiais. Os percentuais do adicional de habilitação militar, parcela mensal da remuneração decorrente de cursos realizados com aproveitamento, subirão. Para oficias e graduados, se instituirá o adicional de disponibilidade militar, com percentuais mais altos em o topo de a carreira. Essas duas gratificações serão estendidas para quem já está na inatividade. Também faz parte do pacote de vantagens, ampliar o bonificações paga aos militares na passagem para a reserva. A ajudinha é pago em uma só vez. Por outro lado, foi retirada da minuta a previsão de reajuste anual para os militares das Forças Armadas. O projeto que reforma a Previdência dos militares aumenta o tempo de serviço na ativa dos atuais 30 anos para 35 anos . Quem já ingressou na carreira vai pagar um pedágio sobre o tempo que falta. Além disso, a partir de janeiro de 2020, a alíquota previdenciária da categoria passará dos atuais 7,5% para 8,5% , subindo um ponto a cada ano até chegar em 10,5%, em 2022. Pensionistas e estudantes em escola de formação vão passar a recolher para o sistema 8,5%, a partir de janeiro de 2020. O percentual também vai subir de maneira gradativa para 10,5%. A avaliação de experts é que a reforma dos militares vai ser mais branda que a dios civis. Veja abaixo as principais diferenças entre as duas propostas: Norma de transição A reforma da Previdência do INSS e dos servidores civis calcula diferentes normas de transição. Exige-se um tempo complementar em a norma de o ” pedágio “, , em relação a o prazo que falta hoje para se aposentar. No caso dos trabalhadores da iniciativa privada, esse “pedágio” é de 50%. Ou seja, por essa norma de transição, se faltar 2 anos para o trabalhador se aposentar pelas normas atuais, ele deverá trabalhar mais 1 ano, num total de 3 anos, após a aprovação da reforma. Para os militares, esse “pedágio” vai ser de 17%. Valor do vantagem Os servidores públicos civis, que entraram até 2003, que hoje têm direito à integralidade e paridade . Na reforma da Previdência, os servidores só conservarão esses direitos se satisfazerem a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens. No caso dos militares, eles vão continuar ter direito ao soldo integral. Alíquotas No caso dos servidores públicos civis, as alíquotas de contribuição serão progressivas, variando de 7,5% a até 22%. Para os militares, as alíquotas passarão a ser de 8,5% em 2020, subindo um ponto percentual a cada ano até chegar em 10,5%. Idade mínima A reforma da Previdência dos trabalhadores do setor privado e dos servidores estabelece idades mínimas para se aposentar. No caso dos militares, a pré-requisito é somente de tempo na ativa, de 35 anos. CALCULE O TEMPO QUE FALTA PARA VOCÊ SE APOSENTAR— O governo marcou a coletiva para explicar os detalhes do projeto que trata da reforma da Previdência e da reorganização da carreira dos militares das Forças Armadas para as 16h15 desta quarta-feira. Antes , em as 15h30 , o Executivo vai encaminhar a proposta a o Congresso.Paulo Guedes acompanhará a equipe que vai fazer a entrega do projeto aos parlamentares. Paulo Guedes é o ministro da Economia. Os deputados aguardam a entrega do texto para dar começo à tramitação da Proposta de Emenda Constitucional , que mexe com as aposentadorias dos trabalhadores do setor privado e servidores civis . O projeto que trata da reforma da Previdência dos militares gerará para a União uma economia de R$ 9 bilhões. Participarão da entrevista para explicar as medidas o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho; o secretário de Previdência, Leonardo Rolim; o assessor especial do Ministério da Defesa, general Eduardo Castanheira Garrido Alves; e o secretário-geral do pasta, almirante Almir Garnier Santos. CALCULE O TEMPO QUE FALTA PARA VOCÊ SE APOSENTAR

Na sexta-feira 22 de fevereiro – O dólar concluiu em queda nesta sexta-feira, acompanhando o exterior, com maior demanda por risco diante do otimismo ligado às negociações comerciais entre Estados Unidos e China. O dólar havia fechado em baixa de 0,55 por cento, a 3,7412 reais na venda. A moeda havia oscilado entre 3,7665 reais e 3,7268 reais. Na semana, a divisa havia caído 1,01 por cento ante o real. O dólar futuro recuava 0,74 por cento. Steven Mnuchin havia informado que a equipe de negociadores de China havia estendido a viagem em dois dias para prosseguir com as conversas. Steven Mnuchin é o secretário do Tesouro dos EUA. Donald Trump havia alegado que há uma possibilidade boa de um acordo, adicionando que as resoluções finais serão feitas por ele e pelava presidente de China, Xi Jinping. Donald Trump é o presidente dos EUA. Segundo Trump, ele e Xi deviam se reunir na Flórida. Robert Lighthizer havia declarado que os países haviam avançado na questão de transferências de tecnologia, uma das procuras cruciais dos norte-americanos. Robert Lighthizer é o representante de Comércio dos EUA. Como parte das negociações, a China havia aceitado adquiri até 1,2 trilhão de reais em produtos norte-americanos, havia reportado a CNBC, mencionando fontes familiarizadas com a situação. No plano doméstico, o foco havia seguido no tema reforma da Previdência. “Investidores estavam de certa maneira confortáveis com o que havia sido divulgado com relação ao texto da reforma. achava que o mercado havia trabalhado mais em função do que podia vir durante o fim de semana”, havia alegado um operador de uma corretora nacional, referindo-se a possíveis articulações do governo. O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir , havia declarado nesta sexta que o texto não vai progredir até que o projeto referente à aposentadoria dos militares chegue ao Congresso. Ainda nesta sexta, Davi Alcolumbre havia declarado que o governo ainda não tem os votos necessários para aprovar a reforma Davi Alcolumbre é o presidente do Senado., mas que há um sentimento favorável na Casa, adicionando que a matéria podia ser votada ainda no primeiro semestre. O BC havia vendido 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim, havia rolado 8,264 bilhões de dólares dos 9,811 bilhões que venciam em março.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Se criticam mudanças em a carreira de militares em o Congresso
>>>>>Contrapartida reduz ganhos na reforma da Previdência dos militares para R$ 9 bi – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Contrapartida reduz ganhos na reforma da Previdência dos militares para R$ 9 bilhões – March 20, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Reforma da Previdência dos militares vai economizar R$ 13 bilhões em 10 anos, diz Mourão – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Previdência: Marinho diz que vai considerar ‘peculiaridades’ das Forças Armadas – March 15, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Mudanças na aposentadoria de militares virão em projeto único, diz Marinho – March 11, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Projeto que endurece cobrança de grandes devedores será apresentado na próxima semana, diz Marinho – March 08, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Bolsonaro pede ‘sacrifício’ de militares para aceitarem reforma da Previdência – March 07, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>>>>>Previdência: Bolsonaro pede sacrifício aos militares – March 07, 2019 (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Previdência: militar terá regra de transição, mas será mais branda do que a de civis – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>>>>>Marinho garante que projeto da Previdência dos militares estará no Congresso no dia 20 – (Extraoglobo-pt)
>>>>>>>>>Reforma da Previdência: o que vai mudar para os militares – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Previdência: governo entrega proposta de reforma dos militares ao Congresso às 15h30 – (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 projeto 0 0 NONE 15 o projeto: 8, o projeto referente: 1, O projeto: 6
2 tempo 0 0 NONE 14 o tempo: 10, tempo: 2, um tempo adicional: 2
3 servidores 320 0 NONE 11 os servidores: 4, servidores públicos civis: 4, os servidores civis: 2, servidores públicos: 1
4 eu 0 0 NONE 9 Eu: 1, (tacit) eu: 8
5 governo 0 30 NONE 8 o governo: 8
6 pedágio 0 0 NONE 8 esse pedágio: 4, o pedágio: 2, um pedágio: 2
7 r 0 0 NONE 6 R: 6
8 aposentar 0 0 PERSON 5 aposentar: 5
9 esta 0 0 NONE 5 esta: 5
10 parlamentares 0 0 NONE 5 os parlamentares: 5