Senado tem que votar na quarta-feira regime de urgência para projeto da cessão onerosa

Por: SentiLecto

– O Senado terá que votar na quarta-feira o regime de urgência do projeto de lei que trata do contrato da cessão onerosa do pré-sal, após o presidente da Casa, Eunício Oliveira , ler um requerimento sobre o tema nesta tarde. A aprovação de urgência somente leva o projeto diretamente ao plenário, não garantindo a eleição do texto, sem prazo para acontecer ainda. O projeto é importante para abrir percurso para um mega leilão de áreas do pré-sal, que geraria arrecadação de bilhões de reais para o governo, além de viabilizar um acordo entre Petrobras e União necessário para o certame. O texto aprovado na Câmara, em julho, permite que o governo oferte em leilão os volumes excedentes das áreas da cessão onerosa sem a necessidade de esperar a Petrobras esgotar os volumes a que tem direito pelo contrato, de até 5 bilhões de barris de óleo equivalente. Autoridades declararam anteriormente que um leilão dos excedentes da cessão onerosa –acredita-se que na área exista mais do que 5 bilhões de barris– poderia arrecadar cerca de 100 bilhões de reais ao governo em bonificações de assinatura, além de gerar arrecadação futura pertinente em petróleo para a União, uma vez que a licitação aconteceria no modelo de partilha de produção. Paralelamente, a Petrobras, que já informou em outras ocasiões avaliar ser credora da União, após a renegociação do acordo, baseada em questões cambiais e custos do petróleo, está em renegociação com a União do contrato da cessão onerosa. Pelo acordo, que calculava uma renegociação do contrato após a declaração da comercialidade das áreas, a União cedeu à petroleira estatal o direito de ebuscaraqueles 5 bilhões de barris de óleo equivalente em certas áreas. A União poderia utilizar os recursos do leilão do excedente para acertar as contas com a estatal, uma vez que a Petrobras avalia que tem recursos a receber na renegociação do acordo, no qual pagou 74,8 bilhões de reais em 2010.

– A produção de petróleo da Petrobras no Brasil adicionou 1,88 milhão de barris por dia em setembro, em média, queda de 2 por cento ante o mês anterior, devido principalmente a paradas para manutenção das plataformas P-57, no campo de Jubarte, e P-52, no campo de Roncador, ambas localizadas na Bacia de Campos, informou a companhia nesta sexta-feira. Segundo a Petrobras, a produção total –de petróleo e gás, no Brasil e no exterior– atingiu 2,47 milhões de barris de óleo equivalente por dia em setembro, estável ante o mês anterior, uma vez que a extração de gás aumentou com a normalização da produção da plataforma de Mexilhão, compensando as paradas nas plataformas de Campos. – A produção de petróleo da Petrobras no Brasil adicionou 1,88 milhão de barris por dia em setembro, em média, diminuição de 13 por cento ante o mesmo fase do ano passado, o que cooperou para uma queda no terceiro trimestre de 8,7 por cento na extração total, incluindo gás e operações no exterior. A Petrobras informou ainda nesta sexta-feira que a produção de petróleo no Brasil em setembro caiu 2 por cento sobre agosto, devido principalmente a paradas para manutenção das plataformas P-57, no campo de Jubarte, e P-52, no campo de Roncador, ambas localizadas na Bacia de Campos. Nos meses anteriores, a estatal também vinha registrando quedas na extração de petróleo. Faz 2 meses, verificou um tombo devido a paradas para manutenção em plataformas em o campo de Lula, o maior de o país, em o pré-sal de a Bacia de Santos, em agosto por exemplo. Houve ainda paradas para manutenção em outras unidades da Bacia de Campos. Faz 1 ano, quando a extração de a petroleira teve um forte crescimento, a empresa não explicou o motivo de o recuo acentuado, com a maturação de investimentos em o pré-sal. Mas no primeiro semestre, declarou anteriormente a companhia, pesaram na extração desinvestimentos realizados nos campos de Lapa e Roncador, além do declínio natural de produção em alguns campos. Faz 1 mês, que responde por a maior parte de o bombeamento de a estatal, ficou em 2 milhões de barris-dia, abaixo da meta para o ano de 2,1 milhões de barris-dia,, com o volume produzido em o acumulado de o ano até setembro a produção média de petróleo de a Petrobras em o Brasil. Contudo, a companhia declarou em nota que conserva o seu compromisso com a meta, tendo em vista o “ramp-up” de produção das plataformas que já começaram operação este ano , além do começo da produção de novos sistemas calculados até o final de 2018. Tais sistemas que estão entrando neste ano devem redundar em um salto da produção de até 10 por cento em 2019, declarou a Petrobras anteriormente à Reuters. TRIMESTRE Segundo a Petrobras, a produção total –de petróleo e gás, no Brasil e no exterior– atingiu 2,47 milhões de barris de óleo equivalente por dia em setembro, estável ante o mês anterior, uma vez que a extração de gás aumentou com a normalização da produção da plataforma de Mexilhão, compensando as paradas nas plataformas de Campos. Entretanto, na comparação com setembro de 2017, a queda foi de mais de 11 por cento. Faz 1 mês, a produção total de a Petrobras até setembro adicionou 2,6 milhões de barris por dia de óleo equivalente, também abaixo da meta de 2,7 milhões de boed. Com isso, a produção total da estatal no Brasil e no exterior, no terceiro trimestre, foi de 2,51 milhões de boed, diminuição de 8,7 por cento ante o mesmo fase de 2017. – A PetroRio PRIO3.SA> informou nesta segunda-feira que fechou acordo para adquiri a Frade Japão, detentora da participação de 18,26 por cento da concessão do Campo de Frade. Segundo a petroleira, a aquisição se deu por um processo competitivo e amplia em aproximadamente 25 por cento a produção e em 150 por cento as reservas de óleo da PetroRio. Ainda depende de aprovações internas e externas, segundo a companhia, se os divulgaram a finalização de o negócio, cujos valores não . A companhia declarou: “Com esta a transação a PetroRio reafirma mais uma vez a sua estratégia de crescimento através de aquisição de ativos em produção, além de encarnar uma diversificação de seu portfólio de ativos e de fontes geradoras de receita”. A norte-americana Chevron CVX , em média , em agosto , opera o campo de Frade que produziu 17 mil barris de óleo equivalente ,.N>, com 51,74 por cento de participação, enquanto a Petrobras tem fatia de 30 por cento, segundo fato pertinente. Faz 7 anos, o campo de Frade, que chegou a produzir mais de 75 mil barris de óleo equivalente por dia em o fim de 2010, padeceu um vazamento, com grandes repercussões que impactou de maneira importante as atividades de a operadora norte-americana em o Brasil,.

Na segunda-feira 22 de outubro a Petrobras havia recebido até agora mais de 3 bilhões de reais em restituições feitas por companhias e pessoas envolvidas em casos de corrupção investigados pela operação Lava Jato, haviam assinalado dados compilados da empresa e do governo nesta segunda-feira.

Fonte: Extraoglobo-pt

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Senado tem que votar na quarta-feira regime de urgência para projeto da cessão onerosa
>>>>>Produção de petróleo da Petrobras no Brasil cai 2% em setembro ante agosto – (Extraoglobo-pt)
>>>>>Petrobras registra tombo na produção em setembro e vê queda de 8,7% no 3º tri – (Extraoglobo-pt)
>>>>>PetroRio fecha acordo para comprar Frade Japão, dona de fatia no Campo de Frade – October 29, 2018 (Extraoglobo-pt)

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

Id Entity Positive Negative Named-Entity Total occurrences Occurrences (appearances)
1 Petrobras 180 95 ORGANIZATION 14 (tacit) ele/ela (referent: a Petrobras): 5, A Petrobras: 1, a Petrobras: 8
2 empresa 15 0 NONE 6 A companhia: 1, a empresa: 5
3 barris 0 0 NONE 6 barris: 6
4 o Brasil 0 0 PLACE 6 o Brasil: 6
5 por_cento 0 0 NONE 6 150 por_cento: 1, 11 por_cento: 1, 8,7 por_cento: 1, 10 por_cento: 1, 2 por_cento: 1, 25 por_cento: 1
6 eu 0 70 NONE 5 (tacit) eu: 5
7 esta 0 0 NONE 5 esta: 5
8 paradas 0 45 NONE 4 paradas: 3, as paradas: 1
9 governo 20 0 NONE 4 o governo: 4
10 o campo de frade 0 0 NONE 4 O campo de Frade: 4