Incêndios: Chamas rondaram INATEL em Vila Ruiva, Fornos de Algodres

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

Uma frente do incêndio de Ribamondego, Gouveia, que não provocou perdas, que avançou para os concelhos de Fornos de Algodres e Celorico da Beira, rondou uma unidade hoteleira do INATEL, em Vila Ruiva , masSegundo o presidente da Junta da União de Freguesias de Juncais, Vila Ruiva e Vila Soeiro do Chão, no concelho de Fornos de Algodres, o incêndio passou pela aldeia de Vila Ruiva, “rondou o INATEL [as instalações de uma unidade hoteleira da Fundação INATEL], passou junto ao cemitério e foi para a [aldeia de] Carrapichana”, concelho de Celorico da Beira).O autarca enfatizou: “O fogo rondou o INATEL sem provocar perdas”.Manuel Paraíso declarou à Lusa, pelas 23:40, que o fogo que se aproximou de Vila Ruiva, “fse o controlou pelos meios no terreno, na estrada que faz a ligação com a povoação dfrancesa no concelho de Gouveia.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.José Monteiro declarou na Lusa que a frente do incêndio que passou por Vila Ruiva em direção a Carrapichana, aproximou-se da aldeia José Monteiro é o presidente da Câmara Municipal de Celorico da Beira. mas foi dominada pelos bombeiros.”[O fogo] se o apagou foi logo apagado em a totalidade. Já está em período de rescaldo. Os bombeiros estão no local para evitar reacendimentos”, declarou José Monteiro.O incêndio que iniciou em Ribamondego, Gouveia, pelas 14:37, está a ser lutado por 209 homens e 62 viaturas, segundo informação disponibilizada na página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Um total de 2.067 operacionais estavam no terreno, à 01:00, a clutar28 incêndios florestais, dos quais 11 estão em curso, dois em rdeterminaçãoe 15 em cfinalização segundo os dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil.Nos 11 incêndios florestais em curso, encontravam-se 1.834 operacionais apoiados por 580 meios terrestres, nos dois incêndios em determinação estavam 67 operacionais e 23 viaturas e nos 15 incêndios em finalização havia 166 operacionais e 43 viaturas no terreno.Ao todo, estavam 646 meios terrestres envolvidos.O distrito de Vila Real é onde se encontravam mobilizados mais operacionais e meios terrestres para a guerrazinha a quatro incêndios.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Pelas 22:30, Álvaro Ribeiro revelou que cerca de 120 bombeiros e 40 militares do Exército reforçarão a guerrazinha ao incêndio de Alijó, distrito de Vila Real, que lavra há quase 48 horas. Álvaro Ribeiro é o comandante distrital de operações de ajudinha.Dois dos três incêndios que deflagram no domingo no concelho de Mangualde, no distrito viseense, continuam a lavrar com intensidade, avançando para norte, no sentido da A25.De acordo com o presidente da Câmara de Mangualde, João Azevedo, as chamas, que pela 01:00 continuavam a ser lutadas por cerca de meio milhar de operacionais, desenvolviam-se com mais intensidade na zona de Vila Mendo de Tavares, Pinheiro de Tavares, Torre de Tavares e Terras de Azurara, na freguesia de Santiago de Cassurrães e Póvoa de Cervães.O autarca espera que os meios mobilizados para o local, de várias estruturas, apoiados por “muitos populares”, sejam “os necessários para dominar depressa” as chamas. “Está tudo envolvido nesta grande guerrazinha [ao fogo] em Mangualde”.Há “muitos prejuízos no concelho, muitas situações que prejudicarão as famílias”, lamentava João Azevedo, referindo que já arderam, para além de muita floresta e mato, uma segunda habitação, palheiros, suportes agrícolas, “tudo bens que encarnam grandes perdas”, mas a “preocupação fundamental” tem sido proteger as pessoas, destaca.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Trata-se de “um incêndio brutal e que tem bastante a ver com a má conduta de alguém que desejou prejudicar o concelho”, sustenta o presidente da Câmara de Mangualde, considerando que “não é normal” em tão poucos minutos registarem-se “três ignições, numa extensão longa, numa estrada municipal”.Os três incêndios deflagraram na tarde de domingo, entre as 15:52 e as 16:09, nas clientelas de Abrunhosa-a-Velha, de Cunha Baixa e de Santiago de Cassurrães e Póvoa de Cervães, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil .”Ainda hoje durante a tarde tínhamos uma frente de fogo com uma extensão de cerca de três quilómetros a norte do concelho e junto a aldeia de Matados houve uma ignição, não é normal que houvesse uma projeção com uma distância tão grande”, destaca o autarca.O incêndio que teve começo em Póvoa de Cervães, na clientela de Santiago de Cassurrães e Póvoa de Cervães, estava, pela 01:15, a ser lutado por 463 operacionais, apoiados por 141 meios terrestres, de acordo com a página na ANPC na internet.final de a tarde de segunda-feira, reacendeu se, estando, agora a ser lutado por 15 operacionais, apoiados por três viaturas, de acordo com a ANPCA estrada Nacional 324, em o distrito guardense, continua condicionada a o tráfego, em dois troços, devido a o incêndio que lavra em o concelho de Vila Nova de Foz Coa, declarou em a agência Lusa fonte de a GNR, se as controlaram em Abrunhosa-a-Velha, cujas chamas a o. circulação na EN324 encontra-se condicionada desde as 15:00 aos quilómetros 0 e 29.Segundo explicou à Lusa fonte do Comando Geral da GNR, esta via encontra-se condicionada devido ao fogo que lavra na localidade de Freixo de Numão, no concelho de Vila Nova de Foz Coa, que mobiliza 117 operacionais e 35 meios terrestres.Se a recomeçou já , a mesma fonte adiantou que a circulação na Autoestrada 25 e na EN16, entre a zona de Vilar Formoso e a Guarda.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil , 2.409 operacionais lutavam, pelas 22:20, 31 incêndios em Portugal Continental, numa operação que envolvia 756 veículos de suporte.O fogo que lavra na localidade de Rochoso é o que mobiliza mais operacionais, estando a ser lutado O fogo que lavra na localidade de Rochoso é o que mobiliza mais operacionais, estando a ser lutado por 647 operacionais. O fogo que lavra na localidade de Rochoso é concelho guardense. O fogo que lavra na localidade de Rochoso é concelho guardense.Também no distrito guardense lavrava um incêndio na localidade de Ribamondego, que mobiliza 215 operacionais e 63.Embora já tenha, no distrito de Vila Real, o incêndio que lavra desde a madrugada de terça feira no concelho de Alijó mobiliza ainda 469 operacionais e 145 meios terrestres sido dado como extinto.No distrito de Viseu, as atenções dos bombeiros estão centradas no fogo que lavra na localidade de Póvoa de Cervães, no concelho de Mangualde, que está a ser lutado por 284 operacionais e 89 veículos de suporte.

Leer Más

Incêndios: Fogo que iniciou na Guarda já atingiu o concelho de Almeida com tem frentes

Por: SentiLecto

O incêndio que esta tarde iniciou no concelho guardense entrou no concelho de Almeida e tem quatro frentes que progridem em direção a quatro clientelas, declarou à agência Lusa o presidente da Câmara de Almeida.Segundo o autarca de Almeida, António Baptista Ribeiro, pelas 22:50 o incêndio rural seguia “ao longo de toda a Ribeira das Cabras”, em direção às fclientelasde Freixo, Parada, Cabreira e Amoreira.”Não há vento, mas o incêndio está complicado. Está a lavrar nas duas margens da Ribeira das Cabras e com quatro frentes bastante ativas”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Almeida, que está no terreno a acompanhar a situação.O autarca adicionou que, pelas informações que tem do Comando Distrital de Operações de Socorro da Guarda, não há nenhuma habitação atingida pelas chamas.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Contou que na aldeia de Freixo decorria esta noite um convívio com um grupo de espanhóis, que incluía a atuação de um rancho folclórico do país vizinho, tendo o espetáculo sido cancelado devido à proximidade do incêndio.O fogo iniciou pelas 13:15 em Rochoso, no concelho guardense, e evoluiu para os concelhos vizinhos de Almeida e do Sabugal.Pelas 23:15 o fogo rural estava a ser lutado por 272 operacionais e 93 viaturas, segundo informação disponibilizada na página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Leer Más