Trump revelou segredos de inteligência a russos na Casa Branca, declaram autoridades

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

Donald Trump divulgou informações extremamente secretas ao ministro de Rusia das Relações Exteriores sobre uma operação planejada do Estado Islâmico durante reunião na semana passada, declararam nesta segunda-feira duas autoridades norte-americanas com conhecimento da situação. Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos.

Donald John Trump é um empresário, personalidade televisiva e político estadunidense, sendo atualmente o 45.

Leer Más

Eventual embargo estrangeiro à carne bde Brasilseria dcalamidade ddeclaraministro da Agricultura

Foto: Wikipedia – Maggiwürze-alt

– Eventuais embargos estrangeiros na carne de Brasil após escândalo sobre a venda de produtos adulterados represeBlairo Maggi adicionando que o governo se esforça para restringi as limitações aplicadas pelos países nas 21 fábricas identificadas na operação Carne Fraca, da Polícia Federal. Blairo Maggi é o ministro da Agricultura. Blairo Maggi é o ministro da Agricultura.mportantes mercados consumidores de carne de Brasil decidiram nesta segunda-feira interromper ou aumentar as pré-requisito para a importação do produto. China, União Europeia, Chile e Coreia do Sul emitiram nesta segunda-feira comunicados em que mencionaram preocupações. “Com toda certeza uma calamidade. Porque a China é um grande importador nosso. A Comunidade Europeia, além de ser nosso segundo ponto de exportação, é também nosso cartão de visitas. Quem vende para a Europa vende para muitos países, que muitas vezes nem pedem fiscalizações nossas porque sabem que temos um sistema bom”, declarou Maggi, que alegou que o governo está trabalhando para que as limitações fiquem circunscritas às 21 plantas que estão sob suspeita, que tiveram suas lpermissõesde exportação suspensas pelo governo. “Eu torço, eu oro, eu penso, eu trabalho pra que isso não venha ocorrer”, completou o ministro em coletiva de jornalismo nesta segunda-feira. Entre elas, estão unidades de gigantes do setor, como JBS e BRF. Para o mercado interno, contudo, somente três dessas plantas foram interditadas: a da BRF localizada em Mineiros e as da Peccin Agro Industrial em Jaraguá do Sul e Curitiba. As demais passarão por auditoria nas próximas três semanas. O ministro declarou: “No mercado externo nós devemo correr”. “Nós não podemos permitir o encerramento. Alegou, uma vez que haja o encerramento de um mercado desse, para você reabrir serão muitos anos de trabalho”. Durante a coletiva, Maggi alegou que é natural esperar manifestação dos mais de 30 países para os quais essas fábricas exportaram. Entre eles estão grandes mercados, como os Estados Unidos e Rússia. Nesta segunda-feira, inclusive, o Departamento de Agricultura de Noruega começou a testar para patógenos todas as remessas de carne in natura e pronta para consumo do Brasil. No âmbito dos esforços que estão sendo feitos, Maggi alegou que técnicos do ministério da Agricultura vão participar de teleconferência nesta noite com autoridades de China para o esclarecimento de novos pontos, com o objetivo de “diminuir” a questão. Em relação ao Chile, Maggi realçou que o governo ainda não tem dimensão da limitação, se abrange ou não todo o mercado de carne de Brasil. O governo vai poder inclusive adotar medidas de retaliação, com suspensão de importação de produtos do país vizinho, se este for o caso. “Vou ter, se eu dever ter reação mais forte com o Chile eu. Não há dúvida nenhuma”, declarou Maggi, alegando ter recebido autorização do presidente Michel Temer para ser mais duro nesse sentido. Diante da repercussão negativa da operação em mercados tão exigentes e com a perda no valor de mercado em bolsa de grandes companhias do setor, representantes da indústria de Brasil criticaram nesta segunda-feira a generalização adotada pela PF na divulgação da operação. Segundo Maggi, o ministério da Agricultura continua dando suporte à PF para oacguerrazinhaà corrupção. Ele evidenciou, entretanto, que é necessário que a Polícia Federal tenha conhecimento técnico quanto aa utilização de termos e procedimentos na divulgação de informações. “E que não venham a público com coisas alarmistas como foi feito na última apresentação”, complementou.

Na segunda-feira, Temer convidou embaixadores de países importadores de carne para uma reunião no Palácio do Planalto, às 14 horas.Em entrevista ao GLOBO, Maggi admitiu que alguma perda coerente do esquema de corrupção delatado vai ser inevitável. Segundo os inquéritos da PF, proprietários de frigoríficos pagavam propina a fiscais do Ministério da Agricultura para liberar produtos sem a devida fiscalização.- Blairo Maggi subiu o tom em relação ao comunicado do Chile, apesar de alegar compreender as suspeitas dos países estrangeiros em relação aos 21 frigoríficos sob inquérito na Operação Carne Fraca. Blairo Maggi é o ministro da Agricultura. Se o país deseja embargar toda a carne de Brasil, segundo ele, ainda não ficou claro ou somente das unidades investigadas. Ele declarou, no entanto, que, o Brasil poderá interromper importação de produtos de Chile, caso o Chile opte por um embargo geral. Maggi alegou – e repetiu – que tem a autorização do presidente Michel Temer para ter uma “reação mais forte” com o Chile para “proteger o mercado de Brasil”. Segundo ele, as relações comerciais, muitas vezes, têm que ser feitas dessa maneira, “a cotoveladas”. — Nós temos nossos pontos de argumentos e argumentaremos. Nós somos grandes importadores dos produtos do Chile, como peixes, frutas e maçãs. Os produtores de Brasilde Brasil vivem reclamando que nós deveríamos instituir obstáculos para fazer isso. Comércio é assim, não tem só bonzinho no comércio. O comércio tem que ser feito, muitas vezes, à cotoveladas. Eu vou fazer com toda tranquilidade, se eu dever ter uma reação mais forte para proteger o mercado brasileiro.- Blairo Maggi anunciou nesta sexta-feira em uma de suas contas em rede social que resolveu suspender a permissão de dez dias, regressar ao ministério e afastar da posição todos os servidores envolvidos nas fraudes investigada pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal. Blairo Maggi é o ministro da Agricultura. “Já determinei o afastamento imediato de todos os envolvidos, e a instauração de procedimentos administrativos”, escreveu o ministro em seu Twitter. “Vai dar-se todo suporte em a PF em as apurações.Minha resolução é tolerância zero com atos irregulares no Ministério da Agricultura. Maggi fala, no entanto, que é preciso “separar o joio do trigo” e que muitas ações já foram feitas na pasta para garantir fiscalização correta da produção de carnes. Se o detectou em quase dois anos de inquérito, que superintendências regionais de o Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público.

Leer Más

Carne Fraca: foco de PF era corrupção, não questões sanitárias, declaram fontes

Foto: Wikipedia – Ícone de esboço

– Após a deflagração da Operação Carne Fraca na última sexta-feira, a Polícia Federal passou a receber acusações de todo o país sobre problemas na fiscalização do Ministério da Agricultura, segundo fontes escutadas pelo GLOBO. As informações podem compor novos períodos da ação do PF. A expectativa é grande porque, na operação da semana passada, os agentes identificaram anormalidades em todos os frigoríficos investigados. Essas fontes declararam que isso não significa que havia anormalidades sanitárias em todos eles, mas indícios de corrupção de fiscais do governo. A avaliação de pessoas com acesso àosiinquéritosé que a indicação política de fiscais é o principal gatilho de corrupção desse caso. — Em todos os frigoríficos houve problema. E, veja bem, não estou falando de carne infectada, mas corrupção de agente público, era isso que a PF procurava — frisou uma fonte, que ainda rebateu as críticas feitas à corporação: — Os pde Polinesia Francesanão investigaram qcaracterísticade carnes, mas casos de corrupção de funcionário público designado com indicação política. Quem deve cuidar de questões sanitária não é a Polícia Federal. O que os inquéritos mostraram foi a estratégia para não perder nenhum material. Os agentes aprovaram o uso de carnes que não poderiam, como paletas vencidas desde fevereiro ou uma porcentagem maior que a permitida de cabeça de suíno. Um dos agentes era sócio de duas franquias do Subway, por exemplo, como mostram os inquéritos. Num dos grandes frigoríficos investigados, funcionários tinham as senhas dos fiscais do Ministério da Agricultura. Em outro caso, o servidor declarava que estava em casa enquanto um carregamento era liberado. Quando iniciarem investigar os esquemas em outros estados, os agentes esperam encontrar mais casos assim. — Só Deus sabe aonde parará — desabafou uma outra fonte escutada pelo GLOBO. A operação estremeceu relações com o Ministério da Agricultura, que está inquietado com a repercussão internacional. As críticas de que a PF não teria ido a todos os frigoríficos para saber como eram feitas as carnes se as rebateu com o argumento de que a corporação não estava em busca de inspecionar questões sanitárias. Os agentes visitaram somente um frigorífico porque acharam suficientes os áudios gravados. — É um jogo econômico que tentam nos envolver. Em vez de resolver, jogam para a gente, mas quanto mais batem, mais a gente trabalha — advertiu outro técnico. BRIGA DE ESQUEMA A polícia apura se a acusação feita por um uma briga de os fiscais não provocou ela entre dois esquemas de fiscais de grupos diferentes. Ainda que a atuação desses grupos afastava os fiscais honestos dos principais centros de fiscalização, avalia. — O sistema não é ruim. As pessoas que são — falou a fonte.

A 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba Os mandados judiciais expediu elas e estão sendo satisfeitos em os Estados de São Paulo , Paraná , Santa Catarina , Rio Grande do Sul , Minas Gerais e Goiás , além do DF.”Nós torcíamos para aparecer uma companhia correta . Mas não ocorreu”, alegou Grillo a jornalistas.- A JBS confirmou nesta sexta-feira que a operação deflagrada pela Polícia Federal para desarticular uma organização que pagaria propina para a liberação de mercadorias sem fiscalização incluiu três unidades produtivas da empresa, mas alegou que adota no Brasil e no mundo estritos normas de característica. A PF arremessou nesta sexta-feira uma operação em seis Estados e no Distrito Federal com o objetivo de desarticular organização criminosa formada por fiscais agropecuários federais e cerca de 40 companhias. A PF alegou que entre as companhias estão as gigantes JBS e BRF, acusadas de pagamento de propina para a liberação de mercadorias sem fiscalização. De acordo com um primeiro comunicado da JBS divulgado mais cedo nesta sexta-feira, foram alvo de busca duas unidades que ficam no Paraná e outra em Goiás. Na unidade da Lapa , a companhia informou que houve medida judicial expedida contra um médico veterinário, funcionário da empresa, cedido ao Ministério da Agricultura. Ainda que não há nenhuma medida judicial, a JBS informou contra os seus executivos, bem como que sua sede não foi alvo da operação. Já em novo comunicado na noite desta sexta-feira, a JBS alegou também que “no despacho da Justiça, não há citação a anormalidades sanitárias da JBS”. Porém, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14a Vara Federal de Curitiba, culpada por autorizar a operação desta sexta-feira, alega no despacho da operação que há “inúmeros indícios” de um funcionário do grupo “oferecendo/entregando a servidores públicos do Ministério da Agricultura produtos alimentícios e dinheiro em troca da emissão de certificados, sem a execução de fiscalização necessária à venda e exportação de produtos da ecompanhiaSeara Alimentos”. A Seara é uma das marcas do grupo JBS. De acordo com a PF, os inquéritos da chamada operação Carne Fraca, a maior já realizada pelos de Polinesia Francesa federais, assinalaram que os fiscais recebiam propina para emitir certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva. Um dos exemplos de fraude era a utilização de substâncias capazes de ocultar cheirinhos de carnes estragadas que se as comercializaram . “A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as regras regulatórias em relação à produção e à comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam pucastigar descumprimento de tais noregras afalegou gigante de alimentos no primeiro comunicado. Neste domingo, o presidente Michel Temer e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, se reuném com presidentes das associações do setor agropecuário para tratar dos conseqüência da Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira. O encontro, maracado para as 15 horas no Palácio do Planalto, pretende debater a extensão dos problemas delatados pela PF.

Leer Más

Conselho da Minerva Foods aprova recompra de até 10% das ações em circulação

– A Minerva Foods, uma das maiores companhias de produção e comercialização de carne in natura do país, aprovou nesta segunda-feira programa de recompra de até 10 por cento das ações em circulação da empresa. O programa vai envolver até 9.247.149 ações ordinárias e se conclui em setembro de 2018. As ações da Minerva concluem nesta segunda-feira em queda de 7,4 por cento, a 9,34 reais.

Leer Más

Democratas exigem que Trump peça desculpas a Obama sobre denúncia de grampos

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

Líderes democratas do Congresso dos Estados Unidos pediram nesta segunda-feira que Donald Trump peça desculpas por acusar sem provas o ex-presidente Barack Obama de ter grampeado a Trump Tower de Nova York durante a campanha eleitoral do ano passado. Donald Trump é o presidente do país.

Donald John Trump é um empresário, personalidade televisiva e político estadunidense, sendo atualmente o 45.

Leer Más