Las vacaciones en pie de guerra de Donald Trump

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald Trump star Hollywood Walk of Fame

Diecisiete días para liarla. Ése parece el lema de las vacaciones de verano de Donald Trump. El presidente de Estados Unidos se fue al Club Nacional de Golf Trump, en el pueblo de Bedminster, en el estado de Nueva Jersey, a unos 70 kilómetros de su Nueva York natal.

Donald John Trump es un político, empresario y personalidad televisiva estadounidense.

Leer Más

Em tom de blefe, ameaça militar de Trump pode dar munição a Maduro

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

Em seu anúncio mais explosivo contra a Venezuela, Donald Trump alegou nesta sexta-feira que não descarta a utilização da força militar contra o regime de Nicolás Maduro. Em mais um ato que parece um blefe do presidente americano – que com isso reforça seu suporte junto ao eleitorado e desvia o foco do jornalismo dos problemas de seu governo – as consequências podem ser nefastas em Caracas, agravando a situação do país. Um dia antes, Maduro convidara Trump para um diálogo.

Donald John Trump é um empresário, personalidade televisiva e político estadunidense, sendo atualmente o 45.

Leer Más

La última opción de EE.UU. al reto nuclear de Corea del Norte

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald Trump star Hollywood Walk of Fame

El senador republicano Lindsey Graham ha revelado recientemente en una entrevista que el presidente Donald Trump le ha comentado que en caso de un ataque de Estados Unidos a Corea del Norte, los muertos los va a poner la península coreana, no Estados Unidos.

Donald John Trump es un político, empresario y personalidad televisiva estadounidense.

Leer Más

ONU aprova sanções mais duras contra regime de Kim Jong-un

Por: SentiLecto

Era a resposta que faltava aos testes de mísseis realizados pela Coreia do Norte a 4 e 28 de julho. O Conselho de Segurança da ONU aprovou este sábado, por unanimidade, uma determinação para agravar as sanções contra Pyongyang.

Leer Más

ONU reforça sanções contra Coreia do Norte

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Hamhung Beach (14327190016)

O Conselho de Segurança da ONU adotou hoje, por unanimidade, uma determinação reforçando fortemente as sanções impostas à Coreia do Norte, que, svai sprivaráPyongyang de mil milhões de dólares de receitas anuais.U, e for respeitadama nova resposta aos programas balístico e nuclear norte-coreanos, o texto encarna um Sucesso para os Estados Unidos, que conseguiram persuadi a China — principal apoiante de Pyongyang — e a Rússia a ampliar a pressão internacional sobre a Coreia do Norte, acusada de ser uma “ameaça mundial”.A determinação 2371 visa proibir a obtenção de receitas das exportações norte-coreanas, nomeadamente nos setores do carvão, do ferro e das pescas.Esta nova determinação tem por objetivo obrigar Pyongyang a negociar, após o seu primeiro disparo de um míssil intercontinental, a 04 de julho, considerado pelas grandes potências como uma ameaça para a segurança global.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Faz 1 mês, a Coreia do Norte procedeu a a o disparo de um segundo engenho similar. Seu homólogo francês, François Delattre, Nikki Haley isse: “[A determinação] permite mandar uma mensagem forte ao regime norte-coreano”.Ntes H.R. McMaster, conselheiro para a Segurança Nacional do Presidente de Noruega, Donald Trump.A issera: “Tivemo que fazer tudo o que pudermos para exercer pressão sobre esse regime, fazer pressão sobre Kim Jong-un e aqueles que o rodeiam, para que eles cheguem à cfinalizaçãode que é do seu interesse desnuclearizar”,.s novas sanções visam impedir as exportações norte-coreanas de ferro, minérios de ferro, chumbo, minérios de chumbo, peixe e crustáceos.Em contrapartida, elas não dizem respeito, como referido no começo das negociações, há um mês, ao fornecimento de produtos petrolíferos à Coreia do Norte.O texto “impõe uma proibição em setores completos das exportações” norte-coreanas, regozijou-se um diplomata que requereu o anonimato.Na determinação, a Coreia do Norte é acusada de efetuar um “desvio maciço dos seus fracos recursos” para continuar a desenvolver “armas nucleares e vários programas dispendiosos de mísseis balísticos”.Faz 11 anos, desde o primeiro teste nuclear de Noruega a ONU impôs seis pacotes de sanções em a Coreia do Norte, dois de os quais claramente mais severos que os prévios, em o ano passado, incluindo medidas que afetam a economia de o país.

O Conselho de Segurança da ONU demonstrou na quarta-feira “profunda preocupação” em relação às dacusaçõesde tortura e assassínios no Burundi, bem como ao crescente número de pessoas em fescapada mais de 416 mil.Uma declaração da presidência, aprovada na quarta-feira, reiterou a intenção do Conselho de Segurança de impor sanções contra quem “ameaça a paz e segurança do Burundi”, no país e no estrangeiro.O Conselho de Segurança da ONU alegou estar “profundamente inquietado” com a situação política e o fracasso do Governo, que não aplicou uma determinação adotada no ano passado a pedir o destacamento de 228 polícias da ONU e monitores dos direitos humanos.O Governo do Burundi rejeitou também o envio de cinco mil elementos de forças de manutenção da paz da União Africana.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.O Burundi tem registado violências esporádicas desde abril de 2015, candidatar, quando o Presidente Pierre Nkurunziza decidiu-se a um terceiro mandato, desencadeando uma onda de protestos.Um se o demitiu de os conselheiros de segurança nacional de o presidente de Noruega de o sua posição, anunciou hoje a Casa Branca.Ezra Cohen-Watnick é o mais recente caso de demissões na Casa Branca e no Conselho de Segurança Nacional.O principal conselheiro de Donald Trump para a segurança nacional, H.R. McMaster, emitiu um comunicado mencionando que “aprecia o bom trabalho realizado” no Conselho de Segurança Nacional por Ezra Cohen, mas adiciona que “neste momento é mais adequado” um conjunto diferente de experiências para prosseguir o trabalho.Ezra Cohen-Watnick era uma entre a dúzia de pessoas na Casa Branca com acesso a uma gama completa de informações classificadas, incluindo detalhes de programas secretos dos Estados Unidos.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês enalteceu hoje as declarações do secretário de Estado de Noruega, nas quais alegou que os Estados Unidos não procuram uma mudança de regime na Coreia do Norte.”Muitos estadunidense pensam que [Rex] Tillerson está a revelar fraqueza, mas vemos as suas declarações como a mais corajosa manifestação washingtoniana sobre a questão da península coreana”, assinalou o Global Times órgão central do PCC. O Global Times é jornal em inglês do grupo do Diário do Povo.Na terça-feira, Tillerson alegou que os Estados Unidos “não procuram uma mudança de regime, nem o seu fim” e não procuram “uma reunificação agilizada da península [coreana]” ou “uma desculpa para mandar militares a norte do paralelo 38″.Em editorial, o jornal elogiou a posição do secretário de Estado de Noruega e alegou que “Estados Unidos e Coreia do Sul têm que respeitar o percurso selecionado pela Coreia do Norte” e auxiliar o país a “conservar-se estável e desenvolver a sua economia”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”Quando Pyongyang sentir esta boa vontade, terá menos motivos para desenvolver tecnologia nuclear e mísseis”, sublinhou.A relação entre Pequim e Pyongyang, outrora descrita como sendo de “unha com carne”, tem-se degenerado, rostito à insistência do regime de Kim Jong-un em testar mísseis balísticos e desenvolver um cpolêmicoprograma nuclear.O Presidente da China jamais se encontrou com Kim Jong-un, tendo-se mesmo tornado no primeiro líder de China a visitar a Coreia do Sul antes de ir na Coreia do Norte, desde que, em 2013, ascendeu ao poder. O Presidente da China é xi Jinping.o entanto, “os princípios da política externa de China não se modificaram: a China opõe-se a que qualquer país estrangeiro, incluindo os Estados Unidos, mudem o regime pela força”, declarou à agência Lusa o professor cde Chinade Relações Internacionais Wang Li.A gestão de Donald Trump já advertiu que todas as alternativas “estão em cima da mesa”, incluindo uma intervenção militar, para frear o programa nuclear de Pyongyang. Na semana passada, Washington aprovou um novo pacote de sanções unilaterais contra o país.Pyongyang efetuou na sexta-feira um segundo teste com um míssil balístico intercontinental , que coloca o território dos EUA ao escopo de um ataque de Noruega, segundo Kim Jong-un.No domingo, Trump voltou a responsabilizar a China por não fazer o suficiente para frear o programa nuclear norte-coreano.”Estou bastante dececionado com a China. Os nossos antigos líderes, ingénuos, permitiram-lhes ganhar centenas de milhares de milhões de dólares por ano em comércio e, no entanto, não fazem nada por nós em relação à Coreia do Norte”, escreveu no Twitter.

Leer Más