França, Alemanha e Reino Unido advertem EUA sobre Irã depois de declarações de Trump

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Donald and Ivana Trump

Líderes de França, Grã-Bretanha e Alemanha advertiram os Estados Unidos contra a tomada de resoluções que possam prejudicar o acordo nuclear com o Irã, como voltar a impor sanções depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciar que não certificará o acordo.

Donald John Trump é um empresário, personalidade televisiva e político estadunidense, sendo atualmente o 45.

Leer Más

Opositores do acordo com Irã no Congresso dos EUA viram esperança de resgatar convênio

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Masoodieh

Republicanos no Congresso dos Estados Unidos, há bastante os mais convictos oponentes do acordo nuclear com o Irã, podem ser a maior esperança para preservá-lo, se o presidente Donald Trump serejeitarr na sexta-feira a confirmar que Teerã estásatisfazendoo com oconvênioo.

Rohani em reunião do governo, conforme declarações publicadas pela presidência de Iran declarou: “Se abandonam o convênio, eles vão ter minado a sua dignidade”.

Leer Más

Democratas exigem que Congresso dos EUA mude política sobre controle de armas

Por: SentiLecto

Três dias depois do tiroteio que deixou 59 mortos e mais de 500 feridos na cidade de Las Vegas, o Partido Democrata acusou nesta quarta-feira o Congresso dos Estados Unidos de ter “decidido” pelo povo e exigiu mudanças na legislação que regula o acesso às armas no país.

Leer Más

Twitter fecha mais de 200 contas vinculadas a operadores de Rusia

Por: SentiLecto

O Twitter fechou 201 contas que estavam vinculadas aos mesmos operadores de Rusiade Rusia que publicaram milhares de anúncios políticos no Facebook, informou nesta quinta-feira a rede social.

Leer Más

Congresso informa Donald Trump que sancionar Venezuela pode afetar economia dos EUA

Por: SentiLecto

Foto: Wikipedia – Vote2 final

O Congresso dos Estados Unidos mandou uma carta ao Presidente do país, Donald Trump, informando-o sobre os conseqüência imediatos que pode ter para a economia norte-americana a eventual imposição de sanções à Venezuela afetando o setor petrolífero.”A Venezuela é o terceiro maior provedor de petróleo dos Estados Unidos, depois do Canadá e da Arábia Saudita. Se o processa cerca de %90 de o petróleo de Venezuela importado para os Estados Unidos em a Costa do Golfo. O transporte dessa quantidade de petróleo ampliaria os preços para refinar, diminuiria a eficiência e ampliaria os custos dos combustíveis para os consumidores”, explica o documento, publicado na Internet.Enfatizam: “Dividimo a sua preocupação sobre a intenção do Governo da Venezuela com a formação de uma Assembleia Constituinte para reescrever ostensivamente a Constituição, o que consolidaria ainda mais poder do Presidente Maduro e faria corroer os vestígios das instituições democráticas”.Contudo, segundo os congressistas, as sanções poderiam “desestabilizar os mercados de petróleo a nível global, ampliar os custos globais do petróleo, e fortalecer as economias do Irão e da Rússia”.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.”Estamos inquietados pelo efeito que quaisquer sanções relacionadas com o setor energético, que possam ser impostas à Venezuela, venham a ter para os cidadãos dos EUA. Perceberam-se as consequências inesperadas já em uma variedade de esforços bem-intencionados, através dos anos, inclusive com o nosso próprio embargo petrolífero recentemente retirado “, explicam.Por outro lado, referem ainda temer “que mais venezuelanos padeçam com uma crise económica ainda mais profunda, de ininterrupta carência de alimentos e remédios, de ininterrupta corrupção do Governo, o encarceramento político e a ampliação da violência contra os grupos da oposição”.”Ao formular uma resposta apropria , acreditamos que é vital reconhecer o papel do setor de refinação norte-americano para o nosso interesse nacional e económico. Os medicamentos potenciais têm que ter em conta as instalações energéticas na Costa do Golfo dos EUA, que estão especificamente esboçadas para processar petróleo mais afliçãozinha como o venezuelano”, explicam. Na missiva os congressistas explicam que 51% da habilidade de refinação dos EUA, que “, enfatizam os congressistas, está na Costa do Golfo, nos Estados de Luisiana, Mississippi e Texas, onde há 32.000 empregos diretos e mais de 49.000 indiretos e incluídos num universo de 525.000 postos de trabalho relacionados com a refinação. O documento deduz aplaudindo os esforços para “contrariar o alarmante declive da democracia e do bem-estar social na Venezuela”.

Os presidentes dos Estados Unidos e de França consideraram que o Governo da Venezuela deve “restaurar os direitos dos venezuelanos”.Donald Trump e Emmanuel Macron conversaram na sexta-feira por telefone e “consentiram que o regime de Nicolás Maduro tem que restaurar os direitos dos de Venezuela”, informou a Casa Branca em comunicado.A conversa entre os dois presidentes aconteceu no mesmo dia da instalação da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, órgão integrado somente por representantes ligados ao Governo, apesar da rejeição da oposição e de boa parte da comunidade internacional.Na sexta-feira, o Departamento de Estado de Noruega enfatizou que considera ilegítima tanto a Assembleia Constituinte como o processo pelo qual foi eleita.Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a característica O Jogo.Os Estados Unidos também mencionaram que vão responder à instalação da Assembleia Constituinte com novas sanções.À margem da questão venezuelana, Macron e Trump conversaram sobre maneiras de ampliar a colaboração para as atuais crises na Síria e no Iraque.”Uma possível determinação política na Líbia” foi outro dos temas abordados, segundo a Casa Branca.

Leer Más